sábado, 15 de janeiro de 2011

Crônica Insólita

por Arlindo Montenegro
A van moderna e veloz nos conduz por vias desconhecidas e só uma coisa nos assegura que vamos "chegar lá...", o sistema de navegação GPS. À margem da moderna rodovia, do outro lado da cerca eletrificada, pasta um imenso rebanho nelore, que na luz incerta entre o dia e o anoitecer lembra varais com lençóis brancos estendidos a perder de vista.
O GPS nos informa: "Reduza a velocidade. Prepare-se para virar à esquerda a 200 metros." Claro que o motorista obedece, senão "a vaca ou van vai para o brejo" e no atoleiro não há GPS que ajude. A boa notícia é que o rebanho humano que puxa as carroças do produto Brasil começa a receber os brincos de identidade chipados, que facilitam a localização e controle, que nem das vacas nelore. Viva o GPS!
Tem gente que fica preocupada com escutas telefônicas, vigilância sobre a correspondência privada contida em e-mails, exposição de documentos da receita federal, corrupção que facilita a vida de governantes, políticos e empresários, mas tudo isto é fichinha, futrica. Caso contrário os homens que nem aquele do caseiro, a viúva do prefeito, o outro do crime dos sanguessugas e etceteras diversos não estariam no comando.
Por isto e por outras decisões de cabeças coroadas, o Departamento Intersindical que acompanha e defende os interesses dos trabalhadores, Dieese, lembrou ontem que o novo salário mínimo, garantido pela Constituição em vigor, (que não vale nada para quem manda), está medido na casa dos Dois Mil Duzentos e Vinte e Sete Reais! Carai! Aí sim! A gente nem ia ficar p... da vida sabendo o que tem de pagar pra cada deputado, senador, juiz, destes cristãos que mandam ignorando a Lei, fazendo a boiada ruminar pacificamente a grama que resta no pasto.
Nem ia s'importar com o que diz o economista Adriano Benayon sobre as soluções do governo para salvar o Brasil: "...comprar e prostituir mentes políticas imaturas, nomear ministros, privilegiar empresários, facilitar fusões com mega investidores e empresas estrangeiras." A gente nem ia s'importar sabendo o que escondem da gente com esta conversa pra boi dormir sobre direitas e esquerdas, comunismo e imperialismo americano.
O mundo global está pendente, como diria um ilustre político com diploma da USP, das "tequinicologias" mais avançadas. Estamos todos pendentes do GPS, esta maravilha que nos guia e nos vigia. Muita gente bruta, maioria da gente infelizmente, nem sabe o que significa, GPS. A molecada adora o Google Earth, os viajantes adoram o Google Maps, as câmeras embutidas em computadores que facilitam até o sexo virtual em todas as suas formas e "generos" – masculino, feminino, híbrido, bi, tri, penta, pedófilo, animalesco, bestial... - tudo como quer a ONU e suas agências para a infância e direitos humanos progressistas.
O que se sabe é que GPS significa Global Positioning System (Sistema de Localização Global), "é a abreviatura de NAVSTAR GPS-Navigation System with Time And Ranging Global Positioning System" - que em linguagem pra entender direito significaria algo assim como: olho do Big Brother para localizar qualquer pessoa ou coisa em tempo real, em qualquer lugar sobre a face da terra. As consequências para a liberdade, privacidade e individualidade não vêm ao caso.
O complemento da informação vem de um especialista na matéria, um profissional experiente, vivido, vacinado, que fica na moita e acrescenta uns comentários maliciosos, dando a medida da nossa independência e soberania, enquanto a nossa van branca como vaca nelore chipada, estaciona na roça onde vamos comprar do produtor uma espigas, talvez as últimas sem a contaminação da Monsanto et caterva.
"O GPS´está baseado em satélites desenvolvidos e controladas pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América. Na hora que bem entenderem, sem aviso prévio, podem desligar o interruptor provocando caos no fluxo de transportes urbanos, na vigilância do transporte de carga nas estradas, no acompanhamento de safras da agricultura, na previsão do tempo..."
O motorista só disse: "Vige! Só quero que não desliguem agora deixando a gente aqui nesse mato". E o profissional acrescentou: "Sossega, eles estão controlando o terreiro deles. No momento teriam prejuízo. Só usam isso como um argumento nas negociações com nações que comem sagu e arrotam caviar".
Enquanto o estado brasileiro cumprir as ordens direitinho, vamos levando a nossa vidinha. A Europa que atua em conjunto com os "imperialistas" de todas as cores já está montando sua própria rede de satélites para sair da dependência. Por aqui estamos negociando minerais, empresas produtivas, pré-sal – adequando as leis para acabar com esta comédia de nacionalismo e independência tão desejada. Estamos no brejo, mas o carnaval vem aí!
Fonte:  ViVerdeNovo
COMENTO:  tecnologicamente somos dependentes por vários aspectos (parece que até mentalmente, de acordo com as últimas decisões coletivas brasileiras). E não se vê algum esforço dos "formadores de opinião" em transformar isso. Um exemplo é a novela da aquisição de novos aviões para a FAB. Se não temos indícios de um conflito imediato, por que não privilegiar a indústria e a tecnologia nacional (?) equipando nossa Força Aérea com aviões da Embraer?  Afinal, nossos Tucano e Super-Tucano são o xodó da Força Aérea Colombiana em sua luta contra a narcoguerrilha. Não precisamos mais que isso! Por outro lado, vimos recentemente o empenho de governantes em atrair eventos mundiais para o país, como a Copa do Mundo. Isso implicará gastos e muitas (e põe muita nisso!) propinas, safadezas, maracutaias e patifarias do gênero. Todo ano é a mesma coisa. Enchentes, casas e bens perdidos, vidas ceifadas estupidamente por riachos que transbordam. E os (ir)responsáveis apresentando seus "projetos" que nunca saem do papel (e a parte que sai é sempre superfaturada). Os mortos no Rio de Janeiro, neste ano, por causa de quedas de barrancos e enxurradas já alcançam seis centenas, enquanto boa parcela da população faz festa pela chegada de um novo jogador de futebol. E há outros que se preocupam com novos problemas estruturais do Maracanã que elevarão os custos das suas obras para a Copa do Mundo em mais de R$ 300 milhões, fazendo com que a obra nos custe mais de um bilhão de reais. A preocupação não é com os custas, diga-se de passagem.  Enquanto isso, vamos fazendo projetos e mais projetos, que nunca passarão de projetos para sanear as áreas de risco da população pobre, as obras mesmo não podem ser feitas agora por causa do clima, depois por que a verba liberada não é suficiente, depois sabe-se lá por que. Esperemos até chegar a próxima estação de chuvas. Afinal, um povinho que elege representantes como os que temos e paga para assistir Amy Qualquercoisa, não merece nada melhor do que já temos!
.

Um comentário:

José María Souza Costa disse...

Parabens, pela cronica
Passei aqui lendo o que tem pra ler. E observando o que tem para observar. E Exaltando o que tem de ser Exaltado. Estou lhe desejando um Tempo de Harmonia e de muita Inspiração. Entendo ter um blogue Agradavel, muito bom e Interessante. Eu, também tenho um. Muito Simplório por sinal. E estou lhe Convidando a Visitá-lo e, mais. Se possivel Seguirmos juntos por eles. Estarei Muito Grato esperando por Você lá.
Abraços de verdade e, fique com DEUS