domingo, 14 de março de 2010

ASSASSINATO, "QUEIMA DE ARQUIVO", JUSTIÇAMENTO...

Por Arlindo Montenegro
...dá no mesmo! São favas contadas.
Ontem mesmo, um amigo me falava da declaração de um sindicalista sobre as inúmeras mortes misteriosas de petistas. Quando foi assassinado o ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, a cena de crime foi alterada, seguiram-se outras oito mortes "misteriosas", "acidentais" de testemunhas chave. A verdade foi enterrada. Logo foi o "Toninho do PT", depois a coisa foi em Sorocaba, agora se sabe do acidente que vitimou três de uma só tacada lá no interior da Bahia, ligados ao mais recente escândalo de cooperativas.
Paulo de Tarso Venceslau, um petista de primeira hora, denunciou falcatruas em várias prefeituras dominadas pelo PT para fazer caixa dois. Tudo comandado pelo Roberto Teixeira, compadre do presidente. Sofreu um atentado na Rodovia dos Trabalhadores e tirou o time de campo. A "espiral do silêncio" se impõe. A ética e a moralidade do partido não pode ser melada! Meu Deus! Qual é a história dos altos dirigentes petistas, dos que estão no governo? Qual é a ideologia que os move?
Dois dias depois do aniversario da morte de Guevara na Bolívia, friamente, os grupos de terroristas, assassinaram um oficial americano, Chandler, diante da mulher e dos filhos. Don Helder Câmara foi a Paris e entrevistado pela revista L'Exprèss, abençoou os assassinos. Já haviam "justiçado" um empresário alemão, Boilsen. A lista é longa. Comunista gosta de matar. O assassinato, a "queima de arquivo", o que eles chamam de "justiçamento", o terrorismo é a ferramenta excelente para governar.
Outras ferramentas são as ameaças, fraudes, mentira e cinismo no discurso da solução futura. A imprensa informa o que eles querem que seja dito e só. A grande virada entretanto tem o aval da pervertida Teologia da Libertação, das Comunidades de Base, da CNBB que aderiu ao comunismo e abençoou a criação do PT. Os bispos que comandam esta organização, agem como se fossem porta vozes de Roma. Mentem, enganam. E a palavra do papa entra na "espiral do silêncio", os católicos ficam desinformados.
Depois de muita cabeça quente para entender o mundo, as pessoas, a gente chega a um ponto em que reconhece o valor da resignação implícita na moralidade cristã. A gente começa a entender que é imoral querer mudar a realidade através de decretos, guerras, assassinatos, terrorismo enfim. A reflexão de pés cansados e mãos calejadas identifica com maior facilidade o bem e o mal, presentes em cada escolha, em cada ação.
Aí a gente cai na real! Visceral e mentalmente aparece a mensagem: Deus tem sido uma vaga idéia, por vezes atemorizante. Os cristãos desinformados pelos teólogos da libertação, nem imaginam que ao abrir mão das crenças originais, transformam o Cristo-amor em odiento revolucionário, transformador de realidades a ferro e fogo. É o momento em que pesamos a realidade do ateísmo e dos expedientes utilizados pelo comunismo, para varrer a fé das mentes humanas, substituindo-a pela religião universal ambientalista da ONU.
Desfilam então as imagens das matanças na União Soviética, a mesma que treinou exércitos alemães e ensinou aos nazistas como fazer campos de concentração e utilizar a propaganda. Desfilam as cenas sangrentas do Vietnam, Laos, Camboja, a China de Mao Tse Tung, Coréia, Cuba, guerrilhas na África e na América do Sul, genocídios e mentiras sempre presentes na ação do comunismo. Este mesmo credo marxista que rege as ações dos governantes socialistas "light" no Brasil. "Light", uma pinóia!
É quando a gente tem o insight sobre o mal radical e imagina como reagir de modo contrário, utilizando força igual ou maior. Os princípios morais e éticos exigem uma escolha. De que lado ficamos? Quase tudo quanto se tem feito ou contribuído para fazer, tem um só objetivo: "matar" Deus, mais uma vez, lavando as mãos. E as brutais agressões coletivistas, as guerras e a força das imposições ideológicas, apenas acrescentaram ao desprezo do essencial e transcendental da natureza humana, bagunçando os processos civilizados para a resolução dos problemas aflitivos.
Os governantes controlam o que deve ser dito, os estados gigantes restringem as liberdades e controlam a opinião, os pensamentos e ações dos governados. Entendo que todos estamos precisando um encontro pessoal com Deus, com a ética absoluta. Assim teremos força moral para recusar o mal e abraçar o bem. Buscar a verdade e denunciar a mentira. Sair às ruas e expulsar os vendilhões do templo-nação-Brasil.
É um caminho para resgatar a liberdade, a dignidade e a soberania. E depende de formadores de opinião, líderes, mobilizadores com formação moral. O que é inadmissível é confraternização com ladrões, mentirosos e assassinos. O que é imoral é participar de eleições onde os postulantes têm a "ficha suja", sejam velhos terroristas ou novos ladrões.

Nenhum comentário: