quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O ESCÂNDALO DA CASA CIVIL

por Geraldo Almendra
Não precisamos reescrever os detalhes de mais um das dezenas de escândalos de corrupção e prevaricação do desgoverno petista, um descarado roubo do dinheiro público que está sendo denunciado pela revista Veja desta semana.
Faltando menos de um mês do primeiro turno a reportagem trás à sociedade mais uma, e talvez a última oportunidade de refletir sobre a desgraça que cairá sobre nosso país se a candidata do presidente for eleita.
Ninguém, absolutamente ninguém, poderá, em um processo de perseguição pelo covil de bandidos do petismo, na prisão comunista ou à beira de sua cova coletiva, dizer que foi enganado pelo governo para votar em Dilma.
Os canalhas esclarecidos sem um pingo de vergonha nunca poderão fazer cara de paisagem quando o país começar a sofrer o efeito da invasão dos bárbaros comunistas com a confirmação do projeto de poder perpétuo do petismo com seu já descarado viés fascista.
Os togados não irão ter justificativas plausíveis para rebater as acusações de covardia, omissão ou cumplicidade diante de todos os que os olharem de frente e os chamarem de canalhas traidores do país.
Os acadêmicos terão que rasgar seus diplomas e professarem unicamente o ideal comunista já qualificado como hediondo pela União Européia.
Os estudantes sentirão na pele o efeito da submissão ao ideal fascista.
As Forças Armadas trocarão seus uniformes e serão transformadas no Exército Vermelho do “povo” - a cor preferida da candidata marxista.
O Parlamento somente servirá para referendar, de calças arriadas, as decisões do “Poder Executivo”.
Depois do sofrimento da sociedade, que poderá durar mais de três décadas, todos os cúmplices e lacaios dessa quadrilha comunista que controla o poder público irão mais cedo ou mais tarde enfrentar um duro tribunal revolucionário, seja diante do inferno de seus pecados ou quando do resgate do país das mãos da “gang dos quarenta e um” e seus cúmplices, por cidadãos civis e militares que libertarão o Brasil desse hediondo golpe comunista.
Assim como o submundo comuno sindical levou mais de duas décadas preparando o golpe que se avizinha, poderemos também nos organizar para enfrentar da forma que for necessário os meliantes fascistas e realizar nosso sonho de democracia, liberdade e justiça social, em uma ambiente econômico livre das amargas de uma burguesia de poder público corrupto, prevaricador e incompetente.
Nosso futuro, depois da degeneração do país, será de um ambiente econômico capitalista - de Estado mínimo - controlado por uma Justiça digna desse nome, e sem os crimes do neoliberalismo a serviço dos banqueiros e de multinacionais, que vivem para explorar as vantagens competitivas de mão de obra barata dos países em desenvolvimento.
A vagabundagem terá seu preço mas nunca o benefício da proteção do Estado em troca de votos espúrios.
Estamos próximos de confirmar a seguinte descrição de nossa sociedade:
É preciso entender que o Lula da Silva prestou um grande serviço à humanidade: foi o único que revelou para o mundo a verdadeira face de 84% do povo brasileiro. E esta face, é muito difícil de ser encarada no espelho sem que o seu dono e mais 84% do povo brasileiro assumam a condição de um ser desprezível, seres desprezíveis.
Este favor o mundo deve a Lula da Silva. Agora o mundo inteiro sabe que o povo brasileiro não é apenas um povo ignorante, sem cultura, sem estudos, mas sim, um povo sem princípios morais, sem dignidade e sem amor próprio. (Plínio Sgarbi)
Se o que está escrito acima for verdade a candidata do presidente será certamente eleita e fará do país uma quilombada fascista para ser dividido entre a quadrilha que tomou conta do poder público e seus cúmplices.
Os canalhas poderão dar o golpe e tomar o poder, mas unidos, no futuro, os derrotaremos com a força de nossa dignidade, honra, coragem e patriotismo, tudo o que está faltando nos civis canalhas esclarecidos e nos militares acovardados, permitindo o desastre fascista que se anuncia.
Geraldo Almendra
12/setembro/2010
Fonte: Ternuma

Nenhum comentário: