quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Governo Investiga Falsos Desaparecidos no Chile

.
Quatro pessoas consideradas vítimas da ditadura de Pinochet geram constrangimento e chocam o país
É uma situação constrangedora para os defensores dos direitos humanos e para o próprio governo de centro-esquerda do Chile: a Justiça, a pedido do governo, deverá abrir investigação sobre a existência de quatro falsos desaparecidos durante a ditadura militar (1973-1990). Em alguns dos casos, os familiares dos falsos desaparecidos receberam indenizações do governo durante anos.
– Determinei a todas as autoridades responsáveis que concluam a revisão dos casos. Não se podem confundir as coisas. A violação dos direitos humanos é uma vergonha nacional, e não vamos permitir que seja posta em dúvida – disse a presidente Michelle Bachelet.
Michelle recordou que ela mesma foi torturada em um centro de detenção clandestino em 1974, depois da morte do seu pai, o militar Alberto Bachelet, detido após o golpe liderado pelo general Augusto Pinochet, no ano anterior.
Preocupada com a situação e com as conseqüências que ela pode gerar, a presidente pediu “grandeza” às pessoas para não tentar tirar proveito político do “sofrimento de muitas famílias que ainda esperam por verdade e justiça”.
O subsecretário do Interior, Patricio Rosende, disse que “as investigações devem ocorrer até as últimas conseqüências, mas – em discurso alinhado ao da presidente – sem que se esqueça que o mais grave é a existência de 1.180 desaparecidos.
Entidades de defesa dos direitos humanos se manifestaram favoráveis às investigações, sempre ressalvando que elas não podem respingar nos dramas humanos resultantes da ditadura chilena. Durante a ditadura militar, cerca de 3 mil chilenos foram mortos ou desapareceram. Outras 50 mil pessoas foram torturadas no país.
Fonte: Zero Hora - 30 Dez 08

Nenhum comentário: