sexta-feira, 3 de maio de 2013

O Que Há Por Baixo do Caso Rose

por Carlos Newton
Os jornais divulgaram que a oposição pediu à Casa Civil uma cópia da sindicância que apurou denúncias envolvendo a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa Noronha, companheira de viagens do então presidente Lula em vistas oficiais a 32 países, sempre na ausência da primeira-dama, Marisa Letícia. Como se sabe, Rosemary foi indiciada pela Polícia Federal por formação de quadrilha, corrupção passiva e tráfico de influência em órgãos governamentais para obter benefícios financeiros.
A tal sindicância foi aberta por decisão da Casa Civil e realizada em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU). A principal acusação que fazem, segundo a “Veja”, é o “tratamento especial” dado a Rosemary durante viagem particular a Roma. Ela e o marido ficaram hospedados na embaixada brasileira, localizada na Piazza Navona, um dos mais luxuosos endereços da cidade.
Segundo a revista, a sindicância apontou irregularidades e mapeou uma rede de favores e tráfico de influência exercido por Rosemary quando ela chefiava o escritório da Presidência em São Paulo. A apuração determinada pela Casa Civil teria rastreado anormalidades na evolução patrimonial da acusada e recomendado que ela seja investigada por enriquecimento ilícito.
A oposição afirma temer que o governo se atenha ao episódio em que Rosemary se hospedou na embaixada, e deixe de investigar fatos mais graves que comprovem o tráfico de influência exercido por ela. O Palácio do Planalto e o Itamaraty, até o momento, não comentaram o teor do relatório da Casa Civil.
Vazamentos Propositais
O mais incrível é que a imprensa e a oposição ainda não tenham se conscientizado da briga entre as facções de Dilma Rousseff e de Lula, que agita os bastidores do poder e do PT.
Não percebem que todas as novidades sobre o caso de Rosemary foram vazadas propositadamente pelo Planalto. E tudo que se divulga de ruim sobre Rosemary, é claro, atinge diretamente a imagem de Lula. Portanto, o vazamento proposital dessas informações demonstra que não há mais respeito nem consideração entre as duas facções petistas. Muito pelo contrário. Fica patente que o Planalto (leia-se: a ala de Dilma) quer atingir Lula ao máximo, para inviabilizar qualquer possibilidade dele vir a disputar com Dilma a candidatura pelo PT.
A ofensiva do Planalto contra Rosemary/Lula está sendo implacável e bem planejada. Numa semana, o Planalto anunciou que a Comissão de Ética da Presidência iria apurar as implicações da Operação Porto Seguro. Na outra semana, o governo vazou a informação de que Rose já tinha sido objeto de uma investigação solicitada pela ministra-chefe da Casa Civil.
Tudo muito estranho, porque é o PT querendo destruir o PT, e o Planalto vazou que a ministra Gleisi Hoffmann, ao ler o relatório, não hesitou em determinar a instauração de um processo administrativo contra Rose, recomendando também que o Itamaraty apurasse o episódio.
Caramba! De repente o Planalto passou a ser rigorosíssimo com a corrupção, e também vazou que, com apoio da Controladoria-Geral da União, “técnicos do governo apuraram que a ex-chefe do Gabinete da Presidência da República não foi a Roma a trabalho”, quando se hospedou na Embaixada com o marido. E tais “técnicos” até recomendaram que Rosemary fosse investigada por suspeita de enriquecimento ilícito.
E como fica Lula nisso tudo? O ex-presidente não dá uma palavra, não faz nenhum movimento. Mas é claro que vai contra-atacar. Vai ser divertido.
Na televisão, a propaganda do PT mostra Lula e Dilma como se fossem irmãos siameses. Por artes dos marqueteiros, cada um completa a frase do outro, o entrosamento é tão perfeito que acabam em uníssono.
Mas na vida real, a briga entre Lula e Dilma é terrível. Criador e criatura lutam sem cessar nos bastidores. A estratégia de Dilma é usar o governo (Comissão de Ética do Planalto e Controladoria da União), o Ministério Público e a Polícia Federal para destruir Lula e sua companheira de viagens (digamos assim) Rosemary Noronha. Vejam o que escreveu a esse respeito o principal comentarista político de O Globo, Merval Pereira, no último domingo:
Causa surpresa a Rosemary a fúria punitiva com que se lança o próprio governo federal contra ela. Ela identifica na ministra-chefe do Gabinete Civil, Gleisi Hoffmann a responsável pelo rigor da investigação, e o núcleo petista que reclama disso vê na ministra e em seu marido, o ministro da Comunicação, Paulo Bernardo traços de deslealdade”.
A estratégia de Lula, por enquanto, é fingir que não está percebendo a armação do Planalto, que tenta atingir diretamente Rosemary de todas as formas, para prejudicar indiretamente Lula e evitar que ele se apresente ao PT como candidato à Presidência.
Duas Facções em Guerra
Essa disputa de bastidores deixa patente a divisão do governo em duas facções – a ala lulista, que sonha em desestabilizar Dilma no PT, lançar a candidatura do ex-presidente e recuperar o poder “in totum”, como dizem os latinistas; e a ala dilmista, que tenta se agarrar ao poder, por saber que, caso Lula volte à disputa, Dilma será totalmente alijada, junto com todos os que a apoiam hoje.
Esse é o quadro atual. A disputa entre Dilma e Lula é uma luta de extermínio, não há mais possibilidade de convivência entre os dois. E quem vai vencer? Ninguém sabe.
O que se sabe, sem sombra de dúvida, é que Lula está certo de que escapará incólume do novo processo do mensalão, no qual ele pode ser diretamente acusado, julgado e condenado, dependendo das novas provas que o publicitário Marcos Valério oferecer à Justiça. Lula acha também que o caso Rosemary não o atingirá, pois será considerado apenas uma aventura amorosa sem maiores implicações (na opinião dele, claro).
O que o ex-presidente não aguenta mais é a “traição de Dilma” (nas palavras dele). Não a perdoa por estar perseguindo Rosemary implacavelmente. E logo, logo, Lula vai explodir. Se preparem.
Fonte:  Tribuna da Imprensa
em 29 e 30 Abr 2013

Nenhum comentário: