terça-feira, 14 de abril de 2009

Deputado Leva Artistas ao Samba nas ‘Asas’ da Viúva

.
A mesa da Câmara cogitara baixar regras para o uso da cota de passagens aéreas dos deputados. Pressionada, desistiu.
O recuo submete o contribuinte brasileiro a constrangimentos como o que foi pendurado nas manchetes nesta terça (14). Deve-se aos repórteres Lucio Lambranho, Edson Sardinha e Eduardo Militão a descoberta de que o deputado Fábio Faria (PMN-RN) exorbitou.
Lançou mão de fundos da Viúva para custear os bilhetes que permitiram a três artistas – Kayky Brito, Sthefany Brito e Sâmara Felippo — sambar em Natal.
Foram ao Carnaval fora de época da capital potiguar. Um evento no qual o deputado plantara um festejado camarote.
Há mais: Fábio Faria serviu-se da cota de passagens da Câmara para emitir bilhetes, entre 2007 e 2008, em nome de uma ex-namorada famosa: Adriane Galisteu.
Há pior: o deputado usufruiu das verbas do alheio para transportar, inclusive em vôos internacionais, a mãe e um amigo de Galisteu: Emma Galisteu e Cláudio Torelli.
Pilhado no contrapé, Fábio Faria alegou que Adriane Galisteu era sua “companheira” à época da emissão das passagens. O contribuinte em dia com seus impostos há de felicitar o deputado pelo apurado senso estético. Mas perguntará aos seus botões: E eu com isso?
Fábio Faria soltou uma nota. No texto, diz que uma de suas “prioridades” é, veja você, “atuar com transparência e probidade” em sua rotina parlamentar. Transferiu a responsabilidade pelo malfeito – coisa feia! —para os assessores: “A questão relativa à emissão de passagens aéreas é uma atribuição administrativa...” Uma atribuição “com a qual nunca lidei pessoalmente, deixando os detalhes dessa tarefa burocrática a cargo do corpo técnico de meu gabinete”.
Ouvido sobre a estripulia, o presidente da Câmara, Michel Temer, rendeu homenagens ao óbvio: "Não é o padrão normal. O que fazer? Bem, cabe ao deputado “responder por isso. Se achar que deve, e esse é um juízo dele, devolve esses recursos para a Câmara...” “...Se achar que não, apresenta as suas justificativas".
Fábio Faria achou que devia. Mas entendeu que sua dívida era parcial. Disse ter restituído à bolsa da Viúva, essa veneranda e indefesa senhora, a quantia de R$ 21.343,60.
Refere-se ao sobrevôo que Kayky Brito, Sthefany Brito e Sâmara Felippo fizeram sobre as arcas públicas. E quanto ao resto? A devolução da parte usada em benefício de Galisteu e Cia. não foi confirmada. Ela era “companheira” de Sua Excelência, ora bolas.
Temer disse que "possivelmente" devolveria à pauta da Mesa da Câmara o debate sobre a regulamentação das passagens.
Foi desmentido, porém, pelo terceiro-secretário Odair Cunha (PT-MG), a quem o problema está afeto: "Esse tema é encerrado na Mesa. Não vamos voltar a tratar desse assunto na Mesa Diretora".
Então, tá! Ficamos assim. Lavrem-se as atas. E aguarde-se pela divulgação do próximo descalabro.
Fonte: Blog do Josias de Souza
COMENTO: e há quem diga que existe uma "campanha" para desmoralizar o poder legislativo. Como se houvesse necessidade de "campanha" e os responsáveis pela desmoralização não fossem os próprios membros do "pudê". E haja imposto para sustentar esse bando de SEM-VERGONHAS. Tenho que repetir a cantilena: "povinho de merda que coloca esses canalhas onde se encontram!"
.

Nenhum comentário: