terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

George Washington - Soldado, Estadista ... e Espião-Mestre

.
Recorte de quadro com o general George Washington reunindo suas tropas na batalha de Princeton. 
Pintura original por William Tylee Ranney, na galeria de arte da Universidade de Princeton













Todos os anos, os estudantes norte-americanos celebram o Dia do Presidente (e seu feriado). Nas escolas de ensino fundamental de todo o país, as crianças fazem perucas com bolas de algodão, colorem imagens de George Washington a cavalo, ou de Abraham Lincoln em uma cabana de madeira, enquanto seus professores leem para eles trechos da Declaração de Independência ou do Discurso de Gettysburg.
Dependendo de onde cresceram, os Norte-americanos podem comemorar esse feriado de forma diferente. Devido ao sistema federalista do governo, os estados escolhem como usar o feriado. Alguns o nomeiam como Aniversário de Washington, outros como o Dia do Presidente, outros referem-se a Washington ou Lincoln e, pelo menos um, cita especificamente o nome de Thomas Jefferson.
Mas de acordo com o governo federal, a terceira Segunda-feira de Fevereiro é oficialmente o Aniversário de George Washington (OK, OK, George Washington na verdade nasceu em 22 Fev 1732, mas vamos em frente. Há uma boa história sobre como o feriado veio a ser o que é, e você pode ler a respeito no Arquivo Nacional).
Um dos mais famosos mitos sobre Washington é o da cerejeira. Quase todos os Norte-americanos o conhecem: quando criança, ele cortou a cerejeira que seu pai gostava com uma machadinha. Quando confrontado, ele responde, com uma frase que qualquer aluno do ensino fundamental pode recitar: "Pai, eu não posso dizer uma mentira." O conto fala da virtude inerente de Washington, e ainda fixou sua lenda como o ideal para um líder americano, "Pai" de nosso país.
A lenda do jovem George Washington sendo incapaz de dizer uma mentira. Pintura original por John C. McRae.
Livraria do Congresso 
Poucas crianças aprendem que nosso honrado e honesto "pai fundador", ganhou a Guerra pela Independência não só por causa de suas proezas militares, mas em grande parte também por sua capacidade de enganar. George Washington foi muitas coisas durante sua vida: fazendeiro, amante dos cães, atleta, topógrafo, soldado, presidente ... a lista parece interminável. Mas muitos esquecem ou nem ficam sabendo que ele também era um mestre espião.
Construímos uma mitologia nacional em torno de Washington como um líder destemido e humilde servo. E de acordo com todas as contas, ele era essas coisas. No entanto, muitas das histórias que aprendemos sobre ele foram feitas após a sua morte - como a história da árvore de cereja. São lendas e mitos atribuídos a um homem já grande que não precisava de embelezamento.
Mas nesta história você pode acreditar.
A primeira experiência de Washington com espiões foi ao servir quando jovem oficial na Guerra Francesa e Indiana. Ele aprendeu táticas e técnicas do mesmo Exército Britânico que ele mais tarde enfrentaria na Guerra Revolucionária.
Hoje, a Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos é composta por 17 agências e órgãos, todos servindo nossos líderes nacionais - diplomatas, combatentes, o Presidente - de diferentes maneiras. No Exército Britânico dos anos 1700, se um oficial precisasse da Atividade de Inteligência, era geralmente ele quem teria que desenvolver sua própria rede. Washington acreditava tão fortemente no valor da boa Inteligência que gastou aproximadamente 10% de seu orçamento nela.
Mais tarde, como um Revolucionário Norte-americano, Washington construiu e dirigiu o notório (pelo menos para a Coroa Britânica ) grupo de espiões conhecido como o Anel Spy Culper. Ele mesmo recrutou muitos desses espiões. A fim de proteger esses recursos de inteligência, ele muitas vezes teve o cuidado de sempre evitar saber suas identidades reais. Há muitos espiões Culper Ring, cujas identidades permanecem desconhecidas até hoje.
O preço da espionagem na Guerra Revolucionária era alto, tanto para os revolucionários quanto para os leais à Coroa. Normalmente, os espiões presos e condenados eram executados. Nomes como Nathan Hale e Benedict Arnold evocam imagens da forca (embora, Arnold, o espião britânico mais conhecido da Revolução Americana, tenha evitado sua captura e mais tarde se tornado um General britânico).
Muito parecido com os juramentos de hoje, os militares tinham de assinar um juramento de fidelidade aos EUA. Este juramento foi levado a sério, e muitos espiões foram executados. Benedict Arnold, cujo juramento é visto aqui, não foi executado. Ele foi um "vira-casaca" que aceitou uma comissão no exército britânico e foi viver em Londres. Arquivo Nacional.
O Culper Ring ou Anel de Culper é epônimo com dois nomes de cobertura dos espiões, usados ​​em troca de correspondências, Samuel Culper e Samuel Culper Jr. Eram de fato as identidades falsas de Abraham Woodhull e de Robert Townsend, respectivamente. Seus pseudônimos foram usados ​​nas cartas de Culper Ring para que suas atividades de espionagem não fossem conectadas às suas identidades reais.
No mundo real, eles seguiam sua vida colonial normal, usando seu status social e profissional para alimentar com informações valiosas a causa dos revolucionários. Townsend, por exemplo, era um comerciante que dirigia uma loja de café local, e outro membro do Culper Ring, Hercules Mulligan (que ganhou notoriedade recente como um personagem no musical Hamilton), foi um alfaiate para oficiais militares britânicos.
É importante notar também que muitas mulheres contribuíram para as atividades de inteligência de Washington. Mulheres como Anna Strong, que desenvolveu um "código de varal", foram fundamentais para o sucesso das operações de inteligência. Uma mulher, que morreu na prisão, ainda é conhecida pela História como Agente 355.

Cópia de página do Culper Code Book, que
ajudou a manter várias ações  militares
e informações ocultas dos britânicos.
Arquivo Nacional.
Grande parte das técnicas que nós associamos hoje à espionagem - "dead drops" (pontos para troca de dados), mensagens cifradas, nomes de código - todos eles foram usados ​​pelo Culper Ring. Em particular, Washington estava interessado em ter uma maneira de enviar mensagens com segurança. Uma dessas maneiras era tinta invisível.
Algumas tintas invisíveis anteriores eram de natureza ácida e sutilmente alteravam as fibras do papel para que o receptor pudesse lê-lo sob calor. Washington queria algo mais seguro, e contratou James Jay, um médico na Inglaterra e irmão do patriota John Jay, para desenvolver uma nova "mancha simpática".
Uma mancha simpática é uma escrita feita com um produto químico e revelada por outro. Se alguém recebeu uma carta incluindo mensagens secretas, usaria este produto químico secreto para aplicá-lo na carta para revelar o texto oculto.
Alguns no Culper Ring acreditavam que os britânicos também conheciam o produto químico para revelar essa mancha simpática. Assim, os espiões desenvolveram um Livro de Código Culper, onde números substituíam nomes de várias pessoas, lugares e ações. Por exemplo, 727 era a cidade de Nova York. E o agente 711? O próprio Washington.
As táticas de Washington foram excelentes para aquela época, mas o que realmente ganhou a guerra foi a sua capacidade de enganar os britânicos. Uma das táticas mais eficazes para o nosso jovem Exército Revolucionário era o que agora chamamos de Contra-Informação ("decepção militar", ou MILDEC, em inglês). Washington sabia que suas cartas eram muitas vezes, se não sempre, interceptadas. Em vez de mudar táticas o tempo todo, muitas vezes ele aproveitou a oportunidade para plantar algumas informações falsas.
Às vezes, ele exagerava o efetivo de tropas em mensagens que sabia que provavelmente seriam interceptadas. Ele foi mais longe, a ponto de colocar, às vezes, ordens de fornecimento totalmente falsas para fazer os britânicos acreditarem que as forças americanas estavam se preparando para atacar, ou que estavam sendo construídos acampamentos inteiros em locais-chave.
A rendição de Cornwallis a Washington em Yorktown. Os esforços militares e de inteligência de Washington levaram os Patriotas à vitória, ganhando os Estados Unidos a sua independência da Inglaterra.
Pintura por John Trumbull. A pintura está atualmente na exposição no Capitólio dos EU.
A Contra Infomação foi uma parte importante no conflito decisivo da guerra, a Batalha de Yorktown. Washington fez tudo parecer como se os patriotas estivessem planejando atacar a cidade de Nova York, quando, na realidade, os americanos e os franceses objetivavam Yorktown e a baía de Chesapeake. Washington construiu falsos "acampamentos" fora da cidade de Nova York e quando "seus planos de se mudar para a cidade inadvertidamente caíram em mãos erradas", o mal preparado efetivo do Exército Britânico que ocupava Yorktown foi subjugado por um Exército Continental com o dobro do seu tamanho.
O resto, como dizem, é história.
Mas isso não é realmente o fim da história. Após assumir, o Presidente Washington definiu o primeiro Orçamento para a Inteligência da nova nação. Depois de três anos no cargo, o fundo cresceu para US $ 1 milhão. Isso não parece muito agora, mas era 12% do orçamento do governo na época.
O Orçamento também podia ser mantido em segredo do Congresso para proteger as missões realizadas pelo Poder Executivo (hoje nossas principais informações sobre o Orçamento de Inteligência são de conhecimento público). Este investimento seria indispensável para futuros presidentes. Pouco depois da criação do fundo, os sucessores de Washington, Presidentes Thomas Jefferson e James Madison, usaram o fundo para missões internacionais secretas visando promover os interesses dos EUA.
A confiança de Washington no poder da boa Inteligência levou nossa jovem nação para o sucesso militar e diplomático. Enquanto o público em geral pode estar menos familiarizado com a história de George Washington como o primeiro espião da nação, a Comunidade de Inteligência dos EUA ainda honra este importante aspecto do legado do nosso primeiro presidente, com o Prêmio George Washington Spymaster.
Concedido aos Profissionais da carreira de Inteligência cuja "liderança visionária, contribuições inestimáveis ​​e realizações incomparáveis ​​revolucionaram a CI e executaram fundamentalmente Operações de Inteligência para garantir a preservação de nossa segurança nacional", o Prêmio George Washington Spymaster é a maior honra entregue pela Comunidade de Inteligência dos EUA .
O Prêmio George Washington Spymaster em suas diversas formas: de cima para baixo, barreta para uniforme, pin para lapela, miniatura da medalha, e medalha.  Embora o centro pareça a bandeira do DC, foi na verdade Washington, DC, que adotou o brasão da família de Washington.
A medalha em si é um tributo a George Washington. A bússola que forma a peça central da medalha é o símbolo adotado da Comunidade de Inteligência. Dentro dela, o brasão da família de Washington. O azul significa a fidelidade do Anel Spy Culper, e a prata representa a avaliação da verdade.
Embora não esteja visível aqui, a parte traseira contém uma inscrição adotada do lema da família de Washington: "Exitu Acta Probat". Traduzido, significa "Os fins justificam os meios". Washington adicionou-o ao brasão para homenagear o papel da Inteligência na Guerra Revolucionária.
A medalha exibe um Grifo saindo da coroa (coronet), usado no escudo de Washington durante toda sua vida. O Grifo simboliza sabedoria, vingança e força.
Como aconteceu com os membros do Anel Culper, a natureza de muitas das realizações de nossos Spymasters, como a famosa Agente 355, o público em geral nunca saberá seus nomes.
Mas há uma mulher cujas contribuições para a Comunidade de Inteligência não permanecerá em segredo. É a recente ganhadora do Spymaster, Stephanie O'Sullivan, Diretora-Adjunta da Inteligência Nacional recentemente aposentada.
Ela iniciou sua carreira como "garota-prodígio" técnica, formou-se engenheira civil e construiu diversas plataformas de pesquisa para a comunidade de inteligência - a maioria dos quais ainda está altamente classificada e compartimentada, a ponto de muitas pessoas credenciadas nem saberem sobre elas. O'Sullivan se aposentou em janeiro, mas seu legado de proficiência técnica e liderança pessoal permanece.
Sua carreira se estendeu do Escritório de Inteligência Naval sendo promovida nas fileiras da CIA até ser Diretora de Ciência e Tecnologia e, em seguida, alçada ao terceiro cargo na hierarquia: Diretor Adjunto Associado. Ela foi então aproveitada para se tornar a segunda maior profissional de Inteligência do país, tornando-a a mulher de mais alto escalão da Comunidade de Inteligência dos EUA.
O Diretor de Inteligência Nacional James Clapper condecora formalmente a então Diretora Adjunta da Inteligência Nacional Stephanie O'Sullivan com o Prêmio George Washington Spymaster em 13 Dez 2016.
No seu diploma do Prêmio de Spymaster se lê, "Senhora O'Sullivan pessoalmente guiou os esforços da Comunidade de Inteligência para um ambiente integrado de tecnologia da informação e avançou na pesquisa, desenvolvimento e implantação de sistemas de coleta de ponta." Essas tecnologias mudaram a maneira de agir da CI.
"A necessidade de obter boa inteligência é aparente", escreveu Washington em uma carta em 1777. "... Sobre o sigilo, o sucesso depende dele na maioria das empreendimentos, e por falta dele, geralmente ocorrem derrotas".
Embora a Comunidade de Inteligência tenha mudado desde a época de George Washington, mantivemos a sua constante aposta na melhoria dos métodos para obter a melhor informação possível, proteger o nosso povo e permitir que os nossos líderes nacionais tomem as decisões mais embasadas no interesse da segurança dos nossos cidadãos.
Fonte:  tradução livre de Office of the DNI
COMENTO:  Texto sobre o feriado de ontem nos EUA. A linguagem na segunda pessoa do plural ocorre por ser uma tradução de redação feita por uma entidade norte americana.

Nenhum comentário: