segunda-feira, 31 de agosto de 2009

"Artillería" pesada se quedó bajo la manga

URIBE tenía preparada la defensa contra las arremetidas de los presidentes de Ecuador y Venezuela, sin embargo, el mandatario prefirió recordar a los demás países los distintos convenios que tienen con E.U.
Isolda María Vélez H.
Bariloche, Argentina - Enviada especial
Publicado el 30 de agosto de 2009
Si los vientos de "guerra" de los presidentes Hugo Chávez y Rafael Correa hubieran soplado con mucha fuerza en Bariloche, Argentina, en el marco de la cumbre extraordinaria de Unasur, muy seguramente habrían perdido más en el terreno de la diplomacia porque el jefe de Estado colombiano, Álvaro Uribe, tenía en su poder un verdadero "arsenal" para dejarlos al desnudo.
El jueves, mientras viajaba entre Cartagena y Bariloche, en un vuelo que duró siete horas y media, el Presidente trabajó sin cesar con el grupo clave para encarar las arremetidas que se presagiaban.
Con Uribe estaban el canciller Jaime Bermúdez; el ministro de la Defensa, Gabriel Silva Luján y el comandante de las Fuerzas Militares, general Fredy Padilla de León. El cónclave, reunido a 12 mil pies de altura, tenía un objetivo claro: diseñar un libreto que le permitiera al Primer Mandatario respaldar cada una de sus afirmaciones con documentos.
Y para ello era necesario pensar cuáles podrían ser los escenarios que se darían en el marco de la cumbre, teniendo como precedente las últimas intervenciones de Chávez frente a Colombia y las tensas relaciones con Correa.
Aunque el convenio de cooperación entre Colombia y Estados Unidos para el uso de bases en territorio nacional era el colofón de fondo, todos sabían que el escenario sería aprovechado para "sacarse los trapitos al sol". Y en eso, el Presidente tampoco quería ser el de menos.
Una primera decisión que se tomó era la sustentación del acuerdo con E.U. y poner de manifiesto que todos los países del Continente tienen o han tenido convenios similares. No en vano, Uribe recordó cada una de las convenciones que se han firmado en el marco de la OEA y de otros organismos multilaterales contra la lucha antidrogas y el terrorismo. De paso, les refrescó a los Jefes de Estado, que las relaciones con el país del Norte no son nuevas, se remontan a 1952 y se han prolongado hasta la fecha.
Uno de los documentos que Uribe guardó bajo su manga era la relación comercial que tenía cada nación suramericana con Estados Unidos. El dardo iba dirigido a demostrar cómo un socio económico tan importante para la región no puede ser el "coco" en el día y en la noche el mejor aliado para los negocios. Y Venezuela y Chile manejan cifras extraordinarias en esa relación bilateral. El "chiste" de Alán García (Perú) a Chávez cuando le dijo "tu le vendes todo el petróleo a los norteamericanos" fue una especie de banderillazo que confirmaba un poco lo que Colombia también se proponía demostrar.
La anunciada intervención de Chávez, en la que presentaría el famoso documento "Estrategia Suramericana Libro Blanco, Comando de Movilidad Aérea", también ocupó la agenda de planeación de Uribe y sus funcionarios.
Ya conocían la existencia de ese documento, que se "conseguía fácilmente en internet". Y por ello, el gobierno colombiano se encargó de repartir la dirección de la página web entre algunos miembros de las delegaciones de los países que asistirían a la cumbre, para que lo conocieran de antemano.
Ya en la reunión, Uribe le restó total importancia al texto que Chávez quería convertir en la "prueba reina" de las intenciones de Estados Unidos en la región, con una frase que causó risa en la sala de prensa donde estaban apostados más de 350 periodistas de América Latina: "es un documento académico".
Chávez no tuvo nada más que decir. En sus siguientes intervenciones poco o nada dijo en relación al supuesto documento de inteligencia de la CIA.
El que sí era un documento de inteligencia militar y que Uribe mostró brevemente en su intervención era el de las trazas de las rutas del narcotráfico, que a Chávez no le debió gustar mucho porque en él se evidenciaba cómo se han venido desplazando las salidas de aeronaves desde Colombia hacia Venezuela, pese a que Correa de manera ingenua dijo que ni en Ecuador ni en el país bolivariano existe producción o cultivos de hoja de coca.
Las estrategias de Uribe
1. El gobierno tenía guardados tres videos. Uno de ellos estaba armado con declaraciones de Chávez, "toda una cronología de agresiones" incluyendo donde reclamaba beligerancia para las Farc.
2. Otro video tenía una recopilación de los actos de guerra de las Farc en zonas de frontera y uno más recogía videos y correos que hablan de presuntos vínculos del jefe de Estado de Ecuador con esa guerrilla.
3. El gobierno colombiano, sí estuvo tentado a sacar esta "artillería" pero se contuvo, justo tras la intervención del mandatario brasilero Luiz Inacio "Lula" Da Silva que llamó al orden a todos por igual.
4. Como si lo presagiara,"Lula" afirmó que estaba seguro que todos tenían fotos, correos y computadores para sacarse sus cosas, pero pidió dejar los vientos de guerra y trabajar por la paz de la región.
Fonte: El Colombiano
COMENTO: eis um presidente que sabe trabalhar com Inteligência. Projetando "cenários", pode preparar respostas contundentes aos possíveis questionamentos "bolivarianos", neutralisando os ataques do falastrão Mico Mandante com educação e eficácia. Ao divulgar o endereço da internet onde se poderia acessar o "importante documento estratégico americano", o líder colombiano desmanchou a palhaçada do pretendente a ditador. Aparentemente, a intuição salvou o Apedeuta quando este pediu moderação aos presentes, pois se fossem divulgadas fotos ou mensagens eletrônicas comprometedoras, talvez ele fosse atingido fatalmente na "guerra de bugios".

DILMA, A MAIOR MENTIRA QUE O BRASIL JÁ CONHECEU

Dilma a candidata do PresiMENTE Lula, segue fielmente os passos do seu Guru.
Assim como o apedeuta disse que não sabia de nada à respeito do mensalão, tramado na sala ao lado da sua, por José Dirceu e o resto da corja, Dilma vai seguindo a mesma linha e MENTE DESCARADAMENTE para o povo e para opinião pública, senão vejamos:
- Mentiu em todas as ocasiões, quando afirmou ter sido torturada nos porões da Ditadura Militar, haja vista que nunca conseguiu provar a veracidade desta sua versão;
- Mentiu ao afirmar que nunca participou de ação armada, quando na realidade conforme informação de vários sites na internet, foi responsável pela guarda de farto armamento da guerrilha;
- Mentiu, descaradamente, quando foi inquirida pelo plenário do Congresso Nacional, na CPI dos Cartões Corportivos;
- Mentiu para o povão carente ao fixar os prazos para início e a conclusão das obras do PAC;
- Mentiu ao não assumir a responsabilidade pela confecção do Dossiê sobre as falcatruas na gestão de FHC e ainda saiu pela tangente dizendo que tudo não passava de um simples Banco de Dados;
- Mentiu, junto com o Ministro Guido Mantega, ao afirmar o descobrimento das jazidas de petróleo na camada pré-sal, quando esta descoberta já havia sido objeto de estudos no Governo Geisel;
- Mentiu ao fazer prognósticos alarmistas e totalmente fora da realidade, no que tange a produtividade na prospecção de óleo na camada pré-sal, haja vista que o Brasil ainda não detém a tecnologia exigida para a extração em tal profundidade;
- Mentiu ao declarar que não interferiu junto à Receita Federal para encobrir o “CALOTE FISCAL” que a Petrobrás deu ao erário público;
- Mentiu ao dizer que não interferiu nas investigações que envolvem a Família Sarney com a Petrobrás, relativamente a Fundação que leva o nome do PresiMENTE do Senado;
- Mentiu ao declarar falsamente, em documento oficial, que faziam parte de seu “Curriculum Vitae” os Cursos de Pós-Graduação, Mestrado e Doutorado;
- Mentiu ao afirmar que não houve o encontro, em seu gabinete, com a Sra. Lina ( Secretária da Receita Federal ) para que esfriasse o caso Petrobrás junto a aquele órgão de arrecadação;
- Mente para o povo ao não informar que recebe de duas fontes federais (o que é proibido por Lei), ou seja: salário de Ministra-Chefe da Casa Civil e a ínfima quantia de R$ 75.000,00 como Membro do Conselho da Petrobrás.
- Certamente, assim como seu Mestre e Guru Lula, habitualmente faz, Dilma também estará mentindo ao tentar convencer a opinião pública e os famintos dos vários projetos bolsa-esmola e bolsa-voto ao afirmar que reúne todas as condições necessárias para se candidatar a Presidência do Brasil.

Shakespeare - Coriolano.

.
Coriolano é um velho general romano, de muitas glórias, que se retira e decide concorrer ao senado, contra o conselho dos amigos.
Num comício, o povo pede que mostre as feridas em batalha, coisa que os demagogos gostavam de fazer; ele se nega, afirmando que apenas cumpriu seu dever.
Afirma que deveriam cortar a distribuição gratuita de pão, que estimula a indolência. Que os romanos deveriam voltar ao trabalho que os escravos tinham assumido.
O povo cada vez mais se irrita com essas verdades e, aos poucos, de ídolo passa a ser odiado e apupado. Por fim a população exige seu desterro.
Cena: a populaça segue Coriolano até as portas de Roma. Ali, ele se vira e dá seu adeus aos romanos:
"Vil matilha de cães, cujo mau hálito odeio como o pântano empestado, e cuja simpatia estimo tanto quanto o cadáver insepulto e podre que deixa o ar corrompido e irrespirável: sou eu que vos desterro, e aqui vos deixo com vossa inconsistência. Que ao mais fraco rumor o coração vos deixe inquieto, e que só com moverem seus penachos vos insuflem terror os inimigos. Ficai com força para banir todos os vossos defensores, até o dia em que vossa ignorância, que só entende quanto venha a sentir, tiver limpado com todos, menos vós — os inimigos de vós mesmos — ao fim vos entregando como fracos escravos a algum povo que vos conquiste sem fazer esforço. Por vossa causa desprezando Roma, dou-lhe as costas. O mundo é muito grande."
E vai para sempre.
Recebido por correio eletrônico
.

domingo, 30 de agosto de 2009

Marina Morena Marina, Você se Pintou

por Janer Cristaldo
Não sei se o leitor notou, mas todos os eventuais candidatos à Presidência da República em 2010 são de extração marxista. José Serra, que hoje posa de tucano liberal, foi um dos fundadores da Ação Popular (AP), um dos braços marxistas da Igreja Católica. Dilma Roussef, hoje petista, foi terrorista dos quadros do COLINA e da VAR-Palmares. Já Ciro Gomes, que declarava em meados de agosto estar pessoalmente decidido – “eu já escolhi. Sou candidato à Presidência” – fez percurso inverso. Iniciou sua carreira na Aliança Renovadora Nacional, a famigerada Arena que deu sustentação à ditadura militar, girou bolsinha no PPS, atual nome de guerra do antigo Partido Comunista Brasileiro e hoje faz ponto no PSB, também de origens marxistas.
Surge agora Marina Silva que, em entrevista à Veja desta semana, evoca seu passado igrejeiro mas parece ter sido acometida de amnésia: nenhuma palavrinha sobre sua militância no Partido Revolucionário Comunista (PRC), ligado ao PT, sob o comando dessa figura impoluta da política nacional, o deputado José Genoíno. Pelo jeito, o tal de pensamento liberal – hoje dito neoliberal – não conseguiu gerar sequer um líder para enfrentar o marxismo ainda vigente neste “continente puñetero”, como dizia Alejo Carpentier (ou talvez Roa Bastos, agora não lembro).
Le fonds de l'air est rouge - diziam os bobalhões de 68 em Paris. Chez nous, mais de quatro décadas depois, o fundo do ar continua vermelho.
Embora não aluda à sua militância no PRC – a palavra comunista virou palavrão – para bom entendedor a morena Marina deixa clara sua filiação ideológica: “Minha geração ajudou a redemocratizar o país porque tínhamos mantenedores de utopia. Gente como Chico Mendes, Florestan Fernandes, Paulo Freire, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, que sustentava nossos sonhos e servia de referência. Agora, aos 51 anos, quero fazer o que eles fizeram por mim. Quero ser mantenedora de utopias e mobilizar as pessoas”.
Com candidata que reivindica a influência desta gente, sai da frente. Ainda bem que não tem chances de eleger-se. Se bem que tanto faz como tanto fez. Os demais candidatos tampouco negariam a excelência daquela "gente".
Após 30 anos de militância no PT migrou para o PV. Mas mantém suas simpatias pelo partido corrupto. Afinal, precisa de votos: “Os erros cometidos pelo PT foram graves, mas estão sendo corrigidos e investigados. Quando da criação do PT, eu idealizava uma agremiação perfeita. Hoje, sei que isso não existe. Minha decisão não foi motivada pelos tropeços morais do partido, mesmo porque eles foram cometidos por uma minoria”.
Estranho conceito de minoria. Os petistas todos estão afogados até o pescoço em suas falcatruas e no apoio a falcatruas alheias – vide a affaire Sarney – e a morena Marina fala em tropeços de uma minoria. Insiste em afirmar que não rompeu com o petismo. “De jeito nenhum. Tenho um sentimento que mistura gratidão e perda em relação ao PT. Sair do partido foi, para mim, um processo muito doloroso. Perdi quase três quilos”. Ora, se romper com a corrupção emagrece, desconfio que todo petista optará pela obesidade.
Quanto às mentiras recorrentes de sua rival à Presidência da República, nenhuma palavrinha. Ou melhor, uma palavrinha. Mas de adesão: “Não vou me colocar numa posição de vítima em relação à ministra Dilma. Quando eu era ministra e tínhamos divergências, era o presidente Lula quem arbitrava a solução. Não é por ter divergências com Dilma que vou transformá-la em vilã”.
Santa Dilma, então! Curiosa lógica: se tenho divergências com alguém, não posso acusá-lo de nada. Adelante! A ex-ministra do Meio Ambiente, que sempre opôs dificuldades à construção de hidrelétricas na Amazônia, particularmente as de Jirau e Santo Antônio, no Rio Madeira, afirma agora que não era bem assim: “No Brasil, quando a gente levanta algum "porém", já dizem que somos contra. Nunca me opus a nenhuma hidrelétrica. O que aconteceu naquele caso foi que eu disse que, antes de construir uma usina enorme no meio do rio, era preciso resolver o problema do mercúrio, de sedimentos, dos bagres, das populações locais e da malária”. Ou seja, o Brasil precisará encontrar rios sem peixes fluviais se quiser desenvolver-se.
Agora vem o melhor. De católica-marxista fervorosa, Marina morena migrou para a Assembléia de Deus. Interrogada sobre se é partidária do criacionismo, em oposição ao evolucionismo, saiu pela tangente: “Eu creio que Deus criou todas as coisas como elas são, mas isso não significa que descreia da ciência. Não é necessário contrapor a ciência à religião. Há médicos, pesquisadores e cientistas que, apesar de todo o conhecimento científico, crêem em Deus”.
Ora, a Inquisição foi mais coerente. Mandou Giordano Bruno para a fogueira e humilhou Galileu Galilei. Marina quer conciliar o que não é conciliável. Atribui sua conversão da Igreja Católica para a Assembléia de Deus. Ou seja, saiu do barro para cair no escatol. “Para quem não tem fé, não há como compreender. Esse meu processo interior aconteceu em 1997, quando já fazia um ano e oito meses que eu não me levantava da cama, com diagnóstico de contaminação por metais pesados. Hoje, estou bem”. É mais uma dessas crentes curada por medicina de ponta que atribui sua cura ao deus bíblico.
É hora de evocar Caymmi: “Marina morena Marina, você se pintou”. Era vermelha e virou verde. Pelo menos por fora. Por dentro, continua vermelha e obscurantista.
Fonte: Janer Cristaldo
COMENTO: alguma coisa me diz que Marina é o "plano 'B'" dos petralhas para sua manutenção no"pudê por vinte anos ou mais"!

.

Fugiram da Escola, Escaparam da Cadeia e já Governam o Senado

Augusto Nunes - 20 de agosto de 2009
Parece que foi há muitos séculos, e no entanto faz menos de 20 anos. No começo de 1990, já não era numericamente desprezível o bloco dos senadores cujo prontuário implora por longas temporada na cadeia, em regime de estudos forçados. Mas havia vida inteligente e homens de bem no Senado. Os melhores e os mais capazes conseguiam, simultaneamente, enquadrar os imbecis sem remédio, manter os delinquentes sob estreita vigilância, conduzir a instituição e garantir-lhe a independência. Eles sabiam remover tumores que colocassem em risco valores morais irrevogáveis. Nada a ver com a Casa do Espanto que Lula criou e o clube dos cafajestes agora administra..
O presidente nem tentaria fazer em 1990 o que anda fazendo há meses com um Senado em estado terminal. Mesmo que tivesse atingido os 103% de popularidade prometidos pelos institutos de pesquisa, logo saberia com quem estava falando. O mais loquaz dos governantes perderia a fala no segundo minuto de conversa com Afonso Arinos ou Roberto Campos. O capitão-do-mato não iria além da primeira grosseria se o aliado fosse Darcy Ribeiro. O palanqueiro debochado não se atreveria a insultar oposicionistas como Mário Covas ou Franco Montoro.
É por saber com quem está falando que Lula humilha antigos companheiros e ofende adversários. Sabujice não inspira respeito. Não se teme o revide que não virá. É por saber com quem está lidando que Lula abençoa a base alugada com salvo-condutos, absolvições sumárias, agrados retóricos e presentes em dinheiro. Não há um acordo político entre o ex-sindicalista que ficou moderno e os velhos oligarcas que se tornaram menos antigos. O que houve foi um acerto entre um presidente deslumbrado com o poder e gente que se alia a qualquer governo para manter-se no poder e ganhar muito dinheiro.
Quem acompanhou na terça-feira o depoimento de Lina Vieira e, nesta quarta, a sessão do Conselho de Ética viu em ação um bando fora-da-lei, esbanjando truculência e cinismo no cumprimento de missões confiadas pelo chefe. A quadrilha do faroeste subjugou o lugarejo. O presidente honorário é José Sarney. Paulo Duque comanda o Conselho de Ética. Romero Jucá lidera a bancada do governo e é o relator da CPI da Petrobras presidida pelo suplente amazonense. Renan Calheiros chefia a base alugada. Fernando Collor comanda uma comissão. Abjeções como Wellington Salgado e Almeida Lima aceitam qualquer encomenda. Tudo parece dominado.
O PT foi reduzido por Lula a duas consoantes descartáveis. A líder do governo no Congresso é Ideli Salvatti, um berreiro à procura de uma ideia. O líder da bancada é Aloízio Mercadante, promovido a Herói da Rendição por atos de bravura em defesa de capitulações ultrajantes. Nesta semana, constatou-se que aprendeu com Eduardo Suplicy a fazer de conta que acha intragável o que não para de engolir.
Para fazer de conta que não gostou da absolvição de Sarney, crime que ajudou a tramar por ordem de Lula, colocou o cargo à disposição da bancada. O cargo sempre esteve, está e estará à disposição da bancada. Quem finge não saber disso topa qualquer negócio para ficar. Quem quer sair se demite - e em caráter irrevogável. Por acharem que há limite para tudo, os senadores Flávio Arns e Marina Silva deixaram o partido. Os que permanecerem no rebanho pastoreado pela quadrilha são comparsas.
O Senado em decomposição ensina que só os cretinos sem cura e os farsantes juramentados dividem o Brasil em esquerda e direita, soldados do povo e carrascos da elite. O que se vê é um país que acredita na democracia, ama a liberdade e respeita a lei ameaçado pela ofensiva do primitivismo. Para os dirceus e berzoinis, os burgueses malandros são apenas companheiros de viagem que encurtam o caminho que conduz ao paraíso socialista. Para os renans e jucás, os comunistas de araque são apenas os sócios do momento. Os casos para psiquiatra e os casos de polícia têm como objetivo comum o arrombamento dos cofres federais.
É hora de cortar-lhes o avanço. O general parece invencível? A tropa parece crescer em tamanho e agressividade? A maioria parece satisfeita com a vida não vivida? Não importa. Movimentos de resistência nunca tomam forma no ventre da multidão. Não é preciso nascer grande para ter força. Basta ter razão.

Emoção no Senado

por Ernesto Caruso
Quem teve a oportunidade de acompanhar o discurso do senador Mão Santa do PMDB em homenagem ao Dia do Soldado, no dia de ontem (25 Ago 09), sem dúvida se emocionou profundamente.
De início, lembrou da gratidão como mãe de todas as virtudes, destacando com entusiasmo que havia sido agraciado com a Medalha do Pacificador, que apontava com devoção, presa ao seu peito, diante das câmeras.
Razão e coração, raízes da emoção na condução política e militar dos destinos do Brasil.
Foi uma oração sincera, pausada, que com honra e orgulho pelo galardão recebido — o único dentre os 81 senadores, como frisou — deu um passeio pela História homenageando nossos heróis soldados.
Enfatizou:
Somos felizes pelos militares que temos e vou defender a tese.
... os militares, no Império, garantiram a unidade deste País, comandados por Caxias, o militar, o Senador. Ele deixou um grande ensinamento para todos nós, que revivo: não humilhar os vencidos.
... nós não temos nada a ver com a história de Cuba; nada a ver com a história da Venezuela, de Chávez; nada a ver com os aprendizes; Correa, do Equador; Moralez da Bolívia; com o padre reprodutor do Paraguai; a Nicarágua e a confusão de Honduras.
... em nenhum instante, nem o Marechal Deodoro, nem o Floriano Peixoto – o Marechal de Aço –, nem o Hermes da Fonseca, nem os cinco militares – atentai bem! –, porque o que caracteriza a democracia é a divisão de poder. ... Que o Executivo era forte, era forte. Mas existiu o Judiciário e existiu esta Casa.
... eu conheci Castello Branco pessoalmente. ... Ô homem de bem! Ô homem sério! Ô homem honrado o Castello Branco! Eu o conheci. O julgamento é meu.
... As raízes dele são piauienses. Aquela Batalha do Jenipapo, que hoje é comemorada pelo Exército, foi ele que conheceu a luta dos bravos piauienses com os cearenses para expulsar os portugueses do solo brasileiro e garantir a unidade nacional a este País, que seria dividido em dois. Então, foi Castello Branco que mandou que aquele 13 de março fosse comemorado nacionalmente pelo Exército como uma batalha da unidade.
... Conheci Ernesto Geisel, ... Ô homem austero, sério, correto! Eu o conheci .... E conheci João Batista Figueiredo. ... na minha psicologia, que sou médico, um grande homem, um homem de bem, um idealista, um militar.
Deram uma missão para ele: “Vai lá e faz a abertura”, o Geisel disse. Era como se dissesse para ele: “Vai para o Haiti”, e ele ia; “Vai para o Iraque”, e ele iria. Ele era militar. Mas puro. Cidadão de bem, honrado.
O que é a democracia? No meu entender, e entendo bem, aqui é o lugar para se dizer que somos os pais da Pátria. A democracia é a divisão de poder. Teve. E alternância de poder. Que eles fizeram eleição indireta, fizeram. Que eles se alternaram, se alternaram. Isso é o que caracteriza uma democracia. E o do Piauí foi considerado. Petrônio Portella, a sua luz, o homem convocado para ser Presidente, o primeiro civil, a anistia, Ministro da Justiça, um ícone da redemocratização, Presidente desta Casa por duas vezes.
... Vinte anos de mando, nenhuma indignidade, nenhuma imoralidade, nenhuma corrupção. ... E todos, todos deram ensinamento. O Sr. Deodoro, o Sr. Floriano Peixoto, o Dutra – que eu vi, tinha nascido. Que ensinamento belo! ... ele entrou no lugar do Getúlio. Só um quadro para mostrar o ensinamento dos militares a nós. Muito oportuno e atual para esses aloprados que estão aí a assaltar este País.
Dutra, no apagar do seu governo, eleito Getúlio, voltando nos braços do povo, chamou o genro e disse: “Veja uma casa para eu morar”. Entregou a faixa, entrou no carro do genro. Aí, era um sobrado grande. Ele parou e não quis adentrar. Disse: “Não tenho dinheiro para pagar essa casa. Como você faz isso?”. O Marechal Dutra, ex-ministro da Guerra, ex-Presidente, sentiu que não tinha.
Aí o genro disse – e esta é uma passagem bonita: “General, Marechal, você pediu que eu resolvesse o problema. O senhor não vai pagar. Foi um amigo seu que lhe emprestou, nesta fase de transição”. Então, saiu nessas condições o Marechal.
São essas homenagens que eu quero dizer. E não bastava isso tudo, esses ensinamentos, por aqui passaram brilhantes militares. Caxias foi Senador.
Quem não tem saudade de Jarbas Passarinho, que ainda vive, Senador, cinco vezes Ministro deste País. Virgílio Távora, lá do Ceará, ... Exemplos deles.
Então, queremos encerrar manifestando os agradecimentos de todos nós brasileiros pela seriedade daqueles homens, eles são o povo, eles são filhos de famílias, como nós, os militares, e têm competência para entrar no terceiro ano,
Analise o que é o ITA, em que sonhei entrar, o Instituto de Tecnologia da Aeronáutica, a Embraer, a Marinha e o nosso Exército, além das missões de segurança, os inúmeros Batalhões de Engenharia a construir neste País. Lá no meu Piauí tem dois Batalhões de Engenharia. Mas o mais importante eles sempre garantiram, que foi manter hasteada esta Bandeira, com a mensagem positivista “Ordem e Progresso”, isso que sonhamos para o nosso Brasil.
E agradecemos a participação das três Forças Armadas, que hoje foram homenageadas no Senado. ...
Nada a acrescentar, só emoção, que compartilho com todos que lerem esta mensagem, um resumo a partir do discurso do Senador Mão Santa.
Ernesto Caruso é Coronel da Reserva do EB.
Fonte: Alerta Total
.

A Manipulação da Mídia

Imagem: Cristiandeves
Não me recordo em qual telejornal foi dada a "notícia", tenho certeza de que a mesma foi exibida pela estatal Globo.
"Funcionários da rede hoteleira, irão fazer cursos de idiomas patrocinados pelo Ministério do Turismo e pela Fundação Roberto Marinho". A finalidade é melhor atender os turistas que virão ao Brasil para a Copa de 2014.
Ohhh, até parece que este é um "benefício" do governo da mentira e da safadeza e o pior, uma rede de televisão privada se presta a este ridículo papel.
A VERDADE é uma só e isto é uma EXIGÊNCIA DA FIFA! Todos os países que se candidatam a país sede, tem que cumprir uma série de exigências, e esta é apenas uma delas.
A notícia é exibida como se o "governo que lá está quisesse uma boa educação para o povo brasileiro". Coisa nenhuma! Já que são obrigados a executarem um cronograma minucioso e não apenas construírem estádios e jogar uma bola para que comece logo o jogo, então velhacos de marca e patente como são, não deixaram a oportunidade escapar.
Enquanto se perde tempo com mais um besteirol chamado futebol, o país se tornou campeão mundial de vítimas fatais de Gripe Suína! E vamos à nova CPMF e deixemos as escolas caindo aos pedaços e os professores com péssima remuneração.
Afinal somos penta!
Alguém pode me explicar que lucro uma sociedade obtém com isto?
Fonte: Resistência e Liberdade
COMENTO: me atrevo a tentar responder. Ao mesmo tempo em que milhões ou bilhões de reais serão "investidos" em estádios de futebol para acolher a massa de idiotas que comparecerão aos mesmos, pagando preços exorbitantes por um ingresso, muitas vezes deixando de comprar alimento para suas crias, o superfaturamento das obras renderá boas caixinhas para os safados de sempre, sem contar as despesas conexas. O que houve com os 2,7 milhões a serem devolvidos, relativos a superfaturamentos nas obras do Panamericano de 2007? E o que foi gasto, na mesma oportunidade, em equipamentos de segurança a serem utilizados para a melhoria da segurança do Rio de Janeiro? A segurança carioca melhorou? Onde andam carros, armas, viaturas, equipamentos de comunicação, e outros então adquiridos? E nossas estradas, onde os usuários são assaltados, às claras, via postos de pedágios nas que estão em boas condições, e de modo direto, pelas quadrilhas organizadas que agem à noite nos trechos sem nenhum tipo de segurança. Estarão elas em condições de proporcionar as mínimas condições de translado aos que se interessarem em assistir os jogos? E nossos aeroportos, conseguirão suportar a demanda? E nossos hospitais, onde se morre de torção no pé? Com emergências sem condições de atender os casos mais corriqueiros, terão capacidade de enfrentar o aumento de demanda dos casos de violência das torcidas, excesso de bebidas, acidentes e outros casos "correlatos" ao futebol? E o atendimento "normal" à população no que diz respeito à saúde, educação, moradia, transporte, segurança, já em estado precário? Tudo continuará da mesma forma, quem sabe um pouco pior. Mas estaremos sediando "um evento mundial", da mesma grandiosidade que a consequente roubalheira. Estaremos "turbinando" contratos futebolísticos de alguns jogadores, contratos de propaganda para lavar dinheiro de algumas multinacionais e pagando incontáveis viagens e conferências de planejamento e organização com suas inelutáveis diárias. Para encerrar, a sociedade não terá lucro algum, mas os "alguns" de sempre, com certeza lucrarão, e muito! Podem clicar nos enlaces para aprofundar o tema.
.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Não é missão do Exército combater o narcotráfico

E é muito bom que algumas pessoas em posição de destaque digam o que precisa ser dito!
Não é missão do Exército combater o narcotráfico
Para o general, falta vontade política para tirar as Forças Armadas da obsolescência
Leandro Prazeres
Da equipe de A CRÍTICA
Ninguém fala mais alto que o general Luis Cláudio Mattos, 62, na sede do Comando Militar da Amazônia (CMA). Responsável por 26,3 mil homens espalhados pelo maior comando regional da América Latina, Mattos não impressiona pelo tom de sua voz, mas pelas palavras.
Em entrevista concedida à A CRÍTICA, ele se desarma. Diz que o combate ao narcotráfico não é "missão" do Exército, que falta vontade política do governo para reaparelhar as Forças Armadas e que, se pudesse, conduziria a política externa brasileira com mais firmeza.
Sobre as bases colombianas utilizadas pelos EUA e o aumento do poder bélico venezuelano Mattos se mostra tranquilo, mas revela que os serviços de inteligência brasileiros estão atentos a esses movimentos.
A CRÍTICA: O que muda para o Brasil a partir da utilização de bases colombianas pelos Estados Unidos?
General Luis Cláudio Mattos: Não muda absolutamente nada. Isso é um problema interno de soberania da Colômbia. Não fizemos nenhuma modificação da nossa estratégia em razão desse fato específico.
A CRÍTICA: Essa declaração contrasta com as reclamações do Itamaraty sobre o assunto. Esse desconforto diplomático ainda não chegou aos militares?
General Luis Cláudio Mattos: Na minha avaliação não há motivo para preocupação, mas eu entendo que a preocupação do Itamaraty é uma coisa perfeitamente aceitável. O que é bom frisar é que esse problema das bases não caracteriza nenhuma ameaça militar para nós. Se nossa inteligência tivesse dado conta disso, aí sim, adotaríamos uma outra atitude.
A CRÍTICA: Os serviços de Inteligência estão apurando os reais interesses por trás desse acordo?
General Luis Cláudio Mattos: Não só a inteligência militar, mas a inteligência brasileira. Por isso que eu digo que não tenho preocupação. Esse trabalho nos abastece.
A CRÍTICA: Até que ponto o aumento do poderio bélico colombiano e venezuelano têm mudado a estratégia de Defesa brasileira na Amazônia?
General Luis Cláudio Mattos: Nós vivemos numa conjuntura em que temos um relacionamento excelente com todos os nossos vizinhos. Evidentemente que nós não acompanhamos esse aumento do poder militar da Venezuela, da Colômbia e do Chile. Mas isso é problema interno de cada País. Se os países julgam que, em vez de resolver alguns problemas, é melhor aumentar o poder militar, é decisão soberana do País. Nós militares (brasileiros), particularmente, temos muitas carências que se fossem solucionadas talvez, os vizinhos encarassem como aumento do nosso poderio bélico, mas são carências que temos há muitos anos.
A CRÍTICA: A nova Estratégia Nacional de Defesa (END) prevê o deslocamento de unidades para a Amazônia. Isso não é reflexo desse aumento de poder militar dos nossos vizinhos?
General Luis Cláudio Mattos: Não. Reflete uma preocupação que se tem há muito tempo de nós aumentarmos o nosso poder militar na Amazônia pra garantir a soberania. Se isso fosse motivado pelo aumento do poder do vizinho, isso teria que ocorrer com muito mais rapidez. Qual é o grande ganho da END para as forças armadas? É a colocação da Defesa Nacional na agenda. Antes, só se via as forças armadas como autoritárias e repressoras.
A CRÍTICA: Venezuela e Colômbia saíram da condição de países amigos para a condição de pontos de instabilidade na América do Sul?
General Luis Cláudio Mattos: Eu acho que não. As Farc, realmente, são um desconforto muito grande. Imagina você ter um movimento contra o governo se arrastando durante tanto tempo. Mas isso é um problema interno deles que pode nos afetar se as guerrilhas entrarem no nosso território. Por isso estamos vigilantes. A mesma coisa na Venezuela. As decisões de lá podem agradar ou desagradar. Será que está bom pra eles? O dinheiro do petróleo poderia ser colocado para o país crescer, prosperar, mas se o presidente (Hugo) Chávez resolveu aumentar o seu poder militar, é decisão soberana e são os venezuelanos que tem que avaliar.
A CRÍTICA: Quais as principais preocupações militares na Amazônia? Nossos vizinhos, o narcotráfico.
General Luis Cláudio Mattos: Tudo isso nos incomoda. Mas o que nos incomoda mesmo é a vigilância da nossa fronteira. São 11 mil km. Nós temos preocupação com isso, estamos vigilantes na nossa fronteira. Temos dispositivos colocados na nossa fronteira e não tenho a menor dúvida de que farão face a qualquer tipo de ameaça; a nossa estratégia é preparada para isso. Temos forças presentes e forças que podem ser deslocadas rapidamente em caso de invasão. É importante dizer que uma invasão não acontece do dia pra noite.
Falta de aperfeiçoamento tecnológico nas Forças Armadas
A CRÍTICA: Há previsão de descontingenciamento dos recursos do projeto Calha Norte?
General Luis Cláudio Mattos: Há pedidos e solicitações, mas não sei dizer se há previsão. Nós somos, modéstia a parte, bons planejadores. Para nós, o principal problema não é a quantidade de recursos, mas a regularidade. O que acontece hoje é que se faz um planejamento e a lei orçamentária contempla o Exército com recursos. Aí começa o ano e aquilo tudo fica contingenciado. Não adianta ficar conversando ou discutindo. Temos que tentar obter aquele recurso. O Chile tem a lei do cobre que destina um porcentual de tributos às Forças Armadas.
A CRÍTICA: O senhor acredita que isso poderia ser aplicado no Brasil com o Pré-Sal, por exemplo?
General Luis Cláudio Mattos: Com certeza. É capaz de ter alguma coisa do Pré-Sal voltada para a Marinha. Poderíamos ter um pra cada Força Armada. Nós sabemos que é uma coisa que não aparece. Soberania não aparece. Defesa é algo que não aparece. Isso já foi pensado e visto. Vira Projeto de Lei. Mas na hora que bate no Congresso você imagina a discussão.
A CRÍTICA: Então falta vontade política para destinar mais recursos para as Forças Armadas?
General Luis Cláudio Mattos: Poderia dizer que sim. Agora, tanto o Executivo quanto o Legislativo, eles pensam na alocação dos recursos de acordo com a sua vontade. Realmente, se houvesse uma vontade política de aporte de recursos, com toda certeza, eles apareceriam.
A CRÍTICA: Seu antecessor, General Heleno, disse que as Forças Armadas do Brasil estão obsoletas. O senhor concorda com ele? O que seria prioridade no reequipamento das Forças?
General Luis Cláudio Mattos: Concordo totalmente com o Heleno. Por isso é que está acontecendo esse planejamento todo. Esse pensamento é para tirar as forças armadas da obsolescência. Temos planos pra cada área. Por exemplo, nós temos carência de blindados. Existe uma carência de artilharia antiaérea e são perfeitamente aplicáveis na Amazônia. Comunicações é outro exemplo. Nós conseguimos nos comunicar com todas as nossas tropas, mas existe uma necessidade muito grande de um aperfeiçoamento tecnológico nessa área.
A CRÍTICA: Como executar uma Estratégia Nacional de Defesa tão ousada com um orçamento tão minguado? O senhor teme que isso fique no papel?
General Luis Cláudio Mattos: Esse é o grande problema. Vai depender de vontade política. Nós sabemos que nós não vamos poder colocar mais 28 pelotões de fronteira nesses 11 mil km da noite pro dia, mas nós já tínhamos alguns desses pelotões planejados, então se não tivermos dinheiro para os 28, vamos atender aqueles que já havíamos pensado.
A CRÍTICA: Fontes dos bastidores da Polícia Federal se queixam que, apesar de ter mais gente e mais equipamento, o Exército não cumpre seu papel de polícia na faixa de fronteira no combate ao narcotráfico.
General Luis Cláudio Mattos: Se alguém falou isso é porque não conhece nossa missão constitucional. Não é missão do exército o combate ao narcotráfico. Não é missão do Exército fazer missão humanitária, ajudar na seca e nem nas cheias, mas quando tem uma tragédia, veja lá se não tem um militar ajudando. O nosso dever é a defesa da Pátria. Foi criada uma lei nos dando poder de polícia para nos dar segurança quando, na fronteira, encontrássemos alguma ação suspeita, mas ninguém sai do quartel para combater o narcotráfico. Nem na fronteira. Não saímos do quartel pra fazer isso.
A CRÍTICA: Mas num cenário de relativa paz com nossos países vizinhos, o narcotráfico não é considerado uma questão de segurança nacional?
General Luis Cláudio Mattos: Não vejo como uma ameaça à nossa soberania. É um mal que atinge o nosso País todo, mas não é segurança nacional, é segurança pública. Quando o narcotráfico atingir a nossa soberania, aí sim. Quando estiver incorporado a uma guerrilha que avança sobre o nosso território, aí sim. O narcotráfico não é um problema específico das forças armadas. Ele tem que ser combatido, mas temos que ter gente pra fazer isso. Mas não é por isso que vai pegar o Exército pra cumprir uma missão que não é nossa.
A CRÍTICA: Como o senhor avalia a política externa do governo brasileiro?
General Luis Cláudio Mattos: Eu não posso te dar minha opinião como militar. Posso apenas dizer o que eu acho. Eu acho que a gente poderia ser menos flexível porque o Brasil é uma potência continental. Nós poderíamos, em determinados momentos, mostrar a nossa cara. Somos potência.
A CRÍTICA: O senhor acha que o Brasil poderia ter sido "menos flexível" na invasão de instalações da Petrobras pelo exército boliviano, por exemplo?
General Luis Cláudio Mattos: Eu como brasileiro acho que poderíamos ter sido mais firmes. Eu não posso concordar ou discordar da política externa brasileira. Posso dar minha opinião e acho que poderíamos ter sido mais firmes, mostrado a cara da grandeza do Brasil. Muitos não têm noção da nossa grandeza. E não é grandeza militar, mas do País como um todo. Talvez, se o Brasil usasse a sua cara e o seu poder como grande País, enfim, eu conduziria diferente, mas isso é problema do governo.
Fonte: A Crítica,
citado em
A Continência

Bolsa safadesa - mais uma!

Tesoureiro de Lula também terá bolsa-ditadura
Paulo Okamotto, 53, presidente do Sebrae, amigão e ex-tesoureiro do presidente Lula, vai receber uma grana preta (nossa) do Ministério da Justiça a título de indenização como “anistiado político”.
Um alívio para quem pagou dívidas de Lula no PT e até R$ 26 mil da filha do presidente, Lurian, sem explicar até hoje exatamente como. Ele entrou com o pedido de anistia em 2003, cinco meses após a posse de Lula.
Bingo!
Petista amigo do presidente há mais de trinta anos, Okamotto escapou da quebra de seu sigilo bancário durante a esquecida CPI dos Bingos.
Milagre dos peixes
Discreto e modesto, o velho amigo nunca explicou como podia esbanjar generosidade só com seu salário no Sebrae. Salvou-o a anistia.
A velha ‘caixinha’
O ex-petista Paulo de Tarso Venceslau afirmou na CPI que Okamotto recolhia dinheiro de prefeituras para a caixinha do PT. Ele negou.

28/08/2009 | 13:26
'Anistiado político'? Façam as contas
Paulo Okamotto, 53, presidente do Sebrae, é mais um que vai receber indenização do bolso dos contribuinte. Ora, se na Revolução de 64 este senhor contava com apenas oito anos de idade, será que com essa idade ele já era terrorista ou qualquer coisa parecida; ou foi exilado político? Essa é uma pergunta que eu faço ao Ministério da Justiça. Espero uma resposta convincente. Estou cheia da bandidagem institucionalizada que está assolando a nossa Pátria.
Regina Cembranelli Aliandro
Brasilia (DF)

29/08/2009 | 00:16
Muito precoce, esse Okamoto
CH, em março de 64, quando ajudei o meu vizinho comunista a jogar numa fossa: equipamento rádio (falava com Cuba e Albânia), livros e muito material de propaganda, eu tinha 10 anos de idade. Como é que o sujeito chamado Paulo Okamoto, vai receber Bolsa-Ditadura, por perseguição política e o mesmo é mais novo que eu em 3 anos? Aposto que quem consegui este milagre foi honorável advogado Luiz Eduardo Grenalgh e também convenhamos esse moço é muito precoce na política, um verdadeiro recorde mundial. Quem mandou entregar a chave do galinheiro pras raposas?
Fernando salgado
Belém (PA)

MST já tinha invadido, ocupado e barbarizado a prefeitura de São Gabriel

O confronto que resultou na morte de um ativista do MST na invadida Fazenda Southal, de São Gabriel, foi o epílogo de uma sucessão de provocações que os sem-terra produzem no município.
É que poucos dias antes de se negarem a sair das terras ocupadas, reagindo pela força aos brigadianos que cumpriam mandato judicial de reintegração de posse, os ativistas do MST invadiram e depredaram a prefeitura de São Gabriel.

“Quando vi, tinham ocupado tudo, quebraram tudo e sujaram tudo”, disse ao editor o prefeito Rossano Gonçalves, do PDT. A invasão foi no dia 12 de agosto. As fotos a seguir mostram o tamanho da violência. Os lixeiros que removeram garrafas de cachaça, facas, paus, pedras e até restos de fezes, tiveram que usar máscaras para enfrentar o mau cheiro.
Ao encontrar um morto em São Gabriel, o MST e seus aliados buscam transforma-lo em mártir político. Nesta sexta-feira, em Porto Alegre, muros amanheceram com pichações do tipo “Yeda assassina”.
Os verdadeiros alvos, Lula e PT, responsáveis pelas cidades de lona, foram poupados.
E os esquerdistas bradavam ontem que o sem-terra foi morto "a mando da governadora".
Entre os que estavam no protesto em frente ao Piratini, destacavam-se Marcon, Carrion, Rejane de Oliveira e Fernanda Melchionna.
CLIQUE AQUI para examinar o material fotográfico alusivo à invasão do Palácio Plácido de Castro, sede da Prefeitura Municipal de São Gabriel, quando de sua invasão por integrantes do MST, ocorrida no último dia 12 de agosto.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Champinha em liberdade... eu sou otário mesmo

O Caso Liana Friedenbach e Felipe Caffé foi um crime ocorrido em Embu-Guaçu, interior de São Paulo, no dia 5 de novembro de 2003, e que causou profunda indignação na sociedade brasileira, e reacendeu o debate a respeito da maioridade penal no Brasil. O crime consistiu no assassinato do jovem Felipe Silva Caffé (19 anos) e da menor Liana Bei Friedenbach (16) por Paulo César da Silva Marques, o "Pernambuco", e pelo menor infrator conhecido como "Champinha", além do estupro e tortura desta última por ambos os criminosos.
Felipe Café e Liana Friedenbach
... "Champinha" foi internado na Febem e lá permaneceu até dezembro de 2006 pois, ao completar 21 anos, não poderia permanecer em local de internação de menores, segundo a lei brasileira. Enquanto esteve internado, "Champinha" transitou constantemente entre diversas unidades da Febem. Com a integridade física ameaçada por outros internos, o rodízio teve o propósito de preservar a vida do menor. Sua última internação foi na unidade Raposo Tavares.
Um laudo elaborado por psiquiatras da Febem chegou a afirmar que seu comportamento era exemplar. Os peritos disseram que ele era um dos melhores alunos nas aulas de artesanato; apresentava avanços nas aulas de matemática e, sendo rapaz educado, nunca se meteu em confusões. Concluíram que apresentava apenas um retardamento mental moderado e que foi coagido a cometer os assassinatos.
Condenado a 110 anos e 18 dias de prisão em regime fechado, Paulo César da Silva Marques, 36, conhecido como Pernambuco, decidiu não recorrer da sentença; foi considerado culpado pelo assassinato e seqüestro dos casal de namorados.
O juiz da Vara da Infância e da Juventude não aceitou o laudo da Febem e determinou que outro fosse feito por psiquiatras forenses do Instituto Médico-Legal. Este laudo chegou a uma conclusão bem diferenciada do primeiro.
De acordo com os especialistas do IML, "Champinha" revelava uma personalidade de grande periculosidade agindo por impulso sendo portanto incapaz de conviver em sociedade. Quando este laudo foi publicado, os psiquiatras da Febem justificaram o laudo anterior, alegando que ignoravam crimes cometidos por "Champinha" anteriormente ao assassinado de Liana e Filipe, e o fato de ter sido provada inocência de "Pernambuco", antes apontado como a pessoa que havia coagido o menor a praticar os crimes. Ao acatar as conclusões do laudo do IML, o juiz ordenou a internação de "Champinha", por tempo indeterminado, na clínica psiquiátrica do Hospital de Tratamento e Custódia, na cidade de São Paulo.
Em 2009, os advogados da ONG Associação Beneficente Santa Fé, que recebe recursos do governo federal, deram entrada ao pedido de liberdade de Champinha que se encontra numa casa de tratamento para doentes psiquiátricos. Laudos de psicólogos afirmam que ele representa um risco para a sociedade. Porém, a ONG que promove os direitos do menor e adolescente (Champinha tinha 16 anos quando cometeu o crime) diz que ele não pode permanecer preso porque não foi condenado e isso fere o Estatuto da Criança e do Adolescente. (Fonte Wikipedia)

Esse é o coitado do "Champinha"
"Eu so posso ser otário mesmo, essa ONG recebe recursos do governo federal isso significa que o imposto que eu pago ta financiando isso. Onde vamos parar? Com tantas crianças jogadas na rua e essa dita ONG se preocupa com um assassino, e outra, hoje o "Champinha" tem 22 anos, o que essa ONG tem haver com isso? PQP agora vejo que os impostos que eu pago estão sendo bem usados."
Leia o texto completo clicando no enlace junto à Fonte.
Fonte: Ovelhas no Playground
COMENTO: de acordo com a rede Bandeirantes, o Ministério Público irá investigar o convênio da Ong Cedeca (Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente) de Interlagos com a prefeitura de São Paulo e o governo federal. A entidade paga com recursos públicos o advogado de Roberto Aparecido Alves Cardoso, 22, o Champinha.
Repetindo o que escreveu Janer Cristaldo, Ou seja, agora, além de financiarmos cartões de crédito corporativos dos petralhas, seringas para viciados, silicone e gel lubrificante para homossexuais, estamos financiando compulsoriamente os shows da Máfia do Dendê. Mais as mordomias da sobrinha e da neta do José Sarney, os passeios de Pedro Simon com sua mulher por Paris, os turismos de Eduardo Suplicy com sua amante pela China, as visitas de Fernando Gabeira à sua filha no Exterior, os estudos de teatro de um efebo do senador Arthur Virgílio na Espanha e passeios outros de nossos representantes no Congresso. Temos que acrescentar o telefone celular da filha do Tião e o advogado do Champinha! É pouco??

A COERÊNCIA DE UM SEM-VERGONHA!



Se for o caso, revejam o vídeo. A mim me encanta, em particular, a performance do ator. Observem que Lula não parece menos convicto hoje do que em 2000.
Nos dois casos, as palavras parecem brotar de uma pensamento genuíno, profundo, entranhado na alma. A letra impressa, a palavra capturada em livro, confere a esses Lulas um peso histórico, documental.

General, o Senhor Poderia Dormir Sem Essa!

por Ricardo Montedo
Os militares assistem, com estupefação contida e silenciosa, como convém à classe, a “saia justa” em que se enfiou o General Félix, Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, em face do imbróglio em que se meteu o órgão que chefia, por conta das gestões do Governo Lula para apagar os rastros da suposta reunião entre Dilma Rousseff e Lina Vieira, onde a Ministra teria sugerido à então Secretaria da Receita Federal a “agilização” do processo contra Fernando, filho do Senador Sarney.
Embora contrária ao jogo democrático, a preocupação institucional em surrupiar informações à opinião pública tem razão de ser, uma vez que a confirmação do encontro pode acarretar graves prejuízos ao projeto de Lula de fazer “a mãe do PAC” sua sucessora.
Furto-me de analisar o aspecto político da questão. Prefiro debruçar-me sobre um viés estritamente castrense, que consiste no fato de um oficial que atingiu o ápice de uma carreira que prima por valores pisoteados à exaustão pela classe política e cujo Estatuto preconiza, como primeira premissa da ética militar, “amar a verdade e a responsabilidade como fundamento de dignidade pessoal”, se submeta a interesses espúrios, auxiliando a jogar uma cortina de fumaça sobre os fatos.
Não há como crer que não existam registros dos visitantes do Palácio do Planalto no mês de dezembro passado! Qualquer cabo velho sabe disso! Se, numa insuspeitada demonstração de incompetência, os arquivos de vídeo foram apagados, como diz o GSI, certamente restarão registros escritos diários, que poderão comprovar (ou não) as visitas de Lina ao Planalto naquele período.
É constrangedor para os militares assistir políticos como Ronaldo Caiado e Álvaro Dias fustigarem um general de quatro estrelas, exigindo (com razão) explicações sobre as informações fornecidas, cópia do contrato com a empresa de segurança e articularem a convocação do ministro pela Câmara para dar explicações.
Não há meio termo: ou o General Félix vem a público e “duela a quien duela”, presta as informações que a sociedade exige, que são nada mais do que a verdade dos fatos, ou estará avalizando procedimentos que envergonham a classe militar e que passam longe dos preceitos de ética e moral que lhes são tão caros.
Fonte: Montedo.com

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O silêncio que endossa é tão vergonhoso quanto o grito de apoio

por Augusto Nunes
O apresentador do sarau na sala da residência carioca de Gilberto Gil, então compondo e cantando no cargo de ministro da Cultura, foi o produtor de cinema Luiz Carlos Barreto. “A política é um terreno pantanoso, a ética é de conveniência”, começou. “Se o fim é nobre, os fins justificam os meios”. Ligeira pausa e a ressalva que ilumina o porão: “O que eu acho inaceitável é roubar. Mentir é do jogo político. Não é roubo”.
O convidado de honra sentiu-se em casa. Naquele agosto de 2006, em campanha pela reeleição, Lula era ainda assombrado por reaparições do fantasma do mensalão, que havia mais de um ano vagava pela Praça dos Três Poderes. A fala de Barretão avisou que estava entre amigos. Estava entre comparsas, corrigiu o ator Paulo Betti, encarregado de saudar o presidente em nome dos artistas que se acham intelectuais e dos intelectuais que se acham artistas.
“Não vamos ser hipócritas: política se faz com mãos sujas”, abriu o jogo Paulo Betti. Foi a senha para a estreia do músico Wagner Tiso, sempre o segundo em qualquer parceria, como coadjuvante especializado em comédias de maus costumes. “Não estou preocupado com a ética do PT”, solfejou. “Acho que o PT fez um jogo que tem que fazer para governar o país”. Tradução da partitura: para o compositor que se esvaía em lágrimas com clubes da esquina ou corações de estudantes, a bandalheira institucionalizada é uma forma de arte política.
Capturados por jornalistas, o argumento, o roteiro e as falas de cada participante do espetáculo do cinismo chegaram aos brasileiros decentes. A reação aconselhou o elenco a agir com cautela. Se possível, sem palavras. A mudança de tática, ocorrida há três anos, explica o sumiço dos artistas e intelectuais neste inverno da infâmia. Os que absolveram ostensivamente os mensaleiros agora absolvem por omissão a bandidagem federal.
Onde anda aquela gente que, antes da Era Lula, vivia de caneta na mão para não perder nenhum abaixo-assinado? O Congresso está sob o comando de uma quadrilha monitorada pelo Executivo. Nada têm a dizer atores e músicos que protestavam contra os maus modos do guarda de trânsito. Um juiz subordinado a José Sarney ressuscita a censura à imprensa. Permanecem calados escritores e catedráticos que se manifestavam até contra a impontualidade do entregador de pizza. Há sete meses são ouvidos os estrondos dos escândalos. Há sete meses nenhum deles dá um pio.
No fim de julho, no meio da guerra suja promovida para manter Sarney longe do cadafalso, a turma perdeu uma boa chance de começar o resgate da honra em frangalhos. Para assinar o projeto que institui o vale-cultura, Lula marcou um encontro com a sucursal paulista dos operários da arte. Coerentemente, a delegação carioca presente à reunião no teatro foi liderada por Luiz Carlos Barreto. O apresentador do sarau na casa de Gil é o produtor do longa-metragem Lula, o filho do Brasil. Mas o chefe não ouviu nenhuma cobrança. Até cobrou mais ação da platéia no meio de outro show.
Com Dilma Rousseff ao lado, Lula definiu-se generosamente como “pouco letrado”. Aplausos. Embora não tenha visto sequer uma vírgula desenhada pelo crítico literário Antônio Candido, risonho na platéia, definiu-o como “o melhor intelectual brasileiro”. Aplausos intensos. E avisou que o projeto só será aprovado sem demora se os parlamentares forem devidamente pressionados. Ovação.
“A aprovação depende de vocês irem lá, porque, se a televisão for contra, não aprova”, ensinou o professor de Congresso. “Portanto, depende de fazer um jogo de forças entre os que acham que é preciso inovar e os que acham que já está bom”. Que tal perguntar a Lula se aquele abraço em Palmeiras dos Índios era mesmo necessário? Por que não aproveitar a viagem a Brasília para um ato de protesto contra a decomposição moral do Senado, o assassinato da ética e a revogação do Código Penal? Essas coisas podem esperar, respondeu a mudez coletiva.
Não há diferenças relevantes entre o sarau no Rio e o encontro em São Paulo. Os que contemplam calados o avanço dos fora-da-lei são tão velhacos quanto os que absolveram ostensivamente o bando do mensalão. A cumplicidade ativa não é mais grave que a omissão que endossa. O apoio explícito e o silêncio que consente são igualmente vergonhosos.
Fonte: Direto ao Ponto
COMENTO: nem comento, transcrevo o comentário de um leitor do Claudio Humberto:
"25/08/2009 | 18:14
O mergulho da ética
Anos atrás o ator Paulo Betti disse, justificando atitudes do governo (?) Lulla: "Não dá para fazer política sem botar a mão na merda". Até aí, tudo bem... Dá até prá concordar em parte. Mas precisava botar a mão, o braço, o pé, o corpo inteiro? Precisava mergulhar na merda? Fitzcarraldo Silva
Manaus (AM) "

terça-feira, 25 de agosto de 2009

"A Casa Caiu!!" ou "Como Desmentir um General!"

.
O blog Coturno Noturno publicou um post a ser lido com atenção.
Trata sobre o sistema de segurança presidencial, mais especificamente sobre o sistema de monitoramento do acesso ao Palácio do Planalto, instalado a partir do início de 2006 e no qual foram gastos mais de três milhões de reais. Repito: mais de três milhões de reais.
Transcrevo parte de notícia de dezembro de 2005, referenciada no blog citado:
O novo sistema custará R$ 3,242 milhões, de acordo com o resultado da licitação, que foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). Dos R$ 3,2 milhões, cerca de R$ 1 milhão é empregado na instalação das câmeras fixas e móveis e das 30 estações de monitoramento. Os outros R$ 2,2 milhões serão para a aquisição e instalação de pelo menos 18 catracas, 51 novas portas com alarmes e bloqueios, 35 mil cartões, 176 leitoras para o controle de acesso de visitantes e carros.
De acordo com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência, "a implantação de tal sistema permitirá um controle efetivo de áreas externas e comuns e ainda o controle de acessos de pessoas e veículos, com redução dos riscos e diminuição da ocorrência de incidentes, por intermédio da aplicação de recursos de segurança online, com armazenamento de imagens e eventos".
Vale a pena conferir os textos do editor e da licitação, com os detalhes relativos às especificações técnicas do equipamento instalado.
Confira, clicando aqui.
Bem diz o adágio: "Curió que se mistura com João-de-barro termina como ajudante de pedreiro".
O GSI, composto em sua grande maioria por militares, não deveria ter assumido a responsabilidade de dar sustento a mais uma mentira deslavada proposta por Franklin "Goebbels" Martins. E agora Jorge, digo, José? Ou seria Joseph??
Que pena ter que publicar isto ainda no dia 25 de agosto!!!
.

SPT: Serviço de Proteção ao Terrorismo

por Arlindo Montenegro
Durante a 19º reunião da "Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado", em audiência pública, as autoridades do alto escalão da inteligência nacional, revelaram aos deputados como se estão organizando estrategicamente ... para deter ações terroristas no território nacional. Um detalhe: as nossas leis não definem o que é terrorismo.
Toda a ação é comandada pelo Ministério da Justiça, Ministério da Defesa e pelo Gabinete de Segurança Institucional. Se a ação depender do Ministério da Justiça, estamos ferrados! Foi o Gen Felix, quem informou que, num encontro com um assessor do ministro Genro, ouviu “Se você faz legislação anti terror, você atrai terror”. Não é o fim da picada? Se não há legislação, não se implementam os recursos nem se formam e treinam equipes para este trabalho vital.
O Gen Felix respondeu ao assessor do ministro:Pois, então, reze a Deus para que nada aconteça e não sejamos pegos, sob esse aspecto, de calça curta”. Daí por diante, por mais de 6 anos, o governo nem se mexeu para organizar a área de inteligência e ação anti terrorista. Não se sabe o que o governo identifica como terrorismo! Criou-se um “núcleo” de ação formado por uns gatos pingados, alguns profissionais da área que trocam e consolidam informações.
E o que os move é “mesmo que apareça algum problema, vamos resolvê-lo — essa é uma atribuição e uma competência nossa — e não vamos admitir que o problema existiu”. Esta é a política de segurança contra terrorismo: ação de uns gatos pingados, profissionais competentes, sem nenhuma retaguarda, sem a necessária estrutura de apoio do governo.
Devido a essa política, para não ferir os amigos do núcleo radical esquerdista do governo, não admitem a existência de treinamento, viagens, “expropriações” (roubo, assalto a bancos feitos por radicais de esquerda), não admitem a presença de grupos de exilados políticos (ex guerrilheiros africanos) atuando nas favelas do Rio junto aos traficantes, não admitem a presença e livre trânsito das FARC e personalidades extremistas do mundo islâmico.
Sabem que esses grupos disputam o domínio de algumas áreas das “comunidades” mantendo “um relacionamento bastante íntimo — com o crime organizado, narcotráfico, tráfico de armamento e coisas do tipo, mas, (...) a situação se restringe à área da criminalidade mesmo (...) uma situação já presente desde os anos 90, em nosso País, que é a reincidência com a qual algumas pessoas militam dentro de um extremismo de esquerda muito fora de moda, principalmente nos anos 90 e na virada do século.
Resumindo, circulam em nosso território, transitam em nosso território, recrutam militantes, mandam para treinamento no exterior, captam recursos para a manutenção assaltando bancos, fazem tráfico de armas e drogas, organizam militarmente (com experiência guerrilheira) os bandidos nas “comunidades”, casam com brasileiras e adotam filhos para obter visto permanente (com documentação falsa) ...
Tudo com o conhecimento dos “companheiros” que não os consideram terroristas, nem mesmo quando matam (latrocínio), seqüestram juízes, delegados e cidadãos. Nem mesmo quando fazem do nosso território a base para o comando de ações que destroem propriedades e matam pessoas em outros países.
Os profissionais da Inteligência brasileira, concluem que:Tanto no imaginário da população como nos níveis políticos mais elevados ou intermediários há muita dificuldade de percepção de que o terrorismo realmente pode vir a constituir, e já é, uma ameaça ao nosso País (...) há razões para acreditar que o terrorismo internacional é uma ameaça em potencial ao País”.
Na ata da audiência pública da “Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado”, se pode ler: “na Conferência Interamericana realizada em Lima, em 1996, o Brasil assumiu o compromisso de introduzir na sua legislação a tipificação de atos terroristas”. Mas até hoje, 13 anos depois, o Brasil reluta em definir atos terroristas e em tipificar esse tema.
Como não tipificamos, como não queremos comprometer “companheiros” ideologicamente alinhados às altas autoridades, se essas pessoas, não infringirem as leis brasileiras, “entram e saem livremente do nosso País”.
Enfrentamos o terror com base na teoria jurídica dos crimes conexos... neutralizamos a ação de algumas pessoas que tinham um viés extremista, notadamente no campo religioso e islâmico. Sendero Luminoso, das FARC, organizações que, pela nossa postura política e diplomática, não consideramos terroristas” ... são “companheiros”, não é verdade?
Finalmente, na tríplice fronteira, quem manda hoje, são as tríades chinesas. Tudo gente fina! No mais temos um tratado com a Bolívia para importar 21 milhões de produtos têxteis, enquanto a Polícia apreendia mais de 100 kg de cocaína nos fardos de roupas “importadas” e Mister Lula aparecia ostentando um belo colar feito com folhas de coca. No nordeste, bandos de modernos "cangaceiros", assaltando bancos com armas pesadas e agindo que nem guerrilheiros!
O estalinista e revolucionário Ministro da Justiça declarou (Canal Livre, Band, 23 de Agosto) que só nos restam 3 saídas: revolução (aquela que os militares abortaram no passado), golpe de estado (que seria da esquerda para manter Lula no comando ou outro aloprado) ou reforma da constituição (para legalizar o poder totalitário, que nem na Venezuela, no Equador). E viva o Foro de São Paulo! Viva a União das Repúblicas Socialistas da América Latina! Concorda?
Fonte: ViVerdeNovo
COMENTO: já vimos esse tipo de "vacilação" na história brasileira. Quem leu o brilhante livro "A Verdade Sufocada" do Cel Ustra, percebe o mesmo tipo de "indecisão" governamental precedendo os acontecimentos de 1964. Quem viveu aquela época lembra disso! Nas páginas 206 e 208 da obra citada, podemos verificar como a "descrença" a respeito da gravidade da situação dificultava ações que poderiam ter "cortado o mal pela raiz". No dito popular militar: "o que mata são o excesso de confiança (imprudência), a burrice (falta de conhecimento ou imperícia) e o cagaço (omissão ou negligência, proposital ou motivada pelos motivos anteriores)". No presente caso, eu acrescentaria a conivência.

Dia do Soldado

Por Cel Hiram Reis e Silva, 25 de Agosto de 2009
"Ser soldado é uma profissão de fé. A grande maioria dos militares, quando ingressa na carreira, não é levada por nenhum outro motivo que não o de servir à pátria. Os vínculos que os prendem ao seu país e à sua gente são de tamanha profundidade que, para eles, o ato de ser soldado vai muito além de simplesmente vestir uma farda e cumprir com as obrigações decorrentes da vida na caserna. O soldado tem no seu elenco de valores um profundo sentimento de interação com a pátria, que é essencialmente dinâmico e começa no compromisso de colocar todo seu potencial intelectual e físico inteiramente ao serviço dela, culminando com o juramento solene de defendê-la com o sacrifício da própria vida”.
(Gen Bda R1 Flávio Oscar Maurer)
25 de agosto é o dia consagrado ao soldado brasileiro, o cidadão fardado, cuja nobre missão é a defesa da pátria e das instituições nacionais. A escolha do dia 25 de agosto como Dia do Soldado foi uma justa homenagem ao maior soldado-estadista do nosso país, Luiz Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias que, em 1803, nascia na cidade de Estrela, no Estado do Rio de Janeiro. Não poderia deixar de neste dia, em homenagem aos irmãos de armas, rememorar, um artigo que publiquei, no dia 11 de maio do ano passado, e que deve, por sua atualidade, mais que nunca, ser relembrado.

- Carta de Julia Lopes de Almeida, a um soldado brasileiro:
“Até há dias, tu eras um brasileiro apenas. Hoje és um ‘soldado brasileiro’. Perante Deus, que lê na minha alma e conhece as minhas ações, posso erguer minha humilde cabeça, convicta de que cumpri o meu dever de brasileira, criando-te em condições de fazer de ti um patriota. Esse amor que deves à tua Pátria, meu filho, deve ser, tem de ser semelhante, na capacidade de sacrifício e abnegação, ao amor que tenho por ti. O amor patriótico só é comparável ao amor maternal.
Cada fraca mulher está pronta a dar a vida por seu filho; cada homem deve estar sempre preparado para dar a vida pela sua Pátria. A nenhum outro amor ele pode comparar-se porque todos os amores estão na dependência da inconstância, do capricho, do prazer, do ciúme. Porém, o amor da Pátria não conhece restrições, não admite fadiga e se sobrepõe a todas as considerações do egoísmo e dos baixos instintos humanos. Ama tua Pátria sobre todas as coisas, pois que nada serias mais do que um pária, se a Pátria não fizesse de ti um cidadão, se ela não te houvesse concedido, na comunidade humana, o nobre direito de ser alguém sobre a terra e se não tivesse te dado a família imensa e poderosa dos teus concidadãos. Para ser um digno soldado, não basta, porém, que a tua coragem e a tua dedicação estejam incondicionalmente ao serviço do nosso querido Brasil, que foi o nosso berço e que, espero de Deus, abrigará os nossos restos mortais, para serem dissolvidos e integrados na beleza da terra brasileira. Não, meu filho; não basta coragem, não basta o amor. É preciso, também, que, sendo tu um soldado, tenhas o culto apaixonado da honra, a consciência imaculada e que professes a religião varonil do cavalheirismo. Não abuse da tua força contra os fracos. Não desampares nunca a inocência.
Assim serás o digno soldado de uma pátria magnânima, que nunca fez guerra senão para desafrontar sua dignidade. Durante vinte anos, tu te curvaste reverente diante de mim, beijando a mão que te acariciou e te guiou. Hoje sou eu que me inclino, respeitosamente diante de ti,porque tu és um SOLDADO BRASILEIRO, porque tu representas uma partícula da Pátria, da sua coragem, da sua honra e da sua força."
Coronel de Engenharia Hiram Reis e Silva
Professor do Colégio Militar de Porto Alegre (CMPA)
Acadêmico da Academia de História Militar Terrestre do Brasil (AHIMTB)
Presidente da Sociedade de Amigos da Amazônia Brasileira (SAMBRAS)
Site: http://www.amazoniaenossaselva.com.br
E-mail: hiramrs@terra.com.br
Recebido por correio eletrônico