segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Chavez Quer Punir Humorista por Sátira

Ilustração: AP Photo/Leslie Mazoch.
O Ministério da Informação da Venezuela anunciou através de um comunicado de 29 Jan 2010, que rechaça o editorial do humorista Laureano Marques, do jornal TalCual, e que deu início a ações legais contra ele.
Laureano Márquez escreve nas sextas-feiras, em forma de sátira, o editorial do dito periódico, e a do dia 29 não só foi mal vista em Miraflores mas também serviu para que o acusem de "incitação à violência e à guerra".
Outro problema em 2007
No início de 2007, devido a uma carta humorística dirijida a uma filha de Chavez, publicada por Márquez na capa de "TalCual" em novembro de 2005, o diário de Teodoro Petkoff - um ex-guerrilheiro esquerdista que foi ministro em governos anteriores a Chavez - foi multado em 50 mil dólares, quantia que foi obtida por meio de doações públicas.
A sentença condenou o jornal por "atentado contra os direitos da infância" pela publicação do artigo "Querida Rosinés" onde o humorista e editorialista pedia à filha menor de Chavez, com esse nome e na época com nove anos de idade, que intercedesse junto ao seu pai porque Fidel Castro "se mete muito em nossos assuntos".
"É como se a menina tua vizinha, aproveitando-se de que gostas muito dela, levasse tuas 'Barbies', teus bichos de pelúcia ou teus livros de estórias, e trouxesse os irmãozinhos dela para brincar em teu quarto", diz o artigo, referindo-se ao petróleo venezuelano fornecido a Cuba e aos médicos e treinadores cubanos enviados à Venezuela.
O humorista também solicitou à menina que pedisse ao seu pai que não se irritasse com aqueles que não pensam como ele e que não "resmungue tanto".
O Comunicado do MINCI
"De maneira descarada o diário Tal Cual do dia de hoje mostra em sua capa uma sequência de imagens comentadas pelo 'humorista' Laureano Márquez, que evidenciam o clássico manual fascista para derrubar o governo revolucionário. Na primeira imagem se alude a como seriam os primeiros dias posteriores ao ambicionado Golpe de Estado. Se justifica o uso da violência social, da guerra civil, como forma de alcançar o poder.
Nas imagens seguintes, analisam como seriam os meses sucessivos nos quais, através do uso da repressão, o assassinato massivo de militantes e a censura, se iria apagando a memória coletiva a favor do processo revolucionário.
Por último se mostra uma imagem na qual, uma vez plenamente restaurada a IV República, supostamente todos os serviços públicos, já privatizados, funcionariam eficientemente e se ironiza de maneira burlesca como as futuras gerações veriam o atual período revolucionário.
Este editorial do diário Tal Cual representa uma agressão, uma provocação e um desrespeito à democracia venezuelana, um chamado flagrante ao desconhecimento da ordem constitucional e uma incitação à violência como via de luta política para conseguir o que sabem que não poderão conseguir jamais através da via eleitoral.
Este é um convite a um plano golpista, genocida e terrorista, que se disfarça através do humor. Sem dúvida (para não deixar dúvida) está publicado na primeira página desse diário, lugar dedicado aos editoriais.
Tudo isto se soma à permanente criminalização que realizam os meios golpistas contra os corpos de segurança do Estado, como estratégia para a incitação à violência, a incitação à guerra.
É por isso que o Governo Revolucionário, através do Ministério do Poder Popular para Comunicação e Informação recorrerá à Fiscalia (Procuradoria) Geral da República e às autoridades competentes para solicitar que tomem as medidas necessárias para proceder a averiguação e aplicação das sanções devidas a esta flagrante violação da Constituição e das leis.
Caracas, viernes, 29 de janeiro de 2010.
MInCI"
Fonte: Noticias 24,
citado por Coturno Noturno
Para ler o texto completo, em espanhol, do "plano golpista, genocida e terrorista, que se disfarça através do humor", clique aqui.

Nenhum comentário: