segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Vinte Anos Depois da Queda do Muro de Berlim, ainda há no Brasil Quem Defenda o Comunismo

por Janer Cristaldo
O Brasil não tem cura mesmo. Nestes dias, após meio século de ditadura em Cuba, em que o ditador Raúl Castro anuncia que vai “flexibilizar” as viagens ao Exterior e que finalmente os cubanos terão direito a comprar um imóvel, ainda há quem pretenda defender o comunismo. Duas décadas se passaram desde a Queda do Muro e o desmoronamento da União Soviética e, neste país incrível, ainda há gentes que parecem não ter tido notícias do ocorrido. Em função de minha recente crônica sobre Cuba, me escreve um leitor: 
Após ler o seu artigo, fiquei com vontade de lhe fazer a seguinte pergunta: será que o comunismo implantado na URSS é o mesmo de Marx? Vou mais além: será que existe diferença entre o nosso atual "glorioso" capitalismo e o "mal falado" comunismo que existia na URSS??? 
Desculpe incomodar, mas preciso expressar a minha opinião: sinceramente, não consigo ver diferenças, pois os dois possuem as mesmas falhas. Prova disso é que temos diversos exemplos vivos de ditaduras comunistas e capitalistas. 
O que precisamos é que as pessoas mudem internamente para que a sociedade resultante seja baseada na liberdade, igualdade e fraternidade. 
Qual é o comunismo de Marx? Por comunismo de Marx entendo o que foi implantado na URSS, China, Cuba, Coréia do Norte. Não conheço outros. Se você se refere ao Brasil quando fala em “o nosso atual glorioso capitalismo”, confesso que nele nada vejo de glorioso. Mas na Europa as economias funcionam bem. Isso de crise é cantiga para ninar pardais. Diziam que a Irlanda estava falida. Estive em Dublim em dezembro passado e tinha de ombrear para entrar num pub, às cinco da tarde. 
Não existe ditadura capitalista. Se há ditadura, não há capitalismo. Capitalismo é economia livre, imprensa livre, pensamento livre e livre expressão desse pensamento. Numa ditadura, não há nada disso. 
Quanto ao comunismo “mal falado” da URSS, aqui vão algumas diferenças: quando estive na Rússia, em 2000, o salário de um professor universitário era equivalente a 15 dólares. Coisa que um mendigo tira por dia aqui em São Paulo. Isso que a URSS já havia desmoronado. A imprensa continuava manietada. Jornais estrangeiros só em hotéis de luxo, e olhe lá. Os russos já podiam sair do país, mas com restrições. O turista, ao chegar a qualquer cidade, tinha de entregar o passaporte no hotel, para registro na polícia. Mas que tem a ver a polícia com turistas? 
Minha filha acaba de voltar de Moscou e São Petersburgo. Me conta que lá a situação continua sendo mais precária que a do Brasil. Comunismo é como praga de gafanhoto, arrasa tudo por onde passa. Com uma diferença: no caso do comunismo, a lavoura leva décadas para se recuperar. 
Em São Petersburgo, na visita ao Peterhof, dei 15 dólares de gorjeta a meu guia, que era professor universitário. Numa tarde, ele ganhou o seu salário de um mês. Acontece que são raros os russos que têm essa chance. Ao voltar da Rússia, encontrei em meu boteco dois professores russos que lecionavam na USP. Ganhavam algo entre 4 e 5 mil dólares. Sentiam-se no paraíso. 
Escreve um outro leitor: 
A queda dos blocos ideológicos é um debate superado depois da épica batalha entre Samuel P. Huntington e Francis Fukuyama, nas páginas da revista de debates Foreign Affairs no início dos anos 90. Marxismo é sectário e está fora de moda, ao menos na política. Porém, o capitalismo, o lucro e a competição continuam criando mortes, pobreza, fome, tráfico de influência, corrupção e dignos representantes da classe capitalista vitoriosa que não tem o menor pudor em roubar dinheiro de ambulâncias, hospitais, asilos e escolas. 
O capitalismo, essa máquina de destruição também financiou a prisão de Guantanamo, que fica num curioso pedaço de terra em cubo onde os americanóides, pais da democracia e da liberdade, cometem suas atrocidades. Mas formular os seus ideais baseados somente no que você assiste na TV ou lê na orelha de algum almanaque pode resultar nisso: um ser humano frustrado por não conseguir compreender o pensamento daqueles que poderiam ser os seus pares, tornou-se parte fisiológica do lado oposto. Um senhor de mídia, que acena com meias verdades e recordações, celebrando um tempo que já passou, mas insuficiente para compreender que o inimigo ainda é o mesmo, mas felizmemte está com os dias de fartura contados. 
Não, meu caro, eu não formulo meus ideais baseado no que assisto na TV ou leio na orelha de algum almanaque. Quase não assisto TV e não leio almanaques, muito menos orelhas de almanaques. Conheci a Alemanha Oriental antes da Queda do Muro. Como também a Tchecoslováquia, a Hungria, a Romênia e a Iugoslávia. A viagem à Romênia foi a pior viagem que fiz, e ao mesmo tempo a mais pedagógica. Vi gente brigando à tapa mal chegou uma paleta bovina em um daqueles supermercados sinistros de longas gôndolas vazias. Cerveja, só da China, morna e de péssima qualidade, isso quando ocorria o milagre de encontrar-se um bar que tivesse cerveja, onde clientes cheios de medo falavam baixinho e se empapuçavam com aquele xarope sem graça. 
Estive em Mangália, cidade balneária às margens do rio Negro, a sete quilômetros da fronteira com a Bulgária. Hospedei-me em hotel de luxo, onde como cardápio só havia duas opções, carne de frango ou de porco. Se você pedia porco, tudo bem. Mas se pedisse frango, só vinha porco mesmo, afinal frango era apenas uma abstração do cardápio. Se em hotel de luxo, pagando em dólares, assim era tratado o turista, fiquei imaginando o que comeriam os romenos. 
Mas não sejamos injustos, há bons vinhos na Romênia. Eu os degustei, pois era estrangeiro e pagava com divisas fortes. Os romenos, que plantam a vide, colhem a uva e elaboram o vinho, estes ficam chupando o dedo. Nunca é demais repetir que nos paraísos socialistas, onde o proletariado derrotou a burguesia, existem as berioskas ou dollarbutiques, onde se pode encontrar os mais sofisticados bens de consumo que o Ocidente malvado e capitalista produz. Mas a esses requintes só tinha acesso o turista provido de dólares, marcos ou francos. 
Foi na Romênia, creio, que senti pela primeira vez o absurdo e a desumanidade de uma fronteira intransponível. Meu interlocutor privilegiado era um garçom do hotel. Com ele eu trocava meus dólares por lei (plural de leu, a moeda lá deles). Ao saber que eu iria a Varna, na Bulgária, devolveu-me meus dólares e outros mais. Queria que eu lhe comprasse "o que fosse possível" nas berioskas búlgaras, mais baratas que as romenas. Era um homem de meia idade e ocorreu-me perguntar se não tinha alguma vez atravessado aquela fronteira, a sete quilômetros do hotel. Não, jamais a atravessara. A polícia lhe exigiria razões muito graves para ultrapassar aquela linha, sem falar que, tal pedido, já o colocaria na lista dos suspeitos de conspirar contra o Estado. O garçom teria uns quarenta anos e jamais lhe fora permitido dar uma espiadela no país ao lado. 
Nas praias, observei mais um daqueles fatos que nos exigem algum tempo de reflexão para serem entendidos. Turistas estrangeiros e internos tiravam fotos ao lado de maquetes de veleiros. Veleiro mesmo, que é bom, nem pra remédio. Muito menos barcos. Fui consultar meu interlocutor. 
- É simples - disse o garçom -. A Turquia fica a apenas dois dias de navegação. Seria tentador demais para quem sabe velejar ou remar. 
Nas ruas, se pedia informação a um romeno, logo após saltava do nada um soldado com uma metralhadora de baioneta calada e um cão policial ao lado, para interrogar o romeno. Na Romênia, não era salutar falar com turistas. 
Não falo de ouvir dizer. Eu vi a merda de perto. Na Hungria e Tchecoslováquia, que há muito vinham se afastando do comunismo, a vida era bem melhor. Mesmo assim, a sombra da sombra da economia de qualquer país capitalista. 
A propósito, a prisão de Guantánamo, “que fica num curioso pedaço de terra em cubo onde os americanóides, pais da democracia e da liberdade, cometem suas atrocidades”, se não me falha a memória, fica naquela ilha que era financiada por Moscou, onde os soldados de Castro, imbuídos dos ideais comunistas, cometiam suas atrocidades. Honestamente, companheiro, não entendo como você consegue viver neste horrendo sistema, que “felizmente está com os dias de fartura contados". Vá para Cuba. O futuro e a fartura estão lá. 
Só para concluir: Não me tornei “parte fisiológica do lado oposto”. Sempre estive no lado oposto. 
Um terceiro leitor escreve: 
Essa ameaça comunista é uma fantasia que só existe na cabeça de gente que não conhece a história. A ditadura foi criada para impedir a modernização do país. Durante esse período, o país tinha uma economia mais fechada e atrasada que a dos países do leste europeu. Ou seja, ela interessava mesmo era para os que não queriam que o país se modernizasse. Até os americanos queriam que fizéssemos reforma agrária e nossos militares achavam que isso era coisa de comunista. 
A guerrilha era tão insignificante que os militares tentaram falsificar um atentado no Rio Centro para inflar uma ameaça que não se sustentava. Meia dúzia de estudantes no Araguaia só constituem ameaça na cabeça dos mais paranóicos. 
Ameaça comunista existiu, sim senhor. Os guerrilheiros do Araguaia não eram meia dúzia de estudantes. Mas cerca de oitenta. As esquerdas pretendem que a guerrilha surgiu como reação a 64. Nada disso. Em janeiro de 1961, Francisco Julião foi a Pequim e recebeu o apoio do PC chinês para a luta armada. Em maio do mesmo ano, foi a Cuba e teve apoio e armas de Castro. Em julho, já havia militantes brasileiros sendo treinados para luta armada no quartel de Manágua, 30 kms ao sul de Havana. Guerrilheiros também foram treinados na finada União Soviética. 
A ameaça comunista nem é dos anos 60. Mas dos anos 30, quando um iluminado como Luís Carlos Prestes achou que já existiam as famosas "condições objetivas" para instalar uma república soviética no Brasil. Derrotados em 35, os comunistas voltaram ao ataque trinta anos depois. 
O Brasil nunca teve economia mais fechada e atrasada que os países do Leste europeu, onde até o turismo era controlado pelo Estado. O Brasil, mesmo em seus piores momentos, jamais viveu a escassez dos países soviéticos. Nunca morreram no Brasil sete milhões de pessoas, pela Holodomor, como é conhecida a fome imposta por Stalin à Ucrânia, em 32 e 33. Tampouco ninguém no Brasil matou 120 milhões de pessoas, como fez Stalin. A guerrilha no Brasil era tão insignificante quanto a guerrilha em Sierra Maestra. Que também tinha, coincidentemente, 80 guerrilheiros. Como faltou em Cuba um exército que a desbaratasse, deu no que deu: a mais longa tirania da América Latina. 
E reforma agrária também é coisa de comunista. Até hoje. Nos assentamentos do MST, são cultuados Mao, Castro e Che Guevara. Não fossem os militares, seríamos hoje mais uma republiqueta comunista. Com graves conseqüências para todo o continente. Caído o Brasil, cairiam também os países vizinhos. A tirania de Cuba talvez tivesse mais anos de sobrevida.
Fonte:  Janer Cristaldo

Nenhum comentário: