domingo, 24 de junho de 2012

Governo do PT: O Que é Ruim, a Gente Não Mostra

por Políbio Braga
O ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de São Leopoldo, Marco Antonio Pinheiro, está alarmado com o silêncio da Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Ministério Público junto ao Tribunal de Contas, que não liberam uma só informação sobre o andamento da Operação Cosa Nostra.
São Leopoldo está localizada a 30 minutos de Porto Alegre, município de 209 mil habitantes.
A Operação Cosa Nostra foi desfechada há tres meses pela Polícia Civil. Pelo menos cinco secretarias e órgãos municipais foram visitados e deles foram apreendidos documentos e equipamentos.
Há oito anos o prefeito de São Leopoldo é Ary Vanazzi, do PT, uma espécie de coronel local, porque domina completamente o ambiente político local. Ele elegeu deputada estadual a sua própria cunhada, Ana Afonso, e tem o apoio de 11 dos 13 vereadores. 
As ações da Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Ministério Público junto ao Tribunal de Contas, saíram depois que o ex-secretário Marco Antonio Pinheiro construiu um dossiê horripilante de 1.200 páginas, denunciando malfeitorias na administração local. A este dossiê, soma-se outro volume de denúncias assinado pelo médico Carlos Arpini, ex-diretor Clínico do Hospital Centenário, acusado de servir aos interesses eleitorais de líderes do PT.
Depois das denúncias, Carlos Arpini foi esfaqueado ao sair de casa e Marco Antonio Pinheiro resultou ameaçado fisicamente, também em casa. Ambos estão sob proteção de seguranças. 
O dossiê envolve inúmeras autoridades municipais e também 92 empresas, todas fornecedoras da prefeitura. A 3ª Delegacia de Polícia efetuou dezenas de mandados de busca e apreensão, mas parou de agir depois que o caso foi avocado para a Delegacia de Polícia Fazendária, com sede em Porto Alegre.
Ainda não se tem notícia sobre o andamento do pedido feito pela Delegacia de Polícia Fazendária à 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça e ao STF, pedindo autorização para investigar o prefeito Ari Vanazzi, sua cunhada, a deputada Ana Afonso, e o deputado Ronaldo Zulke.
A apenas três meses das eleições, os eleitores de São Leopoldo não sabem o que acontece e nem de que modo as autoridades investigam as escabrosas denúncias feitas por Marco Antonio Pinheiro e Carlos Arpini.
Cópias completas dos pedidos de representação por mandado de busca e apreensão contra pessoas, órgãos e empresas de São Leopoldo, circulam pela Internet desde o início da semana.
Fonte:  Políbio Braga

Nenhum comentário: