sexta-feira, 27 de março de 2009

Enfim ... uma Missão Estratégica

Gen Bda Valmir Fonseca Azevedo Pereira
Depois de destinar a bagatela de 88 milhões de reais (fora os futuros aditivos) para a reforma do Palácio do Planalto, quantia considerada estapafúrdia pelos entendidos, que alegam ser o valor tão elevado que denotaria estar aquela edificação em tão lastimável estado de conservação, que compensaria sua demolição e a construção de um novo Prédio.
Entretanto, visando promover uma miserável economia, provavelmente ridícula em relação ao montante dos 88 milhões da reforma, e ínfima diante dos vultosos e crescentes gastos do Executivo, o governo vai buscar no Exército a cobiçada e preparada mão-de-obra para realizar uma pré-faxina com vistas ao preparo antecipado do local para a execução da grande obra, isto é, desmontar armários, divisórias, faxinas em geral e outras nobres atividades, bem no contexto da grande Estratégia (da desmoralização) em andamento.
Evidentemente, para executar aquela espinhosa missão devem existir empresas especializadas, inclusive as encarregadas da mudança do "noço príncipe" para sua nova oficina. A Gato Preto, a Favorita e congêneres, certamente estão aptas à grande desmontagem. Contudo, nada melhor do que dar o que fazer ao bando de inúteis soldados do Exército Brasileiro.
E, meus, amigos, de tanto praticarmos a arte do "salamaleque", o traseiro ficou exposto e qualquer um passa a mão. Não sabemos de que mente brilhante saiu a maravilhosa/engenhosa sugestão, de que o Exército estava apto para tão nobre missão, e o pior, quem a endossou.
Não temos do que lamentar. Lembremo-nos de que no Morro da Providência, recentemente, o nosso Exército, bem armado de brocha e cal, pintava as escolas e moradias do curral eleitoral do Bispo Crivella.
Enquanto isso:
- Nas Escolas de Comando e Estado-Maior das três Forças Singulares, seus ilustres alunos dormem, e sonham, placidamente, embalados pelas retumbantes palavras de seu Ministro da Defesa, que em Aula Magna de abertura dos Cursos, provou-lhes que o seu futuro e o das Forças Armadas repousam no êxito da Estratégia Nacional de Defesa, e que de resto, o Plano significará apenas uma perda de poder na escala decisória... mas em compensação... quanto poder militar será agregado à capacidade das três Forças Singulares;
- Um soldado da PM do DF, ganha ou ganhará mais do que um Oficial do Exército.
Brasília, DF, 24 de março de 2009
.

Nenhum comentário: