sábado, 30 de julho de 2011

Quem Financia o Ateísmo da ATEA?

por Janer Cristaldo
Há dois ou três dias, eu manifestava meu espanto ante o submarino nazista que foi descoberto nas costas de Santa Catarina. Curiosamente, nunca vi submarinos comunistas, sociais-democratas ou capitalistas. Ontem, nova surpresa. Segundo a Zero Hora, ônibus ateus começarão a circular em Porto Alegre no próximo domingo. O jornalismo é surpreendente. Temos agora um ônibus que não acredita em Deus. Mais um pouco e teremos ônibus tementes a Deus.
A partir deste domingo, a chamada campanha dos ônibus ateus terá início na Capital. Ônibus exibirão mensagens expondo o ponto de vista de ateus e agnósticos sobre temas como fé e moralidade. A ação é uma iniciativa da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos.
O mote da campanha é o slogan "Diga não ao preconceito contra ateus", que aparece em quatro peças diferentes acompanhando imagens e frases polêmicas. Uma delas afirma "A fé não dá respostas. Ela só impede perguntas". Em outra aparecem Adolf Hitler e Charles Chaplin ilustrando o texto "religião não define caráter".
O texto diz que Chaplin não acreditava em Deus. Pode ser. Mas acreditava em Stalin, o que é um pouco mais constrangedor. Em O Grande Ditador, Chaplin satiriza Hitler. Mas em toda sua obra poupou Stalin, que começou a matar muito antes de Hitler e continuou matando depois de Hitler. Quanto a dizer que Hitler acreditava em Deus é aposta perigosa. Até parece que ateus são anjos de bondade. Enumerar grandes assassinos que eram ateus não é difícil. Vão de Átila – não por acaso chamado o Flagelo de Deus – e Tamerlão a Lênin, Stalin, Mao, Pol Pot e Fidel Castro. Se religião não define caráter, ateísmo muito menos.
Nascemos todos ateus. Nenhuma criança crê em Deus, pela simples razão de que não tem noção alguma do que seja Deus. A idéia de Deus é decorrente do Estado, da Igreja, da escola. No entanto, nunca vi ninguém manifestar preconceitos contra o ateísmo infantil. Muito menos contra o ateísmo adulto. Nasci ateu, em um ambiente pagão, e fui católico por uns quatro ou cinco anos, em virtude de uma catequista e de um colégio de padres oblatos que me enfiaram o cristianismo a machado cabeça adentro. Mas logo me recuperei. Sou ateu há mais de meio século e nunca me senti por isso discriminado. Os neo-ateus, pelo jeito, querem posar de coitadinhos.
A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos – ATEA, para os íntimos – é uma espécie de sindicato de ateus, conduzida por um tal de Daniel Sottomaior, que pretende atrair a atenção da sociedade e tirar os ateus da invisibilidade.
Somos cerca de 2% dos brasileiros, ou 4 milhões de ateus. Mas muitos têm medo de se expor devido ao preconceito de amigos, chefes e familiares. Isso tem que acabar.
Confesso que nunca vi ateu com medo de se expor, muito menos restrições de amigos, chefes ou familiares. Convivo mais com pessoas que não crêem em deus ou deuses, mas também convivo com crentes. Isto nunca impediu nosso bom relacionamento. Só o que faltava eu exigir que uma pessoa pense como eu penso para com ela relacionar-me.
Há uma noção de que ateus são maus. Acontece um crime bárbaro, logo falam que o sujeito não crê em Deus. A campanha quer mudar essa imagem — diz Daniel Sottomaior, presidente da ATEA.
Ora, isso é desonestidade intelectual, típica de sofistas que jogam argumentos inexistentes ao ar, para melhor rebatê-los. Nunca vi, em minha vida de jornalista, acusarem criminosos de ateus. Em verdade, um apresentador de televisão, truculento e analfabeto, o tal de José Luiz Datena, andou afirmando ano passado que crime é coisa de pessoas que não acreditam em Deus. “Porque o sujeito que é ateu, na minha modesta opinião, não tem limites, é por isso que a gente vê esses crimes aí”. E continuou em seu discurso sem nexo: “É por isso que o mundo está essa porcaria. Guerra, peste, fome e tudo mais, entendeu? São os caras do mal. Se bem que tem ateu que não é do mal, mas, é ..., o sujeito que não respeita os limites de Deus, é porque não sei, não respeita limite nenhum”.
Mas Datena é um bronco, que jamais leu aquele livro em que o bom Jeová ordena massacres de povos inteiros. Sua opinião não pode ser levada em consideração. Segundo a Zero Hora, a campanha traz ainda a foto de um avião atingindo o World Trade Center com os dizeres "Se Deus existe, tudo é permitido" - em referência à famosa citação em contrário do romance Irmãos Karamazov, de Dostoievski. Sottomaior pode pretender jogar com esta frase. Só que - como comentei ontem e tenho comentado toda vez que esta bobagem é proferida - Dostoievski nunca afirmou que se Deus não existe tudo é permitido. Sottomaior revela a mesma ignorância de todos aqueles que citam Dostoievski sem jamais tê-lo lido.
Os tais de ônibus ateus não passam de macaquices de provocações que foram feitas nos Estados Unidos e Europa. Ano passado, eu afirmava que esse conflito entre ateus e crentes era coisa de ianques, que até hoje se dividem entre criacionistas e evolucionistas. Aqui no Brasil, o dito maior país católico do mundo, os três últimos presidentes foram ateus. Brasileiro não se preocupa com isso. 
Por outro lado, me soa insólita uma associação de ateus. É como se fosse uma associação de solipsistas. Ou de solitários, como quisermos. Ateu é o homem que nega a fé em deus ou deuses. Que crentes se associem para preservar sua fé, até que entendo. Nós, ateus, não temos fé nenhuma a preservar. Nossa descrença dispensa apoio de quem quer que seja. Isso de associação de ateus me soa à religião.
Mais insólita ainda me soa uma associação brasileira de ateus, como se ateu tivesse pátria. Me lembra uma piada da Irlanda. Um cidadão foi interpelado em uma barreira. Alegou: “mas eu sou ateu, nada tenho a ver com as brigas de vocês”. Tudo bem - respondeu o guarda -. Mas você é ateu católico ou ateu protestante? Ora, nós somos universais. Não existe ateu brasileiro ou ateu francês ou ateu espanhol. Existem ateus, simplesmente.
Por ter manifestado meu ateísmo, não poucas vezes fui convidado a participar de grupos de ateus. Para começar, sou avesso a qualquer grupo. Não pertenço a nenhum. A idéia de grupo me horroriza. Continuando, se sou ateu, não sou militante. Que as gentes creiam no que bem entenderem. Desde que não pretendam me proibir o direito a críticas, tanto faz como tanto fez. Se uma fé faz bem a alguém, não serei eu quem pretenderá extirpá-la.
Desconfio de todo ateu militante. É alguém que não está contente com seu próprio deus. Mas está doidinho para encontrar um outro na esquina. Ou para arrecadar gordos financiamentos para suas campanhas em prol do ateísmo. Pois duvido que alguém financie do próprio bolso cartazes pregando seja lá o que for.

Nenhum comentário: