quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Crônica de uma Ocupação Anunciada

por Carlos Chagas
Longe de qualquer cidadão contestar a eficácia, o valor, a coragem e os resultados da ocupação das favelas da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, ontem (13/11), no Rio. Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária e Marinha uniram-se para agir como em outras favelas, garantindo a presença do poder público naqueles antigos bolsões antes completamente dominados pelo tráfico e pelo crime organizado. Tem dado certo em todo o território do antigo Estado da Guanabara, não obstante a atuação de bandidos que continuam traficando, bem como de agentes policiais corruptos e infiltrados nas forças da lei.
Só que tem um aspecto impossível de ser entendido pelos leigos, como nós. Demonstram a experiência e a História que nesse tipo de operações, sejam policiais ou de guerra, a surpresa é a alma do negócio. Pegar o adversário desprevenido constitui passaporte para o sucesso, de Napoleão a Hitler, de Pearl Harbour ao Dia D. Sempre haverá o risco da inteligência inimiga perceber e tentar neutralizar as investidas, mas já imaginaram se os japoneses tivessem anunciado com antecedência o bombardeio da principal base aérea americana no Pacífico? Ou se o marechal Rommell soubesse semanas antes que o desembarque aliado se daria na Normandia?
Pois é. Há semanas que as autoridades fluminenses alardearam a invasão da Rocinha. Claro que era previsível, os bandidos são bandidos por não serem idiotas, mas no Rio as coisas transcenderam o bom-senso. Chegou a ser anunciado, há duas semanas, que a ocupação da Rocinha aconteceria às 5 da madrugada de domingo, ontem, com a presença de blindados da Marinha, com o Bope ocupando as florestas vizinhas, a Polícia Federal já tendo subido o morro para detectar esconderijos e depósitos de droga e de armamentos, e a Polícia Civil identificando os chefões do crime por suas fichas criminais e suas fotos.
O que aconteceu? Uma beleza de ocupação. Nenhum tiro foi disparado, nenhum entrevero de resistência verificado. Porque os bandidos foram todos embora, registrando-se a prisão antecipada do Nem, num golpe de sorte. Apenas um boi-de-piranha viu-se capturado, certamente deixado como chamariz, com o futuro da sua família garantido financeiramente enquanto estiver na cadeia. Pretextando demonstrar resistência, os criminosos destacaram menores de idade para despejar galões de óleo morro abaixo, visando atrasar a subida das viaturas, mas sabendo que adiantaria muito pouco. Uma resposta propositadamente pífia para marcar posição e fingir resistência. Aliás, como esses galões de óleo subiram a favela, volumosos como são, sem que os espiões policiais percebessem? Alguns fuzis e granadas foram desenterrados num buraco duvidoso, quase ostensivo, com terra revolvida ao redor, de forma a ser percebido com facilidade pelos policiais. Até o decalque de um coelho colado numa das armas foi encontrado, como a demonstrar a derrota total dos bandidos, em se tratando do segundo em comando no tráfico. Com certeza um artifício para as autoridades e a imprensa celebrarem a vitória, quando o grosso do armamento estará em lugar incerto e não sabido, quem sabe já retirado da favela. Assim, como as drogas. E os bandidos.
Dirão as autoridades, com muita lógica, que tudo se fez para, na invasão da Rocinha, poupar-se a população de tiroteios, massacres e assassinatos. Os criminosos concordarão em gênero, número e grau. Eles também colaboraram...

Nenhum comentário: