sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Deu zebra na Rocinha. Prenderam o Nem: ele está vivo e pode dar com as línguas nos dentes

por Pedro Porfírio 
Beltrame é “um dos caras mais inteligentes que já vi. Se tivesse mais caras assim, tudo seria melhor. Ele fala o que tem de ser dito. UPP não adianta se for só ocupação policial. Tem de botar ginásios de esporte, escolas, dar oportunidade”. 
Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha
Deu zebra. A operação montada para tirar o traficante Nem tropeçou em dois policiais cabeças duras do Batalhão de Choque. Essa cena não estava no script de quem montou a fuga, que falhou da mesma forma que a de outros bandidos, presos na Gávea, apesar da escolta de cinco policiais.
Deu zebra das grandes: Nem está vivo e, se for interrogado por profissionais competentes, vai ter novidade aos montes. Não só dos policiais e autoridades – mas, por exemplo, sobre uma certa cervejaria que tem praticamente o monopólio das biroscas da Rocinha.
Já ouvi muitos ruídos de "fontes fidedignas" e posso dizer, desde já, que a coisa é muito mais feia do que parece. É coisa de cachorro grande, que vão tentar abafar como fizeram com a “Operação Guilhotina”, que sujou o então chefe de polícia Allan Turnowski, demitido oficialmente do cargo, mas já de novo nas cabeças, sabe Deus porque.
Nesse caso, vale você mesmo procurar entender: a implantação da UPP na Rocinha estava prevista para 2012, na melhor das hipóteses. Por que agora, correndo, com anúncios reluzentes e encenação de fazer inveja a Hollywood?
O vice-governador Pezão, que andou muito por lá, supervisionando as obras do PAC, disse que uma operação dessas precisaria de dois mil efetivos, o equivalente a quatro BPMs. Portanto, apesar do monte de dinheiro público jogado lá, coisa que passa dos 800 milhões de reais, o governo teria de conviver com o todo poderoso chefão da maior favela carioca.
Pezão pode-se dizer um grande especialista em Rocinha. Ele e o deputado André Lazaroni (ex-PV) que fechou a área com o apoio do pessoal da Associação de Moradores de lá, agora “reeleito” com as bençãos de Nem.
Além de tudo, por alguma razão que só Deus sabe, as UPPs ainda têm como foco as comunidades dominadas pelo Comando Vermelho, facção criada na Ilha Grande quando puseram na mesma Galeria A os assaltantes de bancos e os presos políticos. Naquela época, também o tiro saiu pela culatra. Pra entender melhor, alugue na sua locadora o filme Quase Dois Irmãos, obra magistral da diretora Lúcia Murat, rodado em 2004. E a Rocinha é da facção Amigos Dos Amigos.
Deu zebra porque queriam dar sumiço no Nem vivo ou morto. Esse aí é um arquivo altamente explosivo.
Ele precipitou a fuga depois que soube do fiasco com os comparsas protegidos por policiais muito bem relacionados. Achou que esperavam um recuo da sua turma naquela noite. Mas deu zebra.
O tenente Disraeli Gomes e o cabo André Souza se empombaram com o “cônsul da meia noite”. Viram que tinha truta naquele Corolla. E não estavam a par do script. Pode ser que os advogados que conduziam Nem desceram pela saída errada. Eles subiram até o alto do Morro, na Rua 1, e pegaram a descida que dá na Marquês de São Vicente, na Gávea, evitando São Conrado. Estavam tão confiantes que não usaram uma única viatura para dar cobertura.
Aí pode ter havido outra falha no script. Desde a investigação fulminante que a Polícia Civil e o Ministério Público fizeram no caso da juíza Patrícia Acioli, levando para a cadeia um comandante de Batalhão, as relações entre as suas corporações, que nunca foram boas, azedaram de vez. O pessoal do Choque pode ter dado o troco, embora, até agora, ninguém tenha sido questionado, até porque o subsecretário de Polícia Civil, Fernando Veloso, está jurando que o deslocamento do delegado Roberto Gomes Nunes, de Maricá, para tomar Nem dos PMs cabeças duras, foi com a melhor das intenções e por ordens suas, expedidas diretamente da Alemanha, onde, por coincidência, estava o seu chefe, José Maria Beltrame.
Segundo Veloso, Nem estava negociando sua rendição. Sui generis: ia se render com um milhão na mala. Onde já se viu rendição com tal numerário, cara pálida?
Tenho muito que falar, mas por enquanto reservo-me do direito ao silêncio. Rute de Aquino, jornalista séria, divulgou agora uma entrevista que fizera com Nem pouco antes de sua prisão. Fez isso, provavelmente, para não glamourizá-lo.
Eu vou deixar falarem mais, para ver onde vão chegar. Mas convido você a ver o filme da campanha vitoriosa da chapa apoiada pelo tráfico na recente eleição para a Associação de Moradores da Rocinha. Clique aqui e veja as imagens e ouça a música. Depois me diga o que você sacou.
*****************
Pedro Porfirio é cearense, nascido em 1943, chegou ao Rio aos 16 anos, indo ocupar o cargo de secretário da UBES. Aos 17, fez-se jornalista como repórter da Última Hora. Aos 18, era o editor da Rádio Havana, em Cuba. Aos 20, de volta ao Brasil, dirigia o semanário das Ligas Camponesas.  Preso em 1969, depois do AI-5, permaneceu encarcerado um ano e meio. Com a redemocratização, foi eleito vereador em 1992 no Rio de Janeiro exerceu o mandato até 2007.

Nenhum comentário: