segunda-feira, 14 de março de 2011

Tolerância Zero com a Comissão da Vingança

Por Geraldo Almendra 
Enquanto o país começa a ser governado por uma Ditadura Civil Fascista, unem-se grupos de vingança para continuar colocando as Forças Armadas em uma posição absolutamente incompatível com suas responsabilidades e sua dignidade: acuadas e humilhadas por terroristas como se o Regime Militar – pedido por toda a sociedade organizada em 1964 – não tivesse sido necessário para evitar, naquela época, o domínio do país pelo comunismo genocida.
Não bastaram mais de 8000 pessoas que traíram o país terem recebido indenizações - centenas delas milionárias - e pensões vitalícias aviltantes do ponto de vista moral tendo em vista a maneira como os aposentados são tratados pelo poder público depois de uma vida de trabalho e pelo fato de centenas de indenizados pertencerem às elites do país, assim como a disposição das Forças Armadas de ajudarem nas buscas dos terroristas mortos na luta contra os militares. Apesar de tudo isso a Comissão da Vingança se posiciona com uma manifesta intenção de definir, incriminar e julgar culpados – como se fosse um Tribunal de Guerra – por fatos já foram superados pela sociedade nos últimos trinta anos.
Será que essa gente sórdida já esqueceu que a presidente do país foi cúmplice ativa de muitos dos crimes contra civis e militares ocorridos durante o Regime Militar?
Talvez o próximo passo da vingança desses fascistas seja a obtenção de ordens judiciais para exumar os cadáveres dos oficiais já falecidos e pendurá-los, em sacos usados para embrulhar restos mortais, em postes nas ruas para a malhação dos petistas.
Enquanto isso o Ministro da Justiça declara que vai retomar o projeto de desarmamento da sociedade já rejeitado em plebiscito.
Quando é que essa sociedade apalermada vai acordar e entender que estamos na fronteira de uma Ditadura Fascista Civil que já ocupou o poder público em todos os seus níveis e transformou as empresas estatais em cabides de empregos de milhares de militantes petistas “aspones”? Vamos continuar permitindo que esses facínoras, agora vestidos de “democratas” fascistas, continuem destruindo e humilhando nossas Forças Armadas? E esses comandantes militares covardes que aceitam o suborno moral e material dos traidores do país, quando vão dar um basta nessa absurda destruição programada da dignidade dos militares para transformá-los em obedientes lacaios da Ditadura Civil Fascista já em vigor no país?
Essa gente precisa tomar certo cuidado, pois o pensamento comum do ambiente operacional das casernas não tem nada a ver com essa vergonhosa apatia, omissão ou cumplicidade dos comandantes das Forças Armadas. O silêncio pode ser estratégico ou estar acumulando um rancor muito difícil de ser contido quando explodir.
Estamos enojados dessa imprensa covarde que não se posiciona contra essa Ditadura Fascista Civil que em dois meses já acabou com a oposição no país – o pouco que ainda existia. Vai continuar ficando com cara de paisagem de canalhas esclarecidos?
Reproduzimos abaixo um texto publicado pelo Grupo Guararapes:
"Pode-se observar que, naquela época [Regime Militar], os comunistas eram chamados de "terroristas", suas organizações, de "reduzidas maltas de assassinos" e suas ações, de "crimes repulsivos". Hoje, passados mais de 30 anos, a mesma imprensa os glorifica como heróis que lutavam contra a ditadura militar. E os nossos atuais governos, além de abrigarem os ainda vivos, indeniza com muito dinheiro os familiares dos que morreram."
Essa senhora Maria do Rosário precisa ter a ponderação necessária para não criar um fato consumado de motivação ao ódio já debelado no espírito das Forças Armadas que defenderam o país dos genocidas do comunismo. Brincar com fogo pode ter suas consequências mesmo sendo uma qualificada artista do Circo do Retirante Pinóquio.
E por falar em direitos humanos vamos informar a essa senhora que no Brasil, depois de oito anos de desgoverno petista, mais de 140 pessoas por dia sofrem morte violenta, outras dezenas morrem nas filas e nas camas e corredores imundos dos hospitais, outros milhares morrem todos os anos por causa da irresponsabilidade do poder público na falta de uma política preventiva contra desabamento de barreiras, enchentes e inundações, etc.
Talvez se a Ministra se preocupasse um pouco mais com os milhares que estão vivos e prestes a morrer por causas não naturais, seu tempo não estaria sobrando para promover uma irresponsável e inconsequente perseguição às Forças Armadas.
Parem com essa estupidez e não abram feridas que somente serão curadas com balas!
Vocês já nos impuseram uma Ditadura Civil Fascista que um dia vai ter um fim para que sintam o sabor do ódio daqueles que vocês estão destruindo.
Mostrem agora alguma competência para livrar o país da falência causada pelos gastos com o assistencialismo, com o inexplicável agigantamento sem controle do Estado, pelo criminoso custeio do mais caro, corrupto e perdulário Congresso do mundo civilizado, pelo esgoto sem fim da corrupção no poder público, pelos gastos confidenciais dos cartões de crédito corporativos, e com o suborno dos milhares de canalhas esclarecidos que foram feitos cúmplices do PT.
Mais uma coisa! Aumentem o suborno dos canalhas esclarecidos, pois centenas deles já estão começando a repensar se estão do lado certo. A vergonha de olhar para suas famílias, especialmente seus filhos, já reflete o constrangimento de suas consciências de saberem que todos poderão estar caminhando em direção a um paredão ou uma cova coletiva em nome da defesa dos direitos humanos de terroristas e assassinos.

Um comentário:

Anônimo disse...

O QUE FALTA NO PAIS É ABERTURA MAIS AMPLA PARA DEBATE NAS RUAS DOS PRINCIPAIS ASSUNTOS DE CONVERGENCIA A DEMOCRACIA VISIVEL.
O QUE IMPEDIRA QUE MUITOS CONTINUAEM A MARTELAR DITADURA CIVIL COMO SE FOSSE DIFERENTE DA QUE RECLAMAM DA MILITAR OS METODOS COMO TEMOS VISTOS SÃO OS MESMOS CADEIA E SABE-SE LA O QUE LA DENTRO ACONTECE.