quarta-feira, 4 de março de 2009

A Ditadura da Mentira

.
O Regime Militar de 64 é a muleta moral dos intelectuais — eles o acusam de todos os crimes para melhor acobertarem os próprios.
“A revolução é biófila, é criadora de vida, ainda que, para criá-la, seja obrigada a deter vidas que proíbem a vida.” 
Paulo Freire, em “Pedagogia do Oprimido”,
defendendo os fuzilamentos sumários comandados por Che Guevara e Fidel Castro 
por José Maria e Silva
Com quan­tas vi­das se faz uma di­ta­du­ra? Na be­lís­si­ma no­ve­la de John Boyne, “O Me­ni­no do Pi­ja­ma Lis­tra­do”, es­sa per­gun­ta é res­pon­di­da pe­lo es­pan­to de Bru­no, um me­ni­no de no­ve anos. Sem­pre que ele se sur­pre­en­de com o mun­do do Fú­ria à sua vol­ta, seus olhos se ar­re­ga­lam, sua bo­ca faz o for­ma­to de um O e seus bra­ços ca­em ao lon­go do cor­po. A obra, uma ele­gia à ino­cên­cia da vi­da que não sa­be da mor­te, de­ve­ria ser li­da — e me­di­ta­da — pe­los 3.949 in­te­lec­tu­ais que, até ago­ra, as­si­na­ram um ma­ni­fes­to con­tra a Fo­lha de S. Pau­lo, re­pu­di­an­do o edi­to­ri­al “Li­mi­tes a Chá­vez”, pu­bli­ca­do em 17 de fe­ve­rei­ro úl­ti­mo, no qual a di­ta­du­ra mi­li­tar bra­si­lei­ra é in­di­re­ta­men­te cha­ma­da de “di­ta­bran­da”.O Me­ni­no do Pi­ja­ma Lis­tra­do” (o li­vro, não vi o fil­me) de­mons­tra, me­ta­fo­ri­ca­men­te, a abis­sal di­fe­ren­ça en­tre um re­gi­me au­to­ri­tá­rio (cir­cun­scri­to à es­fe­ra po­lí­ti­ca) e um re­gi­me to­ta­li­tá­rio (que per­meia to­das as ins­tân­cias so­ci­ais).
As pri­mei­ras re­a­ções ao edi­to­ri­al da Fo­lha par­ti­ram da so­ci­ó­lo­ga Ma­ria Vic­tó­ria Be­ne­vi­des, pro­fes­so­ra da Fa­cul­da­de de Edu­ca­ção da USP, e do ad­vo­ga­do Fá­bio Kon­der Com­pa­ra­to, pro­fes­sor apo­sen­ta­do pe­la mes­ma ins­ti­tu­i­ção. Es­que­cen­do-se que a uni­ver­si­da­de que re­pre­sen­tam ar­ras­ta até ho­je um ca­dá­ver in­se­pul­to (o do es­tu­dan­te de me­di­ci­na mor­to num tro­te em 1999), Be­ne­vi­des e Com­pa­ra­to en­ce­na­ram uma in­dig­na­ção que ja­mais sen­ti­ram di­an­te das qua­se 100 mil mor­tes per­pe­tra­das pe­la Trin­da­de Cu­ba­na (Fi­del, Gue­va­ra e Ra­úl Cas­tro) — 17 mil na bo­ca dos fu­zis, em exe­cu­ções su­má­ri­as, e 80 mil nos den­tes dos tu­ba­rões, em fu­ga pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos. Co­mo a Fo­lha de S. Pau­lo cha­mou a aten­ção pa­ra es­sa dú­bia mo­ral de Be­ne­vi­des e Com­pa­ra­to, lem­bran­do que eles ja­mais pro­tes­ta­ram con­tra a di­ta­du­ra cu­ba­na, os dois in­to­cá­veis us­pi­a­nos se sen­ti­ram fe­ri­dos e, em res­pos­ta, fi­ze­ram o que os in­te­lec­tu­ais de es­quer­da mais sa­bem fa­zer quan­do são pe­gos sem ar­gu­men­tos — con­cla­ma­ram o re­ba­nho pa­ra um ma­ni­fes­to. 
O ine­fá­vel An­to­nio Can­di­do, de­ca­no dos in­te­lec­tu­ais de es­quer­da, en­ca­be­ça o re­pú­dio à Fo­lha, que tam­bém con­ta com fi­gu­ras co­mo o in­de­fec­tí­vel Emir Sa­der, in­te­lec­tu­al que, di­an­te de Che Gue­va­ra, cai de jo­e­lhos por ter­ra, pa­ra­fra­se­an­do a mis­sa: “Gue­va­ra, eu não sou dig­no de que en­treis em mi­nha mo­ra­da, mas di­zei uma só pa­la­vra e se­rei sal­vo”. Quem du­vi­da que Emir Sa­der é ca­paz des­sa ora­ção di­an­te do guer­ri­lhei­ro ar­gen­ti­no, leia o que ele es­cre­veu num ar­ti­go pu­bli­ca­do em Car­ta Mai­or: “Não vou gas­tar pa­la­vras inú­te­is pa­ra fa­lar do Che. Bas­ta re­pro­du­zir al­gu­mas das su­as fra­ses, que se­le­ci­o­nei pa­ra o li­vro 'Sem Per­der a Ter­nu­ra'”. Tam­bém di­an­te de Marx e Fi­del, Sa­der emu­de­ce: “O que fa­lar de Marx que per­ma­ne­ça à sua al­tu­ra? O que es­cre­ver so­bre Fi­del?”
Se o en­si­no su­pe­ri­or no Bra­sil, pú­bli­co e pri­va­do, não fos­se me­ro apa­re­lho ide­o­ló­gi­co da es­quer­da, Emir Sa­der ja­mais te­ria vi­ra­do dou­tor em ci­ên­cia po­lí­ti­ca pe­la USP e pro­fes­sor ti­tu­lar da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro, além de ori­en­ta­dor de tes­es e dis­ser­ta­ções. Sem dú­vi­da, es­ta­ria até ho­je ten­tan­do pas­sar no ves­ti­bu­lar e sen­do re­pro­va­do sem­pre, por não ter ar­gu­men­tos pa­ra re­tra­tar per­so­na­gens da his­tó­ria. Que uni­ver­si­da­de isen­ta acei­ta­ria um alu­no que, ao ou­vir fa­lar de Marx, Gue­va­ra e Fi­del, não fos­se ca­paz de ar­ti­cu­lar uma pa­la­vra e se com­por­tas­se fei­to os sil­ví­co­las do Anhan­gue­ra, em­bri­a­ga­do pe­lo ál­co­ol in­can­des­cen­te da re­vo­lu­ção? Já ima­gi­na­ram se um in­te­lec­tu­al de “di­rei­ta” dis­ses­se não ter pa­la­vras di­an­te de Karl Pop­per? Se­ria acu­sa­do de ig­no­ran­te e char­la­tão. Emir Sa­der é um pa­ra­dig­ma da uni­ver­si­da­de bra­si­lei­ra. Ele é a pro­va ca­bal de que, por trás da can­ti­le­na de “pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to”, o que há nos mes­tra­dos e dou­to­ra­dos do pa­ís é uma usi­na de pro­du­ção de mar­xis­mo e de­ri­va­dos. 
Es­tou ple­na­men­te con­vic­to de que a uni­ver­si­da­de bra­si­lei­ra não é so­lu­ção pa­ra na­da — ela é par­te es­sen­cial do pro­ble­ma. As prin­ci­pa­is ma­ze­las do Bra­sil são fo­men­ta­das ar­ti­fi­cial­men­te pe­la uni­ver­si­da­de, que, des­de a dé­ca­da de 50, na ân­sia de cri­ar um no­vo mun­do, es­pe­cia­li­zou-se em des­tru­ir o exis­ten­te. Is­so fi­ca mui­to cla­ro quan­do se es­tu­da a ori­gem so­ci­al dos guer­ri­lhei­ros que pe­ga­ram em ar­mas con­tra o re­gi­me mi­li­tar. Eles vi­e­ram, em sua mai­o­ria, das uni­ver­si­da­des. Não ti­nham o me­nor apoio po­pu­lar. Co­mo é que o po­vo po­dia apo­i­ar um ban­do de tres­lou­ca­dos que, de ar­ma em pu­nho, pre­ga­vam a der­ru­ba­da de uma di­ta­du­ra ima­gi­ná­ria? Por­que até o fi­nal de 1968, com a edi­ção do AI-5, só ha­via di­ta­du­ra na ima­gi­na­ção dos uni­ver­si­tá­rios. 
Foi exa­ta­men­te du­ran­te os pro­pa­la­dos “Anos de Chum­bo” que o Bra­sil vi­veu uma das mai­o­res efer­ves­cên­cias cul­tu­ra­is de sua his­tó­ria, com os fes­ti­vais, a im­pren­sa al­ter­na­ti­va, a Tro­pi­cá­lia, o Ci­ne­ma No­vo, Chi­co e Van­dré, Ca­e­ta­no e Gil. Ao con­trá­rio de Cu­ba, on­de Chi­co Bu­ar­que se­ria fu­zi­la­do ou con­de­na­do a 20 anos de pri­são se fa­las­se mal de Fi­del Cas­tro, no Bra­sil, o má­xi­mo que lhe acon­te­ceu foi ser ad­mo­es­ta­do pe­los mi­li­ta­res, o que lhe ga­ran­te até ho­je uma con­ta ban­cá­ria mai­or do que seu in­dis­cu­tí­vel ta­len­to. Num am­bi­en­te as­sim, exis­te al­gu­ma ra­zão plau­sí­vel pa­ra se pe­gar em ar­ma ou até pa­ra se per­pe­tra­rem aten­ta­dos ter­ro­ris­tas, co­mo fi­ze­ram mui­tos gru­pos guer­ri­lhei­ros? Ob­via­men­te, não. Em to­da guer­ra, os pri­mei­ros sa­cri­fi­ca­dos são os ino­cen­tes, por­tan­to, a op­ção pe­la lu­ta ar­ma­da pa­ra der­ru­bar um re­gi­me só se jus­ti­fi­ca quan­do es­se re­gi­me é san­gui­ná­rio e opres­si­vo, in­ci­din­do so­bre to­da a vi­da so­ci­al e não ape­nas so­bre a es­fe­ra po­lí­ti­ca. Era o que acon­te­cia na ter­ra do Me­ni­no do Pi­ja­ma Lis­tra­do, daí o Le­van­te do Be­co de Var­só­via, em 1943, quan­do ju­deus de­ses­pe­ra­dos — não ten­do se­não uma mor­te hor­ren­da co­mo al­ter­na­ti­va — pre­fe­ri­ram abre­vi­ar a vi­da nu­ma lu­ta su­i­ci­da con­tra as tro­pas na­zis­tas.
Mas es­se não era o ca­so do Bra­sil dos mi­li­ta­res. Aqui, os guer­ri­lhei­ros eram ho­mens e mu­lhe­res bem nas­ci­dos que, por pu­ro es­pí­ri­to de aven­tu­ra, jo­ga­vam fo­ra o fu­tu­ro co­mo mé­di­cos, en­ge­nhei­ros e ad­vo­ga­dos e se ar­vo­ra­ram a li­ber­ta­do­res da pá­tria, sem no­tar que a mai­o­ria es­ma­ga­do­ra da po­pu­la­ção — pro­va­vel­men­te mais de 90 por cen­to — não se sen­tia opri­mi­da nem pe­dia pa­ra ser li­ber­ta­da. Pe­lo con­trá­rio, o re­gi­me ins­ta­la­do em 1964 te­ve for­te apoio po­pu­lar e quan­do co­me­çou a ser re­pu­di­a­do nas ur­nas, em 1974, com a ex­pres­si­va vi­tó­ria do ve­lho MDB, es­se re­pú­dio era mais de ca­rá­ter eco­nô­mi­co que po­lí­ti­co. A in­fla­ção es­ta­va re­co­me­çan­do e os po­bres vo­ta­ram con­tra a “ca­res­tia”, que é co­mo cha­ma­vam a in­fla­ção na épo­ca.
Já es­cre­vi re­pe­ti­das ve­zes, mas a oca­si­ão me obri­ga a es­cre­ver de no­vo: quem acha que no Bra­sil hou­ve uma di­ta­du­ra san­gui­ná­ria, to­ta­li­tá­ria, nos mol­des na­zis­tas (é es­sa a vi­são que se tem dos mi­li­ta­res nas es­co­las) de­ve ler “Pe­da­go­gia do Opri­mi­do”, o pan­fle­to de au­to-aju­da mar­xis­ta do pe­da­go­go Pau­lo Frei­re. Es­se li­vro — que faz uma de­fe­sa ex­plí­ci­ta da lu­ta ar­ma­da e san­ti­fi­ca Che Gue­va­ra, Fi­del Cas­tro e Mao Tsé-tung — foi pu­bli­ca­do em ple­no ano de 1970, no Rio de Ja­nei­ro, pe­la Edi­to­ra Paz e Ter­ra, li­ga­da aos pa­dres da Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção. Em 1981, “Pe­da­go­gia do Opri­mi­do” já es­ta­va na 10ª edi­ção. Um ver­da­dei­ro best-sel­ler, le­van­do em con­ta que não é um li­vro co­mer­cial e o Bra­sil ti­nha mui­to me­nos es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­rios do que tem ho­je. Ora, se o re­gi­me mi­li­tar foi o pe­rí­o­do “mais som­brio da nos­sa his­tó­ria”, co­mo di­zem os in­te­lec­tu­ais de es­quer­da, co­mo se ex­pli­ca o su­ces­so edi­to­ri­al de uma obra que o com­ba­tia? Em Ha­va­na se­ria pos­sí­vel pu­bli­car um li­vro do gê­ne­ro con­tra Fi­del Cas­tro, o san­to far­da­do de Bu­ar­ques e Sá­de­res?
Mas nem é pre­ci­so re­cor­rer à di­ta­du­ra cu­ba­na pa­ra de­mons­trar que os in­te­lec­tu­ais bra­si­lei­ros men­tem des­ca­ra­da­men­te quan­do di­zem que o re­gi­me mi­li­tar de 64 foi uma di­ta­du­ra san­gui­ná­ria. A pró­pria his­tó­ria re­cen­te do Bra­sil — con­ta­da men­ti­ro­sa­men­te por eles — mos­tra a con­tra­di­ção em que in­cor­rem. É só com­pa­rar a “Re­vo­lu­ção de 30” com a “Di­ta­du­ra Mi­li­tar” (po­nho as ex­pres­sões en­tre as­pas pa­ra re­me­ter ao mo­do co­mo os dois pe­rí­o­dos cos­tu­mam ser cha­ma­dos nos li­vros de his­tó­ria). Qual a di­fe­ren­ça en­tre os dois pe­rí­o­dos? A ri­gor, ne­nhu­ma. Sal­vo o fa­to de que Ge­tú­lio Var­gas era um di­ta­dor ci­vil, ob­via­men­te apoi­a­do por mi­li­ta­res, por­que to­da di­ta­du­ra pre­ci­sa de ar­mas.
Sob o pon­to de vis­ta da re­pres­são, Var­gas foi mui­to pi­or do que os mi­li­ta­res. O seu pe­rí­o­do, sim, foi li­te­ral­men­te “anos de chum­bo”. En­quan­to os mi­li­ta­res pro­cu­ra­ram pre­ser­var as ins­ti­tu­i­ções, ga­ran­tin­do elei­ções le­gis­la­ti­vas e a in­de­pen­dên­cia do Ju­di­ci­á­rio, Var­gas cen­tra­li­zou to­dos os po­de­res em su­as mãos, des­ti­tu­in­do go­ver­na­do­res e no­me­an­do in­ter­ven­to­res em seu lu­gar. São Pau­lo se re­be­lou, na cha­ma­da Re­vo­lu­ção Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta de 32, e Var­gas bom­bar­de­ou o Es­ta­do — o epi­só­dio mais san­gren­to da his­tó­ria bra­si­lei­ra no sé­cu­lo pas­sa­do, ape­sar de ofus­ca­do pe­la pre­fe­rên­cia dos in­te­lec­tu­ais pe­la Guer­ri­lha do Ara­gu­aia. To­da­via, mes­mo quem não pe­ga­va em ar­mas, não fi­ca­va ile­so. O es­cri­tor Gra­ci­li­a­no Ra­mos, in­di­vi­dua­lis­ta na­to, in­ca­paz de ar­re­gi­men­tar qual­quer mo­vi­men­to po­lí­ti­co, aca­bou sen­do pre­so du­ran­te qua­se um ano, num pre­sí­dio co­mum, sem jul­ga­men­to. Seu úni­co cri­me: es­cre­ver o ro­man­ce “São Ber­nar­do”, en­tre ou­tros es­cri­tos ti­dos co­mo co­mu­nis­tas. Bem que me­re­cia, mas não te­ve in­de­ni­za­ção al­gu­ma pe­lo ar­bí­trio de que foi ví­ti­ma. Ao con­trá­rio dos fan­far­rões que pe­ga­ram em ar­mas con­tra os mi­li­ta­res, o Ve­lho Gra­ça ti­nha ver­go­nha na ca­ra. 
Se a san­gui­ná­ria di­ta­du­ra de Ge­tú­lio Var­gas me­re­ce, nos li­vros de his­tó­ria, o epí­te­to de “Re­vo­lu­ção de 30” (jus­ti­fi­ca­da­men­te, por si­nal), por que os go­ver­nos mi­li­ta­res não po­dem ser cha­ma­dos de “Re­vo­lu­ção de 64”, le­van­do em con­ta que tam­bém mu­da­ram a fa­ce do Bra­sil? Var­gas já era di­ta­dor des­de o iní­cio de seu go­ver­no, an­tes mes­mo da im­plan­ta­ção do Es­ta­do No­vo, em 1937, quan­do a tres­lou­ca­da In­ten­to­na Co­mu­nis­ta de 35 le­vou ao re­cru­des­ci­men­to do re­gi­me. Já os mi­li­ta­res só fo­ram ver­da­dei­ra­men­te di­ta­do­res a par­tir de 12 de de­zem­bro de 1968, quan­do edi­ta­ram o AI-5, obri­ga­dos pe­los atos de ter­ror da es­quer­da ar­ma­da, trei­na­da e fi­nan­cia­da por Fi­del Cas­tro e aben­ço­a­da por in­te­lec­tu­ais co­mo Pau­lo Frei­re. Mes­mo as­sim, foi uma di­ta­du­ra ci­rúr­gi­ca, cir­cun­scri­ta aos ini­mi­gos de­cla­ra­dos do re­gi­me. Tan­to que não che­gou a ma­tar nem 500 pes­so­as, co­mo re­co­nhe­cem os pró­prios au­to­res de es­quer­da nos ba­lan­ços que fi­ze­ram do pe­rí­o­do. As ví­ti­mas ino­cen­tes, em sua mai­o­ria, tom­ba­ram por te­rem si­do usa­das co­mo es­cu­do pe­los ad­ver­sá­rios do re­gi­me. 
Um dos ar­gu­men­tos de Ma­ria Vic­to­ria Be­ne­vi­des pa­ra cri­ti­car o edi­to­ri­al da Fo­lha é que não se me­de di­ta­du­ra com es­ta­tís­ti­cas: “Quan­do se tra­ta de vi­o­la­ção de di­rei­tos hu­ma­nos, a me­di­da é uma só: a dig­ni­da­de de ca­da um e de to­dos, sem com­pa­rar ´im­por­tân­cias´ e es­ta­tís­ti­cas”. Em ar­ti­go pu­bli­ca­do, na ter­ça-fei­ra, 24, o jor­na­lis­ta Fer­nan­do de Bar­ros e Sil­va, editor de “Brasil” da Folha, cor­ro­bo­ra a te­se da so­ci­ó­lo­ga: “Al­gu­mas ma­tam mais, ou­tras me­nos, mas to­da di­ta­du­ra é igual­men­te re­pug­nan­te. De­ve­mos ago­ra con­tar ca­dá­ve­res pa­ra me­dir ní­veis de afa­bi­li­da­de ou cri­ar al­gum ranking en­tre re­gi­mes bár­ba­ros?” Cla­ro que de­ve­mos — res­pon­do eu. To­do cri­me só se igua­la em re­pug­nân­cia pa­ra aque­le que é sua ví­ti­ma, mas pa­ra quem o ana­li­sa de fo­ra, es­pe­ci­al­men­te se es­se al­guém for um his­to­ri­a­dor, há uma enor­me di­fe­ren­ça en­tre ma­tar 100 pes­so­as ou ma­tar 100 mil. Se Hit­ler ti­ves­se ma­ta­do ape­nas uma cen­te­na de ju­deus, o na­zis­mo se­ria a en­car­na­ção do mal no ima­gi­ná­rio do mun­do con­tem­po­râ­neo? 
Só não vê que di­ta­du­ra tam­bém se me­de com es­ta­tís­ti­cas aque­les que têm me­do dos nú­me­ros. Ao ver que ne­nhu­ma di­ta­du­ra ca­pi­ta­lis­ta até ho­je con­se­guiu igua­lar os mais de 100 mi­lhões de mor­tos do co­mu­nis­mo no mun­do, a es­quer­da in­ven­tou es­se ar­gu­men­to fa­la­cio­so de que uma só mor­te per­pe­tra­da por uma di­ta­du­ra di­mi­nui to­da a hu­ma­ni­da­de, co­mo se o ho­mem-mas­sa da re­vo­lu­ção mar­xis­ta ti­ves­se lu­gar na po­e­sia me­ta­fí­si­ca de John Don­ne. Jus­ta­men­te a es­quer­da, que não faz con­ta do in­di­vi­duo de car­ne e os­so, só da mas­sa de ma­no­bra da re­vo­lu­ção. O re­gi­me mi­li­tar não ape­nas ma­tou mui­to me­nos gen­te do que ou­tros re­gi­mes au­to­ri­tá­rios — tam­bém foi ca­paz de cri­ar um mo­de­lo de di­ta­du­ra que de­ve­ria ser ex­por­ta­do. To­da di­ta­du­ra cos­tu­ma ser en­car­na­da por um ho­mem só, que se tor­na es­cra­vo do po­der que con­cen­tra, per­den­do in­clu­si­ve os frei­os mo­ra­is. Daí a pro­fu­são de di­ta­do­res sá­di­cos, pes­so­al­men­te se­den­tos de san­gue hu­ma­no.
No Bra­sil is­so não ocor­reu. Os mi­li­ta­res cri­a­ram uma es­pé­cie de di­ta­du­ra ins­ti­tu­ci­o­nal, em que o po­der não era en­car­na­do por ne­nhum ho­mem, mas pe­la ins­ti­tu­i­ção — as For­ças Ar­ma­das. Nem o prin­cí­pio fe­de­ra­ti­vo foi que­bra­do num pri­mei­ro mo­men­to, co­mo ocor­reu de ime­di­a­to com a di­ta­du­ra de Ge­tú­lio Var­gas. An­tes do re­cru­des­ci­men­to da lu­ta ar­ma­da, ain­da hou­ve elei­ção pa­ra go­ver­na­do­res e, mes­mo de­pois que elas fo­ram sus­pen­sas, o le­gis­la­ti­vo con­ti­nuou fun­cio­nan­do. Es­sa qua­se nor­ma­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal pro­pi­ciou até o sur­gi­men­to e for­ta­le­ci­men­to de uma opo­si­ção que ja­mais hou­ve­ra em to­da a his­tó­ria do Bra­sil — a opo­si­ção ins­ti­tu­ci­o­nal, cri­a­da e man­ti­da pe­las pró­pri­as en­tra­nhas do Es­ta­do. 
Boa par­te do cha­ma­do mo­vi­men­to so­ci­al — que ho­je ali­men­ta o PT e de­mais par­ti­dos de es­quer­da — co­me­çou a ser cons­tru­í­do gra­ças a es­se pro­ces­so de ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do pa­ís ges­ta­do pe­los mi­li­ta­res. Co­me­çan­do pe­las pró­pri­as uni­ver­si­da­des fe­de­ra­is — co­bras a quem os mi­li­ta­res de­ram asas. A Re­for­ma Uni­ver­si­tá­ria fei­ta pe­los mi­li­ta­res em 1968 pro­fis­si­o­na­li­zou o en­si­no su­pe­ri­or no pa­ís, ins­ti­tu­in­do an­ti­gas rei­vin­di­ca­ções da pró­pria co­mu­ni­da­de aca­dê­mi­ca, co­mo de­di­ca­ção ex­clu­si­va de do­cen­tes, in­tro­du­ção de ves­ti­bu­lar uni­fi­ca­do e im­plan­ta­ção de mes­tra­dos e dou­to­ra­dos. Va­len­do-se des­sa es­tru­tu­ra, os in­te­lec­tu­ais de es­quer­da se in­fil­tra­ram nas uni­ver­si­da­des e, a par­tir de­las, for­ja­ram em to­do o pa­ís um mo­vi­men­to so­ci­al de pro­ve­ta, des­ti­na­do não a re­sol­ver pro­ble­mas, mas a fo­men­tá-los. 
Um exem­plo são os qua­se 50 mil ho­mi­cí­di­os que ocor­rem anual­men­te no pa­ís. Eles de­cor­rem, em gran­de par­te, da ir­res­pon­sa­bi­li­da­de do­en­tia dos in­te­lec­tu­ais bra­si­lei­ros, que, à for­ça de pres­sio­nar o Con­gres­so Na­ci­o­nal, le­va­ram à com­ple­ta las­si­dão das leis pe­nais, ho­je ir­re­ver­sí­vel, já que a men­ta­li­da­de pu­e­ril da es­quer­da pa­re­ce ter con­ta­mi­na­do até os mi­nis­tros do Su­pre­mo. Não é a toa que o mi­nis­tro Gil­mar Men­des dei­xa en­tre­ver que, a qual­quer mo­men­to, po­de sol­tar nas ru­as 189 mil dos cer­ca de 440 mil pre­sos do pa­ís, mui­tos de­les ho­mi­ci­das e es­tu­pra­do­res. Aí, sim, te­re­mos um ver­da­dei­ro ge­no­cí­dio da po­pu­la­ção in­de­fe­sa, em par­te por­que a es­quer­da, com o ob­je­ti­vo de de­mo­ni­zar os mi­li­ta­res, trans­for­mou o fa­la­cio­so con­cei­to de di­rei­tos hu­ma­nos num dog­ma di­vi­no. Co­mo se vê, a cri­mi­na­li­za­ção pa­ra­nói­ca dos mi­li­ta­res só aten­de a um ob­je­ti­vo — es­con­der que os in­te­lec­tu­ais de es­quer­da for­ja­ram um pa­ís mui­to pi­or que o de­les.

Nenhum comentário: