sábado, 5 de maio de 2012

Dilma e os Juros dos Bancos



Images
por Stephen Kanitz
Tive a sorte de visitar um dos primeiros computadores importados pelo Brasil, um Univac que ocupava um andar inteiro na sede do Banco Moreira Salles, atual Unibanco-Itaú. Tinha 19 anos. 
Imaginei que o computador estivesse rodando um programa de análise de crédito, usando análise discriminante ou correlação múltipla, algo que na mão era virtualmente impossível.
"Estamos rodando a folha de pagamento", para a minha grande surpresa.
Aí está um dos nós deste país.
Em vez de usarmos tecnologia avançada para termos vantagens competitivas, precisamos usar tecnologia avançada para resolvermos problemas criados pelo populismo dos assessores de nossos políticos
Leis trabalhistas tão complexas e complicadas, que precisamos importar computadores para processá-las. Por isto, os juros dos bancos são elevados. 
O trabalhador custa o dobro do que ele efetivamente ganha de salário no final do mês, e por isto os produtos, e neste caso os juros, precisam custar o dobro do que em outros países.
Devido a esta visita, percebi que Análise de Crédito tinha um futuro, e me especializei no assunto, e muitos vocês me conhecem pelo termômetro de insolvência.
Numa financeira, o primeiro modelo de Credit Scoring que fiz, apontou que era muito arriscado emprestar para a profissão de advogados. Parece que eles já usavam a morosidade do judiciário a seu favor, e era a profissão que mais atrasava. Recomendei não emprestar mais para advogados. 
Ledo engano. Foi quando tive a segunda grande lição sobre o Brasil.
"Você está completamente maluco? Você quer que sejamos processados pela OAB?"
Não se pode no Brasil fazer análise prévia de crédito, e recusar sob experiência estatística.
Seria considerado discriminação, um insulto, uma afronta, um racismo bancário. Não seria aceito culturalmente.
Por isto, bancos emprestam para todo mundo, até para advogados, e o custo dos atrasos e inadimplência é custeado por nós todos.
Hoje, 27% dos cartões de crédito não são pagos em 90 dias, é uma verdadeira farra dos caloteiros.
Na realidade são pagos sim, por você com estas taxas "solidárias".
Segundo, devido a praga do nominalismo econômico, economistas, do mundo inteiro diga-se de passagem, taxam com Imposto de Renda o "juro" nominal e não o juro real.
20% de 10% de juro nominal é 2% de imposto, e se o juro real for 4%, isto significa 50% de imposto na fonte. 
Ou seja, no Brasil de hoje, com juro baixo, o Imposto de Renda é 50% do custo do dinheiro, é mais um erro brutal de política econômica, causado pelo nominalismo econômico, que insisto tem que ser extirpado deste país. 
Com IR sobre juros de 50%, significa que Bancos precisam cobrar o dobro de juros, só para pagar o Imposto de Renda do Governo Federal. 
Dilma não sabe disto. Ela sabe sobre Custo de Capital, e eu a elogiei por isto, mas ela não tem formação completa em Administração Financeira, e isto complica bem sua Presidência. 
Tem mais. Em 1995, Pedro Malan acabou com a Correção Monetária dos Balanços dos Bancos. O Patrimônio dos Bancos Brasileiros foram congelados aos preços de 1994, por isto parecem tão rentáveis. 
Divida o Lucro de 2011, pelo Patrimônio congelado de 1994, e o número será enorme, e fictício.
Publicar balanços que não espelham a realidade foi considerado necessário para acabar com a inflação. Outro absurdo do nominalismo.
Pior, pelas regras da Basileia e do Banco Central, os bancos somente poderão emprestar 12 vezes este patrimônio de 1994, nada mais. Foram congelados a não emprestar.
Portanto, reduzir juros no Brasil para poder emprestar mais não funciona, porque é proibido. Por lei.
Por isto, desde 1995 os Bancos Brasileiros mudaram seu foco para receitas de serviços, e não de empréstimos. 
Dilma e Pedro Malan não sabem disto, mas agora você sabe, e já sabia se acompanha este blog
Querem reduzir os Juros dos Bancos?  Não é dando murros na mesa e insuflando o povo contra Wall Street a la Cristina Kirshner.
A culpa não é dos Bancos, que há muito deixaram de focar em empréstimos e sim em seguros, serviços, aplicações e outras atividades mais lucrativas.   Pense.

Nenhum comentário: