quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O que eu penso

Gen Div Murillo Neves Tavares da Silva
Muita gente está com uma expectativa bastante negativa no que diz respeito ao governo de Dilma Roussef. Eu não. As pessoas que não votaram nela acreditam que muitas coisas que não foram tratadas na campanha (e que não são do agrado geral) podem, agora, aparecer como pontos de destaque no programa de governo. Um exemplo: a volta da CPMF.
Nenhum dos dois candidatos do segundo turno fez qualquer menção quanto à necessidade de fazê-la voltar. Dona Dilma, agora, como se não tivesse nada com isso, já disse que é uma iniciativa dos governadores e que ela não enviará mensagem para o Congresso a respeito.
O Senador Sarney, por sua vez, já adiantou que o Parlamento pode tomar a iniciativa. Vai daí... Outra coisa, bastante significativa, foi notícia publicada no Correio Braziliense (Coluna do Ari Cinha, de 07 de novembro de 2010, domingo) quanto à existência de uma proposta de emenda constitucional (PEC) já aprovada na Comissão de Constituição e Justiça: em caso de vacância na Presidência da República, o vice não pode substituir definitivamente o titular. A idéia é nova eleição. Como a Dona Dilma - democrata desde sempre, mesmo nos tempos em que militava em organização dedicada a atos de terrorismo - vai respeitar e nunca peitar um Congresso dócil, como sempre desejou ter seu mentor e inventor Lula da Silva, não será difícil conseguir a aprovação. Até porque seu vice é do PMDB, partido absolutamente sem apego ao poder, como todos sabemos, e não se incomodará com não chegar ao topo. Mesmo na planície, o PMDB sempre se aliou às alturas. Aliás, Deus a livre e guarde, em caso de recidiva do câncer que atacou a hoje presidente eleita, havendo nova eleição por falecimento da titular, o PT poderá lançar novamente adivinhemos quem: Luís Inácio Lula da Silva !!!!! Além disso, temas que foram escamoteados na campanha e nos debates, como o do aborto, apoio às pretensões do MST e controle da imprensa, para não espantar os eleitores, também podem ser ressuscitados.
Minha esperança, contudo é que nada disso aconteça e Dona Dilma siga impávida em sua trajetória gloriosa de presidente. Por que? Porque ela em, no máximo, seis meses terá livrado a nação brasileira da nefasta influência de seu criador. Se é verdade que ela é autoritária e arbitrária (tantos são os casos divulgados que a gente acaba acreditando), não se sujeitará à tutela de ninguém. Se já gritava com e até destratava outros ministros e funcionários graduados em reuniões de serviço, não há de ser um metalúrgico (que alguns dizem ser chegado a libações alcoólicas) de pouca instrução que vai mandar nela. Todos conhecemos a inabilidade do Lula em seus pronunciamentos, provamos de sua incontinência verbal, de suas piadas inoportunas e até mesmo de alguns pequenos palavrões que - nas transcrições oficiais para arquivos - apareciam como "inaudíveis". Não deixará de ser assim, se Dona Dilma o contrariar. Só que ela, do pedestal de sua grandeza, não terá obrigação de aturar. Aí, ele, mais vaidoso que pavão fantasiado de destaque em escola de samba, tentará inviabilizar o governo dela, achando-se ainda detentor de uma popularidade enorme (em que eu nunca acreditei) e com total controle do PT. Como o PT mostrou-se partido de boquinhas e bocões, não creio que aceite perder suas posições e seus medalhões voltem a ser lanterneiros, pintores de auto, caixas de banco, petroleiros de plataforma, vigilantes (todas profissões honradíssimas, mas que não pagam os salários polpudos desses sebraes e fundos de pensão da vida). Sempre haverá quem seja grato a Lula e aí se farão as divisões de uma agremiação que já é cheia de alas, tendências e correntes. Se o preço da eleição de Dona Dilma for, realmente, o ostracismo do Lula e a desestruturação do PT, haverá espaço para que uma oposição honesta (e não tão incompetente quanto a que conduziu a campanha do José Serra) escolha um líder de fato para conduzir nosso Brasil a seu destino de grande nação.
É o que eu penso. E rezo muito para que aconteça.
Brasília, DF, 09 de novembro de 2010.
Gen Div Murillo Neves Tavares da Silva

Nenhum comentário: