segunda-feira, 30 de março de 2009

A Lei de Brown (?) e a Síndrome de Estocolmo

.
Gen. Bda R1 Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Em artigo que abordava acerca de fatalidades e a possibilidade da ocorrência de acontecimentos agourentos sobre as pessoas, encontramos, como seria óbvio, a referência à "Lei de Murphy", personagem real ou fictício, que sentenciara e difundira algo como "quando existe a probabilidade de uma coisa dar errado, ela possivelmente ocorrerá", ou algo semelhante. Logo a seguir, no mesmo texto, nos deparamos com outro nome do qual não recordamos, mas que vamos chamar de Brown para facilitar, que seria o pai de outra lei de mesmo nome - a "Lei de Brown".
Estranhamos, pois pouco letrados naquela seara de azares e infortúnios, abestalhadamente ignorantes no assunto, nunca havíamos ouvido ou lido qualquer referência à citada lei, aparentemente, com alguma afinidade ou relação com a célebre "Lei de Murphy".
Curiosos, pesquisamos e indagamos sobre a "Lei de Brown". E, logo, obtivemos a resposta.
A "Lei de Brown", para os desligados e analfabetos como nós, é bastante simples; de acordo com os entendidos, Brown considera que o Murphy era um otimista.
Daí...
Ah, e a "Síndrome de Estocolmo"? Bom, esta trata da atração e da subserviência de alguém, que após permanecer sob o jugo de seu algoz, por algum tempo, passa, apesar de ser por ele seqüestrado, estuprado, torturado, vilipendiado, avacalhado, etc, a ter uma atração doentia pelo seu carrasco, e a tal simpatia, que nem o Freud explica, é tão forte que a vítima passa a seguir seu atormentador como um cordeirinho. Este foi o diagnóstico dos sábios estudiosos para justificar os atos de terrorismo, inclusive assaltos a bancos praticados há alguns anos atrás pela filha de um potentado do jornalismo americano, que sob os efeitos daquela "Síndrome" aliara-se às idéias, taras e maluquices de seu sequestrante.
Alguns poderão perguntar acerca dos propósitos deste pequeno e tresloucado texto. E nós, o que temos com isto? Nada, responderemos, apenas que, analisando os últimos desvairos no universo do Estamento Militar das FFAA, em especial do EB, culminando com a comemoração do próximo natalício do Ministro da Defesa (13 de abril) prevista no Forte de Copacabana, singela homenagem que promete ser um apoteótico ato de desagravo e de alentado prestígio ao ministro, uma pergunta ficou no ar (como sempre).
Quem ou o que pode explicar o fenômeno? A "Lei de Murphy"? A "Lei de Brown" (ou semelhante) ou, a "Síndrome de Estocolmo"? Ou todas? Ou, sem rodeios psicológicos, uma bela puxação, no mais servil e viscoso estilo nativo?

Brasília, DF, 27 de março de 2009
Gen. Bda R1 Valmir Fonseca Azevedo Pereira
O Boquiaberto
Fonte: Ternuma Regional Brasília
citado em Navegação Programada


Um comentário:

Clausewitz disse...

Bom dia, amigo. Concedi ao seu blog o Prêmio 31 de Março, em comemoração à data e em homenagem ao excelente trabalho por você realizado. Me honraria muito a aceitação do referido prêmio por você, que é um amante da democracia. Grande abraço e fique com Deus.