sexta-feira, 8 de maio de 2009

Infraero Reforça Grupo de Espionagem

por Vasconcelos Quadros
BRASÍLIA - Há algo a mais no ar além de aviões de carreira e dos cargos tomados do PMDB na Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). O plano do presidente da estatal, brigadeiro Cleonilson Nicácio Silva, moraliza e profissionaliza o órgão, mas amplia a militarização do setor e consolida uma ousada máquina de espionagem que vem sendo azeitada nos últimos três anos e se destacou com mudanças radicais que, em abril, pegaram de surpresa os políticos da base aliada do presidente Lula e seus apadrinhados.
A nova ordem dentro da Infraero vem sendo dada por um órgão de nome pomposo, a Superintendência de Inteligência Empresarial, ocupada por oficiais e profissionais de inteligência, cuja atuação norteou a reforma administrativa que resultou na redução dos contratos especiais preenchidos por indicação política. No início de abril deste ano, a limpeza promovida pelo brigadeiro Nicácio Silva resultou na eliminação de 97 postos entregues a políticos num nicho conhecido por contratos especiais – caiu de 109 para 12 – e na substituição de mais de 90% dos demais cargos de confiança na chefia das 96 superintendências espalhadas pelo país – 25 delas na sede da empresa em Brasília, quatro regionais (São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus e Recife) e 67 em aeroportos administrados pela Infraero nos Estados.
Aplaudidas pelos funcionários e bombardeado pelos políticos do governo, as mudanças foram pautadas pelo pente-fino dos agentes de inteligência – funções que maldosamente se habituou a tratar por arapongas –, que ganharam relevo na gestão do brigadeiro. Ele transformou em superintendência ligada diretamente a seu gabinete uma estrutura pelos antecessores como órgão de assessoramento.
O grupo é formado por oito profissionais, cinco deles dos quadros da Infraero e outros três contratados – originário da Força Aérea Brasileira (FAB) –, chefiados pelo coronel Hélcio Medeiros Ribeiro, oficial com experiência nas áreas de espionagem e contra espionagem e conhecido membro da “comunidade”, há dez anos lotado na Superintendência de Segurança Aeroportuária. No início deste ano, a Infraero juntou-se aos mais de 30 estatais federais que integram o Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN), cujo órgão central vem a ser a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).
Susto
É um salto necessário à atividade de inteligência numa área suscetível a ocorrências que vão do tráfico de drogas e corrupção ao terrorismo, mas um susto numa classe política que ainda vive a paranóia do período militar, onde a espionagem política era uma prática tão rotineira quanto o movimento nos saguões dos aeroportos. A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio, afirma que o reforço da estrutura de inteligência ilustra o fracasso do plano de desmilitarização da aviação civil, iniciado com a criação do Ministério da Defesa, em 1999.
– Os militares controlam o tráfego, a inteligência e todos os órgãos ligados à prevenção, administração e regulação do setor – diz Graziella. Ela acha que a militarização do setor, reforçada depois do apagão aéreo de 2007, é uma contradição do governo petista e um retrocesso no processo de desmilitarização do setor aéreo, para o qual o ministro Nelson Jobim, da Defesa, fechou os olhos para não se indispor com a tropa. Graziella acha que a presença do Nicácio Silva quebra o ritmo civil na administração da empresa, mas reconhece que a atuação do brigadeiro encontra ressonância entre os funcionários que, como ele, são nacionalistas (contra a privatização) e torcem o nariz para as ingerências políticas que resultaram em denúncias de corrupção e no cabide de empregos agora detonado.
–Ele aproveitou a onda pela ética e moralização. O poder militar na aviação civil aumentou porque representa uma carreira, reserva de mercado e controle ideológico – diz a presidente do Sindicato dos Aeronautas. Segundo ela, todos na aviação sabem que a Inteligência Empresarial espiona e foi o responsável pela produção de dossiês que, se de um lado escancarou supostos esquemas de corrupção, de outro afastou dos cargos de direção da empresa as indicações políticas.
– O Carlos Wilson foi vítima e se queixava de não poder combater o grande poder militar dentro da Infraero.
Favorável à faxina que vem sendo feita na Infraero, o presidente do Sindicato Nacional dos Aeroportuários, Francisco Lemos, diz que tem notícias do reforço da inteligência desde o motim dos controladores de vôo, em 2007. – A gente ouve comentários (apontando) que a Inteligência Empresarial é o pessoal da escuta – diz Lemos.
Fonte: JB Online
COMENTÁRIO (Brasil Acima de Tudo): Todos os governos pós Figueiredo sempre tentaram desmoralizar o Serviço Nacional de Informações para fazer média com as elites intelectuais e políticas, que se rearticularam após a lei da anistia promulgada pelo último general que esteve no exercício da Presidencia da República. O SNI nunca foi avaliado pelo assessoramento no mais alto nível da Presidência da República que influenciou decisões importantes para as conquistas da projeção do Brasil no cenário mundial. FHC e o atual presidente do governo mais corrupto da história do país, segundo o seu ministro do futuro, Mangabeira Unger, ainda não se encontraram na organização efetiva da "inteligência do Estado", pois é muito difícil fugir do modelo do extinto SNI, curiosamente respeitado na época da bipolaridade pelos congêneres das grandes potências, em que pese desacertos cometidos, próprios da conjuntura de um regime forte. A ABIN aguarda, novamente, proposta de comissão especial para a sua reformulação, conforme já divulgamos. (A ABIN da inescrupulosa "República da Cocaína" - OI/Brasil acima de tudo)
Fonte: Brasil Acima de Tudo

Nenhum comentário: