sábado, 24 de setembro de 2016

Viva Paulo Freire!

.
Um texto antigo, mas muito atual:
por Olavo de Carvalho
Vocês conhecem alguém que tenha sido alfabetizado pelo método Paulo Freire? Alguma dessas raras criaturas, se é que existem, chegou a demonstrar competência em qualquer área de atividade técnica, científica, artística ou humanística? Nem precisam responder. Todo mundo já sabe que, pelo critério de “pelos frutos os conhecereis”, o célebre Paulo Freire é um ilustre desconhecido.
As técnicas que ele inventou foram aplicadas no Brasil, no Chile, na Guiné-Bissau, em Porto Rico e outros lugares. Não produziram nenhuma redução das taxas de analfabetismo em parte alguma.
Produziram, no entanto, um florescimento espetacular de louvores em todos os partidos e movimentos comunistas do mundo. O homem foi celebrado como gênio, santo e profeta.
Isso foi no começo. A passagem das décadas trouxe, a despeito de todos os amortecedores publicitários, corporativos e partidários, o choque de realidade. Eis algumas das conclusões a que chegaram, por experiência, os colaboradores e admiradores do sr. Freire:
Não há originalidade no que ele diz, é a mesma conversa de sempre. Sua alternativa à perspectiva global é retórica bolorenta. Ele é um teórico político e ideológico, não um educador.” (John Egerton, “Searching for Freire”, Saturday Review of Education, Abril de 1973.)
Ele deixa questões básicas sem resposta. Não poderia a ‘conscientização’ ser um outro modo de anestesiar e manipular as massas? Que novos controles sociais, fora os simples verbalismos, serão usados para implementar sua política social? Como Freire concilia a sua ideologia humanista e libertadora com a conclusão lógica da sua pedagogia, a violência da mudança revolucionária?” (David M. Fetterman, “Review of The Politics of Education”, American Anthropologist, Março 1986.)
“[No livro de Freire] não chegamos nem perto dos tais oprimidos. Quem são eles? A definição de Freire parece ser ‘qualquer um que não seja um opressor’. Vagueza, redundâncias, tautologias, repetições sem fim provocam o tédio, não a ação.” (Rozanne Knudson, Resenha da Pedagogy of the Oppressed; Library Journal, Abril, 1971.)
A ‘conscientização’ é um projeto de indivíduos de classe alta dirigido à população de classe baixa. Somada a essa arrogância vem a irritação recorrente com ‘aquelas pessoas’ que teimosamente recusam a salvação tão benevolentemente oferecida: ‘Como podem ser tão cegas?’” (Peter L. Berger, Pyramids of Sacrifice, Basic Books, 1974.)
Alguns vêem a ‘conscientização’ quase como uma nova religião e Paulo Freire como o seu sumo sacerdote. Outros a vêem como puro vazio e Paulo Freire como o principal saco de vento.” (David Millwood, “Conscientization and What It's All About”, New Internationalist, Junho de 1974.)
A Pedagogia do Oprimido não ajuda a entender nem as revoluções nem a educação em geral.” (Wayne J. Urban, “Comments on Paulo Freire”, comunicação apresentada à American Educational Studies Association em Chicago, 23 de Fevereiro de 1972.)
Sua aparente inabilidade de dar um passo atrás e deixar o estudante vivenciar a intuição crítica nos seus próprios termos reduziu Freire ao papel de um guru ideológico flutuando acima da prática.” (Rolland G. Paulston, “Ways of Seeing Education and Social Change in Latin America”, Latin American Research Review. Vol. 27, No. 3, 1992.)
Algumas pessoas que trabalharam com Freire estão começando a compreender que os métodos dele tornam possível ser crítico a respeito de tudo, menos desses métodos mesmos.” (Bruce O. Boston, “Paulo Freire”, em Stanley Grabowski, ed., Paulo Freire, Syracuse University Publications in Continuing Education, 1972.)
Outros julgamentos do mesmo teor encontram-se na página de John Ohliger, um dos muitos devotos desiludidos (http://www.bmartin.cc/dissent/documents/Facundo/Ohliger1.html#I).
Não há ali uma única crítica assinada por direitista ou por pessoa alheia às práticas de Freire. Só julgamentos de quem concedeu anos de vida a seguir os ensinamentos da criatura, e viu com seus próprios olhos que a pedagogia do oprimido não passava, no fim das contas, de uma opressão da pedagogia.
Não digo isso para criticar a nomeação póstuma desse personagem como “Patrono da Educação Nacional”. Ao contrário: aprovo e aplaudo calorosamente a medida. Ninguém melhor que Paulo Freire pode representar o espírito da educação petista, que deu aos nossos estudantes os últimos lugares nos testes internacionais, tirou nossas universidades da lista das melhores do mundo e reduziu para um tiquinho de nada o número de citações de trabalhos acadêmicos brasileiros em revistas científicas internacionais. Quem poderia ser contra uma decisão tão coerente com as tradições pedagógicas do partido que nos governa? Sugiro até que a cerimônia de homenagem seja presidida pelo ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, aquele que escrevia “cabeçário” em vez de “cabeçalho”, e tenha como mestre de cerimônias o principal teórico do Partido dos Trabalhadores, dr. Emir Sader, que escreve “Getúlio” com LH. A não ser que prefiram chamar logo, para alguma dessas funções, a própria presidenta Dilma Roussef, aquela que não conseguia lembrar o título do livro que tanto a havia impressionado na semana anterior, ou o ex-presidente Lula, que não lia livros porque lhe davam dor de cabeça.
Diário do Comércio de 19 Abr 2012.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

O Espião Mais Indiscreto da França

.
Bernard Barbier, o homem que causou reboliço na Comunidade de Inteligência francesa
Bernard Barbier era tido como o cidadão francês que guardava em seu cérebro os segredos mais inconfessáveis do país. Até este sábado (3/9/16). O mito do personagem mais importante dos serviços de informação da França acabou no chão. Resultou ser o espião mais indiscreto no lugar mais inesperado. O chefe da espionagem exterior entre 2006 e 2014 contou em sua antiga escola como espionou a China, o Canadá e a Espanha; e que Washington grampeava as comunicações de autoridades do Elysee; além de como enviou um Comando francês para matar jihadistas na Mauritânia
Ao se ver no antigo púlpito na Escola Superior de Engenheiros "Centrale Supélec", rodeado de jovens nos mesmos lugares em que estudou, Barbier se desinibiu. Foi no passado mês de junho. Indagado por vários alunos, contou até o que não devia. E se esqueceu de uma regra elementar para um espião: sempre há a possibilidade de estar sendo gravado. Assim foi, e o vídeo acabou nas mãos de um jornalista do diário Le Monde, que publicou a história. 
Como chefe da Direção Geral de Segurança Exterior (DGSE), Barbier criou em 2008 um serviço de captação massiva de dados na Internet, equivalente à NSA norte americana. Um ano depois, talvez para provar sua eficacia, lançou um ataque mundial de pirateamento informático. Entre seus objetivos, organizações iranianas relacionadas ao programa nuclear de Teerã, mas também computadores de autoridades na Espanha, Grécia, Noruega, Argélia, Costa do Marfim e Canadá.
Foram agentes deste último país os primeiros a lançar suspeitas de que a origem do hackeamento massivo estava na França. "E efetivamente, era a França", confessou agora Barbier ante o estupor dos que agora comprovam a inusitada indiscrição de um dos personagens mais poderosos do país.
Contou, também aos hipnotizados alunos que já faz anos que seus espiões estavam "bem conscientes" de que os jihadistas preparavam ataques terroristas contra interesses franceses. Em 2013, por exemplo, seus especialistas e ele mesmo escutaram "interceptações de franceses na Síria, falando a seus familiares e referindo-se claramente a seus projetos de vir a França ..."
Antes disso, em 2010, ele soube que um grupo de islamitas radicais preparava um atentado contra a Embaixada da França na Mauritânia. Os terroristas estavam em um acampamento no deserto e Barbier indicou aos Comandos das Forças Especiais francesas como chegar até eles. "Foram eliminados ao despertarem. Em sinal de agradecimento, o chefe da Equipe de Operações me ofereceu um dos Kalashnikov tomados dos jihadistas".
Outra indiscrição, desta vez tendo os estadunidenses como vítimas. Em 2012, colaboradores diretos do então presidente Nicolas Sarkozy foram espionados por meio de seus computadores. Foi descoberto que, cada vez que entravam no Facebook, e de forma totalmente imperceptível, seus computadores passavam a ser controlados por um hacker.
Em 12 de abril de 2013, e por ordem do já presidente François Hollande, Barbier viajou aos Estados Unidos seguindo a pista dessa espionagem. Ele conta que, ao final de uma reunião com Keith Alexander, chefe da NSA entre 2005 e 2014, escutou uma confissão inesperada. "Estávamos em um ônibus e ele me disse que se sentia decepcionado porque pensava que jamais os detectaríamos. E acrescentou: vocês também são muito bons ..."
Assim, efetivamente, Barbier, criador do ciber exercito francês, contou para aqueles jovens que poderiam ser seus netos que a França é hoje "a primeira potência de espionagem técnica na Europa continental", mas que, em relação ao número de habitantes, "os melhores são os suecos". "Os italianos são ruins. Os espanhóis são um pouco melhores, mas não possuem meios". 
Na hora de dar notas por países, Barbier concluiu com um torpedo dirigido a Londres: Os britânicos, com 6.500 agentes de seu serviço eletrônico, são fortes, ¿mas são europeus?”.
(internacional.elpais.com)
Fonte: tradução livre de Fuerzas Militares

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

O Gramscismo Orientando o Fabianismo Que Nos Domina

.
Antonio Gramsci já alertava que somente pela via armada, os comunistas não chegariam ao poder, ou então, o alcançariam e perderiam em seguida.
Muito mais inteligente que o incompetente Karl Marx e os impulsivos Lenin e Trotsky - talvez auxiliado pelo excesso de tempo que lhe foi disponibilizado (na prisão) para estudar e elaborar suas teorias -, Gramsci conseguiu traçar a estratégia ideal para alcançar os corações e mentes dos que seriam dominados.
Transcrevo abaixo dois textos de autores diferentes, onde o primeiro explica os motivos de sermos um país que se encontra a deriva em termos ideológicos, com uma falsa imagem de democracia, manipulada por quem realmente determina o futuro dos ingênuos brasileiros. No segundo texto encontramos a visão extremamente lúcida sobre os subterrâneos da pantomima que envolveu o processo de impedimento da presidente destituída de seu cargo desmascarando as figuras nela envolvidas.

I
AÉCIO SABE O QUE ESTÁ FAZENDO
por Francisco José Dominguez
Fico muito preocupado quando vejo um articulista que se expressa bem, com capacidade de analisar fatos e concatenar ideias, como o autor do artigo [abaixo], Pedro Henrique Mancini de Azevedo, faz um comentário sobre o Senador Aécio Neves, julgando-o “uma menininha inocente”. Ora, convenhamos, ninguém chega onde ele chegou, sendo inocente…
O ponto mais importante, de todo o nosso cenário político atual, está sendo omitido. O PSDB não é um partido de oposição. É um partido socialista Fabianista. Ou seja, é aliado do PT, é seu cúmplice na implantação do socialismo/comunismo. Portanto Aécio não é inocente, ele é cúmplice do maior estelionato eleitoral que o Brasil já sofreu.
Para quem não conhece o fabianismo, sugiro uma pesquisa sobre o assunto no Google, com a seguinte ressalva: o Google vai mostrar o lado bonitinho do fabianismo, vendendo a imagem de um socialismo moderado. E é exatamente isto que o fabianismo deseja.   Na verdade, o fabianismo foi criado como uma espécie de válvula de escape para as pressões sociais criadas pelos partidos de esquerda revolucionários. Ele se apresenta como um partido de oposição, socialista, mas moderado.
Mas observem, ele JAMAIS critica os princípios socialistas. Só ataca, e violentamente, a direita conservadora. Com isto, vai ocupando os espaços políticos da direita conservadora, apresentando-a como a vilã da história. Quando o povo se cansa das medidas tomadas pelos radicais de esquerda, que criam tensões insuportáveis, o partido socialista fabianista se apresenta às eleições como a oposição que o país precisa. Obviamente consegue ser levado ao poder e passa os próximos anos preparando o retorno dos radicais. Para isto, ele conta com a memória curta do povo. À medida que o povo se esquece das imbecilidades radicais de esquerda, ele cria todas as situações que favorecem o retorno dos radicais, para continuar rumo ao ideal da revolução socialista.
Agora, comparem o que acima está dito, com o que aconteceu no Brasil. O PSDB tomou todo o espaço da oposição. Elegeu FHC como presidente, que fez tudo para facilitar a eleição de Lula, inclusive boicotar as candidaturas de Serra e Aécio, de seu próprio partido.
E agora, meus amigos, preparem-se para o choque: Estamos repetindo a dose do mesmo remédio.
Lula, Dilma e o PT esgotaram a paciência do povo. Suas medidas populistas destruíram a economia e queimaram a imagem dos socialistas radicais. 
Como continuar o “avanço” rumo ao socialismo? Lula passou a “se achar” o dono do mundo, Dilma é autoritária e burra, não conversa com ninguém, quer fazer só o que ela quer. Foi preciso tirar os dois do caminho, um preço pequeno a pagar para manter no poder os mesmos de costume, e continuar no caminho do socialismo. Fez-se o “impeachment”, mas um impeachment ‘Light”, para Dilma não ficar muito frustrada e continuar no time, e se colocou Temer no poder, com o beneplácito do PSDB, que emplacou Serra no Itamaraty. Reparem que o PSDB passa o tempo todo fazendo de conta que é oposição ao PT, mas toda vez que alguma coisa ameaça os interesses socialistas, ele reage, ameaça deixar a “coalizão”, etc..
E o que Serra tem feito? Tratado os países bolivarianos com mão de ferro, para agradar ao povo brasileiro, conservador por excelência e cansado de ditadores de esquerda, feito Fidel, Chavez, Maduro e Evo. Exatamente o que NÃO seria de se esperar de um comunista ferrenho, ex-presidente da UNE. Ou seja, ele está fazendo exatamente o papel que o fabianismo lhe determina. Está dando ao povo aquilo que ele quer, criando uma ilusão de prestidigitador. Dá com uma mão e tira com a outra. Nas próximas eleições o PSDB se apresentará como o partido que o Brasil precisa, que trata os radicais com rigor, e elegerá quem? SERRA, CLARO! E aí, meus amigos, é que vamos ver quem é o verdadeiro Serra….
O problema político brasileiro só faz sentido quando adotamos como premissa básica que o PSDB é isto aí, um cúmplice do PT. Qualquer outra hipótese leva a um quadro onde as coisas não fecham direito, várias lacunas se abrem, as pessoas e fatos parecem não se enquadrar naquilo que poderia ser um quadro mais lógico e provável. Mas basta entender que o PSDB é um partido fabianista, como acima descrito, para que as coisas se encaixem nos devidos lugares.
E esta hipótese responde à pergunta final do artigo abaixo, “Quem tem tanto interesse em proteger o PT?”. Não meus amigos, não é um ministro do STF. É um partido, o PSDB! É FHC, o líder do fabianismo no Brasil, que, segundo ele próprio, FOI comunista e pediu para esquecerem o que ele escreveu no passado. Acredite quem quiser….
Todo o resto é uma grande encenação, com várias cortinas de fumaça….
Abraços 
Dominguez
(também pode ser lido em  Papéis Avulsos)
II
por Pedro Henrique Mancini de Azevedo
Quando você quiser convencer alguém, fale de interesses em vez de apelar à razão.” 
(Benjamin Franklin)
Finalmente chegou ao fim o julgamento do processo de impeachment da ex presidente Dilma Roussef. O julgamento em si não poderia ter sido mais bizarro, mostrando que estamos realmente sendo governados por um bando de malucos. São várias as situações que podem ser comentadas desse freak show, mas com certeza a decisão final de manter o direito de ocupar cargos públicos de Dilma foi a maior delas. Em meio a toda essa confusão, fiz um esforço para tentar trazer um pouco de sentido a tudo que ocorreu.
Antes de começar, porém, é impossível deixar de comentar a ladainha proferida por Dilma durante todo o julgamento, insistindo que o processo era um golpe. Chega a ser hilário. Sinceramente, comecei a imaginar Dilma daqui a uns 15 anos. Imaginem só. Um daqueles jornalistas da “esquerda moderada”, como Caco Barcelos, iriam entrevistar a já bem idosa ex presidente em sua residência. Ao iniciar a entrevista com uma simples saudação matinal, Dilma logo responde: “Foi golpe”. O jornalista, embaraçado faz outra simples pergunta: Podemos iniciar a entrevista, presidenta? Eis que Dilma responde novamente: “Foi golpe”. É mais ou menos assim que vejo Dilma no futuro. Uma senhora transtornada que vive o dia inteiro repetindo “foi golpe” como se fosse um chavão do programa Zorra Total. Mas vamos em frente.
O primeiro fato marcante ocorrido durante a votação foi quando a senadora petista Gleisi Hoffman disse que ali no Congresso não havia ninguém com moral para julgar Dilma. Após vários bate-bocas, o presidente do Senado, Renan Calheiros, tomou a palavra e acabou cometendo um ato falho. Visivelmente irritado, Renan disse que Gleisi não deveria estar dizendo aquilo, já que um mês antes ela teria solicitado a ele para impedir o seu indiciamento no STF, em inquérito relacionado a Operação Lava-Jato. Foi aí que a coisa começou a feder.
Renan, não só comprometeu a senadora Gleisi, mas também a si próprio e a algum membro do STF. Este último foi o que mais me chamou atenção. Quem seria esse membro do STF que Renan foi procurar para impedir o indiciamento da senadora Gleisi e do seu marido? Bem, vamos voltar a essa pergunta mais tarde.
O segundo fato marcante que se deu durante a votação, foi a conversa íntima e descontraída entre o senador tucano Aécio Neves, Dilma, José Eduardo Cardozo e o presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Confesso que diante daquela cena só pude me lembrar da frase de Ronald Reagan que dizia: “Dizem que a política é a segunda profissão mais antiga que existe. Hoje vejo que ela se parece muito com a primeira”. Sábias palavras.
Aécio, assim como a maioria dos tucanos, parece uma menininha inocente, que mesmo após ser corneada pelo namorado inúmeras vezes, continua se arrastando atrás do canalha. Não consigo entender essa necessidade que a maioria dos tucanos tem de agradar um partido como o PT, que atribui a eles todos os males causados neste país. Mas não muito tempo depois, acredito que Aécio viria a se arrepender da sua diplomacia exagerada.
Por fim, o terceiro fato marcante ficou a cargo da advogada de acusação Janaína Paschoal. A jurista, ao proferir seu discurso final, chorou e pediu perdão a Dilma pela dor que ela estava fazendo a ex presidente passar. Mas pediu que Dilma compreendesse que aquilo que ela estava fazendo era visando o futuro dos netos da ex presidente. Ao contrário de muitos, isso não me fez ter uma admiração maior por Janaína, mas sim reforçou a ideia de que temos que ter muito cuidado em cultuar salvadores da pátria. Vejam, por exemplo, o caso de Joaquim Barbosa. O ex presidente do STF era tido por muitos como possível candidato a presidência. Só que o nosso nobre colega acha que o impeachment de Dilma é um golpe. Esse era o nosso messias? Um ex petista que acha que Dilma está sofrendo um golpe? Então, meus amigos, cuidado, pois ser contra o PT é uma coisa, não ser esquerdista é outra completamente diferente. Ser de esquerda, em muitos casos, é patológico.
Dito isso tudo, agora vamos tentar de alguma maneira ligar os fatos. Não é novidade para ninguém que Renan Calheiros, junto com o PT, fez uma manobra para manter os direitos de Dilma em ocupar cargos públicos e logrou êxito. Mas conforme dito antes, há uma pergunta que não foi respondida. Renan foi ao STF para impedir o indiciamento da senadora Gleisi. Logo, ele foi ouvido por algum dos ministros. Mas qual ministro? Quem foi esse sujeito oculto do STF que Renan foi procurar? Precisamos saber, pois esse ministro está completamente comprometido. E uma pessoa com tamanho rabo preso é capaz de até, sei lá, alterar a Constituição. Opa, isso foi feito!
Pois é. No final das contas, a vitória sobre o PT ficou com um gosto amargo. Voltando agora aos fatos mencionados, fico me perguntando o que Aécio Neves e Janaína Paschoal estão achando do PT agora. Será que Aécio ainda quer ir lá e afagar Dilma após ela e o PT terem dado mais uma pernada nele e em todos os brasileiros? Ora, senador Aécio, o PT não tem somente um projeto diferente do seu partido, o PT é uma quadrilha! Será que você não percebe isso? E você, Janaína? Ainda quer chorar e pedir desculpas a Dilma? A Dilma! A mesma Dilma que foi incapaz de pedir desculpas ao povo brasileiro por toda lambança que ela nos colocou; a mesma Dilma que nem sequer teve dignidade que o ex presidente Fernando Collor teve, em renunciar ao seu cargo, a fim de não protelar e subjugar o povo brasileiro a um processo longo e penoso que só atrasou ainda mais a dura missão de tirar a nossa economia do buraco. A essa Dilma que você pede desculpas, Janaína? Quando vocês vão entender que os petistas são embusteiros, golpistas, autoritários e truculentos? Quando?! Quantos golpes a mais vocês irão tolerar?
Enfim, talvez ao invés de tentar reverter esse fatiamento do julgamento de Dilma, devêssemos focar em descobrir o motivo pelo qual essa atitude foi tomada. O acordo entre Renan Calheiros e o PT, com a chancela do presidente do STF - que simplesmente rasgou a nossa Constituição -, precisa ser investigado. E para entender o motivo dessa decisão, basta ir atrás desse sujeito oculto do STF que foi procurado por Renan Calheiros. Esse sujeito teria total interesse em dar uma pedalada na nossa Constituição, pois tem suas digitais em toda a cena do crime. Quem é esse sujeito oculto? Quem tem tanto interesse em proteger o PT? Os indícios apontam para um certo ministro, mas será que ele é o único? Com a palavra, a Justiça brasileira. Se é que ela ainda existe.
Atenciosamente,
Pedro Henrique Mancini de Azevedo
Fonte: correio eletrônico
COMENTO: Apesar de parecerem antagônicos, os dois textos conduzem à mesma conclusão que meus Instrutores repetiam nos anos 70: o inimigo é solerte e insidioso.
Seus autores alertam sobre a maneira de agir dos neo comunistas, na "preparação do terreno" para implantarem sua odiosa ideologia.
Atualmente, a maior prova do conluio entre as duas grandes quadrilhas, ops, partidos, é a atitude servil e submissa adotada pelo "líder" Cássio Cunha Lima, propondo apaziguamentos e aceitação da patifaria ocorrida por ocasião do julgamento separado do impedimento e da suspensão dos direitos políticos da ex presidente da República.
Cássio Cunha Lima, para quem não lembra, é aquele impoluto paraibano que ostenta em seu currículo o fato de ter seu mandato de governador cassado em 2008 pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por uso indevido de dinheiro público. Além de estar envolvido na ação criminal que investiga esquemas de desvios de recursos e lavagem de dinheiro em sua campanha eleitoral de 2006, que está parada no STF. Também é réu na Operação Concord que apura esquemas de desvios de recursos e lavagem de dinheiro. Tal operação é conhecida por ter provocado, literalmente, uma chuva de dinheiro na capital paraibana, porque para não ser pego em flagrante pela Polícia Federal, um operador da política local, Olavo Lira, conhecido como Olavinho, teria jogado R$ 400 mil do alto do edifício ConcordEm 2013, o citado senador foi denunciado por empregar a namorada e a sogra na prefeitura e na Câmara Municipal de Campina Grande, sua cidade natal. Jackson Azevedo, seu cunhado, também ganhou um cargo de supervisor da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) na cidade. Esse currículo, pode ser o motivo para a falta de combatividade do "líder" tucano, mas a maior possibilidade é de que ele simplesmente faça parte da grande pantomima destinada a engambelar os botocudos brasileiros.
Por fim, a leitura dos textos acima só reforça a afirmação que faço constantemente de que PT e PSDB são somente as duas faces da mesma moeda podre do comuno/socialismo, com a qual os patifes pretendem comprar a consciência dos brasileiros. E, aparentemente, estão obtendo exito. 

terça-feira, 30 de agosto de 2016

A Remuneração dos Militares e os Gastos do Governo

.
pelo Gen Div Eduardo Castanheira Garrido Alves
A forte crise econômica que se abate sobre o País requer medidas de contenção de gastos, no âmbito da administração pública. Independentemente dos fatores que deram origem à atual crise, seus reflexos são sentidos diretamente por grande parcela da população brasileira, quer pela perda de poder aquisitivo, ocasionada pelo retorno da inflação, quer pela redução da oferta de emprego, levando à mudança de hábitos de consumo e à busca por novas alternativas de renda.
O Governo Federal tem anunciado, entre outras reformas, a necessidade de uma Reforma Previdenciária que se traduz em mais um grande esforço ao qual todos os cidadãos brasileiros serão submetidos. A argumentação está em que o Tesouro Nacional não tem como arcar com os elevados déficits gerados pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS), pelo Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) e pelas pensões pagas às pensionistas de militares.
Quando se fala em reduzir despesas, é importante destacar que os militares já vêm contribuindo com esse esforço, desde a edição da Medida Provisória (MP) nº 2.131, de 28 de dezembro de 2000, que reestruturou a remuneração nas Forças Armadas, extinguindo vários benefícios.
Com a edição da MP nº 2.131, de 2000, foram extintos os direitos: ao adicional de tempo de serviço; ao auxílio-moradia; à pensão para as filhas; ao acúmulo de duas pensões militares; à contagem em dobro do tempo de serviço para licença especial não gozada; ao recebimento de proventos do posto acima na inatividade; à contribuição para pensão militar de dois postos acima; e à licença especial. Essas mudanças foram implementadas sem regras de transição, ou seja, tiveram efeitos imediatos a partir da publicação da MP – atual MP 2.215-10, de 2001.
O esforço dos militares das Forças Armadas para a contenção de gastos do Governo pode ser traduzido em números. Entre 2003 e 2015, os gastos com inativos militares e pensionistas foram reduzidos em 20% em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), passando de 0,73% para 0,51% do PIB. Para o mesmo período, os gastos com aposentados e pensionistas do RGPS, por exemplo, aumentaram em, aproximadamente, 19%, passando de 6,24% para 7,42% do PIB.
Anualmente, o Ministério da Defesa encaminha ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão o “Estudo Atuarial das Pensões Militares”, que é um dos anexos ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, levado ao Congresso Nacional. Esse documento aponta a tendência de redução dos gastos com nossos pensionistas, ratificando a efetividade da MP 2.215-10, de 2001. Essa tendência foi corroborada pela Nota Técnica Conjunta nº 4/2016 do Congresso Nacional, de 25 de maio de 2016, ao analisar o PLDO 2017, que retrata a redução da diferença entre receitas e despesas do sistema de pensões militares de R$ 11,52 bilhões em 2016, para R$ 8,22 bilhões em 2050.
É indiscutível uma diminuição dos gastos públicos e de uma melhor eficiência e efetividade no emprego de seus recursos públicos, mas no que se refere aos militares das Forças Armadas, faz 16 anos – desde dezembro de 2000 – que as medidas necessárias para a redução de gastos com inativos e pensionistas foram tomadas, com reflexos bastante significativos, que implicaram na supressão de vários direitos dos militares das três Forças, com a consequente perda de poder aquisitivo, de renda e de formação de patrimônio da categoria.
Fonte:  EBlog

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Invasão Islâmica da Índia: O Maior Genocídio da História

.
O artigo que se segue é uma versão em português de Islamic Invasion Of India: The Greatest Genocide In HistoryEste artigo apresenta um resumo de quase 10 séculos de invasões, jihad e domínio islâmico sobre a Índia Histórica (que compreendia os países atuais do Afeganistão, Paquistão, Índia e Bangladesh), destruindo a civilização que permeava esta região.
O que existia da civilização hindu foi destruído, e, aquilo que restou, foi corrompido pelo islã. Por exemplo, práticas tais como o jauhar (auto-imolação ou suicídio das mulheres hindus para evitar a escravidão e o estupro) e o sati (auto-imolação da mulher hindu na pira funerária do marido) surgiram nesta época. A herança islâmica foi o extermínio de centenas de milhões de hindus, estupros em massa de mulheres e a destruição de milhares de templos, universidades e bibliotecas hindus e budistas. A exemplo do que foi feito sobre os escravos africanos negros, os escravos hindus também eras castrados. 
O massacre sistemático ao longo dos séculos criou os romas (ciganos), destruiu o Afeganistão hindu e budista, tornando-o muçulmano, bem como levou a criação recente de dois países muçulmanos, o Paquistão e Bangladesh, cujas populações são compostas pelos milhões de hindus que foram convertidos ao Islã pela espada durante este período. 
Para o Islã, tudo o que não fosse islâmico pertencia a uma época de ignorância - jahiliyya - e devia ser destruído (ou ser apropriado culturalmente e considerado como se pertencesse ao Islã). Pode demorar, mas o destino inevitável de qualquer civilização que caia sob o jugo do islã é o aniquilamento
Deve ser mencionado que as atrocidades também atingiram os siques, que foram terrivelmente perseguidos pelo Império Mongol.
INVASÃO ISLÂMICA DA ÍNDIA: O MAIOR GENOCÍDIO DA HISTÓRIA
O historiador muçulmano Firishta (nome completo Muhammad Qasim Hindu Shah, 1560-1620), o autor do Tarikh-i Firishta e do Gulshan-i Ibrahim (N.T.: duas obras históricas clássicas acerca da conquista da Índia pelo Islã), foi o primeiro a dar uma ideia do tamanho do banho de sangue ao qual a Índia esteve submetida durante o domínio muçulmano. Ele declarou que mais de 400 milhões de hindus foram assassinados durante a invasão e ocupação muçulmana da Índia. Sobreviventes foram escravizados e castrados. Acredita-se que a população da Índia era de 600 milhões à época da invasão muçulmana. Em meados dos anos 1500, a população hindu era de 200 milhões.
Mapa mostrando a localização aproximada do Rio Indo, o berço da civilização hindu, e as regiões que o
cercam: o 
Sinde, o Punjabi e a Cashemira
.
À época em que os britânicos chegaram às praias da Índia, e após séculos de lei islâmica governando a Índia, a população hindu já não se comportava como era a sua norma anteriormente à chegada do islamismo. Os hindus se comportavam como muçulmanos. Há muitos relatos testemunhais dos arquivos britânicos de incidentes horrendos envolvendo hindus, que chocaram os britânicos devido à sua crueldade. Os britânicos, por vezes, se referiam a estas pessoas como 'selvagens'. Sim, qualquer um que se contamine por associação com a 'cultura' islâmica torna-se, verdadeiramente, manchado e brutalizado. Isto é exatamente o porquê desta contaminação ser tão prejudicial e perigosa.
Hoje, como outras culturas com sua alma tão massacrada pelo Islã, a Índia não é de fato uma nação hindu. A Índia é uma sombra do Islã, uma versão “hinduficada" do Islã, aonde toda a atrocidade humana foi copiada e adotada. Tal brutalidade era previamente estranha na cultura hindu. Associadamente à pestilência maometana estrangeira, estes hábitos islâmicos tornaram-se adotados e aceitos como uma parte 'normal' da cultura indiana. Porém, se observarmos a cultura indiana pré-islâmica, ela era em geral uma cultura benevolente de conhecimento e aprendizado, muito mais do que é hoje.
Uma das consequências da jihad islâmica contra a Índia foi ter feito com que o Rio Indo ficasse sob controle muçulmano (Paquistão). A primeira figura que ilustra este texto mostra também alguns outros lugares mencionados neste artigo.
Desde a época da dinastia Omíada (661 a 770 DC) ao último imperador mogol (N.T.: espécie de governante muçulmano), Bahadur Shah Zafar (1858), com seus governantes tão enaltecidos como grandes líderes pelos próprios historiadores indianos, cidades inteiras foram incendiadas e suas populações massacradas, com centenas de milhares de mortos a cada campanha, e números similares deportados como escravos.
Na sua extensão máxima, o Império Mogol (ou Mugal), 1526 - 1827, ocupou toda a Índia Histórica (que inclui 
os atuais Afeganistão, Paquistão, Índia e Bangladesh), exceto a porção mais ao sul da Índia.
Os maiores genocídios do século XX, o sofrido pelo povo judeu (e outras minorias) nas mãos dos nazistas (o Holocausto), 6 milhões; bem como o extermínio dos armênios, gregos e assírios da Anatólia perpetrado pelos turcos (o Genocídio Armênio, dos Gregos Pontios e Assirios), 3 milhões; são minúsculos se comparados com o genocídio ocorrido na Índia Histórica, ao longo de quase 8 séculos.
O Genocídio dos Hindus na Índia foi de proporções ainda maiores. A única diferença foi a de que ele continuou por 800 anos, até que os regimes islâmicos brutais finalmente prevaleceram em uma luta de vida ou morte contra os siques no Punjabi, e contra os exércitos maratas hindus em outras partes da Índia, no final dos anos 1700.
Pintura de Edwin Lord Weeks
Nós reunimos evidência literária do maior holocausto do mundo a partir de relatos testemunhais históricos de época. Os historiadores e biógrafos dos exércitos invasores e governantes subsequentes da Índia deixaram relatos bem detalhados das atrocidades cometidas nos seus encontros rotineiros com os hindus da Índia.
Estes registros de época enalteciam e glorificavam os crimes que eram cometidos, e o genocídio de dezenas de milhões de hindus, estupros em massa de mulheres e a destruição de milhares de templos e bibliotecas hindus e budistas, foram bem documentados e oferecem prova sólida do maior genocídio do mundo.
Dr. Koenraad Elst, em seu artigo “Was There an Islamic Genocide of Hindus?” (Houve um Genocídio Islâmico de Hindus?), declara:
"Não há estimativa oficial do total de hindus mortos nas mãos do Islã. Um primeiro vislumbre de testemunhos importantes de cronistas muçulmanos sugere que, em mais de 13 séculos e em um território tão vasto como o subcontinente (N.T.: indiano), guerreiros sagrados muçulmanos mataram muito mais hindus do que os 6 milhões do Holocausto. Ferishtha lista diversas ocasiões quando sultões bamanis (N.T.: pertencentes ao Sultanato de Bamani) na Índia Central (de 1347 a 1528) mataram 100.000 hindus, número que estes estabeleceram como quota mínima para fins de punição aos hindus. E veja que estes sultões representavam apenas uma dinastia provincial de terceira grandeza. Os maiores massacres ocorreram durante os eventos que se seguiram: ataques de Mahmud Ghaznavi (cerca de 1000 DC), conquista da Índia setentrional por Mohammed Ghori e seus lugares-tenentes (1192) e durante e sultanato de Delhi (de 1206 a 1526)."
Em 1752, o governador muçulmano capturou mulheres siques e deu-lhes a opção de converter ao islão ou terem seus bebês massacrados. Elas se recusaram, o que levou ao massacre de cerca de 300 bebês através de cortar fora membros dos seus corpos ou empalar os bebês com lanças. Órgãos internos foram retirados, com os bebês ainda vivos, e enrocados no pescoço das mães. Ainda assim, elas não se converteram ao islão. Elas foram posteriormente escravizadas sexualmente.
Ele também escreve em seu livro "Negation in India" (A Negação na Índia):
As conquistas muçulmanas, até o século 16, foram, para os hindus, uma luta pura da vida e da morte. Cidades inteiras foram incendiadas e a população massacrada, com centenas de milhares de mortos em cada campanha, e números semelhantes de pessoas deportadas como escravos. Cada novo invasor fez (frequentemente de forma literal) seus montes de crânios hindus. Assim, a conquista do Afeganistão no ano 1000 foi seguida da aniquilação da população hindu. A região ainda é chamada Hindu Kush (ou Indocuche), o que significa "Carnificina dos Hindús."
Will Durant argumentou em seu livro de 1935 "The Story of Civilisation: Our Oriental Heritage" (A História da Civilização: Nossa Herança Oriental) (pág. 459):
A conquista maometana da Índia é provavelmente o acontecimento mais sangrento da História. Os historiadores e eruditos islâmicos registraram com grande alegria e orgulho os massacres dos hindus, as conversões forçadas, o sequestro de mulheres e crianças hindus para mercados de escravos e a destruição de templos promovida pelos guerreiros do Islã durante o período de 800 a 1700 DC. Milhões de hindus foram convertidos ao Islã pela espada durante este período.
François Gautier em seu livro "Rewriting Indian History" (Reescrevendo a História Indiana) (1996) escreveu:
Os massacres perpetuados por muçulmanos na Índia não tiveram paralelo na História. Foi maior do que o Holocausto dos judeus pelos nazistas ou o massacre dos armênios pelos turcos. Maior ainda do que o massacre de populações nativas sul-americanas pelos invasores espanhóis e portugueses.
Mogois carregam a cabeça decepada de dois siques 
para serem vendidas no mercado
O escritor Fernand Braudel escreveu em "A History of Civilisations" (A História das Civilizações) (1995) que o domínio islâmico na Índia como um "experimento colonial" foi "extremamente violento" e que "os muçulmanos não conseguiam dominar o país exceto através de um terror sistemático. Crueldade era a norma - incêndios, execuções sumárias, crucificações ou empalamentos, torturas inventivas. Templos hindus foram destruídos para dar lugar a mesquitas. Em certas ocasiões havia conversões forçadas. Se sequer houvesse o suspiro de um levante, ele era reprimido, instantaneamente e com selvageria: casas eram incendiadas, o interior do país era arrasado, homens eram mortos e mulheres levadas como escravas."
Alain Danielou em seu livro "Histoire de l’Inde" (História da Índia - Editions Fayard, Paris) escreve:
"Do tempo em que os muçulmanos chegaram, por volta de 632 DC, a história da Índia torna-se em uma série longa e monótona de assassinatos, massacres, espoliações e destruição. É, como de costume, em nome de uma 'guerra santa' da sua fé, do seu Deus único, que os bárbaros têm destruído civilizações e dizimado raças inteiras."
O Grão-Mogol e sua corte retornam da Grande Mesquita de Delhi, 
quadro a óleo de Edwin Lord Weeks (1918)
Irfan Husain em seu artigo "Demons from the Past" (Demônios do Passado) observa:
"Mesmo levando em conta que eventos históricos deveriam ser julgados no contexto de seu tempo, não se pode negar que naquele sangrento período da história, nenhuma misericórdia foi demonstrada aos hindus, desafortunados o suficiente por estarem no caminho, quer dos árabes conquistadores do Sinde e Punjabi meridional, quer dos asiáticos centrais que atacaram desde o Afeganistão. Os heróis muçulmanos que tanto despontam em nossos livros de história cometeram alguns terríveis crimes. Mahmud de Ghazni (Gázni), Qutb-ud-Din Aibak, Balban, Mohammed bin Qasim, e o sultão Mohammad Tughlak, todos têm as mãos manchadas de sangue que a passagem dos anos não limpou. Vista aos olhos hindus, a invasão muçulmana foi um desastre não mitigado."
"Seus templos foram nivelados ao chão, seus ídolos esmagados, suas mulheres violentadas, seus homens mortos ou tornados escravos. Quando Mahmud de Ghazni (Gázni) entrou em Somnath em um de seus ataques anuais, ele matou todos seus 50.000 habitantes. Aibak matou e escravizou centenas de milhares. A lista de horrores é longa e dolorosa. Estes conquistadores justificaram seus atos alegando que era seu dever religioso matar os descrentes. Escudando-se na bandeira do Islã, eles alegavam estar lutando por sua fé quando, na realidade, eles estavam apoiando assassinato puro e pilhagem ..."
8 de novembro de 1675. Dois carrascos colocam uma
serra-dupla sobre a cabeça de um sique chamado Mati Das
e perguntam se ele abraçaria o islão ou a morte.
A sua escolha é evidente.
Uma amostra de um testemunho de época relata acerca dos invasores e governantes, durante as conquistas indianas.
O governante afegão Mahmud al-Ghazni invadiu a Índia não menos do que 17 vezes entre 1001 e 1026 DC. O livro Tarikh-i-Yamini, escrito por seu secretário, documenta vários episódios de suas campanhas militares sangrentas:
"O sangue dos infiéis fluía tão copiosamente [na cidade indiana de Thanesar] que as fontes de água perderam sua cor, para não dizer sua pureza, e as pessoas não podiam beber delas. ... Os infiéis desertaram o forte e tentaram cruzar o rio agitado, porém muitos deles foram mortos, levados ou afogados. ... Cerca de 50.000 homens foram mortos.
No registro de época Taj-ul-Ma'asir, escrito por Hassn Nizam-i-Naishapuri, é declarado que quando Qutb-ul Din Aibak (de Turko – de origem afegã e o primeiro Sultão de Delhi - de 1194 a 1210 DC) conquistou Meerat (Mirat), ele demoliu todos os templos hindus da cidade e erigiu mesquitas no seu lugar. Na cidade de Aligarh, ele converteu os habitantes hindus ao Islã pela espada e decapitou todos aqueles que continuaram fiéis à sua própria religião.
Batalha de Chamkaur, onde 43 siques enfrentaram 1 milhão
de mogois, 6 de dezembro de 1705, em Chamkaur, Punjabi
O historiador persa Wassaf escreve em seu livro Tazjyiat-ul-Amsar wa Tajryiat ul Asar que quando Aladdin Khilji (um afegão de origem turca, segundo governante da dinastia Khilji da Índia - de 1295 a 1316 DC) capturou a cidade de Kambayat à entrada do Golfo de Cambay, ele matou os habitantes hindus masculinos adultos para a glória do Islã, fez rios de sangue, enviou as mulheres do lugar com todo o seu ouro, prata e jóias à sua própria casa, e fez cerca de 20.000 virgens hindus como escravas particulares.
A Índia tem uma história cultural longa e profunda. O hinduísmo começou por lá em torno de 1500 AC e o budismo em torno do século 6 AC. Esta cultura evoluiu através de impressionantes conquistas intelectuais, religiosas e artísticas. Antes e depois dos primeiros anos do Islã, os eruditos indianos levaram seu trabalho em ciência, matemática (o zero, a álgebra, a geometria, o sistema decimal, os assim-chamados algarismos 'arábicos' são na verdade de origem hindu), medicina, filosofia, etc., às cortes de outros (inclusive muçulmanos, por exemplo, em Bagdá).
Outros vinham às universidades da Índia. Crianças indianas (rapazes e moças) eram educadas através de um sistema de educação relativamente disseminado, em uma variedade de temas tais como, por exemplo, ciência, medicina e filosofia. A arte e a arquitetura indianas eram magníficas. Eles eram um povo próspero. Então veio o Islã, trazendo: matança, escravidão, estupro, violência e pilhagem; destruição dos sítios religiosos, da arte e da arquitetura; pobreza, exploração, humilhação, fome, conversão forçada, declínio do interesse intelectual, destruição social e piora das condições sociais. Para o Islã, tudo o que não fosse islâmico pertencia a uma época de ignorância - jahiliyya - e devia ser destruído (ou ser apropriado culturalmente e considerado como se pertencesse ao Islã). O massacre criou os romas (ciganos), destruiu o Afeganistão hindu e formou o Paquistão (Cashemira) e Bangladesh. 
O custo das invasões muçulmanas é massivo se contado em vidas, riqueza e cultura. Estimativas sugerem de que de 60 a 80 milhões morreram nas mãos dos invasores e governantes muçulmanos, apenas no período entre 1000 a 1525 (isto é, ao longo de 500 anos, a população diminuiu) (Lal, citado em Khan, p. 216). Impossível, você há de pensar. Na guerra de independência de Bangladesh, em 1971, o exército paquistanês muçulmano matou entre 1,5 a 3 milhões de pessoas (principalmente muçulmanos) em apenas nove meses (Khan, p. 216). O mundo fez vista grossa - mas, não é sempre assim quando são muçulmanos praticando violência? (o número real de hindus brutalmente assassinados por muçulmanos encontra-se ao redor de 400 milhões, não 60 a 80 milhões, como afirmou Firishta, mencionado no primeiro parágrafo).
Baseados nos números disponíveis, o número de indianos escravizados foi enorme.
A conquista muçulmana da Índia foi provavelmente a mais sangrenta da história:
Os historiadores e eruditos islâmicos registraram com grande entusiasmo a matança dos hindus, conversões forçadas, sequestro de mulheres e crianças hindus para serem levadas aos mercados de escravos, e a destruição dos templos promovida pelos guerreiros do Islã durante 800 a 1700 DC. Milhões de hindus foram convertidos ao Islã pela espada neste período (historiador Durant, citado em Khan, p. 201).
Rizwan Salim (1997) escreve o que os invasores árabes realmente fizeram:
"selvagens com um nível civilizacional muito baixo e nenhuma cultura digna de nome, provindos da Arábia e da Ásia Ocidental, começaram a entrar na Índia do início do século em diante. Os invasores islâmicos demoliram incontáveis templos hindus, espatifaram incontáveis esculturas e ídolos, pilharam inúmeros fortes e palácios de reis hindus, mataram um vasto número de homens hindus e sequestraram mulheres hindus. Porém muitos hindus não parecem reconhecer que os pilhadores muçulmanos estrangeiros destruíram a evolução histórica da civilização mentalmente mais avançada da Terra, a cultura mais ricamente imaginativa, e a sociedade mais vigorosamente criativa" (citado em Khan, p. 179)." 
1745. Bhai Taru Singh, 26 anos, tem o seu cabelo
e o couro cabeludo arrancados por se recusar 
a converter-se ao islamismo.
O cabelo é sagrado para os siques.
É claro que os indianos pré-Islã lutavam entre si, porém não era prática escravizar, assolar, massacrar ou destruir sítios religiosos, ou destruir colheitas ou fazendeiros. As batalhas eram geralmente conduzidas em terreno aberto, entre militares (Khan p. 205-207). Não havia o conceito de "butim" (pilhagem), portanto os indianos não estavam preparados para o massacre do Islã. Indianos locais foram forçados a fugir para a selva ou para as montanhas, ou encarar exploração e impostos terríveis, assassinatos ou escravização, enquanto sua sociedade era diminuída e destruída. Os muçulmanos constantemente atacavam a população idólatra local, bem como lutavam uns contra os outros, em constantes revoltas promovidas por generais, chefes e príncipes, durante todo o tempo de domínio islâmico (Khan, p. 205).
Escravidão
Inicialmente, a Índia correspondia à parte do atual Paquistão, Bangladesh/Bengala e Cashemira. No Afeganistão, o hinduísmo e budismo floresciam anteriormente à conquista islâmica (século 7). No Século 16, o Afeganistão encontrava-se dividido entre o Império Mogol da Índia e os safávidas da Pérsia (N.T.: ambos muçulmanos, ou seja, o hinduísmo e o budismo foram erradicados no Afeganistão).
Inicialmente, os omíadas (N.T.: que pertenciam ao califado Omíada, século VIII) concederam aos hindus o status de dhimmi (N.T.: cidadão de segunda classe), possivelmente devido ao seu grande número, resistência ao Islã e seu valor como reserva fiscal. Isto viola o textos Islâmicos bem como a lei islâmica Sharia que demandam morte ou conversão a idólatras e politeístas. Quando o sultão Iltumish (1236) foi questionado do porquê de não ter sido dada aos hindus a escolha entre morte ou Islã, ele respondeu:
"Porém, neste momento na Índia, os muçulmanos são tão poucos que são como sal em um grande prato. Entretanto, após uns poucos anos, quando na capital e nas regiões e em todas as cidades pequenas, quando os muçulmanos estiverem bem estabelecidos e o exército maior, será possível dar aos hindus a escolha entre morte ou Islã" [citado em Lal (c), p. 538] (será que não podemos aprender nada desta afirmação?).
A despeito de seu suposto status de dhimmi, assassinato em massa, conversão forçada em massa e escravidão ostensiva com a resultante conversão forçada ao Islã, foram praticados ao longo de todo o domínio islâmico. Mesmo no século 20, uns tantos exigiam aos idólatras/politeístas que se convertessem ou morressem. Homens e guerreiros hindus foram mortos, bem como mulheres e crianças escravizadas. Escravidão eunuca era praticada entre os jovens.
Mogois despedaçando crianças vivas, estátuas em cera na Índia
Mais frequentemente, os números reais dos hindus mortos não são informados, apenas comentários tais como 'incontáveis escravos/cativos', ou 'todas as mulheres e crianças foram levadas'. Onde números são registrados, eles são aterradores. Juntamente com as pessoas, os muçulmanos levaram tudo que puderam - moedas, jóias, túnicas, mobiliário, ídolos, animais, colheitas, etc. ou os destruíam.
Os governantes muçulmanos eram estrangeiros. Até o século 13, a maior parte dos escravos era enviada da Índia, porém, após o Sultanato de Dehli (1206), eles passaram a ser mantidos na própria Índia para trabalhar para o Sultanato, serem vendidos por lá mesmo, ou enviados para outro lugar. Escravos de outra parte eram importados e exércitos muçulmanos foram compostos por uma ampla gama de grupos de escravos estrangeiros 'convertidos' ao Islã e 'hindus ou indianos conversos'.
Escravos eram o butim prometido por Alá, e obtê-los era uma forte motivação para a jihad.
"Escravos eram tão abundantes que eles se tornaram muito baratos. Homens... eram degradados. ... porém esta é a divindade de Alá, que provê honra de sua própria religião e degrada a infidelidade" [cronista muçulmano Utbi, acerca do ataque escravagista de Ghazni promovido pelo sultão Subuktigin (942-997) em Sookdheo, p. 166].
Em Sinde (primeira área atacada com sucesso), a primeira comunidade 'muçulmana' era composta principalmente de escravos forçados ao Islã e por um pequeno número de senhores árabes (Khan, p. 299). Inicialmente, escravos eram forçados a migrar da Índia. Por exemplo, Qasim (árabe), o conquistador de Sinde, enviado por Hajjaj bin Yusuf Sakifi, do califado de Walid I, escravizou 300.000 pessoas durante uma campanha de três anos (de 712 a 715) (Khan, p. 299; Trifkovic, p. 109). Guerreiros muçulmanos vieram de toda parte para compartilhar desta jihad. Qasim foi subitamente chamado de volta e executado (possivelmente sendo atirado no covil de um animal) por supostamente violentar duas princesas Sindes destinadas ao harém do califa [Lai(c), p. 439].
Os turcos-gaznévidas de Ghazni, Afeganistão (de 997 a 1206), que subjugaram o Punjabi
Através de 17 ataques (de 997 a 1030), o sultão Muhmud Ghazni (um turco do Afeganistão, 997-1030) enviou centenas de milhares de escravos para Ghazni (no Afeganistão), o que resultou em uma perda de cerca de dois milhões de pessoas devido a assassinatos e escravidão, seguida de venda para fora da Índia (Khan, p. 315). Cronistas (tais como, Utbi, secretário do sultão), forneceram alguns números. Por exemplo, de Thanesar, o exército muçulmano trouxe 200.000 cativos a Ghazni. Em 1019, 53.000 pessoas foram levadas. Certa vez, a quinta parte pertencente ao califa foi de 150.000, sugerindo portanto um total de 750.000 cativos. Quinhentos mil foram levados em uma campanha (em Waihind) [Lai(c), p. 551]. Registra al-Utbi, secretário de Muhmud:
"Espadas cintilavam como relâmpagos no negrume das nuvens, e fontes de sangue fluíam como a queda de um enxame de estrelas. Os amigos de Alá derrotavam seus oponentes. Os muçulmanos deflagraram sua vingança sobre os inimigos infiéis, matando 15.000 deles. Tornando-os comida de feras e aves de rapina. Alá também derramou sobre seus amigos uma tal quantidade de butim, além de quaisquer cálculos, incluindo 500.000 belos escravos, homens e mulheres." (Khan, p. 191).
Os gaznévidas governaram no ‘Sultanato Islâmico do Punjabi’ até 1186. Ataques em Cashemira, Hansi e distritos de Punjabi, resultaram em assassinatos em massa e escravização, por exemplo, de uns 100.000 indivíduos em um ataque ocorrido em 1079 no Punjabi [Tarik-i-Alfi em Khan, p. 276-7; Laj(d), p. 553].
"Mesmo um cidadão comum, muçulmano pobre, tornava-se dono de numerosos escravos." [Khan, p. 103; Laj(c), p. 537]. 
O sultanato de Dehli foi estabelecido sob os governantes gaznévidas (turcos) Muhammad Ghauri (afegão) e seu comandante militar e futuro governante Qutbuddin Aibak (de 1206 a 1210). Decapitações em massa, escravização, conversões forçadas, pilhagem e destruição de templos continuaram. Escravos eram incrivelmente abundantes. Em 1195, Aibak levou 20.000 escravos de Raja Bhim e em 1202 levou 50.000 de Kalinjar [Laj(c), p. 536].
Durante os séculos 13 e 14, sob o governo de Khilji e Tughlaq, o escravagismo cresceu à medida que o Islã se expandiu. Milhares de escravos eram vendidos a baixos preços, todos os dias (Khan, p. 280). A captura de escravos por Alauddin Khilji (de 1296 a 1316) foi espantosa. Ele algemava, acorrentava e humilhava os escravos [Laj(c), p. 540]. 
A noiva se joga na pira funerária de seu marido.
 Pintura em miniatura originado no período da
dinastia Safavid, primeira metade do Sec 17.
 (Atribuída ao pintor Muhammad Qasim.)
Somente no saque de Somnath ele "levou cativo um grande número de donzelas elegantes e bonitas, totalizando 20.000, além de crianças de ambos os sexos. Mais do que a pena pode enumerar. O exército maometano levou o país à ruína total, destruiu as vidas dos habitantes e pilhou as cidades, capturando a sua prole." [historiador citado em Bostom, p. 641; Lai(c), p. 540].
Muitos milhares foram massacrados. Alauddin Khilji (de 1296 a 1316) possuía 50.000 escravos masculinos jovens a seu serviço pessoal, sendo que 70.000 escravos trabalhavam continuamente em suas construções [Laj(c), p. 541].
Mulheres praticavam o jauhar (auto-imolação ou suicídio para evitar a escravidão e o estupro) e o sati (N.T.: auto-imolação na pira funerária do marido).
O sufista Amir Khusrau comenta: "Os turcos, sempre que os agrada, podem capturar, comprar ou vender qualquer hindu" [Lai(c), p. 541].
Escravizados e castrados
Por todo o mundo islâmico, os conquistados eram castrados, inclusive na Índia. 
Sultão Ala Ud Din posto em fuga;
Mulheres de Ranthambore cometem Jauhar
Isto era feito para que os castrados guardassem os harens, provessem prazer carnal aos governantes, e fossem devotados a estes já que eles não tinham esperança de terem uma família deles. E, é claro, isto rapidamente reduzia a prole dos conquistados. A castração era uma prática comum por todo o domínio muçulmano, possivelmente tendo contribuído para o declínio da população da Índia de 200 milhões em 1000 DC para 170 milhões em 1500 DC (Khan, p. 314).
Akbar, o Grande (1556-1605), possuía eunucos. Said Khan Chagtai (um oficial do Jahangir, filho de Akbar) possuía 1200 eunucos. No reino de Aurangzeb, em 1659, na cidade de Golkunda (Hyderabad), 22.000 meninos foram emasculados e dados a governantes e governadores muçulmanos ou então vendidos (Khan, p. 313).
Guarda eunuco
O sultão Alauddin Khilji (de 1296 a 1316) possuía 50.000 meninos a seu serviço pessoal. O sultão Muhammad Tughlaq (de 1325 a 1351) possuía 20.000 e o sultão Firoz Tughlaq (de 1351 a 1388) possuía 40.000. Firoz Tulghlaq gostava de colecionar meninos sob qualquer forma e possuía 180.000 escravos no total [Lal(c), p. 542]. Vários comandantes subordinados a vários sultões eram eunucos. Historiadores muçulmanos registraram a paixão que tinham os sultões Mahmud Ghazni, Qutbuddin Aibak e Sikandar Lodi por homens jovens atraentes. O sultão Mahmud era apaixonado pelo seu comandante hindu Tilak (Khan, p. 314).
N.T.: por mais paradoxal que possa parecer, a colonização britânica da Índia salvou a Índia e o hinduísmo. A chegada dos britânicos destruiu o Império Mogol. Se os britânicos não tivessem chegado, o destino da Índia seria o de se tornar totalmente islâmica.
O que resta saber é se os indianos irão continuar o negacionismo histórico ou se eles irão encarar a verdade histórica de frente.

Referências e links:
1) Bostom, A. G. ‘The Legacy of Jihad: Islamic holy war and the fate of the non-Muslims.’ Prometheus Books. New York. 2005.

2) Brahmachari, Dr. Radhasyam. Como os Sikhs rebateram a brutalidade dos invasores muçulmanos estrangeiros e se tornaram governantes na Índia. Texto em inglês, em dez partes. Parte1Parte 2Parte 3, Parte 4, Parte 5Parte 6Parte 7Parte 8Parte 9, e Parte 10.

3) Braudel, Fernand. A History of Civilisations. Penguin Books, New York 1995)

4) Brutalidade do ISIS é Copia do que os Mugais Fizeram com os  Sikhs no Punjab, em inglês. 

5) Danielou, Jean. Histoire de l’Inde. Editions Fayard, Paris.

6) Durant, Will. The Story of Civilization. Vol. 1: Our Oriental Heritage. New York: Simon and Schuster, 1935.

7) Elst, Dr Koenrad. Negationism in India, Voice of India, New Delhi.

8) Elst, Dr Koenrad. “Was There an Islamic Genocide of Hindus?” (article)


9) Gautier, François. ‘‘Aurangzeb, as he was according to Mughal Records’’, ‘FACT – India


10) Gautier, François. Rewriting Indian History, Vikas Publishing House, New Delhi 1996

11) História da Jihad contra os Hindus da Índia, Paquistão e Bangladesh (638 - atualmente). em inglês.

12) Husain, Irfan. “Demons from the Past” (article in the ‘Daily Times’, Pakistan, August 30, 2004.

13) Khan, M. A. ‘Islamic Jihad: A legacy of forced conversion, imperialism and slavery.’ iUniverse, Bloomington, IN. 2009.

14) Lal, K.S. Growth of Muslim population in India (A.D. 1000-1800). Voice of India, New Delhi.

15) Lal [a], K.S. Muslims invade India, p 433-455 in Bostom (1) acima.

16) Lal [b], K.S. Jihad under the Turks and jihad under the Mughals, p 456-461 in Bostom (1) acima.


17) Lal [c], K.S. Slave-taking during Muslim rule, p 535-548 in Bostom  (1) acima.


18) Lal [d], K.S. Enslavement of Hindus by Arab and Turkish invaders, p 549-554 in Bostom (1) acima.


19) Lal [e], K.S. The Origins of Muslim slave system, p 529-534 in Bostom (1) acima.


20) Naqib, Ahmad ibn; Reliance of the Traveller: A classic manual of Islamic sacred law; Amana Publications, Maryland, USA, 1994. (
em árabe, com alguns textos em Inglês, comentários e anexos editados e traduzidos por Nuh Ha Mim Keller Al-Misri)

21) Sookhdeo, P. ‘Global Jihad: The future in the face of Militant Islam.’ Isaac Publishing. 2007.


22) The Hindu Holocaust Museum website.


23) The ‘Hindu Wisdom’ website.

24) Stephen Knapp website.

25) Tráfico Islâmico de Escravos Indianos, em inglês. 

26) Trifkovic, S. ‘The sword of the prophet.’ Regina Orthodox Press, Inc. 2002.

27) Ye’or, Bat. ‘Islam and Dhimmitude: Where civilisations collide’. Fairleigh Dickinson University Press 2002, reprint 2005.(
traduzido do francês para o inglês por Miriam Kochan e David Littman)