sábado, 4 de dezembro de 2010

Traficantes Ameaçam Militares Que Participam das Operações no RJ

por Rogério Pagnan e Joel Silva
Em represália à ação no Complexo do Alemão, soldados do Exército que participam da ocupação dizem que estão sendo expulsos das favelas onde moram por traficantes ligados à facção criminosa Comando Vermelho. De acordo com soldados ouvidos pela Folha, pelo menos cinco deles receberam ordem de criminosos para não voltar para casa e desde sexta estão acampados no quartel improvisado próximo ao Complexo do Alemão. O Exército participa da ocupação do Alemão desde a semana passada com cerca de 800 homens - todos são lotados no Rio.
Na lista estão militares que moram em favelas como Caxias, favela da Galinha e Anchieta. Outros soldados não quiseram dizer à Folha onde moram com suas famílias. Ainda de acordo com relatos dos militares, os traficantes -todos armados- estão indo de moto e deixando a ordem para que os soldados “não voltem mais para casa”. Um soldado que mora em Caxias abandonou a casa com móveis recém-comprados, segundo os colegas. Outro militar disse que a mulher abandonou a casa onde moram após ser abordada por traficantes. O tenente-coronel Cláudio Tavares Casali, um dos comandantes da operação no Alemão, confirma que cerca de dez soldados que participam da operação foram “pressionados” por traficantes supostamente ligados aos criminosos do CV.
Ele disse saber apenas de um militar que afirmou que vai mudar de endereço após essa “pressão”. Casali disse que a Secretaria de Segurança foi informada e, agora, a polícia deve iniciar a investigação. Os militares que se sentirem ameaçados, segundo ele, estão sendo retirados da linha de frente e utilizados em outros serviços. Segundo os militares, as ameaças tiveram início na última sexta-feira quando o Exército cercou o Alemão. “Até então, ninguém mexia com ninguém. Agora, viram que estamos nas ruas e passaram a nos perseguir como se fôssemos policiais”, disse um soldado
citada no Blog do Montedo
COMENTO: as redes de televisão, sempre tão comedidas na difusão de ações elogiosas às Forças Armadas, descobriram que a 'invasão do complexo do Alemão' rende audiência e estão forçando os limites onde o interesse público passa a ser uma ridícula tentativa de segurar seus telespectadores a qualquer custo. A imaginação dos produtores vai desde programas "mostrando a vida no acampamento dos militares" até a demonstração de como se desenvolve a "culinária no topo da favela" antes e depois da chegada salvadora dos militares das Forças Armadas. Tudo em prol de  reforçar na população a 'necessidade' da manutenção desses heróis até a chegada da Copa do Mundo, dos Jogos Olímpicos e do final dos mandatos de Dilma e de Cabral. Tudo vai bem até o momento em que alguém 'desacatar' um militar e sofrer a consequencia. Até lá, fica a tropa sujeita às represálias dos bandidos, na forma de ameaças aos soldados e suas famílias, tudo devidamente "investigado pelas autoridades". E quando chegar o momento do licenciamento dos soldados por término do Serviço Militar? E o soldado baleado? Ficará com sequelas físicas ou psicológicas que levarão à sua "reforma", devidamente orientada por algum advogado? E se surgirem outros casos? E quem investigará a responsabilidade da empresa que construiu os túneis de esgoto fora das especificações técnicas e que serviram como rota de fuga dos meliantes? Quem eram os responsáveis pela fiscalização dos trabalhos? E, por fim, para não alongar, qual a legislação que define atribuições e responsabilidades às tropas federais em missão de policiamento urbano? E o reajuste dos vencimentos dos militares, ocorrerá em 2011?
.

Nenhum comentário: