domingo, 17 de outubro de 2010

As FARC também têm seu Caim


"Fabían Ramírez", ejecutó su hermano
Arquivo - Durante os Diálogos de Caguán, Fabián Ramírez (à direita, na foto) foi uma das figuras mais representativas desse grupo guerrilheiro. Finalizada a Mesa de Diálogos ele passou a comandar o Bloco Sul das FARC, responsável por ataques à Força Pública nos departamentos de Putumayo e Nariño.


O quadrilheiro "Fabián Ramírez", membro do Estado Maior das FARC, teria assassinado seu próprio irmão. Isso foi revelado quinta-feira (14/10) pelo Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em Sibaté (Cundinamarca), durante a cerimonia de promoção de quatro policiais que se encontram sequestrados pela guerrilha. A informação foi encontrada em uma mensagem eletrônica de um dos computadores do recém abatido "Mono Jojoy".
A comunicação das FARC tem data de 19 de outubro de 2009 e está assinada por "Joaquín Gomez", (ao centro na foto que deslustra o texto) que informa a "Jojoy" que "Fabián Ramírez" pediu a autorização para justiçar a seu irmão. "A única sugestão que lhe fiz foi que quanto mais rápido melhor para evitar que nos faça o menor dano", diz "Joaquín Gomez" na mensagem.
O Presidente da República qualificou esta possível ação como um ato de barbárie. "Esta é a classe de gentalha e bandidos a quem estamos enfrentados e por isso não vamos baixar a guarda um só minuto até vê-los totalmente derrotados", precisou o Mandatário.
Nesta apreciação coincide o analista político Alfredo Rangel, que assegura que este fato evidencia o estado de decomposição das FARC.
"Isto não é mais que o nível de fanatismo irracional que sofre a alta cúpula da guerrilha das FARC. É uma ausência absoluta de ética e de moral para participar e ordenar o assassinato de qualquer ser humano por próximo que seja desses membros da cúpula", expressou Rangel.  Ele considera que o Governo está buscando revelar ante a opinião pública "o nível de barbárie e de selvageria em que estão afogados os principais dirigentes das FARC".
O ex ministro de Governo, Jaime Castro Castro, afirmou que "o Governo com este tipo de revelações quer desqualificar ainda mais as FARC e seus procedimentos. ... As FARC estão em deterioração manifesta. É o pior dos momentos em toda sua historia, que se reflexa neste tipo de conduta".
O Presidente Santos também anunciou que na noite de quarta-feira (13/10) foi legalizada, por parte de um juiz de instrução, a informação achada nos computadores encontrados no acampamento de "Mono Jojoy".
Santos  "Não se deixe abater"
Por outra parte, os familiares dos policiais sequestrados receberam  uma voz de alento da parte do Presidente Juan Manuel Santos, na cerimonia onde foram promovidos quatro policiais em poder das FARC e outros nove que já estão em liberdade.
O Presidente saudou Oliva Solarte, mãe do Intendente-chefe, Jorge Trujillo Solarte; a Pedro Júlio Rojas, pai do Intendente-chefe, Wilson Rojas Medina; a Gloria María Marín, esposa do Intendente-chefe, Carlos José Duarte, e a María de los Ángeles Moreno, mãe do Intendente-chefe Álvaro Moreno.
"Faz alguns anos, no sepultamento do ex Presidente Alfonso López Michelsen, disse à mãe de Ingrid Betancourt exatamente o que disse hoje a Oliva Solarte: não se deixe abater, mantenha a fé, por que não vamos descansar até ver a seu filho livre com você", manifestou. 
Contexto
O que dizem os correios de "Mono Jojoy"
Alguns correios encontrados até agora nos computadores de "Jojoy" revelam informação como os nexos entre a guerrilha e narcotraficantes, a fuga dos suboficiais Jorge Trujillo Solarte e José Libardo Forero, sequestrados há onze anos (possivelmente recapturados pelos bandidos); os possíveis atentados contra o ex Vicepresidente Francisco Santos, a tentativa de envenenamento ao ex Presidente Álvaro Uribe e o atentado contra Germán Vargas Lleras. Também, o incômodo com o Governo cubano pela insistência das FARC em tomar o poder pelas armas em Colômbia.
Fonte:  tradução livre de El Colombiano

Nenhum comentário: