segunda-feira, 6 de junho de 2016

Cinco Coisas Que Talvez Não Saibas Sobre o "Dia-D".

.
por Katie Lange 
D-Day. A invasão da Normandia. Operação Overlord. Isso pode ter vários nomes, e todos nós temos ouvido algo sobre ele através de aulas de história, avós, notícias ou programas como "Band of Brothers".
Um LCVP do USS perseguição de Samuel Chase desembarca tropas na manhã de 6 de junho de 1944, na praia de Omaha. Guarda Costeira foto de CPHOM Robert F. Sargent
06 de junho de 1944, foi a data em que mais de 160.000 militares aliados desembarcaram na França ocupada pelos nazistas como parte da maior invasão de ar, terra e mar já realizada. Ela terminou com pesadas baixas - mais de 9.000 soldados aliados foram mortos ou feridos nos primeiros 24 horas - mas o Dia D é amplamente considerado o início bem sucedido do fim do regime tirânico de Hitler.
A bravura dos pára-quedistas e soldados que invadiram a Normandia naquele dia é bem conhecida, mas há um monte de coisas que você pode não saber sobre o "D-Day". Aqui estão algumas dessas pérolas:

Porque é chamado "D-Day":
O General Dwight D. Eisenhower dá as ordens para o D-Day - "vitória completa, nada mais" - para os pára-quedistas na Inglaterra pouco antes de embarcarem em seus aviões para participar no primeiro assalto na invasão da Normandia. Foto dos Arquivos Nacionais
Você realmente sabe o que "D-Day" significa? Aparentemente é a pergunta mais frequente no Museu Nacional da II Guerra Mundial, mas a resposta não é muito simples. Muitos especialistas têm opiniões diferentes, incluindo que a "D" simplesmente significa "dia", um código usado para qualquer operação militar importante. Outros disseram que é apenas aliteração, como "H-Hour", quando um ataque militar começa.
Enquanto o verdadeiro significado permanece em debate, vejamos o que disse o General Dwight D. Eisenhower a respeito, através de seu assistente executivo, Brig Gen Robert Schultz: "Esteja ciente de que qualquer operação anfíbia tem uma 'data de início' . Por isso, o termo abreviado 'Dia D' é usado. Ele disse, ainda, que houve, na verdade, vários outros D-Days durante a guerra - o da Normandia foi apenas o maior e melhor conhecido.

O Dia-D inicialmente foi fixado para a véspera:
Soldados do 16º Regimento de Infantaria do Exército, feridos no assalto a Omaha Beach, esperam pela evacuação para um hospital de campanha para o tratamento depois do Dia D.  Foto: cortesia do Centro de História Militar
Vários requisitos relacionados com o clima foram necessárias para desencadear o D-Day. No dia precisava ter bom tempo para o uso máximo do poder aéreo; uma lua quase cheia era necessária para ajudar a orientação de navios e tropas aerotransportadas; e a maré tinha que ser forte o suficiente para expor obstáculos da praia na maré baixa e flutuar os veículos de transporte, cheios de pessoal e suprimentos, até a praia durante a maré alta. A definição da "H-Hour" também era fundamental na medida em que os momentos dessas marés estarem subindo deviam ser usados para o desembarque. Também havia que ter uma hora de luz do dia de antemão para haver precisão no prévio bombardeio.
Apenas nove dias em Maio e Junho pareciam se encaixar nesses requisitos, então os Comandantes decidiram-se por 05 de junho; no entanto, graças a previsões que mostravam uma pequena janela de tempo bom em 6 de Junho, o general Eisenhower decidiu de última hora  mudar o Dia D para as primeiras horas naquele dia.

Os EUA só atacaram duas das cinco praias invadidas:
Mapa cortesia de US Army Transportation Museum
Histórias de como as tropas americanas invadiram as praias da Normandia são lendárias, com os nomes de Omaha e Utah destacando-se na mente das pessoas. Mas a invasão se estendeu a mais de 50 milhas de terra, portanto, os norte americanos não poderiam fazê-la sozinhos. Três outras invasões de praia por tropas aliadas aconteceram simultaneamente: Grã-Bretanha e algumas forças menores invadiram praias do Ouro e da Espada, enquanto os canadenses atacaram Juno Beach.

Foi quase uma falha tática :
Os membros de um grupo de desembarque  ajudam outros membros do ataque cujas embarcações de desembarque foram afundadas por ação inimiga na costa da Normandia. Os sobreviventes chegaram a Omaha Beach usando um bote salva-vidas. Foto de arquivo
Embora o objetivo final de libertar a França e expulsar os alemães tenha acontecido, muitas coisas deram errado no Dia D - especialmente para os norte-americanos, que foram os primeiros a lançar a invasão.
Muitos pára-quedistas norte-americanos morreram durante a seu lançamento atrás das linhas inimigas em Utah Beach, tendo sido baleados ainda na descida por fogo inimigo ou se afogado ao cair com suas pesadas equipagens em pântanos alagados. Muitos também perderam seus pontos de destino graças aos ventos, assim como alguns desembarques marítimos ocorreram a mais de uma milha do destino previsto, em função das fortes correntes.
A ofensiva em Omaha acabou por ser a mais sangrenta do dia, em grande parte por causa de Inteligência do Exército ter subestimado a fortaleza alemã lá existente. A forte rebentação causou enormes problemas para os tanques anfíbios lançados no mar; apenas dois de 29 chegaram à costa, enquanto que muitos dos Soldados de Infantaria que saltavam fora dos barcos eram mortos, alvejados facilmente pelos alemães.Gen. Omar Bradley, que liderou as forças em Omaha, chegou a pensar em abandonar a operação.
No entanto, ao final, ambos os setores de tropas dos EUA conseguiram avançar suas posições para o sucesso global.

Decifrar o "Enigma" ajudou a vitória:
Uma máquina de decriptografia, chamado de "Bombe". Ela foi feita pela National Cash Register of Dayton, Ohio e eliminou todas as criptografias possíveis a partir de mensagens interceptadas   Força Aérea foto




Decodificar a grande máquina de códigos alemã, conhecida como Enigma, e manter essa possibilidade de decodificação em segredo, foi uma das estratégias mais brilhantes que surgiram da Segunda Guerra Mundial.
Para encurtar a história, uma vez que o rádio era a comunicação padrão daqueles tempos, ambos os poderes, Aliados e do Eixo necessitavam máquinas para transformar mensagens e planos militares em códigos secretos. Os alemães tinham a "Enigma", que foi planejada para ser indecifrável - mas não era. No início da guerra, uma equipe de especialistas britânicos e poloneses - liderada por Alan Turing, cuja vida e obra são retratados no filme premiado com o Oscar "O Jogo da Imitação" - quebraram o código através de um trabalho que se tornou a base para o computador moderno.
Em vez de anunciar ao mundo sobre a descoberta, os líderes da equipe concluíram que o dispositivo seria mais útil se fosse mantido em segredo. 
Uma máquina SIGABA em exibição na galeria de exposição
 sobre  criptologia na  II Guerra Mundial no Museu Nacional
da Força Aérea dos Estados Unidos. Força Aérea foto
Assim, durante anos, os planos alemães foram tolhidos pelas mensagens decifradas, inclusive sobre o Dia-D. Autoridades disseram que as mensagens alemãs interceptadas antes do Dia-D identificaram precisamente quase todas as unidades de combate alemãs na região da Normandia. No próprio D-Day, elas - as mensagens alemãs - também ajudaram os Comandantes aliados acompanharem o progresso dos seus soldados de forma mais rápida do que através de seus próprios canais de comunicação.
Quebrar os códigos alemães, e mais tarde os dos japoneses, provou ser uma enorme vantagem para os aliados. Embora eticamente controverso pelo seu sigilo, ao processo de decodificação tem sido amplamente creditado salvar centenas de milhares de vidas e encurtar a guerra por quase dois anos.
Ah, e por falar nisso, os militares dos EUA desenvolveram o seu próprio código de máquina criptográfica - SIGABA - antes de entrar na guerra. Aparentemente, ninguém ainda foi capaz de quebrar seu código.

Se você desconhecia alguma dessas coisas até de hoje, agora você já sabe! De qualquer forma, não esqueça daqueles que deram suas vidas naquele 6 de Junho para ajudar a garantir um futuro melhor para todos nós.
Fonte: tradução livre do Departamento de Defesa dos EUA
COMENTO: Mesmo depois de tanto tempo, vendo essas escarpas e imaginando as dificuldades para escala-las, não há como não reverenciar a coragem dos milhares de jovens que as enfrentaram e venceram, servindo como alvos fáceis e vendo seus camaradas morrerem sob fogo inimigo.



Nenhum comentário: