terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

George Washington - Soldado, Estadista ... e Espião-Mestre

.
Recorte de quadro com o general George Washington reunindo suas tropas na batalha de Princeton. 
Pintura original por William Tylee Ranney, na galeria de arte da Universidade de Princeton













Todos os anos, os estudantes norte-americanos celebram o Dia do Presidente (e seu feriado). Nas escolas de ensino fundamental de todo o país, as crianças fazem perucas com bolas de algodão, colorem imagens de George Washington a cavalo, ou de Abraham Lincoln em uma cabana de madeira, enquanto seus professores leem para eles trechos da Declaração de Independência ou do Discurso de Gettysburg.
Dependendo de onde cresceram, os Norte-americanos podem comemorar esse feriado de forma diferente. Devido ao sistema federalista do governo, os estados escolhem como usar o feriado. Alguns o nomeiam como Aniversário de Washington, outros como o Dia do Presidente, outros referem-se a Washington ou Lincoln e, pelo menos um, cita especificamente o nome de Thomas Jefferson.
Mas de acordo com o governo federal, a terceira Segunda-feira de Fevereiro é oficialmente o Aniversário de George Washington (OK, OK, George Washington na verdade nasceu em 22 Fev 1732, mas vamos em frente. Há uma boa história sobre como o feriado veio a ser o que é, e você pode ler a respeito no Arquivo Nacional).
Um dos mais famosos mitos sobre Washington é o da cerejeira. Quase todos os Norte-americanos o conhecem: quando criança, ele cortou a cerejeira que seu pai gostava com uma machadinha. Quando confrontado, ele responde, com uma frase que qualquer aluno do ensino fundamental pode recitar: "Pai, eu não posso dizer uma mentira." O conto fala da virtude inerente de Washington, e ainda fixou sua lenda como o ideal para um líder americano, "Pai" de nosso país.
A lenda do jovem George Washington sendo incapaz de dizer uma mentira. Pintura original por John C. McRae.
Livraria do Congresso 
Poucas crianças aprendem que nosso honrado e honesto "pai fundador", ganhou a Guerra pela Independência não só por causa de suas proezas militares, mas em grande parte também por sua capacidade de enganar. George Washington foi muitas coisas durante sua vida: fazendeiro, amante dos cães, atleta, topógrafo, soldado, presidente ... a lista parece interminável. Mas muitos esquecem ou nem ficam sabendo que ele também era um mestre espião.
Construímos uma mitologia nacional em torno de Washington como um líder destemido e humilde servo. E de acordo com todas as contas, ele era essas coisas. No entanto, muitas das histórias que aprendemos sobre ele foram feitas após a sua morte - como a história da árvore de cereja. São lendas e mitos atribuídos a um homem já grande que não precisava de embelezamento.
Mas nesta história você pode acreditar.
A primeira experiência de Washington com espiões foi ao servir quando jovem oficial na Guerra Francesa e Indiana. Ele aprendeu táticas e técnicas do mesmo Exército Britânico que ele mais tarde enfrentaria na Guerra Revolucionária.
Hoje, a Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos é composta por 17 agências e órgãos, todos servindo nossos líderes nacionais - diplomatas, combatentes, o Presidente - de diferentes maneiras. No Exército Britânico dos anos 1700, se um oficial precisasse da Atividade de Inteligência, era geralmente ele quem teria que desenvolver sua própria rede. Washington acreditava tão fortemente no valor da boa Inteligência que gastou aproximadamente 10% de seu orçamento nela.
Mais tarde, como um Revolucionário Norte-americano, Washington construiu e dirigiu o notório (pelo menos para a Coroa Britânica ) grupo de espiões conhecido como o Anel Spy Culper. Ele mesmo recrutou muitos desses espiões. A fim de proteger esses recursos de inteligência, ele muitas vezes teve o cuidado de sempre evitar saber suas identidades reais. Há muitos espiões Culper Ring, cujas identidades permanecem desconhecidas até hoje.
O preço da espionagem na Guerra Revolucionária era alto, tanto para os revolucionários quanto para os leais à Coroa. Normalmente, os espiões presos e condenados eram executados. Nomes como Nathan Hale e Benedict Arnold evocam imagens da forca (embora, Arnold, o espião britânico mais conhecido da Revolução Americana, tenha evitado sua captura e mais tarde se tornado um General britânico).
Muito parecido com os juramentos de hoje, os militares tinham de assinar um juramento de fidelidade aos EUA. Este juramento foi levado a sério, e muitos espiões foram executados. Benedict Arnold, cujo juramento é visto aqui, não foi executado. Ele foi um "vira-casaca" que aceitou uma comissão no exército britânico e foi viver em Londres. Arquivo Nacional.
O Culper Ring ou Anel de Culper é epônimo com dois nomes de cobertura dos espiões, usados ​​em troca de correspondências, Samuel Culper e Samuel Culper Jr. Eram de fato as identidades falsas de Abraham Woodhull e de Robert Townsend, respectivamente. Seus pseudônimos foram usados ​​nas cartas de Culper Ring para que suas atividades de espionagem não fossem conectadas às suas identidades reais.
No mundo real, eles seguiam sua vida colonial normal, usando seu status social e profissional para alimentar com informações valiosas a causa dos revolucionários. Townsend, por exemplo, era um comerciante que dirigia uma loja de café local, e outro membro do Culper Ring, Hercules Mulligan (que ganhou notoriedade recente como um personagem no musical Hamilton), foi um alfaiate para oficiais militares britânicos.
É importante notar também que muitas mulheres contribuíram para as atividades de inteligência de Washington. Mulheres como Anna Strong, que desenvolveu um "código de varal", foram fundamentais para o sucesso das operações de inteligência. Uma mulher, que morreu na prisão, ainda é conhecida pela História como Agente 355.

Cópia de página do Culper Code Book, que
ajudou a manter várias ações  militares
e informações ocultas dos britânicos.
Arquivo Nacional.
Grande parte das técnicas que nós associamos hoje à espionagem - "dead drops" (pontos para troca de dados), mensagens cifradas, nomes de código - todos eles foram usados ​​pelo Culper Ring. Em particular, Washington estava interessado em ter uma maneira de enviar mensagens com segurança. Uma dessas maneiras era tinta invisível.
Algumas tintas invisíveis anteriores eram de natureza ácida e sutilmente alteravam as fibras do papel para que o receptor pudesse lê-lo sob calor. Washington queria algo mais seguro, e contratou James Jay, um médico na Inglaterra e irmão do patriota John Jay, para desenvolver uma nova "mancha simpática".
Uma mancha simpática é uma escrita feita com um produto químico e revelada por outro. Se alguém recebeu uma carta incluindo mensagens secretas, usaria este produto químico secreto para aplicá-lo na carta para revelar o texto oculto.
Alguns no Culper Ring acreditavam que os britânicos também conheciam o produto químico para revelar essa mancha simpática. Assim, os espiões desenvolveram um Livro de Código Culper, onde números substituíam nomes de várias pessoas, lugares e ações. Por exemplo, 727 era a cidade de Nova York. E o agente 711? O próprio Washington.
As táticas de Washington foram excelentes para aquela época, mas o que realmente ganhou a guerra foi a sua capacidade de enganar os britânicos. Uma das táticas mais eficazes para o nosso jovem Exército Revolucionário era o que agora chamamos de Contra-Informação ("decepção militar", ou MILDEC, em inglês). Washington sabia que suas cartas eram muitas vezes, se não sempre, interceptadas. Em vez de mudar táticas o tempo todo, muitas vezes ele aproveitou a oportunidade para plantar algumas informações falsas.
Às vezes, ele exagerava o efetivo de tropas em mensagens que sabia que provavelmente seriam interceptadas. Ele foi mais longe, a ponto de colocar, às vezes, ordens de fornecimento totalmente falsas para fazer os britânicos acreditarem que as forças americanas estavam se preparando para atacar, ou que estavam sendo construídos acampamentos inteiros em locais-chave.
A rendição de Cornwallis a Washington em Yorktown. Os esforços militares e de inteligência de Washington levaram os Patriotas à vitória, ganhando os Estados Unidos a sua independência da Inglaterra.
Pintura por John Trumbull. A pintura está atualmente na exposição no Capitólio dos EU.
A Contra Infomação foi uma parte importante no conflito decisivo da guerra, a Batalha de Yorktown. Washington fez tudo parecer como se os patriotas estivessem planejando atacar a cidade de Nova York, quando, na realidade, os americanos e os franceses objetivavam Yorktown e a baía de Chesapeake. Washington construiu falsos "acampamentos" fora da cidade de Nova York e quando "seus planos de se mudar para a cidade inadvertidamente caíram em mãos erradas", o mal preparado efetivo do Exército Britânico que ocupava Yorktown foi subjugado por um Exército Continental com o dobro do seu tamanho.
O resto, como dizem, é história.
Mas isso não é realmente o fim da história. Após assumir, o Presidente Washington definiu o primeiro Orçamento para a Inteligência da nova nação. Depois de três anos no cargo, o fundo cresceu para US $ 1 milhão. Isso não parece muito agora, mas era 12% do orçamento do governo na época.
O Orçamento também podia ser mantido em segredo do Congresso para proteger as missões realizadas pelo Poder Executivo (hoje nossas principais informações sobre o Orçamento de Inteligência são de conhecimento público). Este investimento seria indispensável para futuros presidentes. Pouco depois da criação do fundo, os sucessores de Washington, Presidentes Thomas Jefferson e James Madison, usaram o fundo para missões internacionais secretas visando promover os interesses dos EUA.
A confiança de Washington no poder da boa Inteligência levou nossa jovem nação para o sucesso militar e diplomático. Enquanto o público em geral pode estar menos familiarizado com a história de George Washington como o primeiro espião da nação, a Comunidade de Inteligência dos EUA ainda honra este importante aspecto do legado do nosso primeiro presidente, com o Prêmio George Washington Spymaster.
Concedido aos Profissionais da carreira de Inteligência cuja "liderança visionária, contribuições inestimáveis ​​e realizações incomparáveis ​​revolucionaram a CI e executaram fundamentalmente Operações de Inteligência para garantir a preservação de nossa segurança nacional", o Prêmio George Washington Spymaster é a maior honra entregue pela Comunidade de Inteligência dos EUA .
O Prêmio George Washington Spymaster em suas diversas formas: de cima para baixo, barreta para uniforme, pin para lapela, miniatura da medalha, e medalha.  Embora o centro pareça a bandeira do DC, foi na verdade Washington, DC, que adotou o brasão da família de Washington.
A medalha em si é um tributo a George Washington. A bússola que forma a peça central da medalha é o símbolo adotado da Comunidade de Inteligência. Dentro dela, o brasão da família de Washington. O azul significa a fidelidade do Anel Spy Culper, e a prata representa a avaliação da verdade.
Embora não esteja visível aqui, a parte traseira contém uma inscrição adotada do lema da família de Washington: "Exitu Acta Probat". Traduzido, significa "Os fins justificam os meios". Washington adicionou-o ao brasão para homenagear o papel da Inteligência na Guerra Revolucionária.
A medalha exibe um Grifo saindo da coroa (coronet), usado no escudo de Washington durante toda sua vida. O Grifo simboliza sabedoria, vingança e força.
Como aconteceu com os membros do Anel Culper, a natureza de muitas das realizações de nossos Spymasters, como a famosa Agente 355, o público em geral nunca saberá seus nomes.
Mas há uma mulher cujas contribuições para a Comunidade de Inteligência não permanecerá em segredo. É a recente ganhadora do Spymaster, Stephanie O'Sullivan, Diretora-Adjunta da Inteligência Nacional recentemente aposentada.
Ela iniciou sua carreira como "garota-prodígio" técnica, formou-se engenheira civil e construiu diversas plataformas de pesquisa para a comunidade de inteligência - a maioria dos quais ainda está altamente classificada e compartimentada, a ponto de muitas pessoas credenciadas nem saberem sobre elas. O'Sullivan se aposentou em janeiro, mas seu legado de proficiência técnica e liderança pessoal permanece.
Sua carreira se estendeu do Escritório de Inteligência Naval sendo promovida nas fileiras da CIA até ser Diretora de Ciência e Tecnologia e, em seguida, alçada ao terceiro cargo na hierarquia: Diretor Adjunto Associado. Ela foi então aproveitada para se tornar a segunda maior profissional de Inteligência do país, tornando-a a mulher de mais alto escalão da Comunidade de Inteligência dos EUA.
O Diretor de Inteligência Nacional James Clapper condecora formalmente a então Diretora Adjunta da Inteligência Nacional Stephanie O'Sullivan com o Prêmio George Washington Spymaster em 13 Dez 2016.
No seu diploma do Prêmio de Spymaster se lê, "Senhora O'Sullivan pessoalmente guiou os esforços da Comunidade de Inteligência para um ambiente integrado de tecnologia da informação e avançou na pesquisa, desenvolvimento e implantação de sistemas de coleta de ponta." Essas tecnologias mudaram a maneira de agir da CI.
"A necessidade de obter boa inteligência é aparente", escreveu Washington em uma carta em 1777. "... Sobre o sigilo, o sucesso depende dele na maioria das empreendimentos, e por falta dele, geralmente ocorrem derrotas".
Embora a Comunidade de Inteligência tenha mudado desde a época de George Washington, mantivemos a sua constante aposta na melhoria dos métodos para obter a melhor informação possível, proteger o nosso povo e permitir que os nossos líderes nacionais tomem as decisões mais embasadas no interesse da segurança dos nossos cidadãos.
Fonte:  tradução livre de Office of the DNI
COMENTO:  Texto sobre o feriado de ontem nos EUA. A linguagem na segunda pessoa do plural ocorre por ser uma tradução de redação feita por uma entidade norte americana.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Tudo Tem um Começo

por Armando Soares
Tudo tem um começo na vida, na política, na economia, no social, no administrativo, no institucional. Se o começo é errado, tudo daí para frente vai acompanhar o erro. Consertar o erro para que tudo volte ao normal é uma tarefa difícil, muitas vezes impossível e quando possível acompanhado de muitos problemas e sofrimento.
Um começo de vida errado é prenúncio de constantes problemas e muito sofrimento, para a pessoa e para quem a ele se agrega. Estabelecer uma mudança do rumo tomado é uma tarefa árdua que requer muita paciência e força de vontade. Não é qualquer um que consegue. Assim como acontece com a vida das pessoas, acontece na política e em qualquer atividade. Um começo errado na construção de uma constituição, a lei maior que reflete o pensamento e o modo de viver de um povo pode levar um país a um desenvolvimento acelerado consistente ou a uma estagnação permanente. 
Nos Estados Unidos da América, por exemplo, a constituição americana garante a propriedade privada; defende os direitos e garantias individuais do cidadão etc... A Constituição americana é uma obra de valor indiscutível no que se trata da criação de um sistema político baseado em um governo estabelecido para garantir o direito de todo homem à vida, liberdade e à busca da felicidade, garantias sustentadas por um modelo econômico capitalista sob a responsabilidade da livre iniciativa.
Vamos passar por cima da história que registra o descobrimento do Brasil um começo com escolhas equivocadas e nos situarmos no período em que se instalou a constituinte, ponto de referência importante para chegar aonde nos interessa, ou seja, se o sistema político e econômico contido na Constituição de 88 criado pelos constituintes que orientam a vida dos brasileiros refletem a vontade dos brasileiros ou a vontade apenas dos constituintes e seus agregados e suas ideologias. A constituinte reuniu gente de toda espécie, com destaque para políticos cassados por desonestidade, comunistas e ambientalistas, o que resultou na criação de uma constituição híbrida, um cruzamento de ideologias diferentes que é a causa principal dos problemas brasileiros. 
Consertar esse erro é fundamental para que o Brasil possa se desenvolver. Se o desenvolvimento só pode acontecer através da iniciativa privada, como convocar a iniciativa privada com uma política trabalhista fascista e comunista? Com invasões de propriedades privadas rurais e urbanas? Sem defesa dos direitos e garantias individuais? Com o estabelecimento da função social da propriedade privada urbana? Com a garantia da demarcação de terras indígenas que destrói a soberania? Com leis de proteção ao meio ambiente que conflitam com o desenvolvimento? Com um país sem regulamentações e sem segurança? Sem que se crie uma nova constituição que assegure o direito à propriedade efetivamente, que estabeleça como modelo econômico o capitalismo e estimule a livre iniciativa, nenhum governo, por melhor que seja vai tirar o Brasil do buraco e fazê-lo se desenvolver. O erro, portanto, está na constituição, na escolha feita por comunistas, socialistas e políticos corruptos e ultrapassados. O reparo é sofrido, mas não há outro meio de se consertar um sistema político híbrido que gera conflitos sociais, econômicos de toda natureza que impedem o desenvolvimento e a boa qualidade de vida da população.
Começamos mal, portanto, temos que pagar um preço muito alto para corrigir o mal, não há outro caminho. As reformas propostas são paliativas que não resolvem, ao contrário podem ainda agravar mais os problemas. Diante da nossa realidade política, com os quadros existentes, não acreditamos em atitudes racionais e corajosas, mormente quando se tem os três poderes totalmente contaminados por titulares sem a força moral necessária e convicções para tal empreitada.
Quem são vocês? - Sou um legislador, um juiz e governante. 
- Não, isto são as suas máscaras! 
- Quem são vocês verdadeiramente? Tirem a máscara e saberemos quem são vocês, e se poderão ajeitar o Brasil e recuperar o tempo perdido imposto por bandidos, comunistas, socialistas, ideólogos e políticos corruptos. 
Armando Soares é economista

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Conclusões Sobre a Greve da PMES

.
Caros amigos
É fácil comprovar, e nunca é demais repetir, que o fim do Regime Militar ensejou o início de um estudado e deliberado clima de libertinagem que nos conduziu, ao longo dos últimos 30 anos, à exacerbação do desmando, da corrupção, da impunidade e da compensação do crime, fazendo com que chegássemos, nos dias de hoje, ao caos e ao império da criminalidade.
O primeiro marco temporal dessa planejada “evolução” foi a promulgação da nossa Constituição “Cidadã” - aglomerado de direitos deliberadamente dirigidos aos “cidadãos” portadores da “necessidade especial” de protegerem-se da ação coercitiva do Estado.
Desde antes da chegada do PT ao poder - etapa fundamental de um plano totalitário, comunista, elaborado pelos integrantes do Foro de São Paulo - além da crescente libertinagem, falsamente apresentada como “liberdade”, procedia-se a uma inescrupulosa campanha de demonização, desmoralização e cooptação das FFAA e das Polícias Militares, procedimento fundamental para o sucesso do plano.

A criação da Comissão Nacional da Verdade e a criminalização da ação policial militar face à violência crescente da bandidagem, cada vez mais estimulada a organizar-se, são evidências dessa componente do plano.
O fim da influência do Exército sobre as PM – Forças Auxiliares – com o esvaziamento da Inspetoria Geral das Polícias Militares (IGPM), cedeu terreno para que o Poder Político ocupasse esse espaço e buscasse transforma-las em milícias a serviço dos interesses políticos e ideológicos dos governos estaduais. A promoção de um Major a Coronel, contrariando todas as regras de promoções, para em seguida nomeá-lo Comandante Geral da Brigada Militar, durante o governo de Tarso Genro, no Rio Grande do Sul, é o exemplo mais gritante dessa nefasta “evolução”.
A ditadura do “politicamente correto” e a hipocrisia dos defensores dos “direitos humanos” tolheram a tal ponto a atuação das PM que chegamos à nunca imaginada marca das 60 mil mortes violentas por ano e, no mesmo período, ao recorde mundial de assassinatos de policiais.
Em que pese à ilegalidade, à inoportunidade e aos resultados fatídicos da atual greve da PM do Espírito Santo - que transformou o estado em área liberada para todos os tipos de crimes -, a sua ausência nas ruas deixou comprovada a sua eficiência na contenção do índice de criminalidade intencionalmente estimulado pelo plano macabro de poder da esquerda revolucionária, liderada pelo Partido dos Trabalhadores.
A forma escolhida pelos Policiais Militares para sensibilizar o governo do Estado para a sua degradante situação salarial é também reflexo da perniciosa politização de seus quadros mais graduados, porquanto a hierarquia, a disciplina, o sentido da autoridade e a tradição – pilares de qualquer organização que se quer militar - são fatores que asseguram, além do amor próprio e do espírito de corpo, a confiança nos chefes, selecionados por seus méritos pessoais e profissionais para o exercício do Comando e para assegurar os interesses corporativos de quem diariamente arrisca a vida para cumprir o seu dever.
O ingrediente mais importante da liderança bem sucedida é a confiança. Um líder militar é alguém que identifica e busca, a qualquer custo, a satisfação das necessidades legítimas de seus liderados. A autoestima é fundamental para a eficiência dos soldados e inclui a necessidade de sentir-se valorizado, tratado com respeito, apreciado, encorajado, tendo seu trabalho reconhecido e justamente recompensado.
A autoridade do Comandante se estabelece quando há a certeza de que ele serve aos subordinados e sacrifica-se por eles, pela instituição e pelo compromisso de todos com a nobreza da missão, acima de qualquer interesse pessoal.
O lamentável episódio, além das conclusões acima e de muitas outras que o estudo minucioso do caso possam trazer, permite, em particular, enaltecer o exemplo de prontidão das FFAA brasileiras para acudir a sociedade em perigo em quaisquer circunstâncias e locais do território brasileiro, põe em dúvida o custo benefício da manutenção de uma Força Nacional de Segurança Pública nos moldes atuais e, por fim, mas não por último, prova o desserviço à segurança pública e pessoal causado pela lei do desarmamento dos homens e das mulheres de bem, diante da impossibilidade de desarmar os criminosos, este sim, um efetivo atentado aos direitos humanos dos humanos direitos!
Gen Bda Paulo Chagas

Fonte:  Facebook
COMENTO (atualizado em 11 Fev 17):  muito boa a análise do General Paulo, todavia, talvez para não estender seu texto, deixou de citar que quanto mais são usados para cobrir e sanar os problemas causados pela má gestão generalizada do país, os militares das Forças Armadas continuam ameaçados - pelos mesmos gestores incompetentes - de terem seus direitos, mais uma vez restringidos.  A devida retribuição dos sacrifícios exigidos já não é questão de patriotismo, profissionalismo ou justiça. É objeto de sobrevivência dos pilares da disciplina e hierarquia, que parecem ser os alvos da deterioração planejada pelos indecentes inimigos da Pátria, afim de destruir a única barreira entre eles e o poder completo que almejam desde a década de 20 do Século passado e tentaram conquistar já por três vezes sem sucesso. A quebra da coesão entre Forças Armadas e Polícias Militares é só um passo dos propósitos que eles pretendem. Agora, com o impasse que está ocorrendo no Espírito Santo, parece que esse objetivo dos canalhas está sendo alcançado. O efetivo das Forças Armadas para lá deslocado não é suficiente para efetuar o policiamento. Se alguma medida for adotada contra as mulheres que bloqueiam os portões dos quarteis, embasará as reclamações de "covardia, excesso de violência, etc", podendo desandar para enfrentamento entre os Policiais amotinados e os militares das Forças Armadas. Se nada for feito, haverá o desgaste da tropa federal - já houve uma morte e espera-se a gritaria - e, em breve, a acusação de incompetência.
.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

A Nação e Seus Militares

.
Nas reformas em curso, faz-se necessário não desfigurar a essência de nossas Forças Armadas
Imagem do Facebook
por Eduardo Dias da Costa Villa Bôas *
A sociedade brasileira já percebeu a necessidade de uma bem estudada reestruturação econômica em nosso país. Para tal esforço a equipe técnica do governo especificou medidas imprescindíveis para equilibrar as contas públicas. 
Contudo, do que se pode concluir da “guerra de versões”, alimentada ao sabor de vários interesses, se aquelas ações não forem calibradas e justas, os resultados serão desastrosos para as nossas Forças Armadas. Parcela significativa da população – e até mesmo dos formadores de opinião – desconhece tanto o funcionamento dos regimes de Previdência quanto os principais aspectos discutidos na reforma ora em gestação.
Acende-se o alerta de que é impositiva uma acurada atenção da parte dos mentores das mudanças para evitar que, na ânsia de proceder à correção de rumos e à supressão de “privilégios”, cometam injustiças, por ignorarem as peculiaridades espartanas da profissão militar, que possam vir a descaracterizar ou até mesmo tornar inviáveis a Marinha, o Exército e a Aeronáutica.
As Forças Armadas são instituições permanentes de Estado, que exigem dos seus quadros requisitos que extrapolam meras relações trabalhistas entre empregador e empregado e caracterizam a essência da profissão militar: servir à Nação, sem nenhuma contestação. Essa relação da sociedade com os seus militares é uma espécie de “contrato social”, no qual fica acordado que as restrições de direitos – às quais aderem os militares – são recompensadas com a devida proteção social que lhes confere a Nação.
Importante destacar que, nas discussões que tomam conta do País, os militares não se utilizam das peculiaridades da carreira para “ameaçar” a sociedade e assim obter tratamento temperado por “regalias”. 
Nas distantes fronteiras do País, encontramos os militares. Na pacificação das comunidades no Rio de Janeiro, ali estão os militares.
Na guarda das urnas eleitorais, eis os militares. Nas ações governamentais de defesa civil, nunca nos faltam os militares. Na distribuição de água, no Semiárido nordestino, e no combate ao mosquito Aedes aegypti nos deparamos com os militares. Na segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, ali estavam os militares. No apoio à população do Haiti, lá nos representam nossos militares.
Sentimos muito orgulho de atuar sob quaisquer circunstâncias. É missão, estamos prontos! Tem sido cada vez mais frequente o clamor da sociedade por seus militares, por sua capacidade de pronta resposta, pela disciplina e pelo espírito de cumprimento do dever.
A dedicação integral e exclusiva ao serviço impede-nos de exercer qualquer outra atividade profissional. Se comparados com outras carreiras típicas do Estado brasileiro, é fácil notar que dependemos, há tempo, de soldos incompatíveis com o que o dever nos exige em termos de dedicação e de responsabilidade.
Pouco conhecido do público é o fato de que, ao final da carreira de 30 anos, quando transferido para a inatividade, as horas trabalhadas pelo militar equivalem a 45 anos, se comparadas às de um trabalhador civil. Isso se deve à realização de atividades de adestramento e operações continuadas, além dos serviços de escala de 24 horas, seguidas de expediente no dia posterior, inclusive em fins de semana e feriados, tudo isso sem os conhecidos direitos sociais e trabalhistas legalmente concedidos aos trabalhadores das outras classes, tais como o adicional de periculosidade, o FGTS e as horas extras.
Ressalta-se que o militar não pleiteia esses direitos, pois são incompatíveis com as exigências legais da “carreira das Armas”. O mais importante é cumprir o juramento do soldado perante a Bandeira Nacional: “Dedicar-se integralmente ao serviço da Pátria e defendê-la com o sacrifício da própria vida” – por esse compromisso não há preço a pagar. 
No entanto, é mister perguntar: a sociedade aceitaria que um militar não se apresentasse para uma missão sob a alegação de que “está na folga”, após o serviço? A sociedade estaria disposta a “pagar horas extras” pelo emprego continuado, nas missões de garantia da lei e da ordem? Logo, é impróprio entender como “privilégio” o que, na verdade, é um cerceamento de direitos e uma imposição de deveres.
Os militares já contribuíram, pesadamente, para o esforço de redução de custos do Estado. Em 2001 foi realizada ampla “reforma” no sistema de proteção social dos militares das Forças Armadas. Naquela ocasião, vários direitos foram suprimidos, tais como o adicional de tempo de serviço, as licenças especiais e a pensão para as filhas.
Essa discussão deve ser mais aprofundada e não se restringir a uma questão numérica de simples redução de custos. Ela deve incluir, como questionamento, o que a sociedade deseja de seus cidadãos fardados: profissionais militares, com prontidão, motivação e dedicação exclusiva, ou milícias, cuja disponibilidade permanente à Nação ficaria limitada por direitos individuais regidos por legislação trabalhista ou conchavos espúrios?
Os argumentos apresentados ao longo deste artigo podem parecer ideias exclusivas do estamento militar. Não é verdade! Em recente trabalho realizado pela Fundação Getúlio Vargas – e não se pode duvidar do reconhecimento acadêmico e da isenção dessa instituição – ficam claras as especificidades da nossa carreira e as razões para que não se mesclem argumentos de ordem econômica com a defesa da sociedade brasileira, à qual servimos.
Neste momento crucial, em que a Nação busca mares calmos e bons ventos que a levem a porto seguro, faz-se necessário que o Estado e a sociedade procedam à urgente e inadiável equalização das contas públicas e, simultaneamente, ponderem acerca de não desfigurar a essência das nossas Forças Armadas e de não ferir de morte a alma de seus militares, o que – livre-nos Deus – seria inaceitável.
* Comandante do Exército Brasileiro