domingo, 21 de junho de 2015

Lula, PT, FSP e Colômbia

por John Marulanda
RIO. A proverbial afetividade dos cariocas anda minguando: estão preocupados, hostis, mesmo. Depois de 12 anos de governo, o Partido dos Trabalhadores, fundado por Inácio Lula para "os pobres e despossuídos", resultou tão ladrão como qualquer outro partido tradicional: seus membros saquearam a Petrobras, que levou uma das empresas petroleiras mais importantes do mundo a uma situação de quase falência. 
A situação econômica do país se mostra mal, com uma recessão que poderá ser a pior em 25 anos. Duro de suportar, para os cariocas, além da carestia, é o ciclo desemprego - ingresso nos bandos de narcotráfico - insegurança - violência. As Unidades Policiais de Pacificação (UPP) estão sendo superadas pelas redes delinquenciais das favelas e os tiroteios. Os mortos aumentam a cada dia. A insegurança agora se estende ao Flamengo, Lagoa, Copacabana, Barra da Tijuca, com menores de idade esgrimindo armas brancas e apunhalando sem piedade. 
-  ¿Onde está Lula? A aura de simpatia (do motorista) desapareceu e deu lugar a algo parecido com raiva reprimida. 
Dilma, sua filha política, a glamorosa ex guerrilheira, evita exibir-se em público por medo das vaias, toma medidas urgentes de cunho neoliberal que a distanciam de seus padrões socialistas e prepara sua visita a Washington. 
O Foro de São Paulo, essa máquina política continental idealizada por Lula e Castro - e financiada por Chávez - que congrega organizações terroristas como as FARC e o ELN, e que ambiciona lançar a América Latina no marxismo-leninismo, urde suas estratégias enquanto vê como Cuba se abre ao imperialismo ianque e à Igreja Católica, enquanto a Venezuela se desmantela. Não importa. 
Esses profetas do ódio entre classes tem a Colômbia em sua mira e assessoram tanto os barões da barbárie quanto a políticos corruptos e retrógrados. Com uma Comissão da Verdade de consequências imprevisíveis, esperam reescrever a história desse país enquanto buscam desprestigiar os militares, única barreira real contra o stalinismo que nos assedia e cerca pelo sul, no leste e no Caribe.
Inflação, desvalorização, corrupção, desemprego, insegurança, são os temas cotidianos em um Brasil que se prepara para os Jogos Olímpicos no ano que vem. A situação é tão tensa que, há um mês, o ministro da Defesa disse a imprensa que "as Forças Armadas estão muito longe de uma intervenção militar para por fim ao governo da presidente Dilma Rousseff em função da crise política e econômica que enfrenta o país".
Deixamos o Leme e rumamos para São Conrado por uma movimentada avenida Atlântica. Joaquim, o motorista, responde com um sorriso: "Lula está se escondendo atrás da saia de Dilma".
E na Colômbia, quando agravar-se o descalabro, ¿onde se esconderão os entreguistas de Havana? 
Fonte: tradução livre de El Colombiano
COMENTO:  essa é a descrição sumária da conversa de um jornalista colombiano com um motorista de táxi do Rio de Janeiro e a opinião formulada a respeito da atual situação brasileira e os possíveis reflexos que tal situação, aliada às negociações com os narcoguerrilheiros, podem ter sobre a Colômbia.

Nenhum comentário: