quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Ministro brasileiro chama Ahmadinejad de ditador

O ministro dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, afirmou nesta terça-feira (17/8) que o Brasil continua negociando com o Irã o asilo político à iraniana Sakineh Ashtiani.
Para o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, tal medida é desnecessária e o Poder Judiciário do país também é contrário ao pedido brasileiro.
"Se esse ditador [Ahmadinejad] tiver um mínimo de bom-senso, deveria permitir que ela venha morar no Brasil e seja salva", disse Vanucchi.
Na sua avaliação, o Brasil é o único país que pode negociar com o Irã depois de o país ter buscado um acordo em torno do programa nuclear do país junto com a Turquia.
A idéia de que o preceito cultural tem que ser mantido nos levaria a tolerar o infanticídio, por exemplo, e não podemos aceitar isso, como não podemos aceitar a amputação de clitóris promovida por países islâmicos. Tem que questionar e discutir isso, mas não com tanques de guerra”, enfatizou o ministro.
Vannuchi também defendeu a política externa brasileira ao destacar que a maior proximidade com os governos iraniano, venezuelano e cubano não representa qualquer contradição em termos de direitos humanos.
Também nesta terça-feira, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, sugeriu que o Brasil crie uma área própria para abrigar “criminosos e assassinos” estrangeiros.
A Embaixada do Irã em Brasília emitiu nota em que o governo iraniano pergunta se a proposta de oferecer asilo a sentenciados não ameaça a sociedade brasileira.
Diz a nota:Será que a sociedade brasileira e o Brasil têm que ter, no futuro, um lugar dos criminosos de outros países em seu território? Se a concessão do exílio aos criminosos e assassinos tornar-se um hábito para os países, será que isso não prejudicará o papel dos sistemas jurídicos desses países?.
Análise da Notícia
Direitos Humanos é um tema mal resolvido no governo Lula.
Sair em defesa dos direitos humanos é posicionar-se à frente dos retrógrados, conservadores e racistas de todo tipo, credo e cor.
As palavras do ministro Paulo Vanucchi são claras e são duras. Ele chama o presidente do Irã de ditador, algo que o governo brasileiro não reconhece.
A nota da Embaixada do Irã em Brasília é ainda mais cristalina. Para o Irã, Sakineh Ashtiani é uma criminosa comum. Para Lula, os presos de consciência cubanos, também.
Vanucchi, ao comentar o esforço do Brasil em salvar (?) essa moça, afirmou que em relação a Cuba, os direitos humanos são um tema controverso.
Segundo ele, a ilha possui um sistema político que "se afasta muito dos valores do governo Lula", embora reconheça que o país também experimentou "avanços sociais que nenhum outro país da América tem". "O que não pode haver, para nós, são presos de opinião. E o governo brasileiro faz pressões discretas neste sentido. Há sim problemas no regime cubano e destes nós discordamos", afirmou.
Há duas semanas, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, esteve com Lula e saiu afirmando que não existem presos políticos no país. Que todos são criminosos que foram julgados de acordo com a lei cubana.
Por que então, estão sendo libertados? E por que Lula, quase se humilhando, pediu um “extraditadozinho” para o Brasil?
Fonte: InfoRel
COMENTO: o bando ora no governo "deçepaíz" não tem a mínima noção do que fazer, seja qual for o campo de expressão nacional que se observe. As Relações Externas, dirigidas por Marco Aurélio Garcia, secundado por Celso 'Megalonanico' Amorim, acumularam catastróficos fiascos nos últimos tempos. Agora, vem esse sujeito chamando 'oficialmente' Ahmadinejad de ditador. Falou a verdade? Falou! E podemos ver aí um 'avanço' na visão política governamental ou, quem sabe, um recado discreto do 'voçolíder', desapontado com as sucessivas rasteiras que lhe tem sido aplicadas pelo amigo iraniano. Mas a resposta iraniana também não foi de fácil digestão. Com certeza foi fundamentada nos episódios que vão desde Ronald Biggs a Cesare Battisti, passando por Achille Lollo, Pietro Mancini e Olivério Medina (sem esquecer Gustav Wagner e Alfredo Stroessner para não dizerem que só falei da comunistada). Temos que concordar com o defensor do 'direitudusmano' quando ele afirma que não podemos tolerar crimes como o infanticídio ou a mutilação feminina em nome da manutenção do preceito cultural. Mas ele deve esclarecer isso aos 'cumpanhêrus' da FUNAI e tentar impor essa idéia aos nossos nativos.
A idéia da morte da iraniana, sob apedrejamento ou na forca, me causa mal-estar, particularmente pelo motivo alegado. Da mesma forma como me causou mal-estar a notícia de que um casal foi apedrejado até a morte no Afeganistão e na semana antecedente uma outra mulher também foi vítima do mesmo 'castigo' e não mereceram dez por cento da atenção midiática internacional. Também não entendo a oferta de "asilo político" à iraniana, se a condenação da mesma não tem nada a ver com dissidência ou perseguição política. Seria o caso de se criar o "asilo religioso"?

Nenhum comentário: