quinta-feira, 31 de julho de 2008

Los Nexos de Lula con las FARC.

por Luis Alberto Villamarín Pulido
Estaban demorados el gobierno colombiano y los medios de comunicación para destapar la olla podrida de la relación del gobierno brasileño con las Farc, no solo por los reveladores correos electrónicos hallados en los Pc de Reyes, sino también por hechos concretos anteriores, como el aporte de varios millones de dólares de las Farc en apoyo del Partido de los Trabajadores (PT) durante la primera elección de Lula.
La diferencia entre Lula y los bocones de Venezuela, Ecuador y Nicaragua, es de estilo, mas no de pensamiento ni de propósitos. Y claro, que a una potencia económica como Brasil, con uno de los ejércitos mas grandes del mundo, no la puede manipular la dictadura cubana con la facilidad que dispone de sus cachorros en Quito, Caracas, Managua y La Paz. Pero, al mismo tiempo, Lula está de acuerdo con lo que piensan y hacen sus copartidarios vecinos, complotados con Piedad Córdoba y el Partido Comunista Colombiano.
El hecho que aparezcan tantos funcionarios públicos de la administración Lula en los correos de Reyes, y que en casi todos, Reyes insista en la importancia de las relaciones políticas de las Farc con el mandatario brasileño, es una clara señal que la situación es estructural y no una simple coyuntura. Sin duda, Lula (aunque a su manera), hace parte del complot contra Colombia. Y al final lo que cuentan son los resultados.
A eso se agrega que el terrorista Oliverio Medina no haya sido extraditado y que por el contrario se le haya dado estatus de refugiado en Brasil, además, que este estuviera ansioso a la espera del pasaporte para visitar a Reyes a Ecuador.
Al mismo tiempo la Coordinadora Continental Bolivariana (CCB), integrada por los partidos comunistas de todo el hemisferio y algunos representantes de Eta y del comunismo español, no han hecho otra cosa diferente que multiplicar el odio antiyanqui, la relación del gobierno colombiano con los Estados Unidos, la necesidad de dar protagonismo y liderazgo regional al Brasil, la construcción de la llamada Patria Grande y el reconocimiento político a las Farc.
Palabras mas, palabras menos, esos han sido los mismos planteamientos de Lula, que por medio de otras argucias y con la táctica de sacar la brasa con mano ajena, ha tolerado desde la supuesta distancia, que en sus narices se desarrolle todo este entramado, con la preconcebida disculpa, que si algún día las cosas se descubren, igual que el vergonzoso mandatario colombiano Ernesto Samper, dirá que todo fue a sus espaldas.
Es evidente que en este momento el presidente Uribe tiene la sartén por el mango, pues posee las pruebas que comprometen a varios gobiernos incluido el de Lula con los terroristas de las Farc. El reto inmediato es el empleo estratégico de esa misma información, no solo para derrotar a las Farc en el campo político, sino para salvar al hemisferio de la creciente oleada de “mamertos” en el poder y el riesgo de atraso estructural de la región, si cae en el proyecto totalitario comunista.
Que no vayamos a padecer la vergüenza cubana que después de medio siglo de dictadura ni pueden viajar fuera de su país, ni usar el Internet ni poseer un teléfono celular propio. Fuera de eso perder el derecho a la libre expresión, a la propiedad privada y a la libre locomoción.
Prueba de ello es que cuando Correa inició a desarrollar la teatral manifestación de dignidad de vitrina, ordenada la dictadura cubana a él y los demás mandaderos de Fidel Castro, hizo un periplo por Bolivia, Venezuela y Managua antes de ir a la Cumbre de Río. Es claro que dicho viaje no era solo para pedir solidaridad sino una serie de reuniones de enemigos de Colombia, con el fin de refinar la mentira y las patrañas con las que pretendían desviar la realidad y eludir la grave responsabilidad de sus alianzas con las Farc.
No se puede olvidar que Lula es uno de los fundadores del Foro de Sao Pablo, reunión prosubversiva que acogió a las Farc como movimiento político, y que el mandatario brasileño, nunca se ha retractado de esto. Tampoco se puede olvidar que Lula nunca ha querido aceptar que las Farc son terroristas, e inclusive ha dicho que lo hace así, para servir en una eventual intermediación en la paz, que nadie le ha solicitado. Llama la atención que los correos hallados en le PC de Reyes, refieren la insistencia del gobierno brasileño en el Acuerdo Humanitario, es decir todos están de acuerdo. No son meras coincidencias.
En otras palabras, es la misma tesis de Chávez y Correa, prevista para que los gobernantes “patria o muerte” con Fidel Castro, dieran estatus de beligerancia a las Farc, tan pronto Chávez se reuniera con Tirofijo para protocolizar la donación de 300 millones de dólares, mas unos barriles de petróleo, con el fin de financiar la etapa de la ofensiva final de las Farc contra Colombia. Inclusive, con esa misma misión fue que las Farc liberaron a Luis Eladio Pérez. Y esa misma ha sido la tesis de Piedad Córdoba en sus intervenciones ante auditorios en el exterior.
Lo cierto es que las relaciones de Lula Da Silva y su gobierno con las Farc, no pueden quedar como una revelación secundaria publicada por una revista de segundo orden y nada mas. Es necesario que el gobierno colombiano inicie sin más dilaciones la ofensiva diplomática internacional, para que el mundo entero tenga los elementos de juicio suficientes para entender la dimensión del complot contra Colombia y para buscar el apoyo en la lucha contra el terrorismo.
De manera paralela, es hora que la Fiscalia General de la Nación inicie las investigaciones formales contra todos los complotados, y los pida en extradición, pues como se supone, los países de origen no los van a entregar, entonces allí habría un fuerte argumento para llevar los casos a la Corte Penal Internacional. De las aguas tibias y las posiciones pusilánimes nunca se ha escrito nada. Lo que está en juego es la continuidad del sistema democrático en Colombia y la seguridad integral del hemisferio. Lula no solo es enemigo de Colombia. Es un solapado.
Los reveladores hallazgos de la conexión Lula-Farc, son un elemento clave y concreto para la reelección de Uribe y la continuidad de la lucha por lograr la estabilidad y la paz con justicia social en el país. Por ello cabe recordarle una frase de Trumman: “los gobiernos no se caen por malos sino por débiles”.
Que la debilidad humana no vaya a tocar al Presidente Uribe. Que desate la ofensiva diplomática y jurídica contra los complotados. Los abrazos de Lula, los variopintos cambios de actitud de Chávez y Correa, y, los bandazos de Ortega, no son otra cosa que el desarrollo de un libreto dirigido desde La Habana y cohonestado por los populistas franceses. Colombia está en la mira de los terroristas y sus corifeos. Y ese objetivo no se puede salir del foco.
Aquí no valen ni sirven para nada las posiciones de los consuetudinarios pacifistas acobardados que como el pavo real, amainan el plumaje al primer ruido. Tampoco valen los cantos de sirena de los camaleones, o las disculpas puñaleras de Lula. Todos los complotados son comunistas y parten del principio que hay una lucha de clases, en la cual Colombia es el enemigo al que tienen que derrotar para imponer la paz socialista. Lo demás es dar papaya…
Y un detalle mas: Ya es hora que el gobierno colombiano destape ante la luz pública las revelaciones que por obvias razones deben tener los PC de Reyes, con los lógicos nexos y dirección estratégica de todo el complot por parte de la dictadura cubana.
Coronel Luis Alberto Villamarín Pulido
Analista de asuntos estratégicos
Luis Alberto Villamarín Pulido, coronel retirado del Ejercito colombiano, miembro de la Academia de Historia del Huila, de la Academia Colombiana de Historia Militar, y de la Sociedad Bolivariana de Historia; analista de asuntos estrategicos, especialista en Defensa Nacional, contraterrorismo y operaciones de guerra sicológica. Autor de 15 obras relacionadas con el conflicto colombiano, la historia del pais y el terrorismo internacional, columnista de de diversos medios de circulación internacional.
COMENTO: Como disse na postagem abaixo, a imagem brasileira no exterior não é das melhores. É só ver que o autor do texto acima está muito bem informado sobre nosso (des)governo. Só nossa oposição política, preocupada em embolsar o máximo possível antes de ser defenestrada pela "revolução popular", se finge de morta e não toma providência alguma para por o país nos trilhos. Tá tudo dominado!!!

Mentirosos!!!!

.
Logo depois de o aspone MAG ter afirmado que a documentação sobre contatos das FARC com brasileiros é "irrelevante" e que os narcoguerrilheiros colombianos não têm atuação no Brasil, a revista Cambio nos mostra a reportagem abaixo. 
Me parece que "irrelevante" é a moral dos safados que dão apoio aos criminosos colombianos e seguidamente são pegos mentindo descaradamente. E nem ficam vermelhos (a não ser quando bebem, e como bebem!!).
Leiam a reportagem, comparem com as "declarações" e ações relatadas das nossas "autoridades" e estabeleçam a imagem que está sendo construída do Brasil no exterior. E ainda falam em cargo de importância na ONU.
.
Revista “Cambio” - Edición nº 787 - 31 de julio al 6 de agosto
En el atardecer del sábado 19 de julio, en la hacienda Hatogrande, la casa presidencial al norte de Bogotá, el presidente Álvaro Uribe, sonriente y desparpajado como pocas veces, no dudó en ofrecerle a su homólogo brasileño Luis Inácio 'Lula' Da Silva, una copa de aguardiente antioqueño para mitigar el frío que calaba los huesos.
La copa selló la primera parte de la intensa jornada que había empezado el viernes 18 y que terminaría al domingo en Leticia con la celebración del Día de la Independencia. Una celebración que, como nunca, congregó a artistas de la talla de Shakira y a la cual concurrió también el presidente peruano Alan García.
La agenda 'Lula' y Uribe, alrededor de acuerdos bilaterales, fue condimentada con mutuos elogios públicos. El presidente Uribe les agradeció a su homólogo brasileño y a su gobierno seis años de relaciones dinámicas y de confianza. Sin embargo, en una reunión privada que sostuvieron ante muy pocos testigos, Uribe le hizo a 'Lula' un breve resumen sobre una serie de archivos que las autoridades colombianas encontraron en los computadores de 'Raúl Reyes' que comprometía a ciudadanos y funcionarios de su gobierno con las FARC.
Contrario a lo que pasó con la información relacionada con servidores públicos del Gobierno de Rafael Correa y ciudadanos ecuatorianos, que el Gobierno hizo pública, en el caso de Brasil las instrucciones del Presidente fueron mantenerlas en reserva y manejarlas diplomáticamente para no deteriorar las relaciones comerciales y de cooperación con el gobierno de 'Lula'.
El Gobierno colombiano ha usado en forma selectiva los archivos del PC de 'Raúl Reyes'. Mientras que con Ecuador y Venezuela fueron utilizados para poner en entredicho a Chávez y a Correa, hostiles con Uribe, con Brasil los ha manejado por debajo de la mesa para no comprometer a Lula Da Silva, quien se ha mostrado más hábil y menos pugnaz con Colombia que sus otros colegas.
Aún así, algunos medios brasileños tenían información parcial sobre unos pocos archivos y por eso el 27 de julio consultaron al ministro de Defensa Juan Manuel Santos, quien en una entrevista al diario O Estado de São Paulo confirmó que el Gobierno colombiano había informado a 'Lula' sobre el tema. "Hay una serie de informaciones de conexiones que entregamos al Gobierno brasileño para que pueda actuar como considere más apropiado", dijo Santos, pero se abstuvo de comentar sobre si había o no políticos y funcionarios oficiales con nexos con el grupo que hoy encabeza 'Alfonso Cano'.
A las declaraciones del Ministro respondió en forma inmediata Marco Aurelio García, asesor de política internacional de Brasil, quien calificó como irrelevantes los datos suministrados por Colombia.
'El Cura Camilo'
No se sabe con exactitud cuánta y qué tan detallada fue la información que el presidente Uribe le dio al presidente 'Lula', pero el que podría llamarse "el dossier brasileño" tendría implicaciones más serias que las derivadas de la información relacionada con Venezuela y Ecuador.
CAMBIO conoció 85 correos electrónicos que, entre febrero de 1999 y febrero de 2008, circularon entre 'Tirofijo', 'Raúl Reyes', 'el Mono Jojoy', 'Oliverio Medina' - delegado de las FARC en Brasil - y dos hombres identificados como 'Hermes' y 'José Luis'.
A juzgar por el contenido de los mensajes, la presencia de las FARC en Brasil llegó hasta las más altas esferas del gobierno de Lula, el Partido de los Trabajadores, PT - el partido del Presidente -, la dirigencia política y la administración de Justicia. En ellos son mencionados cinco ministros, un procurador general, un asesor especial del Presidente, un viceministro, cinco diputados, un concejal y un juez superior.
El personaje central de los correos es 'Oliverio Medina', también conocido como 'El Cura Camilo', un sacerdote que ingresó a las FARC en 1983 y quien en su rápido ascenso llegó a ser secretario de 'Tirofijo'. Llegó a Brasil como delegado especial de las FARC en 1997 y estuvo en Colombia durante el proceso del Caguán, en el que hizo de jefe de prensa del grupo.
Tras la ruptura de las conversaciones en febrero de 2002, regresó a Brasil donde continuó su misión, y su influencia llegó hasta altos niveles de la administración de 'Lula', quien asumió el cargo en enero de 2003. Pero gracias a la presión de las autoridades colombianas, fue capturado en agosto de 2005. Colombia lo pidió en extradición, pero el Tribunal Supremo de Justicia de Brasil no solo la negó el 22 de marzo de 2007, sino que le reconoció a 'Medina' la condición de refugiado político.
Hasta el 'curubito'
La cárcel no fue obstáculo para que 'El cura Camilo' suspendiera su labor proselitista y propagandística. Prueba de ello son los numerosos correos que le envió a 'Reyes' y que muestran cómo logró llegar hasta la cúpula del gobierno brasileño.
Cuatro de los correos conocidos por CAMBIO se refieren al presidente 'Lula'. En uno de ellos, fechado el 17 de julio de 2004, 'Raúl Reyes' le dice a 'Tirofijo' que el gobierno de 'Lula' ayudaría con el acuerdo humanitario: "Los curas me enviaron carta pidiendo entrevista con ellos en Brasil - escribe 'Reyes' -. Según dicen hablaron con 'Lula' y este asumió el compromiso de ayudar en lo del acuerdo humanitario, intercediendo ante Uribe para efectuar la reunión en su país".
En el segundo, fechado el 25 de septiembre de 2006, 'Oliverio Medina' le cuenta a 'Reyes': "No le he dicho que hace algunos días 'Lula' llamó al ministro Pablo Vanucchi (ministro de la Secretaría Nacional de DD.HH.), indicándole que telefoneara al abogado Ulises Riedel y lo felicitara por el éxito jurídico en su brillante defensa a favor de mi refugio".
En el tercero, con fecha 23 de diciembre de 2006, 'Medina' le informa a 'Reyes' que "a 'Lula' y dos de sus asesores que nos han ayudado les mandé el afiche de aguinaldo". Los funcionarios son Silvino Heck, asesor especial del Presidente, y Gilberto Carvalho, jefe de Gabinete, que aparecen mencionados en un correo del 23 de febrero de 2007, también dirigido a 'Reyes': "Es posible que me visite un asesor especial de 'Lula' llamado Silvino Heck, que junto con Gilberto Carvalho ha sido otro que nos ha ayudado bastante".
Entre los 85 correos conocidos por CAMBIO, hay uno sin fecha, también enviado por 'Medina' a 'Reyes', que dice: "Estuve hablando con la diputada federal María José Maninha. Quedamos en que va a abrirme camino rumbo al Presidente vía Marco Aurelio García". García es secretario de Asuntos Internacionales.
No menos comprometedores son aquellos en los que aparecen mencionados algunos ministros. En uno de ellos, dirigido a 'Reyes' el 4 de junio de 2005 por un tal 'José Luis', figura el nombre del ministro de la Presidencia José Dirceo. "Llegó un joven de unos 30 años y se presentó como Breno Altman (dirigente del PT), me dijo que venía de parte del ministro de la Presidencia José Dirceo, que por motivos de seguridad ellos habían acordado que las relaciones no pasaran por la Secretaría de Relaciones Internacionales, sino que se hicieran directamente a través del ministro con la representación de Breno".
Al final del mensaje, 'José Luis' dice que el Gobierno brasileño y el PT le darán protección a 'Medina' mientras avanza el trámite de la extradición: "Le repliqué (sic) si podíamos estar tranquilos, que no lo iban a secuestrar o a deportar a Colombia y me contestó: 'Pueden estar tranquilos' ".
En un correo del 24 de junio de 2004, 'Reyes' le comenta a 'Medina' sobre la posible salida de Dirceo del Gabinete y le dice: "De ser cierto, esta medida en provecho de los detractores de 'Lula' puede afectar la incipiente apertura de las relaciones con nosotros".
Las FARC también intentaron llegar al despacho del ministro de Relaciones Exteriores, Celso Amorín. En un correo del 22 de febrero de 2004, 'José Luis' le escribe a 'Reyes': "Por intermedio del legendario líder del PT Plinio Arruda Sampaio, le llegamos a Celso Amorín, actual ministro de Relaciones Exteriores. Plinio nos mandó a decir con Albertao (concejal de Guarulhos) que el Ministro está dispuesto a recibirnos. Que tan pronto tenga un espacio en su agenda nos recibe en Brasilia".
El Procurador y el Juez
El embajador de las Farc hizo tan bien su oficio que también logró llegar hasta el procurador Luis Francisco De Souza, quien es mencionado en un extenso correo del 22 de agosto de 2004 que 'Medina' y 'José Luis' le enviaron a 'Reyes' y a 'Rodrigo Granda': "Él dio el siguiente consejo: andar con una máquina de fotografía y en lo posible con una grabadora para en caso de volver a parar un agente de información fotografiarlo y grabarlo, teniendo cuidado de no permitirle que agarre la cámara y la grabadora. Que en relación con lo sucedido hagamos una denuncia dirigida a él como Procurador para hacerla llegar al jefe de la Policía Federal y a la Agencia Brasileña de Información".
Algunos correos fueron escritos durante el proceso del Caguán e involucran a un prestigioso juez y a un alto ex oficial de las Fuerzas Armadas brasileñas. Por ejemplo, en uno fechado el 19 de abril de 2001, 'Mauricio Malverde' le informa a 'Reyes': "El juez Rui Portanova amigo nuestro, nos planteó que quiere ir a los campamentos a recibir instrucción y conocer la vida de las FARC. Costea su viaje". Portanova era entonces juez superior de la Corte Estatal de Rio Grande Do Sul, de Portoalegre.
Tres días antes, el 16 de abril, 'Medina' le relata a 'Reyes' un encuentro de Raimundo, Pedro Enrique y Celso Brand - al parecer enlaces de las FARC en Brasil - con el brigadier del Aire Iván Flota, ex jefe de la Fuerza Aérea de Brasil. "El hombre se interesó y dijo que le gustaría tener un encuentro personal con nosotros. Dijo que están comenzando a madurar la toma de la base de Alcántara por las fuerzas nacionalistas para impedir que Estados Unidos se quede con 600 kilómetros cuadrados que están bajo su dominio".
La pequeña muestra de los 85 correos electrónicos conocidos por CAMBIO revelan la importancia de Brasil en la agenda exterior de las FARC, manejada por 'Raúl Reyes', y no cabe duda de que 'El cura Camilo', para apuntalar la estrategia continental de la guerrilla, aprovechó la coyuntura creada por el arribo al poder de 'Lula' y su influyente Partido de los Trabajadores para llegar hasta las más altas esferas del Gobierno.
Y si bien es cierto que los correos son apenas indicios de un posible compromiso del gobierno de 'Lula' con las FARC, pues ninguno de los funcionarios envió mensajes personales a alguno de los miembros del grupo guerrillero, despiertan muchos interrogantes que exigen una respuesta del Gobierno brasileño.
LOS CONTACTOS DE LAS FARC
La expansión de las FARC en América Latina no solo incluyó a funcionarios de los gobiernos de Venezuela y Ecuador, sino que también comprometió a destacados dirigentes, políticos y altos miembros del Partido de los Trabajadores, al que pertenece el presidente Luis Inácio 'Lula' Da Silva. Además el grupo guerrillero mantuvo contactos con procuradores y jueces de Brasil.
- José Dirceu, ministro de la Presidencia.
- Roberto Amaral, ex ministro de Ciencia.
- Erika Kokay, diputada.
- Gilberto Carvalho, jefe de Gabinete.
- Celso Amorín, canciller.
- Marco A. García, asesor Asuntos Internacionales.
- Perly Cipriano, subsecretario Promoción DD.HH.
- Paulo Vanucci, ministro Secretaría de DD.HH.
- Selvino Heck, asesor presidencial.
SECUESTRO DE NOVARTIS
20 de septiembre de 2001
De: Jorge Briceño 'Mono Jojoy'
A: Secretariado
Edwin, viejo conocido comandante de La Policarpo junto a Julián, se robaron medio millón de dólares por una parte y 700 millones de pesos por otra, del secuestro de Novartis. Se tiraron el negocio que estaba planeado para 10 millones de verdes. Para completar, se armó un lío con México, Suiza y Brasil porque no entregábamos a los tipos. Hablé con representantes de esos países y acordamos que nos daban medio millón de dólares más y nosotros poníamos en libertad a los dos señores. Ordené soltarlos y hasta ahora no han pagado. Si se hacen los pesados pienso asustarlos".
INVITACIÓN AL CAMPAMENTO
12 de junio de 2005
De: 'Raúl Reyes'
A: 'José Luis'
"Al vocero de Brasil hay que invitarlo a que nos visite aquí y explicarle que en función de construir definiciones se hace imprescindible su conversación con el Secretariado. Decirle que tenemos formas seguras de recibirlo en nuestros campamento sin que sea registrado por las autoridades colombianas".
APOYO FINANCIERO
6 de julio de 2005
De: 'Cura Camilo'
A: 'Raúl Reyes'
"Solidaridad recibida durante el primer semestre de 2005: diputado Paulo Tadeu US$ 833,33. Sindicato de la Empresa de Energía de Brasilia US$ 666,66. Corriente Comunista Luis Carlos Prestes US$766,66. Señora Solene Bomtempo US$ 250,00. Concejal Leopoldo Paulino US$ 433,33. Sindicato de la Empresa de Acueducto de Brasilia US$ 33,33".
EXTRADICIÓN DE CAMILO'
17 de septiembre de 2005
De: 'Raúl Reyes'
A: 'Roque'
"Bastante significativa la solidaridad de los partidos comunistas de Brasil y de otros países con la lucha de las FARC en el empeño de impedir la extradición del 'cura' (Francisco Medina, 'Cura Medina'). Existe en Brasil un importante grupo de amigos solidarios con nosotros en los que hay sindicalistas, maestros, congresistas, ministros, abogados y personalidades ocupados de presionar la libertad inmediata de Camilo".
EL EMPLEO
17 de enero de 2007
De: 'Cura Camilo'
A: 'Raúl Reyes'
"El lunes 15 inició 'la Mona' su empleo nuevo y para asegurarla o cerrarle el paso a la derecha por si en algún momento les da por molestar, entonces la dejaron en la Secretaría de Pesca desempeñándose en lo que aquí llaman un cargo de confianza ligado a la Presidencia de la República".
GIRA POR BRASIL
15 de febrero de 2007
De: 'Cura Camilo'
A: 'Raúl Reyes'
Los responsables de organizar la gira del camarada Carlos Lozano son: Albertao y Pietro Lora en Guarulhos, São Pablo y Río. En Brasilia: Paulo Tadeo, Erica Kokay. Para la actividad de Río se apoyarán en el ex diputado Federal Milton Temer, del Partido Socialismo y Libertad. Y en Florianópolis un diputado estadual que ellos ayudaron y está dispuesto a ayudar".
ENCUENTRO CON MINISTROS
23 de febrero de 2007
De: 'Cura Camilo'
A: 'Raúl Reyes'
"La defensora pública le está organizando a 'la Mona' un encuentro con el Ministro, el Viceministro y el principal asesor de la Secretaría de Derechos Humanos vinculada a la Presidencia, en su orden Paulo Vannuchi, Perly Cipriano y Dalma de Abreu Dalasi, que es un prestigioso jurista al que el ministro relator le tiene pavor. El viceministro Perly hablará con el presidente de la Comisión de Derechos Humanos de la Cámara Federal. Serán visitadas entidades importantes que nos apoyaron, comenzando por la Comisión Brasileña de Justicia y Paz".
ACTUAR CON CAUTELA
14 de abril de 2007
De: 'Cura Camilo'
A: 'Raúl Reyes'
"Debo actuar con cautela para no facilitar al enemigo argumentos que lleven a cuestionar el refugio. En ese sentido, el haber conseguido el traslado de 'la Mona' y 'la Timbica' para la capital del país, ha sido importante. Ese bajo perfil lo mantendré hasta la neutralización. Obtenida esta, tendré pasaporte brasileño y lo primero que debo pensar es en irlos a ver".
Fonte:  Revista Cambio
COMENTO: O aspone internacional da Presidência da República voltou a dizer que os dados citados na reportagem acima são "irrelevantes". Mais um pouco, ele dirá que são criações espontâneas do computador do comunista morto no Equador, ou quem sabe, eram invenções do tal Reyes, "que teria recebido 20 milhões de dólares da direita para incriminar o governo "destepaíz".

terça-feira, 29 de julho de 2008

Vergonha na Cara.

O depoimento da imagem foi dado em outubro de 2002, pelo sujeitinho da foto, em apoio à eleição de Lula. Hoje, o mesmo sujeitinho, sem que um só general se manifestasse, criticou de forma desrespeitosa e ofensiva o Exército Brasileiro e o Decreto que permite a presença militar em áreas indígenas.
Afirmou o petista, que é consultor jurídico do CIMI, Conselho Indigenista Missionário, da Igreja Católica: "A Constituição diz que só índios podem ocupar terras indígenas, a não ser que o Congresso aprove uma legislação especial - o que não fez".
De acordo com ele, há um histórico de problemas com os militares nas terras indígenas, o que inclui manobras repentinas, estupros e conflitos culturais. "Se o Exército não é capaz de operar no Rio de Janeiro, imagine o que vai fazer numa reserva indígena", disse ele, referindo-se à suspeita de que militares entregaram três jovens a traficantes de um morro rival em julho.
Com tantos casos de pedofilia na Igreja Católica, bem que os bispos e padres do CIMI poderiam orientar o seu advogado a ter mais cuidado com a língua. Quanto ao Exército, percamos a esperança: parece que não tem um só general com vergonha na cara para defender a instituição de tamanha ofensa.

Mamatas do MST - Falso Assentado Garante Vaga

por José Maria Tomazela
Com base em uma declaração do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de que fazia parte do Assentamento Dom Orione, em Betim (MG), o auxiliar administrativo Júlio César Santos, de 31 anos, conseguiu se matricular em um curso de agronomia da Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), criado especialmente para assentados. Logo em seguida passou a receber uma bolsa de R$ 1.300 do Pronera para despesas de alojamento e transporte.
A declaração que lhe facilitou a entrada na escola, porém, era falsa. Ele nunca foi assentado e se beneficiou porque trabalhava como auxiliar administrativo na sede da direção regional do Movimento dos Sem-Terra (MST).
Pelas normas do Pronera, só podem entrar nos cursos especiais assentados ou seus dependentes. Santos decidiu denunciar as irregularidades depois de se indispor com o MST.
Ele não concordou quando líderes do movimento criaram uma associação para administrar os recursos repassados pelo programa. Segundo suas informações, a prestação de contas passou a incluir despesas com funcionários inexistentes.
Santos assegura que foi excluído do curso porque se insurgiu contra essa situação. Isso o levou a denunciar toda a história ao Ministério Público Estadual, que suspendeu o curso.
Reinaldo Norberto, técnico da Unemat, confirmou a suspensão do curso, mas disse que foi causada pela rejeição de contas pelo Pronera. Por outro lado, o ex-presidente da Associação dos Educandos, Edmar Almeida, disse que Santos foi afastado depois de se constatar que não era assentado. Em Belo Horizonte, o Incra informou que a declaração para a escola é feita com base em informação do próprio assentado.
Em Iperó (SP), o Instituto Chico Mendes, que administra unidades federais de conservação, vetou o uso das instalações da Floresta Nacional de Ipanema (Flona) para um curso de Agronomia para assentados.
Fonte:  Estadão:
COMENTO: Este foi um caso que apareceu. Quantos "cumpanhêros" mais estarão sendo beneficiados fraudulentamente por "bolsas" e "direitos sociais" como este??
.

Governo Enterra de Vez Biodiesel Feito só com Mamona

.
Para a ANP, combustível é muito viscoso e pode danificar os motores; oleaginosa foi carro-chefe no programa do biodiesel.
Mas Minas e Energia diz que processo de fabricação consegue trazer ao óleo de mamona a viscosidade exigida pela norma da ANP
Humberto Medina - BRASÍLIA
Desde março não é mais tecnicamente possível produzir biodiesel usando apenas óleo de mamona. A oleaginosa, ex-vedete do programa, não reúne as condições técnicas definidas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo) para composição do biocombustível.
Em 20 de março, o Diário Oficial da União publicou a resolução nº 7 da ANP. No documento, foram estabelecidos vários critérios físicos e químicos para o biodiesel. Pelos parâmetros, o biodiesel produzido apenas com mamona é muito viscoso e, por isso, não pode ser usado diretamente nos motores, pois poderia danificá-los.
A mamona sempre foi o carro-chefe do governo na propaganda do programa do biodiesel. Em vários discursos, o presidente Lula se referiu ao plantio da oleaginosa como uma alternativa para agricultores pobres do Nordeste. "É com a mesma motivação que estamos lançando o Programa do Biodiesel, que vai utilizar a mamona e a palma para produção de combustível, criando mais uma alternativa para pequenos agricultores do semi-árido nordestino", disse o presidente, em cerimônia realizada em Maceió (AL), em novembro de 2004.
Para a ANP, a mamona é a única oleaginosa que não se enquadra nos parâmetros técnicos do biocombustível. Com todas as demais - soja, pinhão manso, algodão etc. -, é possível produzir biodiesel sem precisar de mistura.
Com a edição da resolução da ANP, para usar óleo de mamona na produção do biodiesel, é preciso misturá-lo com o óleo de algum outro vegetal ou outro material gorduroso.
Os números oficiais de produção, contabilizados pela ANP, indicam que a mamona, que já tinha uma participação pequena, desapareceu da lista de insumos do biodiesel justamente em março.
Em fevereiro, a mamona ainda respondia por 0,17% da produção de biodiesel, contra 68,41% da soja. Em março, a mamona já tinha desaparecido do mapa de produção. O dado mais atual, de maio, indica que a soja ampliou sua participação para 77,35% entre os insumos usados para a produção de biodiesel. Os números confirmam que o programa é, na verdade, um filão a ser explorado pelos produtores de soja.
Concentração
De acordo com Arnoldo de Campos, coordenador do programa no Ministério do Desenvolvimento Agrário, a concentração nas matérias-primas para produção de biodiesel é uma preocupação do governo. "Há uma concentração de matérias-primas desde o início do programa. Isso não é bom. Está na ordem do dia diversificar."
O objetivo da diversificação é tornar o preço do biodiesel menos sensível à cotação internacional da soja, commodity de alta volatilidade. Em julho, o preço do diesel normal (que leva 3% de biodiesel) subiu 2,1% na bomba dos postos. Os distribuidores atribuíram a alta ao uso do biocombustível, que, por sua vez, aumentou por conta da alta do preço da soja.
Ainda segundo Campos, o fato de a mamona não estar sendo usada para a produção de biodiesel não é um problema para o produtor. "Existe a demanda da indústria química."
Ele explicou que, quando o governo vislumbrou na mamona uma fonte de matéria-prima para o biodiesel, o quilo da oleaginosa valia aproximadamente R$ 0,25. Na última safra, esse preço já estava variando entre R$ 1,00 e R$ 1,20.
Minas e Energia discorda
Ao contrário da ANP e do Ministério do Desenvolvimento Agrário, o Ministério de Minas e Energia informou, por meio de sua assessoria, que é possível produzir biodiesel usando 100% óleo de mamona.
Para o ministério, o nível de viscosidade exigido pela portaria da ANP é "mais difícil" de ser atingido com a mamona pura, mas "o processo industrial de fabricação de biodiesel consegue trazer ao óleo de mamona a viscosidade exigida pela resolução".
Fonte: Folha.Uol
COMENTO: Mais um engodo do Cachaceiro Maldito que vem a público, mas sem grande alarde.

domingo, 27 de julho de 2008

"Fui o Bode Expiatório da Revolução", diz General Newton Cruz

.
Newton Cruz, 83 anos, entrou para a história recente do país como um ícone da ditadura militar.
por Carlos Wagner
Os anos arquearam o corpo. Mas ficaram ilesos à passagem do tempo o tom forte e vibrante da voz e o uso de um vocabulário sem meias palavras na defesa de sua opinião e do seu currículo. Assim é o general da reserva Newton Cruz, 83 anos. Ele entrou para a história recente do país como um ícone da ditadura militar. O militar concedeu uma entrevista a Zero Hora no último dia 10 em seu apartamento no Rio de Janeiro. Confira a íntegra da conversa:
Zero Hora
— Onde o senhor estava em 31 de março de 1964?
Newton Cruz
— No dia da revolução era major instrutor da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, na Praia Vermelha, no Rio de Janeiro. Andava pelos corredores com os alunos quando ouvi os gritos, no telefone, de um dos comandantes, o general (João) Bina Machado. Falava com o Castello Branco (general Humberto Castello Branco, o primeiro presidente da ditadura militar). Lembro bem das palavras de Bina Machado: "Aquele maluco já saiu de Minas e agora o que vamos fazer?" O maluco era o general Olímpio Mourão Filho, que havia partido de Minas Gerais com as tropas. Foi assim que entrei na revolução.

ZH — O senhor não se envolveu com o processo de conspiração contra o governo de João Goulart, que foi fartamente documentado?
Newton Cruz Militar não conspira. Faz insurreição. Não fui convidado para ser revolucionário. Fui por não concordar com a quebra da hierarquia militar que havia se instalado no país. Logo depois de ouvir o diálogo ao telefone, eu e outros companheiros fomos para o Forte de Copacabana, onde havia servido como tenente. Entramos pela porta dos fundos, no Arpoador, para não passar na frente do Quartel-general do Exército. A nossa missão era convencer a guarnição e o comandante do Forte, tenente-coronel Arídio Brasil, a aderir ao movimento.
ZH — Foi difícil convencê-los?
Newton Cruz — Foi demorado. O Arídio estava esperando um telefonema do seu amigo general Amaury Kruel, na época comandante do II Exército, em São Paulo, para decidir. Enquanto um monte de oficiais ficava na sala dele aguardando a ligação, eu saí pelos corredores do Forte, que fervilhava de soldados e graduados, explicando o que estava acontecendo. Não queríamos que as tropas do Copacabana saíssem para as ruas. Mas que ficassem no quartel, assumissem as posições de defesa da guarnição e se declarassem revoltosas. O Arídio recebeu o telefonema que esperava e nossa missão foi cumprida.
ZH — No governo do sucessor de Castello Branco, o general Arthur da Costa e Silva (presidente de 1967 a 1969), houve a edição do AI-5, que suspendeu garantias constitucionais. Os historiadores descrevem como um golpe militar dentro da própria revolução. De que lado o senhor ficou?
Newton Cruz — Do lado do Exército. Na caserna havia dois grupos. Os castelistas defendiam a posição do Castello Branco, que era arrumar a casa e voltar para o quartel o mais rápido possível. E os costistas, alinhados com general Costa e Silva, que, em nome da caça aos comunistas, defendiam o endurecimento do regime. Eu concordava com o pensamento dos castelistas. Fomos derrotados por uma decisão do Castello Branco.
ZH — Que decisão?
Newton Cruz — Ele não concordava que Costa e Silva fosse o seu sucessor. Não pela pessoa, que era um ótimo camarada de farda. Mas pelo grupo que o rodeava, muitos deles sedentos de vingança contra os comunistas. Castello tinha prestígio suficiente para fazer o seu sucessor. Pela lógica, deveria ser o general Ernesto Geisel (presidente de 1974 a 1979). Ele permitiu que Costa e Silva o sucedesse porque temia que um enfrentamento causasse um racha no Exército, o que poderia culminar com um enfrentamento militar. Foi um erro que nos manteve fora dos quartéis por 21 anos.
ZH — Não era ponto comum entre castelistas e costistas a caça aos comunistas?
Newton Cruz — Posso afirmar com toda convicção que não. Os comunistas eram um pequeno grupo que se aproveitou da situação para se infiltrar entre a juventude rebelde. O problema era o pessoal ligado ao regime populista que havíamos derrubado. Este estava em toda a parte e tinha força de mobilização. A história provou que estávamos certos.
ZH — Os historiadores o colocam como um dos generais linha-dura do regime. No decorrer do regime, o senhor aderiu aos costistas?
Newton Cruz — Não aderi. Quem diz que eu era linha-dura é a imprensa. Sempre fiz as minhas ações dentro da lei vigente e muitas delas foram públicas.
ZH — Mas boa parte da sua carreira não foi pública. O senhor era do Serviço Nacional de Informações (SNI), um órgão que trabalhou nas sombras coletando e analisando informes para o regime O SNI chegou a ser um governo paralelo dentro da revolução?
Newton Cruz — Não. O SNI nunca teve tanto poder. Vou contar uma história. Como eu, o Figueiredo era instrutor da Escola do Estado-Maior em 1964. E logo depois ele foi para o Serviço Federal de Informações e Contra-Informações (SFICI), que funcionava em cima da Casa da Borracha, no Rio de Janeiro. Posteriormente, o SFICI foi absorvido pelo SNI. Fui convocado por ele para ir ajudá-lo, sem ser consultado. Nunca esqueço a cena. Cheguei para me apresentar no serviço. Figueiredo estava sentando em uma cadeira atrás de uma mesa com várias pilhas de papéis. E ao seu redor havia uma dezena de pessoas, todas falando ao mesmo tempo. Em uma sala ao lado, uma senhora, a dona Fausta, era a responsável por receber a papelada, carimbar e passar para o Figueiredo. Perguntei a ele o que deveria fazer. Respondeu que era para ficar por ali. Sugeri para ficar ajudando a dona Fausta a selecionar os documentos. Ele achou uma ótima idéia. E foi assim: entrei no serviço de informação no lugar da dona Fausta.
ZH — Nos anos seguintes, Figueiredo foi presidente e o senhor continuou trabalhando com ele. São duas pessoas com gênio forte. Tiveram muitas brigas?
Newton Cruz — Nada significativo. Nos tornamos amigos no trabalho. Mas jamais participei da intimidade dele. Ele me chamava de Nini, apelido que ganhei do meu irmão mais velho, o Ney, que cursou a Academia Militar comigo. Mas só o Figueiredo me chamava de Nini. Para os outros camaradas de farda eu era Newton, que é meu nome de guerra. A imprensa é que inventou o nome general Newton Cruz.
ZH — Em 1981, quando o senhor era chefe da Agência Central do SNI, aconteceu o episódio do Riocentro. Foi apurado que o então capitão Wilson Dias Machado e o sargento Guilherme Pereira do Rosário foram colocar uma bomba caseira onde ocorria um show musical. A artefato explodiu no colo do sargento e o matou. Em que momento o episódio chegou ao seu conhecimento?
Newton Cruz — Tomei conhecimento quando já estava em execução. E não tive como evitar. Na época, não havia telefone celular. Na noite de 30 de abril, o responsável pelo SNI no Rio me ligou e falou comigo. Disse que havia estado em uma reunião no DOI-CODI com um pessoal que estava se organizando para jogar uma bomba no Riocentro para marcar posição. Não pretendiam machucar ninguém. Mas queriam marcar posição contra os comunistas. Disse que havia conseguido convencê-los a colocar o explosivo em outro lugar. Alertou que poderia haver dissidentes no grupo. Perguntei se tinha como detê-los. Respondeu que não, que a coisa já estava em andamento.
ZH — Na época se comentou que havia um grupo de radicais no DOI-CODI organizado para abortar a abertura política que o presidente Figueiredo conduzia. Seria uma espécie de reprise de 1968. O Inquérito Policial Militar que apurou o caso fez esta relação?
Newton Cruz — Não há tal relação. Foi um ato isolado de pessoas que queriam marcar posição contra os comunistas. Eles agiram errado.
ZH — Durante uma boa parte do regime militar o senhor esteve ligado direta ou indiretamente ao SNI. Em São Paulo, houve a Operação Bandeirante, do DOI-CODI, que resultou em torturas e mortes fartamente documentadas. No Rio Grande do Sul, houve o caso do seqüestro dos uruguaios Universindo Diaz e Lílian Celiberti pelos agentes da Operação Condor. O que o senhor sabe sobre esses episódios?
Newton Cruz — Lembra 1968? Ali, os linha-dura se aglutinaram e se organizaram nos órgãos regionais de coleta de informações, que então passaram a atuar como operadores na luta contra os opositores do regime. Houve muitos excessos, porque agiram igualzinho àqueles a quem perseguiam. As coisas só chegavam ao governo central quando aconteciam grandes rolos. Lembro do Geisel tendo uma crise de raiva quando sabia das barbaridades. Ele retomou o controle da situação quando demitiu (em janeiro de 1976) o comandante do II Exército, general Ednardo D'Avila Melo (havia morrido nas dependências do DOI-CODI paulista o operário Manoel Fiel Filho e, posteriormente, o jornalista Vladimir Herzog). A demissão mostrou à linha-dura quem mandava.
ZH —Mas o senhor nunca viu ou leu relatórios oficiais sobre as torturas?
Newton Cruz — Nunca vi ninguém sendo torturado. Fora do papel circulavam muitas histórias. Uma delas falava que havia uma cobra grande criada em cativeiro em uma unidade militar no Rio. E que era só ameaçar colocar a pessoa com o animal que ela falava o que sabia e o que não sabia.
ZH — O senhor foi julgado e inocentado em 1992 pelo assassinato do jornalista Alexandre von Baumgarten, da mulher dele, Janette, e do barqueiro Manoel Pires. O episódio aconteceu em outubro de 1982. No ano seguinte, veio a público um dossiê preparado por Baumgarten pouco antes de morrer em que ele dizia que seria assassinado a mando do SNI. Só não sabia se a ordem seria dada pelo senhor ou pelo general Octávio Medeiros, então chefe do SNI. Esse episódio alterou o rumo da sua carreira?
Newton Cruz — Indiretamente, sim. Baumgarten era um anticomunista pilantra, tinha inimigos por todos os cantos. A principal testemunha do caso foi um bailarino (Cláudio Werner Polila). O dossiê havia sido feito a quatro mãos, uma delas era as de um coronel canalha que demiti do SNI, já morreu e não vale a pena pronunciar o nome. Nada foi comprovado. Mas eu precisei ir aos jornais falar sobre a minha inocência. Daí, virei ícone do regime militar. Era o general truculento, assassino, linha-dura e sei lá mais o quê.
ZH — Para defender-se, o senhor estudou o caso. E também tinha todo o SNI a seu dispor para investigar. Conseguiu descobrir quem matou o jornalista, a mulher e o barqueiro?
Newton CruzA verdade eu sei. Mas soube sob garantia de profissional. Nem que tivesse sido condenado poderia dizer. Não falei nem para o meu advogado.
ZH — O caso Baumgarten tem a ver com a sua transferência do SNI para o Comando Militar do Planalto, em Brasília, em 1983?
Newton — Tudo a ver. O general Medeiros falou com Figueiredo que era hora de eu voltar para a tropa, porque estava muito em evidência. Era tudo o eu que queria. Voltei para fazer manobras militares. Tudo corria às mil maravilhas. Até que o Figueiredo lembrou de mim novamente, ao declarar medidas de emergência. Nem sabia direito o que era, precisei olhar na Constituição. Lá dizia que podia fazer tudo para cumprir a missão.
ZH — Reportagens de jornais da época mostram que o senhor no Comando Militar do Planalto agrediu um jornalista, bateu de chicote nos automóveis que faziam uma carreata, entre outras coisas. Como foi?
Newton — Isso é o que a imprensa escreveu. Muito coisa baseada em relatos inverídicos. Houve duas decretações de medidas de emergência, a primeira em outubro de 1983, para votação pelos deputados de alterações na lei salarial. E a segunda em abril de 1984, para a votação da emenda constitucional das eleições diretas para presidente. O episódio do jornalista aconteceu na primeira. Estava dando uma entrevista a dezenas de repórteres, um deles (Honório Dantas, repórter da Rádio Planalto) insistia em enfiar um gravador na minha cara. Parei a entrevista várias vezes e pedia que tirasse aquele troço dali. Além de não ter atendido, ele ainda fez um desaforo, desligando o gravador na minha cara e saindo da entrevista. Fui atrás dele, o peguei pelo braço e o fiz pedir desculpas perante a TV. O fato foi explorado politicamente. (segundo Dantas, que falou com ZH, o general lhe deu uma chave de braço e o forçou a pedir desculpas).
ZH — E como foi o episódio em que o senhor bateu nos automóveis durante uma carreata em Brasília?
Newton Cruz — Foi no dia da votação da Emenda das Diretas. Eu estava na minha sala e, lá embaixo, uma barulheira. Era uma carreata de automóveis com luzes acesas e buzinando. Desci e ordenei ao sargento da guarda que atravessasse um ônibus no meio da rua para impedir a passagem da carreata. Daí eu, sozinho, desarmado, iniciei uma caminhada no meio dos veículos. No primeiro, cheguei e bati no capô com o meu bastão de comando, que não tem nada a ver com chicote, e disse para o motorista o seguinte: vocês vieram me desmoralizar perante a minha tropa. Estou aqui. O cara parou de buzinar, apagou os faróis e ficou quieto. Notei que os veículos ao seu redor haviam feito a mesma coisa. Então, fui caminhando até o final da carreata batendo no capô dos carros. No final era aquele silêncio de cemitério. Voltei e ordenei ao sargento que deixasse sair dali um veículo de cada vez e anotasse as placas. Horas depois veio o sargento com as anotações. Mandei atirar fora.
ZH — Houve prisões nesse episódio?
Newton Cruz — Depois dos carros veio uma passeata. Daí, mandei os policiais militares do choque dissolverem a manifestação com bombas de gás lacrimogêneo. No meio da nuvem de gás, vindo em minha direção, saiu um grupo de pessoas de braços dados gritando "o povo unido jamais será vencido". Dei voz de prisão para dois líderes dizendo o seguinte: "que povo unido nada, vocês estão presos". Os conduzi até a guarda do QG. Assim que esfriei a cabeça pensei o que iria fazer com aqueles dois. Se ficasse com eles ali, eu causaria uma dor de cabeça a mais para o Figueiredo. Então, dei um sermão neles na frente dos soldados e os mandei embora. Ninguém ficou preso.
ZH — Essa sua exposição acabou lhe custando a sua quarta estrela, a promoção a general-de-exército?
Newton Cruz Eu fui traído na reunião do Alto Comando onde estava sendo decidido quem iria ganhar a quarta estrela. Fui traído por colegas que sempre elogiaram as minhas ações. Alguns deles tinham feito elogios poucos dias antes do encontro. Por que mudaram de opinião? Para se posicionar bem na Nova República que estava sendo implantada. Ninguém queria ficar perto de um general facínora. Fui o bode expiatório da revolução.
ZH — Depois o senhor tentou a carreira política?
Newton Cruz — Sim. Eu precisava de um palanque para me defender. Na eleição para governador do Rio de Janeiro, em 1994, fiquei em terceiro lugar.
ZH — Como candidato o senhor se envolveu em briga com militantes de partidos adversários. Como foi?
Newton Cruz — Em parte é verdade. Havia saído de um debate em uma emissora de TV e o meu carro foi cercado por militantes do PT. Não o do Lula. O outro, dos loucos. Cercaram o veículo e ficaram ali gritando que eu era truculento, facínora, assassino, ditador e coisas do gênero. Não dei bola. Sempre ouvi tal coisa. Mas aí um dos cara ofendeu a minha mãe. Aí, não. A mãe é sagrada. Saí de dentro do carro e fui para cima dele. Daí, falaram que continuava truculento.
Fonte: Zero Hora - 26 Jul 08

sábado, 26 de julho de 2008

Roraima e o Brasil

por Denis Lerrer Rosenfield
Engana-se quem pensa que os problemas desse estado do extremo Norte do país digam respeito somente aos que lá vivem. Olhando de longe, poderíamos dizer: não é conosco! Midiaticamente, porém, eles terminaram ganhando relevo graças à ação de proprietários rurais, índios, militares e governantes, que se insurgiram contra a política indigenista tal como está sendo conduzida pelo governo por considerá-la prejudicial ao interesse nacional.
Sob a ótica do politicamente correto, é como se lá se travasse uma luta entre "arrozeiros" e "índios", onde os primeiros seriam os "maus" e os segundo, os "bons", num roteiro de péssima qualidade que relembra os filmes de faroeste de terceira classe. A especificidade, no caso, é que os "bons" seriam vítimas de fazendeiros perversos, necessitando a intervenção de outros "mocinhos", a força policial federal. Entre outras coisas, desatenta-se para o fato de que os índios se encontram nos dois lados, sendo em sua maior parte aculturados, de diferentes etnias (macuxis e jaricunas, entre outras), falando português. Vinte por cento da população de Boa Vista é constituída de índios. A população indígena total, dependendo das estimativas, varia entre 14.500 e 19.000 pessoas.
Roraima é um estado pobre, embora rico do ponto de vista de seus recursos naturais. A sua pobreza é tributária da ausência de regularização fundiária das terras existentes, resultado de anos de inércia deste governo e dos anteriores, que foram incapazes de titular essas terras. No processo de transição do então território de Roraima ao novo estado, a questão de se são terras da União ou do estado não foi até hoje resolvida, criando uma insegurança jurídica, nociva para os que querem trabalhar. O contribuinte paga anualmente mais de 1 bilhão de dólares para que esse estado possa funcionar.
Para se ter uma idéia dos números, com a demarcação da Reserva Raposa Serra do Sol, o estado de Roraima se inviabilizaria enquanto entidade federativa. Terras indígenas constituiriam 46,74% de toda a área estadual. Se acrescentarmos as unidades de conservação estadual, federal e outras, chegaremos ao total de 74,60% de áreas destinadas. O que está sendo pleiteado pelos "arrozeiros", pelos "bandidos", seria uma área de apenas 4,76% da área demarcada, algo insignificante, mas extremamente importante do ponto de vista econômico-social. Trata-se de uma ilha de prosperidade, um pedaço de Primeiro Mundo, numa terra que clama por progresso.
Manter simplesmente o status quo, como pretendem as ONGs nacionais e internacionais, assim como um setor governamental, equivaleria a colocar sérios entraves ao seu desenvolvimento, como se o seu destino fosse tornar-se um zoológico internacional, pago pelos pagadores de impostos, para ser visitado por turistas. A questão, no entanto, reside nos administradores do zoológico, que poderá ser dito decisivo para a Humanidade no seu conjunto, em cujo caso os seus gestores poderiam ser uma entidade ou ONG internacional. Não é casual que a questão indígena brasileira tenha se tornado uma questão propriamente internacional, como se a soberania brasileira fosse relativa, como a propriedade dos empreendedores rurais.
Exemplo disso foi a visita feita por dois índios da região a vários países europeus, com todo o apoio da Igreja Católica. Em nome de seu direito à "autodeterminação" fizeram esse périplo, sendo recebidos pelo Papa, na culminação dessa busca pelo reconhecimento. Reconhecimento de quê? Reconhecimento de uma "nação" que passaria a se determinar autonomamente. Ressalte-se que essa "missão" fala por si mesma, pois exibe, pelo seu comportamento, o que almejam no futuro: ser membros de uma entidade que se relacionaria, enquanto nação, com outras nações.
Como poderia um ente federativo, chamado estado, sobreviver se praticamente 50% do seu território seria constituído por nações indígenas? O estado de Roraima seria constituído progressivamente de distintas nações, que, mesmo para a exploração do subsolo, rico em minérios, deveriam ser previamente consultadas. E se disserem não, o que aconteceria? Mandaria o governo a Polícia Federal para desalojá-los como fez contra os proprietários, os trabalhadores, os brancos e os índios, numa demonstração ostensiva e truculenta de força?
Denis Lerrer Rosenfield é professor de filosofia
 na UFRGS.
Fonte:  O Globo, 21 Jul 2008
.

Um País de Tolos?

por Flávio Tavares
Nada tem mais força e poder do que a força e o poder da propaganda.ela induz, conduz e produz para bem ou para mal, como quiser. Ou faz da mentira uma verdade absoluta. Por exemplo: os delegados da Polícia Federal, mais o procurador e o juiz que investigam o trio Dantas-Nahas-Pitta, acreditaram que era sincero e verdadeiro o tal de "Brasil, um país de todos", da propaganda oficial, e se lançaram contra o crime, sem entender que, entre nós, só se desvenda crime que se pode apagar.
Se a equipe do delegado Protógenes Queiroz deixasse em paz os computadores de Daniel Dantas e Naji Nahas, talvez não assistíssemos à ridícula discussão sobre um suposto "Estado policial" (a Polícia Federal) a conspurcar o "Estado de direito" (encarnado no ministro Gilmar Mendes, do STF). É difícil, porém, apagar o conteúdo do disco rígido dos computadores com centenas (ou milhares) de nomes e cifras. Como dispersos espermatozoides em busca de um óvulo, basta cruzá-los e aparecerá como foram fecundados, quem se acasalou com quem. E os segredos virão à luz.
É isso que atemoriza?
Ao contrário do que apregoam alguns noviços defensores do "Estado de direito", a apuração estrita de fraudes pela Polícia Federal não significa conflito com o Judiciário. O juiz Fausto de Sanctis, que mandou prender os implicados, não é membro do poder judicial? E o procurador da República, que os denunciou, não é braço auxiliar, como a polícia?
O conflito estabeleceu-se na Justiça em si: ou o veloz habeas corpus concedido pelo presidente do Supremo não estorvou a apuração profunda de tudo, como o próprio juiz De Sanctis o advertiu antes?
Já nos habituamos a erros de governo, fraudes de políticos, safadezas de empresários, chantagens de sindicalistas. Conhecemos a barafunda em que o escândalo de hoje suplanta o de ontem e o de amanhã fará esquecer todos eles.
Mas o afastamento dos delegados da Polícia Federal é revoltante. Na indignação da revolta, dói ver o correto e íntegro Tarso Genro, de idéias profundas e excelente formação (opiniões do autor do texto, não compartilhadas pelo blog), vir a público para dizer que o delegado Protógenes saía do inquérito "por vontade própria".
A difusão de trechos gravados da reunião em que a Polícia Federal substituiu os delegados, mostra que Protógenes e sua equipe saíam contra a vontade. Ele próprio frisa que sempre pretendeu "permanecer até o final". E quando lhe impõem prazo rápido para concluir, nota-se que aceita em obediência ao chefe, sem euforia.
Os delegados foram afastados após encontro do presidente da República com Gilmar Mendes, mais os ministros da Justiça e da Defesa. Como Nelson Jobim nada teve a ver com prisões e habeas corpus, é de se crer que ali estivesse na defesa de Gilmar, seu assessor quando ministro no governo de Fernando Henrique e, depois, seu "afilhado" na nomeação para o Supremo. Assim, já que Lula da Silva adora metáforas de futebol, Tarso entrou à reunião perdendo de 2 a 1 para Gilmar, após as disputas verbais entre ambos...
Ou que outro poder fez Tarso Genro despir-se do que é para entrar na voragem de embaraçar a aplicação da justiça como se fosse defendê-la?
Dizia Charles Chaplin: "O pecado é um mistério tão grande quanto a virtude".
*****
Extraditado de Mônaco (sede universal da jogatina), Salvatore Cacciola parecia astro de cinema ao desembarcar no Rio. Um habeas corpus o protegia de ser tratado como preso, mesmo sentenciado a 13 anos de prisão. Em entrevista, se disse "confiante": os outros condenados "já estão livres e, logo, eu próprio serei solto, pois nem sequer sou foragido da Justiça". Pouco depois, Joaquim Barbosa, ministro do STF, opinou em alta velocidade: "Ele está tecnicamente certo!".
Afinal, o que somos? Aquele "Brasil, um país de todos", da propaganda? Ou um país de lodos? Ou um país de tolos?
Fonte:  Zero Hora - Porto Alegre, 20 Jul 08
COMENTO: Respeito as opiniões do autor mas faço questão de destacar que não concordo com os adjetivos dirigidos a Tarso Genro. O episódio da operação policial como um todo me parece ter tido, por princípio, "detonar um peixe graúdo tucano" (Daniel Dantas) em uma investigação que saiu do controle da petralhada e acabou pegando "gente da casa".

Revanchistas Promovem “Debate” Para Rasgar a Lei de Anistia e Incriminar Militares

por Jorge Serrão
Os militares brasileiros que se preparem para conhecer o inferno político aqui na terra, na semana entre 31 de agosto e 7 de setembro. Além do anúncio oficial do novo plano nacional de Defesa, que vai promover a maior reengenharia das Forças Armadas desde a década de 30, os revanchistas do desgoverno prometem oficializar a inquisição pós-64. Ao contrário de outros tempos, tudo indica que as Legiões assistirão, bestificadas, a tudo devidamente planejado para enquadrar os militares.
O desgoverno discutirá oficialmente a possibilidade de punição civil e penal para militares acusados de torturar e matar os opositores do regime durante a chamada dita-dura. Curiosamente, a mesma punição não está prevista e nem será posta em discussão para aqueles civis que assassinaram, seqüestraram, torturaram, assaltaram bancos ou praticaram furtos em quartéis. Os “justiçadores” da República Sindicalista só falam em punir os militares eternamente transformados em bandidos e inimigos históricos. Pretendem jogar a lei de anistia no lixo, fazendo-a valer, convenientemente, apenas para o atual lado dos vencedores da história.
O seminário com o longuíssimo e pedante título "Limites e possibilidades para a responsabilização jurídica dos agentes violadores de direitos humanos durante estado de exceção no Brasil", marcado para o próximo dia 31, no Ministério da Justiça, promoverá um “debate” cujo resultado é previamente conhecido. Os debatedores vão receitar a flexibilização da Lei de Anistia, recomendando punições civis para os militares que atuaram na repressão ideológica a guerrilhas que queriam promover o comunismo e socialismo no Brasil através da luta armada.
O debate de mentirinha é uma iniciativa da Comissão de Anistia, que julga casos de reparação econômica para perseguidos políticos. O ministro da Justiça, Tarso Genro, que já defendeu publicamente punição para torturadores, participará do encontro. O ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, também pró-julgamento dos militares, vai estar na mesa central da discussão. O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, que comanda o “bolsa-dita-dura”, apenas comenta que o assunto é polêmico, mas afirma que é dever do governo e de sua comissão debaterem o tema.
Democraticamente, bem no estilo do assembleísmo em vigor, nenhum militar que atuou naquele período foi “convidado para o debate”. A comissão de Anistia alega, cinicamente, que a presença de algum desses oficiais transformaria o debate numa discussão política. Da inquisição revanchista apenas participarão juristas afinados com a tese do desgoverno, familiares de desaparecidos políticos, advogados, professores e ex-perseguidos políticos.
Fonte:  Alerta Total

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Confirmadas Ligações Entre Traficantes e Movimentos Sociais Terroristas

por Jorge Serrão
Está tudo dominado pelo Governo Ideológico do Crime Organizado. Um relatório de 3 de julho da Justiça do Mato Grosso do Sul atesta que o traficante Luiz Fernando da Costa “continua a comandar sua organização criminosa de dentro dos presídios federais, desejando transformá-los em escritório do crime”. A Procuradoria Geral da Colômbia confirmou a existência de um "acordo terrorista" entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC, velha parceira de Beira-Mar) e o grupo separatista basco ETA para cometer atentados e seqüestros.
Atualmente na penitenciária federal de segurança máxima de Campo Grande (MS), o próximo plano de Fernandinho Beira-Mar é mandar assassinar a promotora Márcia Velasco, que atua no processo contra a quadrilha de Beira-Mar desde 1999, no Rio de Janeiro, e eliminar o juiz criminal da 3ª Tribunal Regional Federal do Mato Grosso do Sul e corregedor do presídio federal de Campo Grande, Odilon de Oliveira. Os parceiros de terrorismo podem ser “terceirizados” para cumprir tal missão.
No Rio de Janeiro, o delegado Allan Turnowski, diretor das delegacias especializadas da Polícia Civil, tornou pública uma relação criminosa (já sabida pelos órgãos de inteligência) entre o Movimento dos Sem Terra e o comércio ilegal de drogas na favela da Rocinha – a maior da América Latina. O chefe do tráfico local, Antônio Bonfim Lopes, conhecido como "Nem", formou uma parceria com o famoso José Rainha Júnior – um dos líderes do MST (que agora afirma não tê-lo mais como dirigente).
O "intercâmbio cultural" promovido por Rainha levou quadros da "liderança" da Rocinha para conhecer o trabalho “revolucionário” de campo que é feito no Pontal de Paranapanema. Segundo a Polícia, com o know-how adquirido, Rainha e Nem articularam a candidatura a vereador do presidente licenciado da associação de moradores, Claudinho da Academia (PSDC, que faz parte da coligação que apóia o candidato Marcelo Crivella a Prefeito do Rio).
Na estratégia bem ao estilo autoritário-ideológica, Claudinho se apresentou como “candidato único” na favela. Agora, corre o risco de ter a candidatura cassada, porque se tornou, para a Polícia, o principal suspeito de desfrutar do curral eleitoral mantido pelo tráfico na Rocinha. A atividade criminosa é gerenciada por lá pelo Comando Vermelho (o CV) de Beira-Mar, que tem uma parceria operacional com as FARC colombianas. Em troca de peças de carros roubados no Rio de Janeiro, os guerrilheiros colombianos fornecem cocaína aos brasileiros. Leia o artigo de Jorge Antônio Barros, no Globo on Line: O pacto político entre o tráfico e parte do MST na Rocinha
Tal parceria só é atrapalhada por uma guerra em curso. As duas principais organizações criminosas do País, Comando Vermelho (Rio) e Primeiro Comando da Capital (São Paulo), que até fevereiro deste ano conviveram pacificamente, resolveram se enfrentar na fronteira de Ponta Porã (MS) com Pedro Juan Caballero, Paraguai. Já teria rendido 30 mortos para ambos os lados a disputa pelo domínio da fronteira por onde passam drogas e armas.
A batalha é de Fernandinho Beira-Mar, líder do CV, contra Nilton Cezar Antunes Veron, o Cezinha, chefão do PCC. A facção criminosa Primeiro Comando da Capital – que já terceirizou membros do ETA e das FARC no famoso atentado que parou São Paulo - já possui ramificações em diversos presídios do País e que hoje comanda a grande onda de seqüestros no sul de Minas Gerais.

O Conceito
A interligação entre todos esses fatos só confirma a precisão do conceito de Governo Ideológico do Crime Organizado.
Trata-se da associação, com fins delitivos, entre as classes política e empresarial, terroristas e criminosos de toda espécie, e membros dos três poderes, para usurpar o poder do Estado e praticar a corrupção, a violência e o terror.
O fundamental é constatar que o crime só se organiza ideologicamente com a conivência dos poderes do Estado.

Escritório do crime
O relatório da Justiça de Mato Grosso do Sul revela que Beira-Mar dá as ordens por intermédio de cartas ou de recados transmitidos a visitantes.
O juiz Odilon de Oliveira tentou reduzir as visitas de Beira-Mar de semanais para quinzenais, restringiu-as ao parlatório (cabine com vidro e microfone), e zerou sua correspondência. Mas o Tribunal Regional Federal cassou a decisão de Odilon que impediria Beira-Mar de tocar seus negócios de dentro da cadeia.
Assim, o traficante recebe e envia por mês cerca de 15 cartas invioláveis – através das quais são emitidas suas ordens.

Poder econômico
O poder exercido por Beira-Mar - condenado por tráfico internacional de drogas, armas e munição e lavagem de dinheiro – é sobretudo econômico.
Prova disso é a Fazenda Campanaí, que pertence ao traficante, situada na cidade paraguaia de Capitan Bado, a 18,8 quilômetros de Coronel Sapucaia (MS).
Na propriedade, existem 4 mil cabeças de gado, oito mil tilápias, pista de avião com um quilômetro de extensão, uma sede confortável e piscina.
A 2ª Vara da Justiça Federal no Paraná, onde corre o processo da Operação Fênix, enviou pedido de seqüestro da propriedade ao judiciário paraguaio, mas o pedido ainda não foi respondido.

Liga da (In)Justiça
Investigação da Polícia Federal aponta que a munição que abastece os paióis do grupo paramilitar ‘Liga da Justiça’, na Zona Oeste do Rio, é produto do tráfico internacional de armas que domina a fronteira do Brasil com o Paraguai. No primeiro semestre de 2007, a Polícia Rodoviária Federal apreendeu, no Paraná, uma Kombi repleta de munição que seguiria para o Rio de Janeiro.
Informada sobre a apreensão, a PF iniciou apuração para descobrir o destino da munição.
Durante as investigações, os agentes descobriram que o carregamento seria entregue aos irmãos Natalino (deputado estadual pelo DEM) e Jerônimo Guimarães, o Jerominho (vereador do PMDB), que estão presos.

Defensores do crime
O Ministério Público Estadual de São Paulo desarticulou o "departamento jurídico" do Primeiro Comando da Capital (PCC).
Foram presas seis pessoas, incluindo as advogadas Alessandra Moller e Patrícia Galindo de Godoy, apontadas como assessoras diretas da cúpula da facção.
As duas agiam a mando de Orlando Mota Júnior, o Macarrão, que nos últimos anos passou a exercer o papel de "diretor jurídico" da organização, apesar de estar preso na Penitenciária de Presidente Venceslau 2, no interior paulista.

Orientação jurídica
Escutas telefônicas feitas com autorização da Justiça revelaram que a cúpula do PCC contava com 20 advogados.
Os defensores estavam divididos em dois grupos - o da capital paulista, subordinado a Patrícia, e o do interior do Estado, coordenado por Alessandra.
A última palavra cabia a Macarrão, que repassava as ordens por meio de centrais telefônicas clandestinas.
Durante diversas teleconferências interceptadas pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de São José dos Campos, as duas aparecem orientando seus clientes sobre como evitar grampos telefônicos e como ocultar o dinheiro do tráfico.

Reestruturação
A operação Prima Donna foi desencadeada após quase seis meses de investigações sobre um plano de reestruturação operacional do PCC.
Um dos pilares dessa reformulação era o fortalecimento do "departamento jurídico".
O objetivo da facção era aprimorar o recrutamento de pessoas para a defesa do PCC, que havia sido descentralizado desde a ida de Marco Camacho, o Marcola, líder máximo da organização, para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

Terrorismo transnacional
O Procurador Geral da Colômbia, Mario Iguarán, confirma um “acordo terrorista” entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e o grupo separatista basco ETA para cometer atentados e seqüestros.
Tudo foi confirmado depois análise do material encontrado em computadores achados num acampamento que as Forças Armadas colombianas bombardearam, em território equatoriano, no dia 1º de março, quando morreu o número dois das FARC, Raúl Reyes.
"Detectou-se a presença de membros do ETA em acampamentos das FARC e que o ETA realizaria atentados e seqüestros a pedido desse grupo subversivo. Foram encontradas nestes computadores 1.400 correspondências com servidores na Espanha. Não só o conteúdo nos computadores, também há informação das autoridades espanholas que nos permitem falar desse pacto terrorista".
O procurador da Audiência Nacional da Espanha, Javier Zaragoza, que negocia um novo acordo de cooperação judicial com a Colômbia, confirmou que “o dinheiro das FARC produto do narcotráfico, se move através da Europa”.
Fonte:  Alerta Total