sábado, 14 de agosto de 2010

Juan Santos: a porta do diálogo está fechada!

Colprensa | Bogotá | Publicado em 14 de agosto de 2010
O Presidente colombiano desautorizou as gestões paralelas às do Governo Nacional para empreender conversações com grupos guerrilheiros enquanto estes não demonstrem desejo de paz. Também ofereceu recompensa para encontrar os autores do atentado com carrobomba em Bogotá.
Ainda que não haja indícios claros para atribuir a autoria do atentado de quinta-feira passada em Bogotá, as tentativas de buscar aproximação com os grupos armados ilegais estão vedadas por este fato.
"A chave do diálogo, não a jogamos ao mar, porém a porta está fechada e se manterá fechada enquanto quem quiser dialogar sobre paz não demonstre de forma clara e fidedigna sua verdadeira vontade", disse ontem o Presidente Juan Manuel Santos Calderón, em alusão à explosão do carrobomba no bairro Chapinero, em Bogotá.
Adicionalmente, o mandatário desautorizou gestões de paz vindas de fora do Governo.
"E falando de paz, também quero reiterar uma coisa muito importante: muitos têm querido se oferecer de intermediários, muitos têm querido insinuar que eles poderiam fazer um trabalho aqui e alí", disse o Presidente. "A resposta é: muito obrigado, mas não (queremos), nem no exterior nem aqui na Colômbia. O Governo Nacional, quando for a hora e quando considere que as circunstâncias estão prontas, e ainda não estão prontas, apresentará a chave e abrirá rapidamente a porta. Enquanto isto (não ocorre), fica absolutamente desautorizada toda gestão paralela", acrescentou Santos.
O pronunciamento do mandatário se registrou ontem na sede da 3ª Divisão de Exército, em Popayán, durante uma cerimonia militar na qual ele esteve acompanhado pelo Ministro da Defesa, Rodrigo Rivera, e Comandantes da Força Pública.

Investigação
O Chefe de Estado disse que "não sabemos ainda - e temos que dizer a verdade -, não sabemos ainda quem foram os responsáveis nem contra quem (foi dirigido o atentado). Porém sabemos, sim, que qualquer ato terrorista busca uma consequência. E por sorte essa consequência foi totalmente contraproducente, por que Colômbia está unida, firme, contra qualquer ato terrorista".
"Para que as autoridades sigam a investigação e encontrem os responsáveis na maior brevidade possível, vamos oferecer uma recompensa de até 500 milhões de pesos (cerca de 500 mil reais) por informação que nos leve a capturar os responsáveis" acrescentou Juan Manuel Santos Calderón, em seu discurso ante os militares em Cauca.
Fonte: tradução livre de El Colombiano
COMENTO: espero que o trio de calhordas que tantas vergonhas já proporcionaram à diplomacia brasileira tenham entendido o recado: muitos tentam se imiscuir no problema colombiano, mais com a intenção de resguardar seus cupinchas do que propriamente ajudar na busca de uma solução, a esses, um não bem grande. A Colômbia tem quem a governe e não dará trégua aos narcobandoleiros, nem quer de volta o Mico Mandante venezuelano ou os trapalhões brasileiros buscando holofotes à custa do sangue colombiano!

Nenhum comentário: