quarta-feira, 9 de junho de 2010

ORNITOLOGIA VIRA RELIGIÃO

por Janer Cristaldo
Em janeiro de 2007, escrevi crônica intitulada “Sobre a periculosidade dos ornitólogos", onde eu alertava para estes aparentemente inofensivos observadores de pássaros. E digo aparentemente porque por trás destes senhores há quase sempre uma campanha para vetar uma represa, uma hidrelétrica ou uma estrada. Recebi na ocasião centenas de bicadas de uma revoada de ornitólogos furiosos, que viam em mim um inimigo do planeta.
Pois agora, três anos depois, voltou um novo enxame de ongueiros para xingar-me em função daquela distante crônica. Isto é que é bom na Internet, um artigo fica permanentemente no ar. Curiosamente, as revoadas são sazonais. De repente, não mais que de repente, de ontem para cá recebi mais de vinte mails furiosos, de biólogas, ornitólogos, sociólogos e outros ólogos e pelo jeito a chuvarada de insultos está longe de acabar. Enfim, insultos constituem rotina em minha vida e confesso que me divertem.
Não passa dia sem que católicos ou comunistas me xinguem, psicanalistas ou psicanalisados, petistas ou indigenistas, espíritas ou judeus. Ainda há pouco consegui superar-me. Atraí a ira de uma associação de ateus, logo eu que atraio a ira dos crentes por ser ateu. O espantoso em tudo isto é que nenhuma destas tribos me xingou tanto quanto os ornitólogos. Estou começando a suspeitar que ornitologia virou religião, com rituais, dogmas e culto. Republico abaixo o artigo de 2007, para situar o leitor no debate. E, confesso, para irritar um pouco mais a classe.
Os leitores todos dizem-se revoltados, indignados, perplexos, estarrecidos com o texto. Um argumento recorrente perpassa quase todos os mails. Afirmei que pássaros migram. Os defensores incondicionais dos pássaros me consideram um néscio, afinal existem pássaros que não migram. Tudo bem. Mas se há os que não migram também há os que migram. O problema não reside nisto. O fato é que uma represa significa energia, água potável, desenvolvimento e saúde para comunidades inteiras. Ninguém faz uma represa para praticar vela ou remo. Ou porque lagos são bonitos.
Uma represa atende sempre a uma necessidade social. Esta necessidade tem prioridade sobre as eventuais necessidades dos curiangos-do-banhado ou macuquinhos-da-várzea. E se tiverem de morrer cem ou duzentos macuquinhos ou curiangos em função da sobrevivência de milhares de seres humanos, paciência. Onde quer que o homem se instale, ele dá um chega-pra-lá nas demais espécies. São Paulo, antes de ser São Paulo, era habitat de bugios, felinos, aves, cobras e lagartos. Como todo conglomerado humano. Quando o homem chega, o bicho tem de dar no pé. A avenida Paulista, por exemplo, não é ambiente dos mais saudáveis para lebres, coelhos ou tartarugas.
Uma indignada bióloga acha que “o Conselho Federal de Biologia e os Conselhos Regionais deveriam entrar com uma ação contra esta pessoa, pois ela está denegrindo a imagem de sérios, competentes e importantíssimos profissionais. Essa pessoa merece punição pelas palavras publicadas! Chamar ambientalistas de ecochatos é o ápice de ignorância desta pessoa”.
Como se a palavra ecochatos fosse criação minha. Muito me honraria tê-la criado. Infelizmente não sou o autor desta bela trouvaille. Ecochato é palavra que há muitos anos freqüenta as páginas dos jornais e designa, obviamente, os ambientalistas que fazem uma defesa histérica da natureza em detrimento do desenvolvimento humano. O que a leitora está pedindo tem um nome. Chama-se censura. Os ambientalistas estão acima de qualquer crítica.
Até hoje, não consigo compreender como alguém pode ser contra o trabalho de biólogos, ambientalistas, ornitólogos, ecólogos, etc. – diz a leitora -. Estas profissões são vitais para a sobrevivência de toda a população! Assim como outras profissões, não podemos viver sem estes profissionais! Ora, como vou atacar os médicos, bombeiros, dentistas, assistentes sociais e tantas outras profissões, se o trabalho deles é de suma importância para as pessoas?
Vamos por partes. Em momento algum me manifestei contra o trabalho de qualquer profissional. Me manifestei, isto sim, contra estes senhores que brandem passarinhos contra represas. Médicos, bombeiros e dentistas não são subsidiados por entidades internacionais para vetar represas a torto e a direito. Ainda há pouco, um cineasta ianque teve o desplante de vir ao Brasil para protestar contra a hidrelétrica de Belo Monte. Imagine o inverso, um cineasta brasileiro fazendo campanha contra uma usina nos Estados Unidos. Seria no mínimo expulso do país.
Nos diga como é a sua vida... o que faz? O que consome? Como é a sua casa? De onde veio cada centímetro de material que compõe ela? Você se alimenta? De onde vem os alimentos e a água que bebe? Você tem carro? E o combustível, de onde tira?
Bom, minha vida em pouco difere da vida das demais pessoas. Minha casa é a casa normal de qualquer cidadão, minha alimentação também. A produção dos alimentos e da água que bebo dependem em muito das barragens que os ecochatos vetam para preservar curiangos e macuquinhos. Não fossem as represas que cercam São Paulo eu não teria nem como escrever estas linhas.
Mas a leitora tocou um ponto interessante. Quer saber se tenho carro e de onde tiro o combustível. Ora, leitora, não tenho carro. Nunca tive. Em compensação, conheço um monte de ecologistas que não dispensam o carro. Têm uma filosofia no mínimo curiosa: todos os carros são poluentes. Exceto o meu.
Fonte: Janer Cristaldo
COMENTO: recomendo a leitura do texto citado por Janer Cristaldo, clicando em um dos dois enlaces acima. A propósito, transcrevo parte do comentário desta semana, redigido pelo Cel Gélio Fregapani, tratando sobre o assunto "ecologistas":
"A Infra-estrutura e o Meio Ambiente
Observaram que o Greenpeace não se manifestou sobre o desastre ecológico no Golfo do México? Ah, a empresa é britânica. No Brasil já se manifestou sobre os perigos do pré sal. Quando houve um vazamento na refinaria Duque de Caxias, fez um escarcéu.
O Grupo “Pensar”, uma sociedade informal cujo propósito é analisar o custo e o benefício das decisões tomadas e das não tomadas, concluiu que o alto custo dos transportes é uma barreira que prejudica o crescimento é que afeta toda a produtividade de toda a economia. Na semana passada, no Rio de Janeiro, economistas de várias nacionalidades, chegaram mesma conclusão. ELEMENTAR! Até um analfabeto também concluiria o mesmo, se estivesse levando uma carga de soja pelas BR 319 ou 164, que poupariam dezenas de dólares por tonelada, só no frete, se o Ibama não impedisse o asfaltamento de trechos degradados.
Poder-se-ia concluir que a causa primária da deficiência da infra-estrutura é o ambientalismo exacerbado, mas não seria a verdade. O ambientalismo é apenas um meio. Se sincero fosse, cuidaria primeiro dos esgotos; provocaria coleta seletiva do lixo; equacionaria os “lixões”; incentivaria a construção de biodigestores, de biocombustíveis e de usinas de energia renovável, como as hidrelétricas, que as ONGs tanto combatem.
Isto se insere em um processo mais amplo de se apropriar dos recursos naturais, o que ainda não foi bem compreendido pelo atual governo e não sabemos como será o próximo, mas o início da reação foi o soco na mesa do presidente ao defenestrar sua então querida ministra de Meio Ambiente, Marina Silva, que impedia a construção das usinas hidrelétricas do rio Madeira (Santo Antônio e Jirau) em defesa dos “pobres bagres”.
Quem está em campo sabe que os “defensores da natureza”, recebem fundos de outras nações e arrecadam muito dinheiro até do governo para atuar contra o País. As ONGs exploram a debilidade institucional e política de uma nação que tardiamente está driblando as suas contradições e avançando no caminho do desenvolvimento. Trava-se agora uma batalha no Congresso entre representantes do ambientalismo internacional e nacionalistas envolvendo uma modificação em regra do caduco Código Florestal e da restritiva legislação ambiental vigente no país. Desta batalha dependerá o progresso ou o atraso.
SEM MAIS COMENTÁRIOS. O Ibama, até pouco tempo controlado por Marina Silva está sempre emperrando e obstaculizando qualquer projeto e programa de desenvolvimento energético, industrial e de transportes no País. Não é do meio ambiente que o Ibama cuida. Amarrar o Brasil é o verdadeiro objetivo. Para o bem do Brasil, terá que ser neutralizado.
"

2 comentários:

Anônimo disse...

Primeiro, acabei de ler este texto e devo dizer que: é um dos piores textos que já li, e os ornitólogos tem um trabalho, que é proteger as Aves. É um trabalho mais honrado que o seu, e não a minha profissão não é ornitólogo, mas sei que pessoas como você há muitas iguais, por isso que passem sede não me importo. Sobreviva com a água dos rios como as Aves aprenderam a fazer, mais deste baixo nível não consegue, com toda a certeza.
A minha única questão continua a ser: que porcaria foi esta que acabei de ler? Agora, não aprove este comentário tal como não tem aprovado os outros. Não vai ser por isso que eu e milhares de pessoas vamos lutar menos por salvar as Aves.
Porque vim aqui perder tempo? Já agora: podia alargar o conhecimento em termos de espécies de Aves...

Tuaregue disse...

Em primeiro lugar, quero agradecer ao "Anônimo" acima por sua participação. Para um blog cuja audiência não passa de uma ou duas dezenas de leitores novas participações são sempre bem vindas. Em segundo lugar, o texto não é meu. É do grande Janer Cristaldo, redator de excelentes textos dos quais transcrevo os que me agradam por expressarem idéias que com ele comungo. Em terceiro lugar, sua preferência pelos animais em detrimento do 'bicho humano" é um direito que não lhe nego, mas me reservo o direito de não concordar. Entre a preservação da espécie dita humana ou a dos pássaros eu - apreciador do canto dos sabiás e da alegria dos joãos-de-barros - prefiro que os passarinhos se fodam. Por fim, como escrevi acima, prezo qualquer manifestação e não costumo deixar de aprovar comentários, mesmo negativos, pois manifestações como a sua só reforçam a minha impressão de que quem dá mais importância aos bichinhos que aos seus semelhantes tem um parafuso a menos. Grato pela participação e volte sempre, mesmo sem saber o motivo por que perdes teu tempo lendo o que publico. No fundo, no fundo, é por que deves ter gostado.