quarta-feira, 17 de março de 2010

As Maracutaias Que Esquerdistas Detestam Ler

.
Políbio Braga leu tudo atentamente sobre a mutretagem e resumiu o que leu. Vai tudo a seguir.
Na quinta-feira da semana passada, num arroubo que demonstrava ao mesmo tempo sua arrogância e a certeza da impunidade, o tesoureiro do PT e da campanha de Dilma Roussef, Vaccari Neto, assim se dirigiu ao procurador do Ministério Público de São Paulo, Luiz Carlos Blat:
- Ele que vá cuidar das suas negas.

Até aquele momento, Vaccari Neto e os poucos dirigentes do PT que se atreveram a defendê-lo, como foi o caso do presidente do Partido, José Eduardo Dutra, reagiam em função da reportagem de capa da revista Veja (Caiu a Casa do Tesoureiro do PT). Lula calou diante deste novo escândalo de corrupção que atinge seu governo, o PT e a candidatura oficial.
Como costumam fazer as boas publicações, Veja não tinha contado tudo que sabia, aguardando pela reação. Esta veio feroz, exigindo nomes, datas, horários, documentos e testemunhas.
Neste sábado, Veja produziu nova capa, com o título “12%”.
O caso da Bancoop não foi abandonado, mas a revista descobriu que da lista de 40 quadrilheiros denunciados ao STF pela Procuradoria Geral da República, falta o 41º personagem, no caso Vaccari Neto.
O editor não considera que Vaccari Neto tenha a coragem de conceder outra entrevista ao Estadão e repetir seu mentiroso e safado mantra:
- A PGR que vá cuidar das suas negas.
12% é quanto Vaccari Neto e o PT costumam cobrar para intermediar negócios junto aos Fundos de Previdência controlados por gente do Partido (PREVI, FUNCEF, NUCLEOS, PETROS e ELETROS) e junto aos bancos BMG, Rural e Santos, este, agora, sob intervenção.
A novidade é que esse criminoso esquema de corrupção, serviu para alimentar o mensalão, o PT e campanhas eleitorais, inclusive a de Lula em 2002.
Desta vez não se trata de denúncias do procurador Blat, mas de investigações sigilosas da Procuradoria Geral da República, no âmbito do Mensalão. O corretor Lúcio Funaro, em 2005, fez delação premiada e entregou todo mundo (Delúbio Soares, Vacari Neto, Valdemar Costa Neto, Zé Dirceu e Marcos Valério), inclusive cópias de cheques (veja ao lado o fac simile de cheques de R$ 60 mil, R$ 50 mil e R$ 138 mil).
Veja terá mais a mostrar. A própria revista, na reportagem, avisa que tem áudios dos quatro depoimentos de Lúcio Funaro à Procuradoria Geral da República.
Na Assembléia de SP corre uma CPI, instalada semana passada. Câmara e Senado não querem nem ouvir falar no novo escândalo.
No RS, a mídia evita o assunto como o diabo evita a cruz. (Também, pudera, com as verbas publicitárias do Governo Lula...)
Fonte: Blog do Previdi
COMENTO: não é só no RS que a tal de mídia evita o assunto. Preferem seguir batendo na tecla Arruda e no denominado DEMsalão, além de distrair o povão com os assassinatos do desenhista e seu filho pelo "estudante" que frequentava a "igreja Céu de Maria" fundada pelo primeiro, onde se saboreia um chazinho muito louco "para o conhecimento espiritual e a aproximação com Jesus, Deus e a Virgem Maria." O assassino já foi preso, confessou o crime, conhecidos já trataram de qualificá-lo como drogado, desocupado, etc, mas nenhum jornalista se atreveu a questionar o motivo do crime. Enquanto isto, as maracutaias petistas vão em direção limbo da memória popular!

Nenhum comentário: