domingo, 3 de agosto de 2008

Os Coletes Multicoloridos de Carlos Minc

Está explicado por que o atual ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc Baumfeld, costuma vestir coletes multicoloridos.
Como diria o esquartejador, “vamos por partes”.
Nos anos da matraca comunista, quando era comum terroristas brasileiros explodirem guaritas com militar dentro - caso do soldado do Exército Mário Kozel Filho, em São Paulo -, Carlos Minc pertenceu ao grupo terrorista Comando de Libertação Nacional (Colina). No dia 31 de março de 1969, Minc comemorou os cinco anos da Revolução assaltando o Banco Andrade Arnaud, no Rio de Janeiro, juntamente com Fausto Machado Freire e outros comparsas, ocasião em que foram afanados Cr$ 45 milhões (quarenta e cinco milhões de cruzeiros) e fuzilado o comerciante Manoel da Silva Dutra.
Em sua vida de assaltante, Minc era um sujeito muito ativo. No dia 18 de julho de 1969, 13 terroristas da VAR-Palmares, inclusive Minc, liderados por Juarez Guimarães Brito, todos disfarçados de policiais, assaltaram em Santa Tereza, no Rio, a mansão de Anna Benchimol Capriglione, amante de Adhemar de Barros. Na ocasião, o assalto rendeu a fortuna de US$ 2.864.000,00 (dois milhões e oitocentos e sessenta e quatro mil dólares), dos quais 1 milhão deve ter ido para o governo da Argélia, que apoiava na época os terroristas brasileiros. É por isso que Minc chegou a utilizar até três codinomes para perpetrar os atos que hoje não ousa confessar em público, nem a imprensa escreve a respeito: “Jair”, “José” e “Orlando”.
Nos anos de 1970 e 71, Carlos Minc foi fazer curso de escoteiro em Cuba, para aprimorar suas habilidades ambientalistas, como prática de tiro ao pato e fabricação de coquetéis de diversos paladares...
A propósito: Dilma Rousseff, atual guerrilheira-chefe da Casa Civil, que atendia pelo codinome de “Estela” na VAR-Palmares, também deve ter participado do assalto ao cofre de 200 Kg de Adhemar, pelo menos no planejamento da “grande ação”. É por isso que ela é chamada por Lula de “mãe do PAC”: Plano de Assalto ao Cofre, de Adhemar...
Hoje, Carlos Minc anda muito preocupado. E não é com o vazamento radioativo de Angra III, que começará a ser construído em setembro. Tem medo de ser metralhado por alguém que, nos anos sessenta, se sentiu prejudicado pelos assaltos que praticou e pela morte do comerciante. Daí sua mania de vestir coletes ambientalistas multicoloridos, todos devidamente fabricados à prova de bala.
Quem é o fabricante dos coletes? Ora, a Lubeca. Pergunte ao Greenhalgh se não é verdade... ou então à Erundina...
Félix Maier é escritor e publicou o livro 
"Egito - uma viagem ao berço de nossa civilização"
pela Editora Thesaurus, Brasília.

Fonte:  Midia Sem Mascara
.

Nenhum comentário: