quinta-feira, 28 de maio de 2009

A Luta Antiterrorista, na Argentina, Continua

A los hijos de los prisioneros políticos

En los últimos años he recibido varias cartas de hijos de héroes presos. Los llamo así porque si hay algo que tengo en claro es que, sin las acciones de quienes hoy están presos, Argentina sería Cuba desde los años 70. Ellos ganaron la guerra en el campo de las armas. Los responsables políticos la perdieron políticamente. Por culpa, o por error, o por falta de adecuada formación política. No soy quien se arriesgue a leer en sus conciencias. Lo hará Dios. En cuanto al juicio que merecen sus acciones de gobierno y los resultados de dichas acciones, es competencia de los historiadores. Baste, ahora, tener grabado a fuego, esta verdad: sin el sacrificio de nuestros combatientes, Argentina se hubiera convertido, irremisiblemente, en una Cuba en aquellos dramáticos años.
Es notable una coincidencia: los que se mueven, los que escriben, los que actúan, son los más jóvenes. Sus padres eran muy jóvenes en los 70. Fueron los que se enfrentaron cara a cara con el enemigo, en el monte o en los centros urbanos. Es notable en estos muchachos y chicas ver como el orgullo por sus padres trasciende su dolor. Los entiendo. Fui hija de un preso político a los 14 años. Después lo sería de un muerto que cayó por Dios y por la Patria. Recuerdo mi primera visita a una cárcel común. Villa Devoto. Eran tiempos como estos en que se ordenaba a los guardias un trato vejatorio a los familiares. Tiempos de persecución religiosa, quema de templos, Satan dans la citté. Desde mis 68 años miro hacia atrás y me doy cuenta de que si bien esa experiencia de los 14 me marcó demasiado fuerte, también es cierto que me preparó para otras experiencias más duras.
La soberbia es mala pero no lo es el orgullo bien habido. A ustedes, hijos de prisioneros de guerra, les corresponde llevar bien alto el orgullo de ser “fijosdalgos”, hijos de alguien. Esa es la certeza que los sostendrá en la vida. Son chicos con historia porque sus padres son parte de la historia de la Patria. Ellos hicieron de sus vidas un acto de servicio y de sacrificio. Ayer, se tutearon con la muerte y hoy asumen la prisión como un último acto de servicio. Quizás los entienda muy bien porque fui hija de un preso cuyo último acto de servicio fue la muerte.
Sigan unidos y enteros porque eso los hará más fuertes. Sus padres podrán estar tan orgullosos de ustedes como ustedes de ellos. Como la guerra sigue siendo la misma y el enemigo el mismo, me despido como solíamos hacerlo en nuestra militante juventud: ¡Por Dios y por la patria hasta que la muerte nos separe de la lucha!
Mará Lilia Genta

YO NO QUISE ser parte de esta lucha.

Mis padres no quisieron que yo fuera parte de esta lucha, siempre quisieron mantenerme al margen para que no sufriera y para que no tenga sentimientos negativos para con quien fue (e insiste en ser) el enemigo, pues no quisieron que odiara a quienes desde el 2003 conducen el destino de nuestra querida, hoy, semi-república. Los mismos que hace mas de tres décadas se jactaban de los atentados, secuestros y asesinatos que cometían.
No fui yo, no fueron mis padres... fueron aquellos que promueven la venganza por no haber logrado su objetivo político-militar en los 70 y que hoy ocupan los más altos cargos gubernamentales y los utilizan para lograr su fin, la destrucción del personal de las FF.AA y de seguridad y en consecuencia, de sus familias. Ellos fueron los que se encargaron de involucrarme en esta lucha, a mi y a mi generación, a través de discursos falsos y constantes omisiones a la verdadera historia. Son los que no quieren que la herida cierre sino que buscan profundizarla a través de cualquier medio (hoy mas "diplomático" que aquel violento y sanguinario que empleaban cuando actuaban en la clandestinidad), impidiendo que nuestra sociedad viva en paz y que pueda progresar, pues esto seria para ellos su peor enemigo, la sociedad argentina unida.
YO NO QUISE odiar.
Mis padres no quisieron que odiara, me enseñaron que este sentimiento no era propio de un chico de bien y que solo me perjudicaría a mi ya que no podría vivir en paz. Insistieron con que debía perdonar, así como el Coronel Larrabure luego de haber sido torturado física y psicológicamente durante mas de un año en una cárcel del pueblo y a manos del ERP, le pidió a sus hijos que perdonaran a sus verdugos.
No quise yo, no quisieron mis padres que yo odiara... fueron los mismos que desde los 70 hasta la actualidad se encargan de engendrar el odio en toda la sociedad y, lo que es peor, entre la sociedad. Los que insisten día a día para que yo y para que tantos otros jóvenes que también quisieron (como debe ser) mantenerse al margen de esta situación sintamos el mismo odio visceral que sienten ellos para con los integrantes de las FF.AA y de Seguridad que, representando al deseo de la sociedad de ese entonces y respondiendo a un decreto emitido por un gobierno constitucional apoyado por la gran mayoría de la población, los enfrentaron y derrotaron en una guerra que, sin duda alguna, no buscaron.
No buscaron la guerra, se vieron inmersos en ella, y como SOLDADOS cumplieron con su deber, aniquilando el accionar subversivo y asegurando la libertad y la democracia para que nosotros las disfrutemos y para que los terroristas apátridas de ayer se jacten de democráticos cuando, todos sabemos, lo que menos buscaban era un sistema de estas características.
Mientras tanto, aquellos SOLDADOS que dieron todo por nosotros y por la patria, hoy sufren una persecución política, ilegal e indiscriminada a manos de los Montoneros de ayer y de hoy que, en vez de poner bombas, pisotean la Constitución Nacional para saciar su deseo de venganza por no haber podido imponer su modelo político.
YO NO QUISE ODIAR. YO NO QUISE FORMAR PARTE DE ESTA LUCHA, pero soy hijo de un SOLDADO PRESO POLITICO y ESTOY MUY ORGULLOSO DE ELLO, y son los montoneros que están en el poder los que me han hecho parte arruinándole la vida a mi familia.
Patricio Joaquín Alsina
Hijo de Preso Político y Veterano de Guerra contra el Terrorismo Marxista.
Fonte: AFyAPPA
COMENTO: pelo visto, a "cumpanherada" dos montoneros não conseguiu sufocar a consciência democrática dos militares que os venceram pelas armas e seus familiares. As pressões da canalha vermelha é grande, atropelando, como aqui, preceitos legais e até constitucionais, com a diferença de que, lá, há reação a essas pressões e a imposição de punições aos heróis que livraram a Argentina de ser uma grande Cuba tem que ser feita "na marra", descaradamente, causando espanto à sociedade, o que causa repercussões e expõe o péssimo caráter dos que hoje dedicam-se à "vendetta". Por aqui, qualquer repercussão negativa que possa ocorrer é abafada sob uma "tsunami" de verbas públicas de comunicação social, aliada aos programas de "inclusão social", também denominados "bolsas-esmola".

terça-feira, 26 de maio de 2009

O "Jeito PT de Ser" no RS - III

.
Enquanto o PT e seus sicários no Rio Grande do Sul procuram, de todo jeito, investigar "democraticamente" a vida da Governadora Yeda Crusius, usando meias verdades, "provas" que não são apresentadas ou que são apresentadas e não provam nada, tentando, inclusive, ligar o governo gaúcho à morte de um ex-assessor em Brasília, as "oposições" ao PT em âmbito nacional e, particularmente no estado meridional, não promovem uma investigação política - na esfera jurídica, o assunto anda a passos de tartaruga -, por mais simples que seja, sobre as denúncias - comprovadas com documentos - do ex-tesoureiro do partido a respeito de Caixa 2, lavagem de dinheiro, uso de Notas Frias e confisco de salários de funcionário em Cargo de Confiança. 
Já tratamos do assunto aqui. Paulo Salazar, o ex-tesoureiro da Democracia Socialista (DS) e Cargo de Confiança (CC) dos deputados estaduais Raul Pont e Elvino Bohn Gass, reitera no vídeo abaixo suas acusações.
O temor é de que aconteça a ele o mesmo que ocorreu a outros "cumpanhêrus" que "desbundaram" ante a gravidade das trambicagens. No Rio Grande do Sul, não é novidade militantes do PT promoverem  "justiçamentos" de inconvenientes.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

O Ovo da Serpente

por José Nivaldo Cordeiro
Ontem, rodando os canais da TV no fim de noite, deparei-me com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fazendo o discurso de paraninfo da turma de formandos da faculdade de Administração Zumbi dos Palmares. O ex-presidente sublinhou na sua fala o mantra que está na boca de todos os socialistas, que é aquele cunhado por Rousseau: igualdade. O discurso até seria bonito se diante da câmara não tivéssemos precisamente o contrário da igualdade: um universo predominantemente de pessoas da raça negra. Eu me perguntei: onde a igualdade? Vi ali muitas exortações ao racismo oficial.
Mas quero me referir aqui não à escola, mas ao discurso. FHC é um legítimo representante da nossa elite, seja ela a política, a econômica ou a acadêmica. Um discurso dessa natureza na boca de FHC merece um único adjetivo: demagogia. Toda a nossa política, desde 1985, tem sido isso, a demagogia pura e crua nascida dos delírios do genebrino. E, quando referida ao problema racial, essa demagogia resvala para o mais perigoso e contrário à realidade nacional: as tais políticas afirmativas, que têm feito aqui precisamente o contrário da busca da igualdade. Estamos a construir os muros dos guetos do apartheid social, não os mecanismos da igualdade.
Fernando Henrique Cardoso e seus seguidores socialistas serão os autores originais desse mal que ficará como nódoa por muito tempo na Nação brasileira, de fabricar-se o racismo com sinal trocado. O discurso da igualdade suportando o seu contrário semeou o germe da discórdia racial que terá desdobramentos imprevisíveis e de nenhuma forma positivos. A serpente inteira que está contida nesse ovo de peçonha. A figura do ex-presidente, a discursar esse monte de mentiras políticas, me fez lembrar do filme de Ingmar Bergman sobre a gênese do nazismo. O mesmo fermento do rancor, o mesmo populismo que permitiu que a figura nefasta de Hitler emergisse para o seu epílogo sangrento.
Não posso deixar de pôr nos ombros do ex-presidente a máxima responsabilidade sobre o que vier a acontecer. Ele tem os meios de saber que essa demagogia está prenhe dos piores propósitos. Mais que ninguém ele sabe que as ideais de Rousseau são imorais e irracionais. Ele sabe que tudo que é revolução, desde o século XVIII, congregou lunáticos berrando pela igualdade de fato, quando na verdade a igualdade única possível é a igualdade diante da lei, aquela defendida por Locke. Esses revolucionários mataram muita gente. Nesse sentido, tanto quanto Rousseau, FHC é um sociopata, um maluco que passa por bom mocinho e que tomou o comando da política nacional. De um ovo de serpente só pode nascer uma serpente, já pronta para realizar sua missão maléfica no mundo.
Não há qualquer atenuante para FHC. Ele tem plena consciência intelectual dos seus atos. Não percebo nele nem mesmo a fé dos acólitos dos delirantes seguidores de Rousseau, percebo o oportunismo daqueles que fizeram da política o seu vício mais devastador.
O discurso de FHC deve ser ouvido e estudado. É o silvo da serpente que se arrasta sobre a terra. Para se saber o caráter de alguém basta lhe perguntar o que pensa sobre Rousseau. FHC o disse e repetiu. É a amoralidade personificada.
Fonte: BOOTLEAD

Um Juiz Nota Dez!!!!!


Odilon de Oliveira, de 56 anos, estende o colchonete no piso frio da sala, puxa o edredom e prepara-se para dormir ali mesmo, no chão, sob a vigilância de sete agentes federais fortemente armados. Oliveira é juiz federal em Ponta Porã, cidade de Mato Grosso do Sul na fronteira com o Paraguai e, jurado de morte pelo crime organizado, está morando no fórum da cidade. Só sai quando extremamente necessário, sob forte escolta. Em um ano, o juiz condenou 114 traficantes a penas, somadas, de 919 anos e 6 meses de cadeia, e ainda confiscou seus bens. Como os que pôs atrás das grades, ele perdeu a liberdade. 'A única diferença é que tenho a chave da minha prisão.'
Traficantes brasileiros que agem no Paraguai se dispõem a pagar US$ 300 mil para vê-lo morto. Desde junho do ano passado, quando o juiz assumiu a vara de Ponta Porã, porta de entrada da cocaína e da maconha distribuídas em grande parte do País, as organizações criminosas tiveram muitas baixas.
Nos últimos 12 meses, sua vara foi a que mais condenou traficantes no País.
Oliveira confiscou ainda 12 fazendas, num total de 12.832 hectares, 3 mansões - uma, em Ponta Porã, avaliada em R$ 5,8 milhões - 3 apartamentos, 3 casas, dezenas de veículos e 3 aviões, tudo comprado com dinheiro das drogas.

Por meio de telefonemas, cartas anônimas e avisos mandados por presos, Oliveira soube que estavam dispostos a comprar sua morte. 'Os agentes descobriram planos para me matar, inicialmente com oferta de US$100 mil.'
No dia 26 de junho, o jornal paraguaio La Nación informou que a cotação do juiz no mercado do crime encomendado havia subido para US$ 300 mil. 'Estou valorizado', brincou. Ele recebeu um carro com blindagem para tiros de fuzil AR-15 e passou a andar escoltado. Para preservar a família, mudou-se para o quartel do Exército e em seguida para um hotel.
Há duas semanas, decidiu transformar o prédio do Fórum Federal em casa. 'No hotel, a escolta chamava muito a atenção e dava despesa para a PF.'
É o único caso de juiz que vive confinado no Brasil. A sala de despachos de Oliveira virou quarto de dormir. No armário de madeira, antes abarrotado de processos, estão colchonete, roupas de cama e objetos de uso pessoal. O banheiro privativo ganhou chuveiro.
A família - mulher, filho e duas filhas, que ia mudar para Ponta Porã, teve de continuar em Campo Grande. O juiz só vai para casa a cada 15 dias, com seguranças.
Oliveira teve de abrir mão dos restaurantes e almoça um marmitex, comprado em locais estratégicos, porque o juiz já foi ameaçado de envenenamento. O jantar é feito ali mesmo. Entre um processo e outro, toma um suco ou come uma fruta. 'Sozinho, não me arrisco a sair nem na calçada.'

f783fd4f-ad49-4632-9013-8aa23ff4de49_oliveirapora.JPG
Uma sala de audiências virou dormitório, com três beliches e televisão. Quando o juiz precisa cortar o cabelo, veste colete à prova de bala e sai com a escolta. 'Estou aqui há um ano e nem conheço a cidade.' Na última ida a um shopping, foi abordado por um traficante. Os agentes tiveram de intervir.
Hora extra.
Azar do tráfico que o juiz tenha de ficar recluso. Acostumado a deitar cedo e levantar de madrugada, ele preenche o tempo com trabalho. De seu 'bunker', auxiliado por funcionários que trabalham até alta noite, vai disparando sentenças. Como a que condenou o mega traficante Erineu Domingos Soligo, o Pingo, a 26 anos e 4 meses de reclusão, mais multa de R$ 285 mil e o confisco de R$ 2,4 milhões resultantes de lavagem de dinheiro, além da perda de duas fazendas, dois terrenos e todo o gado.
Carlos Pavão Espíndola foi condenado a 10 anos de prisão e multa de R$ 28,6 mil. Os irmãos , condenados respectivamente a 21 anos de reclusão e multa de R$ 78,5 mil e 16 anos de reclusão, mais multa de R$56 mil, perderam três fazendas.
O mega traficante Carlos Alberto da Silva Duro pegou 11 anos, multa de R$82,3 mil e perdeu R$ 733 mil, três terrenos e uma caminhonete. Aldo José Marques Brandão pegou 27 anos, mais multa de R$ 272 mil, e teve confiscados R$ 875 mil e uma fazenda.



Doze réus foram extraditados do Paraguai a pedido do juiz, inclusive o 'rei da soja' no país vizinho, Odacir Antonio Dametto, e Sandro Mendonça do Nascimento, braço direito do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. 'As autoridades paraguaias passaram a colaborar porque estão vendo os criminosos serem condenados.'
O juiz não se intimida com as ameaças e não se rende a apelos da família, que quer vê-lo longe desse barril de pólvora. Ele é titular de uma vara em Campo Grande e poderia ser transferido, mas acha 'dever de ofício' enfrentar o narcotráfico. 'Quem traz mais danos à sociedade é mega traficante. Não posso ignorar isso e prender só mulas (pequenos traficantes) em troca de dormir tranqüilo e andar sem segurança'.

Fonte: O Estado de S. Paulo, 4/7/2005,
muito bem lembrado pelo meu amigo Celso.
COMENTO: ESTE MERECE NOSSOS APLAUSOS! A matéria é de quase quatro anos atrás, mas merece ser repetida pelo exemplo de profissionalismo e de persistência na busca da Justiça que esse verdadeiro cidadão dá a todo o país. Espero que o digno Juiz não tenha perdido o ânimo e continue em sua luta!


domingo, 24 de maio de 2009

Três Militares Massacrados por Traficantes

.
Quadrilha do Morro dos Macacos torturou jovens por quatro horas
por Leslie Leitão
A busca por um atalho pelas ruas de Vila Isabel por pouco não custou a vida de três jovens militares do Exército. Era início da madrugada de 16 de julho (2008) quando o trio — lotado no 57º Batalhão de Infantaria, na Vila Militar — voltava de uma boate no Centro. Próximo ao Morro da Mangueira, eles viram uma movimentação estranha e resolveram seguir pelo Boulevard 28 de Setembro. No fim da avenida, cometeram um erro: seguiram pela Rua Luís Barbosa, acesso ao Morro dos Macacos, e lá foram abordados por dois homens armados. A farda guardada no veículo foi a senha para o início de uma sessão de tortura que durou toda a madrugada.
O caso — ocorrido um mês depois de 11 militares do Exército sequestrarem três jovens da Providência e os entregarem a bandidos rivais do Complexo de São Carlos, onde foram mortos — curiosamente foi abafado na época. Mas a 20ª DP (Vila Isabel) o registrou, no número 3.978/2008, iniciando investigação que terminou esta semana com um resultado efetivo: os cinco acusados de liderar o massacre tiveram a prisão decretada pelo juiz Rodrigo José Meano Filho, da 14ª Vara Criminal, a pedido do Ministério Público.
O principal deles é o chefe do tráfico na favela, Leandro Nunes Botelho, o Scooby, que andava numa Mercedes conversível de R$ 204 mil, apreendida esta semana. Segundo relatos das vítimas (dois deles são tenentes), o bandidochegou numa motocicleta de grande porte, portando um fuzil FAL 7,62 cromado”. Deu ordens para que continuassem a tortura, roubassem todos os pertences deles, mas que não os matassem, pois iria dar merda para o morro”.
FOTOS DA BARBÁRIE
Os relatos constam no processo 2009.001.074389-0, no qual estão anexadas fotos que mostram as marcas da barbárie. A socos, chutes, pauladas e coronhadas, os rapazes tiveram as cabeças arrebentadas, braços e dentes quebrados, e ficaram com vários hematomas.
Quando foram abordados, pouco antes da 1h, dois dos jovens seguiram em uma moto e outro num carro. Foi dentro desse veículo que, após fazerem uma revista, os bandidos acharam roupas camufladas e uma espada. Ao serem perguntados se seriam militares, todos negaram. Mas um dos traficantes chamou um ‘superior’ no rádio, que ordenou que todos fossem levados ao topo da favela. Deu-se início à tortura.
Depois de subirem muitas escadas, os militares foram colocados sentados no meio-fio, e cerca de 15 bandidos começaram as agressões. Na sexta-feira, O Dia pediu autorização para falar com os três jovens, mas o Comando Militar do Leste não deu resposta.
Vítimas reconheceram agressores
Segundo os militares, William da Silva, o LG, número 2 da favela, foi quem comandou as agressões, desferindo golpes com uma pistola em cada mão. Além dele e Scooby, tiveram as prisões decretadas Vinícius Alexandre do Nascimento Marques, Rogério Celino dos Santos Júnior, o Queixudo, e William da Cruz Silva, o Sabará. “Todos foram reconhecidos e vão responder pela barbárie”, diz a delegada Roberta Carvalho, titular da 20ª DP.
Ainda segundo os relatos, os traficantes pensavam que o trio seria do rival Morro do São João. E só acreditaram que estavam enganados quando um homem de apelido Perninha foi chamado para vê-los e disse que não os conhecia. E, assim, foram liberados às 5h.
Fonte: O Dia On Line
COMENTO: não sei o que é mais lamentável. Se o fato de pessoas, independentemente de serem militares ou civis, não poderem exercer seu "direito de ir e vir", ficando a mercê da boa vontade dos bandidos de plantão, ou o fato de militares negarem sua profissão, por medo ou, em outras palavras, em reconhecimento da superioridade dos marginais que hoje efetivamente exercem a autoridade não só no Rio de Janeiro mas na totalidade das cidades brasileiras. E ainda aparecem "autoridades" criticando quando algum cidadão reage e liquida algum bandido. Na realidade, um secretário de segurança, um oficial da PM ou um delegado que assim age está assinando seu atestado de incompetência e de conivência para com a bandidagem pois não atua com eficiência, proporcionando a segurança ao cidadão que lhe paga o salário e, ainda, recrimina o cidadão que faz "o serviço" que ele devia fazer.

Documentario - FARC

*Coronel Luis Alberto Villamarín Pulido
Por estes dias se anuncia com muito espalhafato que na próxima segunda-feira, 25 de maio, o “History Channel” apresentará um documentário acerca das FARC como realidade histórica, elaborado por Holman Morris, personagem controvertida e muito dado a exaltar as “bondades” revolucionárias dos terroristas.
Pelo que se sabe, Morris nunca questionou as FARC por envenenar um aqueduto municipal em Cesar e outro em Pitalito-Huila. Nunca se escutou Morris pôr o “camarada” Cano contra a parede pelos persistentes crimes de lesa-humanidade que as FARC cometem. Nunca se viu Morris encarar as FARC pela destruição de povoados humildes. Tampouco os criticou por traficar coca, por seqüestrar e torturar, como o revelaram os três gringos, Ingrid, os dirigentes políticos libertados, os militares resgatados, etc.
Amiúde circulam pela Internet provas dilacerantes. Meninos degolados, mulheres violentadas, testemunhos de guerrilheiras que desde a mais tenra idade foram colchões dos camaradas do Secretariado e dos cabeças das quadrilhas, fotos de massacres e mil coisas mais que refletem o sadismo do terrorismo comunista. Entretanto, para o senhor Morris os únicos casos que requerem difusão são as barbaridades cometidas por outros meliantes iguais às FARC, quer dizer, os mal chamados paramilitares.
Fatos estes que Morris apresenta com um viés maquiavélico, dirigido a vincular a instituição militar inteira e o governo Uribe com criminosos de baixo estofo, financiados inclusive por aqueles que se rasgam as roupas em público. E esta posição coincide, por estranhas coincidências, com o estabelecimento fariano de desprestigiar Uribe, impulsionar um governo de transição financiado por “Mico Mandante Chávez” e defendido à capa e espada pelos autodenominados “Colombianos pela Paz”.
Todavia, nunca se ouviu que Morris seja sensato e reconheça que a maior parte dos mal chamados paramilitares são terroristas que desertaram das FARC, do ELN e do EPL, grupos delitivos que lhes ensinaram a matar sem piedade, a seqüestrar, a roubar, a traficar com coca, a destruir cidades, a extorquir, a desterrar camponeses de suas parcelas, a roubar as propriedades dos camponeses, etc., etc., mas que não lhes pagavam salário, enquanto os bandidos das AUC lhes pagavam sim. Por isso passam de um grupo “esquerdista” para um “direitista”, como se fosse a transferência de um jogador de futebol de um clube a outro, não obstante históricas rivalidades.
Pelo contrário, Morris, do mesmo modo que Colombianos pela Paz, faz eco da existência de um conflito, segundo eles originado pelo que Tirofijo dizia: “o roubo de umas galinhazinhas e uns porquinhos”. Porém, uns e outros fazem vista grossa com relação à realidade do assunto. O conflito armado existe na Colômbia porque o Partido Comunista Colombiano quer tomar o poder por meio da combinação de todas as formas de luta, para impor na Colômbia uma ditadura totalitária similar à cubana integrada ao projeto de Chávez, Lula, Correa, Morales, Ortega e outros governantes esquerdistas do continente, em cumprimento às diretrizes do Foro de São Paulo.
Os pobres não interessam aos camaradas do Partido Comunista Colombiano, como dizem em seus panfletários escritos, pois na verdade tampouco os representam. As FARC se autodenominam “Exército do Povo”, porém são os primeiros inimigos dos camponeses. Valeria a pena que a Procuradoria Geral da Nação condensasse em um só documento as investigações pelos homicídios perpetrados pelas FARC contra o campesinato, e com certeza o resultado acusaria que na Colômbia os membros do braço armado dos camaradas perpetraram um arrasador genocídio contra o povo colombiano. Porém, disso nunca falam nem Morris nem os que dizem ser colombianos pela paz.
Há algo mais. A persistente preocupação de qualquer colombiano comum, que quer ver a nação em paz e em franco desenvolvimento sócio-econômico distanciado das anquilosadas idéias marxistas deve ser: onde está a Chancelaria? Qual é a venda da imagem do país que fazem os cônsules, os embaixadores, os plenipotenciários e toda essa plêiade de “doutores” e “doutoras” que ganha salários em euros, dólares ou libras esterlinas, enquanto que as FARC e seus difusores se movem sob suas “barbas” como um peixe na água?
O presidente Uribe alguma vez telefonou ao Chanceler de turno, e com uma quantificada relação de empregados na mão lhe perguntou qual é a relação custo-benefício dessa cara e improdutiva burocracia para o exíguo fisco nacional, para defender a imagem da Colômbia ou, pelo menos, impedir que os terroristas e seus propagandistas cheguem primeiro aos cenários de difusão informativa? Se não o fez, está na hora de o presidente Uribe e seu sui generis Vice se tocarem e colocarem nos eixos todos estes burocratas que “trabalham” de segunda a sexta-feira; que só atendem até uma hora da tarde nos escritórios; que nunca têm aproximação efetiva com as comunidades, diferente de “politicar”, como fez Noemí em Madri e agora em Londres; ou a conjugar o verbo estar, para se dedicar às suas atividades particulares nas quais são muito eficientes.
Por estas e muitas razões é que temos sustentado e reiteramos que a Chancelaria colombiana ainda está de fraldas frente a audácia estratégica e política da Frente Internacional das FARC. Não se pode esquecer de Sara, a sindicalista da FENSUAGRO, com cara de “não fui eu”, que conseguiu vincular até um sindicato de educadores do Canadá para que essa organização circulasse dinheiro para os terroristas; ou outro bandido cognominado “Juan”, que tem a facilidade de fazer contatos com a primeira autoridade suíça; ou um padre delinqüente que vive comodamente no Brasil e tem linha direta com Lula. E muito mais.
Porém, além da “facada” fariana contra a chancelaria, também há outra contra os meios de comunicação. Perguntam-nos porque, por exemplo, os jornalistas que publicaram o vídeo da “Operação Xeque” com grande agressividade, objetivando conseguir prêmios jornalísticos sem considerar o dano que faziam ao país, nunca tiveram essa imaginação e essa audácia de Morris de chegar à History Channel e, nesse caso, levar as FARC ao pináculo da celebridade em um meio televisivo tão popular no mundo.
A razão é simples em ambos os casos. E coincide com a politicagem que há por trás da próxima eleição presidencial. Ao fim e ao cabo, nem a muitos diplomatas nem a muitos jornalistas importa o que possa acontecer com a Colômbia; só o que eles podem ganhar. Isto se envolvidos em uma rapinagem tenaz. Valentões aqui e no exterior de cócoras. Por exemplo, um célebre locutor que por suas qualidades teria sido o chefe de imprensa ideal de Pastrana. Vive com a mente em cenários empolados e o corpo nos lugares light de Bogotá. E pensar que este senhor é o decano da opinião dentro dos meios de comunicação...
Entretanto, os demais estão imersos em uma indescritível guerra interna de posicionamentos publicitários. Portanto, os politiqueiros corruptos, os demagogos e os vivaldinos tiram proveito desse vergonhoso quadro de descrédito nacional.
Parece que ninguém se deu conta de que o documentário de Morris; os contatos de Colombianos pela Paz com os congressistas democratas americanos; a “chamada telefônica de apenas cinco minutos” com monsenhor Castrillón; a “boa-vontade” de Lula; a “generosa oferta” do “governo” cubano para receber Moncayo; as recentes palhaçadas de Correa e a “amizade” de Chávez para com Uribe, são elementos constitutivos do mesmo complô que foi descoberto com os computadores de Reyes.
Porém, claro, a imagem da Colômbia no exterior não melhorará enquanto não haja embaixadores e cônsules de carreira, enquanto não regressemos à educação cívica e à história pátria nas salas de aula, enquanto não haja identidade nacional derivada de objetivos nacionais.
Pela inexistência de metas estratégicas definidas em nível nacional, tampouco há estratégias concisas nem compromisso dos burocratas que nos representam no exterior que continuam convencidos de que, porque trabalham em um horário muito breve e de vez em quando fazem o consulado móvel, ou assistem a um ato protocolar em representação do governo colombiano, sua atividade foi ingente e de quebra os colombianos que pagamos impostos para sustentá-los nesses cargos lhes devemos muito por esse “sacrifício pela pátria”.
Tampouco melhorará a imagem enquanto a mesquinhez e a ânsia por galardões do grêmio afetem o imediatismo jornalístico. Um jornalismo distanciado dos interesses nacionais e do sustento científico da investigação metodológica, ou pelo menos da compreensão conjunta do problema do narco-terrorismo comunista e seus alcances políticos estratégicos, só serve para que em terra de cegos o caolho seja o rei.
E é isso o que Holman Morris faz em favor do projeto político fariano. É um rei no meio de todos os caolhos. A diferença é simples. Morris está imerso em um projeto com visão estratégica continental contra a Colômbia. Entretanto, os demais estão enquadrados dentro de bases egoístas e abarrotados de intrigas para sobreviver em meio dessa mediocridade.
* Analista de assuntos estratégicos
www.luisvillamarin.com.nr
Tradução: Graça Salgueiro
Fonte:  A Continência

Prêmio "Palabras Como Rosas"

.
Mais um amigo nos honra com um Prêmio. 
Desta vez é o amigo WORF NETO, do excelente blog RESISTÊNCIA E LIBERDADE que nos distingue com o Prêmio "Palabras Como Rosas".
É com muita satisfação que recebemos essa demonstração de apreço!

sábado, 23 de maio de 2009

Cocaina Submarina

por JONATHAN FRANKLIN
Atardecía. Javier Santos, Teniente de la Armada de Colombia, patrullaba la costa colombiana en el Expreso de Medianoche, una lancha hecha y diseñada para atrapar narcotraficantes. Cuatro motores – de 250 HP cada uno – están sujetados a la parte de atrás de la larga nave tipo “cigarette”. Con mil caballos de fuerza, el Expreso de Medianoche va disparada por el agua a más de 100 km por hora. Un avión de inteligencia del gobierno estadounidense detectó un barco sospechoso. El “punto caliente” era un semisumergible sin registro en el Pacífico a sólo 20 millas al sur de donde se encontraba Santos. La persecución comenzaba. Santos y su tripulación de tres guardacostas colombianos alistaron sus armas automáticas, se colocaron los visores nocturnos y zarparon a 80 km por hora virando bruscamente en el océano Pacífico, guiados por el avión de inteligencia que rastrea el calor de los motores del semisumergible.
“No podíamos ver nada, estaba oscureciendo. Y no podíamos oírlo. Pero el olor nos estaba acercando, cuando estuvimos a un par de kilómetros de distancia empezamos a oler los químicos. Sabíamos que estábamos cerca”. Como un sabueso cazando a su presa, los guardacostas de Colombia siguieron el rastro: el inconfundible hedor químico de 10.000 kilos de cocaína pura.
“Disparamos una luz de bengala, pero aún no lo podíamos ver. Sin embargo, el avión nos guió, luego vimos a los hombres, cuatro de la tripulación parados encima del semisumergible”. A medida que Santos (no es su nombre verdadero) se acercó, los hombres levantaron los brazos. No tenían armas y no se resistieron al abordaje. “Les pregunté si había alguien más adentro y dijeron que no. Pero cuando entré y empecé a apuntar con una linterna, encontré a otro tipo. Él ya había abierto las válvulas; el agua nos daba en los tobillos”.
El sabotaje es la primera línea de defensa para la tripulación del semisumergible cocalero. Si pueden hundirlo, la evidencia desaparece en el fondo del océano. Sin evidencia, no son traficantes de coca sino navegantes caprichosos que necesitan ser rescatados. Dentro de cada uno hay una serie de válvulas que abren para permitir que el agua entre y se hunda en menos de diez minutos.Muchas veces estos tipos abren las válvulas de fondo y luego rompen la palanca, y entonces es imposible cerrarlas, aun si llegamos a tiempo”, dice el capitán de Navío Herney Gutiérrez, jefe de Estado Mayor de la Fuerza Naval del Pacífico. “Estamos estudiando la manera de introducir los comandos encima de los semisumergibles para tratar de salvaguardar la evidencia”.
Santos entró en el área de carga e iluminó con su linterna unas filas de pacas de coca. Tomó una. Con el agua a la cintura, Santos luchó con el saco de 35 kilos. El semisumergible se volcó hacia un lado. En la cubierta, sus hombres le gritaban para que saliera. Santos dejó caer el saco, el agua le llegaba al cuello. Salió por la escotilla, abordó el Expreso de Medianoche y maldijo mientras la embarcación se inclinó como el Titanic y se perdió en las profundidades del océano Pacífico. La evidencia se había ido.
“Apenas son detectados, ellos abren las válvulas para hundirse y los tipos se tiran al agua. La metodología de su demencia es que, bajo la ley internacional, se convierten en náufragos en una operación B&R (Búsqueda y Rescate), y bajo la ley internacional, uno tiene que rescatar esos tipos antes de hacer cualquier cosa por recuperar la evidencia”, dijo el capitán Mark Morris, de la Fuerza Naval estadounidense, quien describió cómo los comandos mexicanos descubrieron una manera a prueba de todo de detener el sabotaje. “El Comando Mexicano puso el pie en la escotilla y no dejó que ellos (la tripulación del semisumergible) la abrieran. Entonces, ¡cerraron la válvula! Luego, los mexicanos dijeron ‘Está bien, ya pueden salir’”.
Durante los años ochenta, “los años Miami Beach”, los traficantes de cocaína colombianos llenaban lanchas con cientos de kilos de coca y dejaban atrás a cualquier embarcación que navegara sobre la superficie. “Nosotros volábamos por encima de ellos y se reían y nos daban el dedo”, dijo un piloto de helicóptero de la Guardia Costera estadounidense. Durante esa década, los traficantes escaparon a las variadas flotas de naves que les enviaban la Fuerza Naval y la Guardia Costera. Pero a medida que el gobierno estadounidense instalaba una miríada de radares, aviones de inteligencia y helicópteros, docenas de lanchas de velocidad tipo “go fast” fueron capturadas. A finales de 2007 la tasa de éxito de los “go fast” era tan limitada que los traficantes de cocaína revisaron su plan de negocios y diseñaron fábricas para construir semisumergibles capaces de transportar cocaína desde Colombia hasta la costa de México, a otros países de América Central, o a Estados Unidos, pintados de verde y azul y moviéndose a una velocidad de tan sólo 12 km por hora. Los semisumergibles coqueros están del todo camuflados, y prácticamente no dejan rastro y son invisibles desde el aire. Los traficantes cambiaron la velocidad por el sigilo. La Guardia Costera de Estados Unidos les puso un sobrenombre a estas embarcaciones: los “go slows”, los “lentos”.
Hoy, los “lentos” semisumergibles cocaleros están por toda la costa pacífica colombiana, América Central y México. La DEA ha estimado que en el 2008, al menos uno salió de Colombia cada semana. “Desde enero de este año hasta la fecha hemos detectado cinco”, dijo el capitán de Navío Rodríguez, comandante de Guardacostas del Pacífico. “Estos son sólo los que capturamos, ¿quién sabe cuántos logran pasar?”.
Los semisumergibles cocaleros no siguen un diseño en particular. Están elaborados de fibra de vidrio y varían en tamaño desde los 15 hasta los 30 metros. Algunos llevan cuatro toneladas de cocaína, otros hasta doce toneladas. Cada uno requiere miles de kilos de materiales y enormes motores, y todo eso se debe cargar hasta un sitio remoto en donde la fabricación tarda entre 30 y 60 días y cada uno “cuesta alrededor de un millón de dólares”. Pero la mayor parte de ese dinero no es para los materiales, sino para pagarle al equipo (de 20 a 30 trabajadores) para que mantenga la boca cerrada. “Pero aun a un millón de dólares, eso es sólo uno o dos por ciento del valor de la carga”.
Una vez construido, se contrata a la tripulación –incluyendo capitán, mecánico, navegador y asistente–. No se necesita cocinero porque estos semisumergibles rústicos no poseen cocina. La comida se come cruda. En lugar de tener baño, los hombres deben esperar a que esté de noche para salir, balancearse en la cubierta y hacer sus necesidades. Una sola ola pícara puede tumbarlos. Adentro la vida resulta peligrosa. El aire es una mezcla de gases diésel y exhosto. Desde la bodega de almacenamiento, el hedor químico de la cocaína se filtra a los camarotes. No hay camas. La tripulación duerme encima de los tanques de combustible durante un viaje que dura aproximadamente de 9 a 12 días.
La mayoría de los submarinos se lanzan desde la selva y los manglares del puerto colombiano cerca de Buenaventura. “Luego que salen de Buenaventura, se dirigen hacia el occidente unas cien millas y después derecho al norte. Ellos tienen un blanco muy grande: toda América Central”, explica un oficial de Seguridad de Fronteras estadounidense que pidió no ser identificado.
Los semisumergibles están guiados por el sistema de posicionamiento satelital global o GPS. En lugar de dirigirse a un puerto o un muelle de desembarque, reciben órdenes de encaminarse a una posición GPS específica donde la cocaína se transfiere a un barco de pesca, lancha u otro tipo de nave. Una vez la cocaína es transferida del semisumergible, este es hundido y a la tripulación se le proporcionan identidades falsas para que puedan tomar un vuelo y así volver a entrar en Colombia.
En el transcurso del año pasado los talleres artesanales clandestinos de semisumergibles cocaleros han retoñado por toda Colombia, desde el árido desierto de la península de La Guajira en el norte, hasta las selvas de manglares en la frontera sur con el Ecuador. Gracias a una estrategia de relaciones públicas del gobierno colombiano, los civiles denuncian crímenes de drogas y promueve a los informantes como ciudadanos patrióticos, las Fuerzas Militares y la Policía los están descubriendo.
En La Guajira, el reconocido paraíso de contrabandistas en el norte de Colombia, los carteles de coca construyeron un semisumergible azul de 15,24 metros entre la maleza. Con la forma de una ballena mutante, con tubos de ventilación saliéndole de la espalda, el semisumergible no se encontraba cerquita del océano Atlántico. “Estaba a 12 kilómetros del mar, ¿cómo iban a llevarlo a la costa?”, dijo incrédulamente Mark Morris, capitán de la Fuerza Naval de Estados Unidos. “Los marinos colombianos que lo descubrieron se pasaron seis semanas y sólo pudieron moverlo un kilómetro, así que lo destruyeron”.
Al preguntarle si se arriesgaría a hacer el viaje, el capitán Morris fue enfático. “Ni riesgos. No. No. Yo los he visto. Miren adentro. Es un artefacto rudimentario hecho a mano que no cumple con los parámetros de seguridad de nadie. Una sola gotera y se hunde. No hay mecanismo de flotabilidad de reserva. ¿Qué pasa si empieza a dar vueltas en altamar y la mercancía no está asegurada? Fácilmente se puede volcar el barco. No. No. No me dejaría meter ni muerto en uno”.
El capitán de Navío Mario Rodríguez, comandante de Guardacostas del Pacífico, está de acuerdo. “Uno podría ser aplastado por un barco mercante marino. ¡Con todos los barcos que salen de Panamá! Como son artefactos hechizos, no poseen parámetros de seguridad ni luces de navegación. Pueden tener un incidente en altamar en cualquier momento. ¿Se imagina viajar 15.000 kilómetros a 10 km por hora en estas condiciones?
Los salarios para la tripulación son excelentes. Un motorista de un semisumergible cocalero se gana 150.000 dólares por un viaje que puede durar 12 días, mientras que el capitán gana aún más: 250.000 dólares el viaje. El pago se divide, 50% antes de la misión y 50% cuando hayan “coronado”. Morris, de la Naval estadounidense dijo que conseguir la tripulación no resulta difícil. “Para estos tipos, ser elegido para la tripulación es como ganarse la lotería”. Mientras los famosos carteles de Cali y Medellín organizaron viajes en los años noventa, durante los últimos cuatro años los cargamentos han sido dirigidos por el “Cartel semisumergible”. Con base en Panamá, el “Subcartel” fue diseñado para proporcionar semisumergibles hechos a la medida para los cargamentos de droga hacia México, América Central, Puerto Rico y… Florida. Mientras los oficiales estadounidenses odian admitir que la coca haya llegado jamás a las costas de Estados Unidos, informes de la DEA de 2004 indican que cuatro cargamentos separados de 16 toneladas se descargaron en Puerto Rico. Cuando se les pregunta sobre la probabilidad de que un semisumergible cocalero haya arribado a Estados Unidos, un oficial de la Fuerza Naval colombiana fue franco: “Uno tiene que pensar que sí”.
El Subcartel fue desmantelado en agosto de 2008 cuando la Policía Antinarcóticos de Colombia y la DEA culminaron su investigación de cuatro años con el arresto de Gustavo Adolfo García “el Ingeniero” y Antonio “el Gringo” López. García y López vendían los semisumergibles a US$500.000 cada uno y hasta ofrecían promociones especiales que incluían sistemas de navegación a control remoto para que pudiera ser piloteado desde un barco pesquero cercano. Luego de su arresto el pasado agosto, García y López colaboraron con la Policía colombiana y proporcionaron las coordenadas del lugar de construcción de semisumergibles principal: los manglares infestados por serpientes y escorpiones en las orillas del río Mataje que separa a Colombia de Ecuador.
El lugar, cerca del pueblo fronterizo de San Lorenzo, estaba totalmente montado en plataformas elevadas sobre el pantanoso manglar. El cartel de la coca tenía toda una ciudadela con camarotes para los veinte trabajadores, baños, cocinas y una producción masiva que fabricaba un semisumergible cocalero cada dos meses. Los comandos de la Policía colombiana que allanaron el astillero clandestino fueron atacados por los mosquitos y las famosas hormigas cuchilla que hacen arrodillar a cualquier hombre. Los escorpiones estaban por todas partes. “Uno podía coger el aire con la mano y terminar con ella llena de mosquitos, no era un lugar apto para que un humano viviera”, explicó un asesor militar estadounidense que reside en Bogotá. “El semisumergible se armaba en una plataforma y luego, cuando llegaba la marea alta, simplemente lo deslizaban de la plataforma por una rampa al río”. Después de tomar fotos y requisar el lugar, los comandos cargaron la fábrica con C4 y destruyeron el sitio.
A pesar de constantes ataques por parte de la Armada Nacional y la Policía, los semisumergibles cocaleros se han vuelto cada vez más refinados. Capturas recientes incluyen semisumergibles con planos específicos de carga y peso de la cocaína para mejorar el equilibrio de la embarcación, aparatos electrónicos más sofisticados, motores de propulsión a chorro de doble flujo y sistemas de refrigeración para enfriar el exhosto en un esfuerzo para evitar ser detectados por sistemas de radar que buscan calor. “Fíjese en la tubería. Algunas de las válvulas son tan de alto precio que se usan en naves de viajes oceánicos. Cada semisumergible que capturamos es mejor que el pasado”.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Criminosos Políticos

.
Os jornais publicaram esta relíquia de imbecilidade dita pelo ministro da justiça de nosso País; muito de nós fomos criminosos políticos, provavelmente não pelos mesmos direitos do senhor BATTISTI”. “E a maioria de nós tem orgulho do que fizemos naquela época”. (Diário do Nordeste 13.05.2009).
Temos um criminoso e réu confesso no Ministério da Justiça. Como crime político, tudo pode ser feito? Matar, roubar, seqüestrar, assaltar torna-se uma honra para um ministro criminoso?
O Grupo Guararapes pergunta ao criminoso ministro e ao ministro criminoso se ele gostaria de ter sido assassinado como foram mortos Elza Fernandes (estrangulada por uma corda a mando de Prestes em 1935) e Márcio Leite de Toledo, Câmara Ferreira (não era um delator, mas poderia se tornar), Márcio Alberto Maciel Cardoso, professor Francisco Jacques Moreira de Alvarenga, Salatiel Teixeira Rolim, a mando dos terroristas e comunistas no período 68/75?
Eram comunistas e foram mortos pelos amigos criminosos do ministro que se orgulha de ser criminoso. A Rolim, nem lhe deram o direito de defesa, talvez nem a outros. São democratas de fachada mas, na verdade, reais bandidos criminosos.
O Grupo Guararapes pergunta ao criminoso político ministro da justiça se gostaria de ter como irmãos o marinheiro da Marinha Inglesa David A. Cuthberg, metralhado por passear na praça Mauá, no Rio de Janeiro ou o do tenente Mendes Junior que teve a cabeça esmagada pelos seus amigos criminosos no Vale da Ribeira?
O Grupo Guararapes pergunta ao ministro criminoso o que ele acha se um democrata jogasse uma bomba num aeroporto dos Guararapes e matasse um almirante, um jornalista e tirasse a perna de um jogador de futebol? Ou matasse um de seus familiares que por ali passasse? Era válido para combater um governo de ladrões e corruptos como os mensaleiros e outras malas e cuecas de dólar? Os criminosos amigos do criminoso ministro jogaram a bomba, estão roubando o cofre da Nação Brasileira e ainda recebem gratificações por serem criminosos políticos na palavra do ministro criminoso.
É preciso que o Brasil acabe de pagar essa mentira de que a esquerda brasileira queria democracia. O ministro e seus comparsas queriam mesmo era implantar uma ditadura comunista no Brasil. Isto está escrito em livros de comunistas da época. Queriam a ditadura tipo Cuba e precisa ficar claro que o ministro criminoso defende o criminoso Battisti (italiano que matou 4) por serem da mesma raça de canalhas e assassinos políticos.
SABEM O QUE ELES QUEREM? CRIAR UMA NOVA “ORDEM”. TOMAREM CONTA DA CHAVE DO COFRE E FUZILAREM OS SEUS INIMIGOS e AMIGOS QUE NÃO CONCORDAREM COM ELES.
ESSE MINISTRO – QUE AINDA VAI TRAIR LULA – SÓ MERECE ASCO.
ESTAMOS VIVOS! GRUPO GUARARAPES! Personalidade Jurídica sob reg. Nº 12 58 93, Cartório do 1º registro de títulos e documentos, em Fortaleza.

Saiba Por Que o Caso do Vice-governador do RS é de Impeachment

por Políbio Braga
Ao contrário do que fizeram a deputada Luciana Genro, o vereador Pedro Ruas, o lobista Lair Ferst e sua sócia Magda Koenigkan, o vice Paulo Feijó e a revista Veja, o editor desta página prova tudo o que escreveu sobre os nebulosos e escandalosos contratos assinados entre Paulo Feijó e a Ulbra.
Nos enlaces a seguir você poderá ler:
1) O contrato “estritamente confidencial”, assinado em 28 de junho de 2007 pelo próprio Feijó e o reitor Ruben Becker.
2) O acordo de confidencialidade assinado entre Feijó e Becker.
3) O termo de rescisão de 10 de março de 2008. O editor estava apenas aguardando a nota desta quinta-feira do vice-governador Paulo Afonso Feijó para publicar os fac símiles dos contratos que assinou com a Ulbra.
- O leitor perceberá que durante o contrato, além de ocupar o cargo de vice, Paulo Feijó chegou a exercer o cargo de governador. Na rescisão, o vice levou R$ 180 mil (ele exigiu R$ 20 mil por mês trabalhado). Caso tivesse obtido êxito na empreitada, faturaria mais R$ 6 milhões, decorrente da taxa de sucesso de 3% (na descrição da taxa por extenso, o valor é de 3,5%). Curiosamente, o sr. Paulo Feijó decidiu encerrar o contrato no dia da instalação da CPI do Detran.
Quem se der ao trabalho de ler os documentos, perceberá que existem infinidades de incongruências entre o que diz Feijó na nota e os três documentos. O vice de Yeda assina tudo como sócio da APF. Curiosamente, na rescisão, ele assina também como sócio da Votos, que não apareceu no contrato original e nem no acordo de confidencialidade. O sr. Feijó avisa na nota (item 6) que ainda não tinha assumido o governo quando assinou o contrato, mas ignora que fez isto durante a vigência dele.
CLIQUE AQUI para ler a nota de Paulo Feijó, enviada e publicada nesta quinta a tarde pelo jornal Zero Hora, que se dispensou da publicação dos fac símiles sobre o que ele se defende. O caso é surrealista, porque o leitor terá que adivinhar do que se trata para entender a nota publicada por ZH.
São inapropriadas as justificativas do vice-governador Paulo Afonso Feijó sobre o escandaloso contrato firmado com a Ulbra:
1) Ao contrário do que diz Feijó, as Constituições Federal e Estadual não autorizam seus negócios com a Ulbra, porque uma simples lei o proíbe.
"Lei 8.429 de 2 de junho de 1992  ............ 
Art 9. Constitui ato de improbidade administrativa importando enriquecimento ilícito auferir qualquer tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do exercício de cargo, mandato, função, emprego ou atividades mencionadas no art 1 desta lei, e notadamente: ... 
VIII - aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de consultoria ou assessoramento para pessoa física ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser atingido ou amparado por ação ou omissão decorrente das atribuições do agente público, durante a atividade."
2) A invocação do nome do vice-presidente José Alencar, dono da Coteminas, como exemplo de outro ente público que negocia da mesma forma que Feijó, ignora que o vice de Lula está fora das operações diárias, tocadas pelo seu filho, o presidente.
- Não são poucos os cargos públicos que tentam evitar lambanças entre entes públicos e entes privados. Ministros de Estado e até diretores de estatais como o Banco Central, cumprem períodos de quarentena, depois que saem do governo, antes de aceitar funções em empresas privadas de natureza afim.
As relações do grupo Ulbra com o governo estadual do RS não são apenas de natureza protocolar. Saiba o que deve e o que recebe o grupo Ulbra do governo estadual do RS:
1) Dos empréstimos bancários totais de R$ 300 milhões vencidos, R$ 180 milhões são devidos ao Banrisul.
2) As empresas do grupo Ulbra têm débitos fiscais de R$ 70 milhões com o Tesouro do Estado do RS.
3) R$ 170 milhões por ano são transferidos anualmente pelo governo estadual para os hospitais do grupo Ulbra.
- Como se sabe, o vice-governador do RS é o sr. Paulo Afonso Feijó, que no ano passado exerceu por três vezes diferentes o governo 19 de março a 2 de abril; 30 de abril a 3 de maio; 16 a 21 de agosto. Nesta condição, foi chefe direto de toda a diretoria do Banrisul, do diretor do Tesouro do Estado e do secretário da Saúde. No período, manteve um contrato com cláusula de confidencialidade, cujo item primeiro transformou-o no “... assessor financeiro da Celsp/Ulbra, encarregado de ajudar a resolver os problemas de default do reitor Ruben Becker. O contrato assinado 28 de junho de 2007 e desfeito no dia 10 de março de 2008, não tinha restrições, mas previa vantagens para os casos imediatos de sucesso nos três objetivos básicos de venda ou capitalização: planos de saúde, hospitais e indústria farmacêutica.

Gilles Lapouge: a Morte do Segredo Bancário Suíço

.
A Suíça tremula. Zurique se alarma. Os belos bancos, elegantes, silenciosos de Basileia e Berna estão ofegantes. Poderia se dizer que eles estão assistindo na penumbra a uma morte ou estão velando um moribundo. Esse moribundo, que talvez acabe mesmo morrendo, é o segredo bancário suíço.
O ataque veio dos Estados Unidos, em acordo com o presidente Obama. O primeiro tiro de advertência foi dado na quarta-feira (18/2/09). A UBS - União de Bancos Suíços, gigantesca instituição bancária suíça - viu-se obrigada a fornecer os nomes de 250 clientes americanos por ela ajudados para fraudar o fisco. O banco protestou, mas os americanos ameaçaram retirar a sua licença nos Estados Unidos. Os suíços, então, passaram os nomes. E a vida bancária foi retomada, tranquilamente.
Mas, no fim da semana, o ataque foi retomado. Desta vez os americanos golpearam forte, exigindo que a UBS forneça o nome dos seus 52.000 clientes titulares de contas ilegais. O banco protestou. A Suíça está temerosa. O partido de extrema-direita, UDC (União Democrática do Centro), que detém um terço das cadeiras no Parlamento Federal, propõe que "o segredo bancário seja inscrito e ancorado pela Constituição federal".
Mas como resistir? A União de Bancos Suíços não pode perder sua licença nos EUA, pois é nesse país que aufere um terço dos seus benefícios.
Um dos pilares da Suíça está sendo sacudido. O segredo bancário suíço não é coisa recente. Esse dogma foi proclamado por uma lei de 1934, embora já existisse desde 1714. No início do século 19, o escritor francês Chateaubriand escreveu que "neutros nas grandes revoluções nos Estados que os rodeavam, os suíços enriqueceram à custa da desgraça alheia e fundaram os bancos em cima das calamidades humanas".
Acabar com o segredo bancário será uma catástrofe econômica. Para Hans Rudolf Merz, presidente da Confederação Helvética, uma falência da União de Bancos Suíços custaria 300 bilhões de francos suíços ou 201 milhões.
E não se trata apenas do UBS. Toda a rede bancária do país funciona da mesma maneira. O historiador suíço Jean Ziegler, que há mais de 30 anos denuncia a imoralidade helvética, estima que os banqueiros do país, amparados no segredo bancário, "fazem frutificar três trilhões de dólares de fortunas privadas estrangeiras, sendo que os ativos estrangeiros chamados institucionais, como os fundos de pensão, são nitidamente minoritários".
Ziegler acrescenta ainda que "se calcula em 27% a parte da Suíça no conjunto dos mercados financeiros 'offshore' do mundo, bem à frente de Luxemburgo, Caribe ou o extremo Oriente". Na Suíça, um pequeno país de 8 milhões de habitantes, 107 mil pessoas trabalham em bancos.
"O manejo do dinheiro na Suíça", diz Ziegler, "se reveste de um caráter sacramental. Guardar, recolher, contar, especular e ocultar o dinheiro, são todos atos que se revestem de uma majestade ontológica, que nenhuma palavra deve macular e se realizam em silêncio e recolhimento".
Mas agora surge um outro perigo, depois desse duro golpe dos americanos. Na minicúpula europeia que se realizou em Berlim, em preparação ao encontro do G-20 em Londres, França, Alemanha e Inglaterra (o que foi inesperado) chegaram a um acordo no sentido de sancionar os paraísos fiscais. "Precisamos de uma lista daqueles que recusam a cooperação internacional", vociferou a chanceler Angela Merkel.
No domingo (22/2/09), o encarregado do departamento do Tesouro britânico, Alistair Darling, apelou aos suíços para se ajustarem às leis fiscais e bancárias europeias. Vale observar, contudo, que a Suíça não foi convidada para participar do G-20 de Londres, quando serão debatidas as sanções a serem adotadas contra os paraísos fiscais.
Há muito tempo se deseja o fim do segredo bancário. Mas até agora, em razão da prosperidade econômica mundial, todas as tentativas eram abortadas. Hoje, estamos em crise. "Viva a crise!"
Barack Obama, quando era senador, denunciou com perseverança a imoralidade desses "remansos de paz para o dinheiro corrompido". Hoje ele é presidente. É preciso acrescentar que os Estados Unidos têm muitos defeitos, mas a fraude fiscal sempre foi considerada um dos crimes mais graves no país. Nos anos 30, os americanos conseguiram laçar Al Capone. Sob que pretexto? Fraude fiscal.
Fonte: O Estado de São Paulo - 25/02/09,
indicado pelo meu amigo Jesus D.
COMENTO: o artigo é de fevereiro mas o assunto é de interesse atual, particularmente em nosso país, tão fértil em safados que devem ter suas "poupanças" na Suíça. Nos resta a esperança de que efetivamente o império da canalhice esteja no fim.

Educação Para o Caos

por Arlindo Montenegro
Os livros didáticos são elaborados segundo diretrizes do Ministério da Educação escolhidos e aprovados por grupos acadêmicos, designados e remunerados para esta nobre tarefa. Se contrariam às diretrizes oficiais, dizem as editoras, não são adquiridos pelo governo.
Dia 19 p.p., a FSP publicou: “A Secretaria Estadual da Educação de São Paulo distribuiu a escolas um livro com conteúdo sexual e palavrões, para ser usado como material de apoio por alunos da terceira série do ensino fundamental (faixa etária de nove anos).” Dizem já foi “recolhido”.
Há poucos dias foi distribuído outro livro em que o Paraguai aparecia duas vezes no mapa, além de outras incorreções no traçado geográfico. Ano passado os mudaram a história, ridicularizando a Princesa Isabel, Tiradentes e o Duque de Caxias.
Ângela Soligno, coordenadora do Curso de Pedagogia da Unicamp, revelou que existe “descuido do governo na preparação e escolha dos materiais", e que “o governo coloca à disposição dos docentes ferramentas frágeis de trabalho". A editora do livro didático e a Associação dos Cartunistas do Brasil, dizem que: "as informações colocadas, dessa forma na mídia, podem depor contra um trabalho sério nas escolas, de utilização de publicações de quadrinhos como ferramenta de incentivo à leitura e cultura nacional".
O que vemos é uma crucificação de um trabalho sério de artistas e da editora”, um livro premiado não sei por quem, com prefácio de Tostão, ex jogador de futebol, que pode ser utilizado em universidades “para o estudo do mundo do futebol e sua influência na cultura popular.” Agora sim! Ta explicado! O “livro didático” com trechos escritos em linguagem chula - "chupa rola", "cu" e "chupava ela todinha" e arte sexista, adquirido pelo Estado para distribuição às crianças da rede pública, não era para a criançada de nove anos e sim para os moleques de nível universitário.
Esperei que um acadêmico desses importantes medalhões da cultura nacional, explicasse que a educação está mesmo entregue às baratas, melhor dito, aos ratos encarregados de empestear as mentes da criançada e dos moleques universitários com o discurso da desconstrução de valores, ideais, senso de liberdade, pátria, família, religiosidade, responsabilidade... preparando “as massas” para a nova religião do partido único universal.
Estas bestas, prestigiam e aplaudem o quem vem sendo elaborado pelo Clube Bilderberg, através do Instituto Tavistoc e milhares de fundações, associações e institutos espalhados pelo mundo, prestigiando e remunerando acadêmicos, “professores”, “pesquisadores”, “autoridades”, que ajudam na formatação de estruturas sociais para atender e submeter-se a um futuro governo global.
O Clube dos 300 “donos do mundo”, exerce seus controles através desses Institutos, Agências e Universidades. Sigmund Freud foi morar em Londres. O sobrinho de Freud, Edward Bernays foi para os EUA, onde desenvolveu estudos sobre as imagens que impactavam o cérebro, o intelecto e a memória das pessoas, relações entre os indivíduos e os sistemas sociais.
Os “300” (Bilderberg) passaram a utilizar o conhecimento para interferir na cultura, na política e submeter nações, agindo sobre a tendência dos acadêmicos colonizados, que preferiam o conforto, distante da realidade de seus povos e o “prato feito” oferecido por intelectuais do hemisfério norte. Homens destituídos de curiosidade e liberdade mental, em sua maioria. Oportunistas “marxianos”.
Assim, os colonizadores foram moldando a forma como as crianças alteradas por drogas, poderiam aceitar a mudança de crenças, costumes, governo, direito, família, valores, a própria cultura, com pornografia, divórcio, aborto, doenças sexuais, racismo e violência crescente. Hoje isto é concreto! O objetivo dos controladores era promover o declínio moral, espiritual, cultural, político e econômico, submetendo governos e nações. Um dos instrumentos foi a idéia de liberação espalhada pela Teologia da Libertação engendrada pelos jesuítas.
Criaram os instrumentos de pesquisa, sem consideração aos valores éticos para atender aos interesses dos governantes controladores de todas as iniciativas. Alimentam bancos de dados liberando acesso a cientistas comportamentais, que resumem padrões, atualizam tendências e publicam a “opinião” ampliando os resultados no interesse do cliente governante.
No momento vivemos mais uma das etapas mundiais da agenda dos 300: o colapso das economias e o caos político global, para enfraquecer as nações e desmoralizar os trabalhadores com o desemprego em massa. A tal “marolinha” para quem entende do risco do bordado, como Daniel Estulin, está apenas começando.
A propaganda e manipulação da opinião pública, a agenda do Instituto Tavistock de Londres é revelada nos livros de David Icke e do Dr John Coleman, "A Hierarquia dos Conspiradores: A História do Comitê dos 300" e “A Nova Ordem Mundial”, fundamentados em documentos do Departamento de Estado Norte Americano, Fundações Ford e Rockfeller, Universidades, Institutos e Fundações espalhadas pelo mundo “civilizado”.
Quando a violência, as drogas, a pornografia se instala em nossas escolas e os responsáveis pela educação atribuem isso a “descuido do governo” com “ferramenta de incentivo à leitura e cultura nacional”, temos a medida do descuido, do desprezo, da preguiça, da histórica ausência de objetivos pátrios, da dormência dos nossos intelectuais colonizados.
Estamos diante da rendição incondicional dos que nos governam aos interesses dos “donos do mundo”. Qualquer cidadão medianamente alfabetizado, pode acessar e entender o verdadeiro papel das fundações e institutos que eles financiam. Então pode entender sobre baixos salários, altas taxas de juros, destruição da família, a degradação das igrejas e Teologia da Libertação, Foro de São Paulo, violência criminosa, drogas, subversão da educação, corrupção e esgoto mental das decisões políticas que conduzem ao estado totalitário.
Fonte: ViVerdeNovo